Fale Conosco!

Nome: E-mail: Telefone Cidade: Mensagem:

25/04/2019 - Previsão do tempo no RS: alerta para temporais e queda na temperatura marcam a quinta-feira

O Rio Grande do Sul pode ter chuva a qualquer hora do dia, com trovoadas e até eventual queda de granizo, nesta quinta-feira (25). Os temporais podem atingir principalmente os municípios da metade sul e Fronteira Oeste do Estado. Segundo alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há possibilidade de acúmulo de chuva, vento forte e até queda de granizo nessas regiões. Outro destaque é a diminuição de 4°C a 5°C na temperatura, em relação aos últimos dias.

 

Na sexta-feira (26), as instabilidades ainda atuam pelo Rio Grande do Sul e mantêm as nuvens carregadas em todo Estado. De acordo com a Somar Meteorologia, é na fronteira com o Uruguai que se concentram os maiores volumes acumulados. As rajadas de vento podem passar dos 70 km/h.

 

Confira como deve ficar o tempo em algumas cidades nesta quinta-feira (25):

Capital: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 24°C

Pelotas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 17°C e máxima de 20°C

Caxias do Sul: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 18°C e máxima de 21°C

Santa Maria: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 19°C e máxima de 23°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 27°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 24°C

Uruguaiana: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 17°C e máxima de 24°C

Torres: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 26°C

Tramandaí: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 26°C

Capão da Canoa: chuva intercalada com período de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 27°C

Xangri-lá: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 26°C

Rio Grande: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 15°C e máxima de 22°C

Mostardas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 23°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 24°C

Bagé: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 16°C e máxima de 19°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/04/2019 - Leite decide convocar 250 concursados para agentes penitenciários

O governo estadual irá convocar 250 novos agentes penitenciários para compor o efetivo da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). A medida foi determinada pelo governador Eduardo Leite e deve ser publicada, com a relação dos nomes, nos próximos dias.

 

—Essa é uma atitude que demonstra claramente a nossa preocupação com o sistema prisional — afirmou Leite.

 

Para tomar posse de postos nas cadeias gaúchas, o grupo precisa passar antes por um curso de formação. A projeção do governo é de que a capacitação tenha início em até 40 dias.

 

Dos 250 novos agentes, 50 trabalharão na parte administrativa. Após o concurso, realizado em 2017, os aprovados fizeram  protestos com intuito de pressionar o governo a chamá-los.

 

Conforme o vice-governador e secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul,Ranolfo Vieira Júnior, o reforço no quadro da Susepe será fundamental para os planos do governo de abrir a penitenciária de Sapucaia do Sul, na Região Metropolitana, e o presídio de Alegrete, na Fronteira Oeste.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/04/2019 - Policiais fizeram mais de cem disparos em operação que resultou na morte de inspetor

Laudo do Instituto-Geral de Perícias (IGP) descreveu, na conclusão, que os policiais envolvidos na operação em Pareci Novo, no Vale do Caí, em maio do ano passado, dispararam entre 117 e 123 vezes, sendo que entre 82 e 85 tiros teriam sido feitos com fuzis.

 

A soma foi feita com base nos relatos dos policiais envolvidos na ação que resultou na morte do inspetor Leandro de Oliveira Lopes, 30 anos. O policial foi morto por um tiro de fuzil que o atingiu pelas costas.

 

Os relatos dos policiais foram coletados pelo IGP para a Reprodução Simulada dos Fatos (RSF), conhecida como reconstituição. Por meio de fotografias, o exame reproduz em cenas o que está sendo contado pelas testemunhas. E nestes relatos cada policial indicou a quantidade de disparos que fez na manhã de 2 de maio. O IGP trabalhou durante três dias no local do fato.

 

Depois de feita a reprodução, o material foi organizado e analisado a partir de comparação com outros laudos periciais e documentos que sejam úteis na apuração. O resultado deste trabalho foi um laudo pericial de 168 páginas com 409 fotografias das cenas reproduzidas. Na conclusão do IGP foi explicada a impossibilidade de apontar quem atirou em Lopes, já que houve "incongruência" nos relatos. Trecho do laudo diz:

 

"Percebe-se incongruência no conjunto de relatos entre os itens "momento de início de disparos realizados por policiais" e "momento em que Leandro foi ferido", uma vez que os participantes que portavam fuzis e estavam posicionados (conforme suas versões) posteriormente a Leandro referem ter realizado disparos somente após tomar conhecimento de que o mesmo havia sido atingido. Já o único policial que portava fuzil e que afirma ter efetuado disparos anteriormente ao aviso de que a vítima teria sido atingida afirma que estaria progredido em relação à mesma (ou seja, mais à frente). Tais colocações são incompatíveis com a dinâmica da ocorrência , considerando um disparo de fuzil atingindo a vítima pelas costas".

 

Perícias balísticas foram inconclusivas

 

Sem poder estabelecer com precisão a posição de cada policial e também do inspetor morto, a perícia foi inconclusiva no que se refere ao autor do disparo.

 

"Não foi possível tecer considerações adicionais sobre posição da vítima e atirador devido à falta de elementos que pudessem indicar/comprovar a localização e o posicionamento de Leandro no momento em que foi atingido pelo projétil de arma de fogo", diz trecho da perícia.

 

Também foram inconclusivas as perícias balísticas, ou seja, os exames que buscavam identificar de que arma partiu o tiro que matou Lopes. A comparação não pode ser feita devido aos estragos existentes no projétil extraído do corpo de Lopes. Mas não há dúvida de que o tiro que o matou partiu de um fuzil.

 

Para investigar as circunstâncias da morte do inspetor o delegado regional de Montenegro, Marcelo Farias Pereira, solicitou 14 perícias. O material serviu para embasar as conclusões do inquérito que tem três volumes e 500 páginas. Foram ouvidas 26 testemunhas, entre elas, 24 policiais que participaram da operação, além de uma vítima de roubo e um dos suspeitos, Paulo Ademir de Moura. Ele estaria na casa no dia da operação e foi preso dias depois, mas se manteve em silêncio durante o depoimento.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/04/2019 - Professor é afastado por suspeita de abuso sexual de jovens na Região Central

Um servidor público de 42 anos foi afastado de suas atividades após denúncias de abuso sexual contra menores de idade. Morador de Cerro Branco, na Região Central, o homem trabalhava na Secretaria de Educação de Cachoeira do Sul e era professor de português em Candelária.

 

Até o momento, foram identificadas possíveis vítimas em Cachoeira do Sul, Novo Cabrais e Cerro Branco, incluindo ex-alunos do suspeito. O homem foi afastado das atividades, de forma preventiva, por 30 dias.

 

Conforme o delegado regional de Cachoeira do Sul, José Antonio Taschetto Mota, o servidor não foi preso, pois não houve flagrante. No entanto, Mota disse que o homem admitiu à polícia que marcava saídas com os jovens e que pedia fotos e vídeos pornográficos pelas redes sociais.

 

— Ele admitiu que levava, em seu veículo, menores (de idade) para outras cidades, onde teriam ocorrido os abusos. Também confirmou que oferecia bebidas alcoólicas e dinheiro aos jovens — afirma Mota.

 

Foram cumpridos, nesta quarta-feira (24),  mandados de busca e apreensão  na prefeitura de Cachoeira do Sul e na casa do homem. Foram recolhidos HDs, tablet, notebook, pendrive e um veículo, que seria utilizado para sair com os menores. Os aparelhos serão encaminhados à perícia.

 

As investigações começaram depois que familiares de um adolescente de 15 anos denunciaram o crime. O celular do jovem foi apreendido, e a polícia encontrou, no aparelho, conversas em que o homem pedia fotos e vídeos do garoto.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/04/2019 - Policial morre em confronto com quadrilha que atacou banco em Porto Xavier

 

Um soldado da Brigada Militar foi morto, na madrugada desta quinta-feira (25), durante confronto com a quadrilha que atacou uma agência do Banco do Brasil em Porto Xavier, no noroeste do Estado, na tarde de quarta-feira (24). Fabiano Heck Lunkes, 34 anos, foi atingido por um disparo de fuzil enquanto participava do cerco a um matagal no interior de Campina das Missões, município vizinho.

 

Segundo o 4º Batalhão de Polícia de Área de Fronteira (BPAF) da BM, localizado em Santa Rosa, policiais de várias guarnições da região haviam sido mobilizados para fazer buscas aos criminosos. Em Campina das Missões, os PMs interceptaram o veículo em que estavam os bandidos, um Renault Sandero.

 

Os assaltantes conseguiram fugir para um matagal, onde permaneceram durante toda a noite e parte da madrugada. Por volta de 3h30min, o grupo teria tentado sair da mata e encontrou o cerco policial. 

 

Os bandidos portavam fuzis e atiraram contra os PMs. Um dos tiros perfurou o colete de Lunkes, atingindo o soldado na região do tórax. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu durante atendimento médico.

 

— Acreditamos que eles tenham se assustado ao encontrar a guarnição e atiraram. Policiais vieram de várias cidades vizinhas para fazer as buscas, então monitoramos todas as possíveis rotas de fuga e encontramos os bandidos — disse a subcomandante do 4º BPAF, major Vanessa Peripolli.

 

Dentro do Renault Sandero, a Brigada encontrou grande quantidade de dinheiro e munição calibre 556. Também havia sangue no veículo, o que leva os policiais a acreditarem que um dos membros do grupo ficou ferido.

 

Nesta manhã, policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), de Porto Alegre, que são especializados em confrontos de alto risco, entraram na mata em busca da quadrilha.

 

O soldado Lunkes tinha saído de Cerro Largo para ajudar nas buscas aos criminosos. Em 2019, ele completaria 10 anos na Brigada Militar.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

24/04/2019 - Balanço de atentados no Sri Lanka chega a 359 mortos

O balanço de vítimas dos atentados contra igrejas e hotéis de luxo no Sri Lanka no domingo aumentou para 359 mortos, anunciou a polícia. O balanço anterior era de 321 vítimas fatais, mas diversas pessoas não resistiram aos ferimentos. Ao menos 500 pessoas ficaram feridas nos atentados, os mais violentos desde 11 de setembro de 2001.

 

Os ataques foram reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI), mas o governo do país atribuiu a responsabilidade a um grupo islamita local relativamente desconhecido, o National Thowheeth Jama'ath, que teria recebido "ajuda internacional".

 

"As forças de segurança acreditam que existem vínculos estrangeiros e algumas provas apontam nesta direção", afirmou na terça-feira o primeiro-ministro cingalês, Ranil Wickremesinghe. "Estamos examinando esta reivindicação, há suspeitas de ligações com o ISIS", completou, em referência ao Estado Islâmico.

 

Na madrugada de quarta-feira, a polícia cingalesa executou novas operações e 18 pessoas foram detidas no âmbito das investigações dos ataques. Quase 60 pessoas foram detidas desde os atentados de domingo, que atingiram hotéis de luxo e igrejas católicas lotadas para a missa da Páscoa na capital do país, Colombo, e em outras cidades.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

24/04/2019 - Inquérito aponta falhas da polícia em operação que resultou na morte de inspetor no Vale do Caí

A operação policial que resultou na morte do inspetor Leandro de Oliveira Lopes, em Pareci Novo, no Vale do Caí, no ano passado, teve falhas de planejamento e de execução. E deve servir como estudo de caso na Academia da Polícia Civil para que fatos assim não se repitam.

 

Essas informações constam da conclusão do inquérito que apurou as circunstâncias da morte de Lopes, 30 anos, atingido pelas costas com um tiro de fuzil – tipo de arma que era usada por agentes e delegados na ação que tentava capturar um criminoso que segue foragido até hoje, quase um ano depois.

 

O inquérito sugere que, em função dos problemas detectados na condução da operação, a Corregedoria-Geral da Polícia Civil apure a conduta funcional de policiais que atuaram na ofensiva. A suspeita de que o inspetor foi morto por um tiro disparado por um colega não ficou comprovada, mas também não foi descartada no inquérito – concluído no começo de abril e já encaminhado à Justiça.

 

A perícia não conseguiu indicar quem seria o autor do disparo fatal. Mas exames periciais e testemunhos embasaram a conclusão do delegado regional de Montenegro, Marcelo Farias Pereira, de que é improvável que o autor do tiro tenha sido o criminoso, que reagiu quando a polícia chegou na casa dele.

 

Pelo menos quatro tópicos reforçam essa tese:

 

Policiais contaram, e projetis apreendidos indicaram, que o criminoso, Valmir Ramos, fez disparos com uma arma curta, provavelmente, uma pistola. Não foram encontrados no perímetro em que ele e um comparsa estavam nenhum estojo de munição de fuzil. Ou seja: só quem disparou fuzis na ocasião foram policiais.

O projetil extraído do corpo de Lopes era de fuzil. O cruzamento de informações da fabricante da munição com lotes adquiridos pelo Estado e distribuídos à Polícia Civil comprovaram que estojos recolhidos no local eram de munição da polícia. Assim, tudo indica que o projétil extraído do corpo seja desses estojos.

O criminoso estava de frente para os policiais e em cima de um barranco, portanto, em nível mais alto, e o inspetor morto recebeu um tiro pelas costas e com trajetória de baixo para cima.

Testemunhos dos policiais confirmam que Lopes só gritou que fora ferido depois de policiais terem atirado contra o criminoso.

Além do mal-estar causado pela suspeita de que Lopes foi morto acidentalmente por um colega, a corporação terá de lidar agora com os apontamentos de que houve falhas na operação que envolveu três órgãos: a Delegacia Especializada de Furtos, Roubos e Capturas (Defrec) – que coordenava o trabalho –, a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Canoas e o Grupamento de Operações Especiais (GOE).

 

Policiais ouvidos por peritos e pelo delegado do caso reclamaram de falta de informações e de orientação sobre o trabalho que fariam naquela manhã de 2 de maio, sobre o local em que ocorreria a ação (uma casa em meio a um matagal) e sobre quem era o alvo (alguns disseram nem conhecer o rosto do procurado).

 

Há queixas de que o delegado que coordenou o trabalho, que era da Defrec de Canoas, teria desprezado sugestões que poderiam facilitar e tornar mais segura a ação em meio ao matagal. Agentes propuseram o uso de um drone dias antes e também que policiais acampassem nas proximidades para conhecer melhor o local. Mas as alternativas não teriam sido aceitas. 

 

Também foi registrado em depoimentos que as viaturas foram estacionadas em local distante e de forma que prejudicou a saída quando precisaram socorrer o colega baleado. Mais de um policial reclamou da falta de briefing, que é um tipo de reunião que agentes e delegados fazem antes de ações para acertar últimos detalhes e explicar o trabalho.

 

Outra anotação destacada pela perícia e por Pereira foi de que orientações, que haviam sido dadas previamente sobre como o trabalho seria feito naquela manhã, foram modificadas de última hora, prejudicando o entendimento de policiais chamados a apoiar a ação. Em depoimentos, agentes contaram ainda que a confusão era tanta que grupos de policiais chegaram a se perder, pegando caminhos diversos enquanto se dirigiam para a casa do homem procurado.

 

— Tinha gente que não sabia o que devia fazer ali. Sabiam o objetivo da operação, de buscar um criminoso perigoso. O que não estava claro era como seria a entrada no local e o papel dos policiais de cada delegacia envolvida — destaca Pereira.

 

As conclusões do inquérito já estão sob análise do Ministério Público, que pode ou não acatar os indiciamentos feitos por Pereira. O delegado indiciou Valmir Ramos e um comparsa dele, Paulo Ademir de Moura, pela morte de Lopes.

 

O enquadramento dos dois está baseado na relação de causalidade, prevista no artigo 13 do Código Penal. O entendimento do delegado é de que a ação de Ramos, que reagiu a tiros quando a polícia chegou em sua casa, deu causa à morte de Lopes.

 

— Não foi ele que atirou no policial, mas ele provocou o fato, no caso, o tiroteio, que gerou a morte. Ficou claro nos depoimentos que o Valmir apontou a arma em direção aos policiais e efetuou disparos. Ficou clara a intenção de que queria atingir os policiais e estes reagiram — explicou Farias.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

24/04/2019 - Homem morre em acidente envolvendo caminhão e dois veículos na BR-116

O condutor de um veículo Fiorino morreu em uma colisão envolvendo dois automóveis e um caminhão por volta das 22h30min desta terça-feira (23), em Guaíba, na Região Metropolitana. O acidente aconteceu na BR-116, na altura no km 301. O trecho ficou em meia pista até a madrugada desta quarta-feira (24).

 

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a vítima fatal estava no veículo Fiorino, com placas de Gravataí. O condutor de um Gol apresentou ferimentos leves e o caminhoneiro não se feriu. A identificação da vítima não foi divulgada.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

24/04/2019 - Homem é preso com 158 pássaros e 116 filhotes de tartaruga em fundo falso de veículo

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu um homem que transportava ilegalmente 158 pássaros e 116 filhotes de tartarugas na BR-290, em Eldorado do Sul. Os animais estavam sendo transportados em condições precárias em um fundo falso na parte traseira do veículo, conforme a PRF. A ação ocorreu na terça-feira (23).

 

A corporação recebeu a informação de que um Cerato com placas de Santa Catarina transportava carga ilícita para o Rio Grande do Sul. Na abordagem, os policiais perceberam que o condutor estava nervoso e, ao fazerem busca no veículo, encontraram os animais na parte traseira.

 

O homem, cuja identidade não foi divulgada, foi conduzido à delegacia para registro do flagrante. Os animais foram encaminhados ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

24/04/2019 - Preso homem apontado como um dos autores de assalto que matou pai e filho em Estância Velha

Um homem apontado como um dos autores do assalto a uma joalheria que terminou na morte de pai e filho em Estância Velha, no Vale do Sinos, foi preso pela Brigada Militar por volta das 23h40min desta terça-feira (23).

 

Segundo a polícia, Rafael Santos Domingues, 19 anos, estava com a companheira, escondido na casa da mulher de um traficante no bairro Albino Kern, em Portão. Ao perceber a chegada dos policiais, ele tentou escapar.

 

Domingues pulou diversas cercas que dividem casas da região, mas acabou detido. Ele era considerado foragido da Justiça e, nesta quarta-feira (24), foi encaminhado à delegacia de polícia em São Leopoldo.

 

Outro apontado por envolvimento no crime, Davi dos Santos Mello, 20 anos, ainda não foi localizado. Ele estaria em prisão domiciliar por falta de tornozeleira eletrônica.

 

O caso

Em 10 de abril, Leomar Jacó Canova, 59 anos, e Luis Fernando Canova, 35 anos, proprietários de uma joalheira, morreram durante assalto ao local. As imagens das câmeras de monitoramento mostram dois homens armados efetuando o roubo.

 

Funcionários do estabelecimento estavam colocando em sacos os pertences da loja, quando pai e filho tentaram reagir à ação. Segundo a polícia, os dois tentaram segurar a arma de um dos criminosos. O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

24/04/2019 - Brasil fecha 43.196 postos de emprego formal em março

 

O Brasil fechou 43.196 vagas de emprego formal em março. O saldo é resultado de 1.261.177 admissões e  1.304.373 demissões no período, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, na manhã desta quarta-feira (24).

 

O resultado negativo no país foi puxado pelo setor de Comércio, que registrou saldo de -28.803, seguido por Agropecuária (-9.545) e Construção Civil (-7.781). Serviços, Administração Pública e Extrativa Mineral ficaram no azul. 

 

Os Estados com pior resultado no mês são Alagoas (-9.636), São Paulo (-8.007), Rio de Janeiro (-6.986); Pernambuco (-6.286) e Ceará (-4.638). Minas Gerais (+5.163); Goiás (+2.712); Bahia (+2.569) e Rio Grande do Sul (+2.439) figuram no topo da lista, com os melhores resultados.

 

No acumulado do ano (janeiro a março), o saldo no Brasil é positivo: 179.543 vagas.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/03/2019 - Homem morre em acidente na BR 392, em Pelotas

 

Uma colisão ocorrida no início da tarde matou uma pessoa e deixou um ferido grave no km 90 da BR 392, em Pelotas, no Sul gaúcho. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um Kadett com placas de Boqueirão do Leão bateu contra um Gol de Pelotas, perto das 12h45min desta terça-feira.

 

O condutor do segundo veículo, ainda não identificado, morreu na hora. O motorista do primeiro carro, de 25 anos, sofreu lesões graves e recebe atendimento hospitalar.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

27/03/2019 - Umidade pode trazer chuva ao Rio Grande do Sul nesta quarta

 

O Rio Grande do Sul fica dividido entre tempo úmido, nublado e com sol nesta quarta-feira. De acordo com a MetSul Meteorologia, a circulação de ar mais úmido vindo do mar deixa o céu com muitas nuvens em toda faixa Lesta e Sul do Estado. A umidade pode provocar garoa esparsa e localizada.

 

Já na Metade Oeste, o tempo fica firme com a presença do sol e a temperatura debe subir ao longo do dia. O amanhecer diminui pela manhã e a tarde, as marcas ficam amenas em boa parte das regiões do Estado.

 

O tempo em Porto Alegre ficará dividido nesta quarta-feira. A Capital deve ter sol e chuva, com marcas entre 14°C e 25°C.

 

Mínima e Máxima

Chuí 18°C | 20°C

Pelotas 16°C | 21°C

Vacaria 10°C | 22°C

Santana do Livramento 12°C | 23°C

Alegrete 13°C | 24°C

Uruguaiana 14°C | 25°C

Santiago 12°C | 26°C

Santa Rosa 13°C | 27°C

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

27/03/2019 - MP determina que Vale pague mínimo de R$ 5 milhões a cada família atingida em Brumadinho

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Minas Gerais ajuizou ação para obrigar a Vale a pagar pensão e dano moral a familiares de empregados e terceirizados mortos no rompimento da barragem da empresa em Brumadinho. O valor do dano moral previsto pela Procuradoria é de, no mínimo, R$ 5 milhões por núcleo familiar e R$ 1 milhão por beneficiado.

 

A ação foi impetrada no momento em que, segundo o MPT, a Vale estaria tentando "cooptar" parentes de vítimas a fechar acordos individuais. A empresa confirmou que algumas conciliações individuais, tratadas diretamente entre famílias e a empresa, já foram concluídas.

 

Segundo as regras propostas pela Procuradoria, uma família com seis pessoas receberia R$ 6 milhões. Já o valor da pensão, segundo o MPT, seria o equivalente à remuneração integral na data do acidente, o que inclui férias, décimo terceiro e todos os benefícios trabalhistas até a data em que o trabalhador morto completasse 78 anos.

 

O MPT afirma que o rompimento da barragem é o maior acidente de trabalho já ocorrido no país. A ação foi impetrada nesta segunda-feira.

 

Segundo o procurador Geraldo Emediato de Souza, o valor estabelecido na ação levou em conta estudo da própria Vale, que cita "curva de tolerabilidade de riscos" sobre possíveis valores para indenização por morte de funcionário. "Em 1981, a empresa previa US$ 1 milhão de dólares para possíveis mortes de trabalhador. Esse valor, em 2015, foi atualizado para US$ 2,6 milhões (cerca de R$ 10 milhões, em valores atualizados)", disse Emediato.

 

O número exato dos trabalhadores mortos deverão ser apresentados oficialmente pela empresa ao MPT em reunião na próxima segunda. Conforme o último relatório da Defesa Civil, o total de mortes confirmadas na tragédia até agora é de 214. Outras 91 pessoas estão desaparecidas.

 

A ação é exclusiva para familiares de quem trabalhava para a Vale. "O empregador matou o empregado no trabalho. Temos a cultura no Brasil de dar valor ao patrimônio e não dar valor à vida. É a segunda vez que isso ocorre em relação a essa empresa. É preciso dar exemplo para que não ocorra mais. É preciso uma justa reparação, e não pode ser menor que a que o MPT quer", afirmou o procurador.

 

Souza afirma que a reforma trabalhista aprovada no Congresso Nacional em 2017 pode ser um complicador para o pagamento dos valores pedidos na ação. Pela legislação em vigor, a indenização leva em conta o salário da vítima. Esse tipo de relação, no entanto, não ocorreria com o pagamento de pensão, diz o procurador. Pressão O MPT alerta familiares de vítimas que, caso assinem acordo com a empresa, não terão acesso a valores decididos pela Justiça na ação impetrada pela Procuradoria.

 

"É importante que a sociedade tenha a notícia de que a empresa está tentando cooptar famílias, cooptar sindicatos, para facilitar acordos baixos que possam servir de referência para, na defesa perante a 5a Vara do Trabalho de Betim, que é o juízo natural, (...) que esses exemplos de reparações baixas sirvam de modelo para conseguir indenizar indevidamente essas pessoas", afirmou o procurador.

 

Em ação logo após o rompimento da barragem, o MPT conseguiu o bloqueio de R$ 1,6 bilhão da Vale. Esses recursos, segundo a procuradora Luciana Marques Coutinho, poderão ser usados no pagamento de danos morais e pensões, que podem ser quitadas antecipadamente caso a Justiça acate a ação.

 

"Cenário hipotético"

 

Questionada, a Vale disse que não foi notificada sobre ação ajuizada pelo MPT. A empresa diz, ainda que, os valores mencionados na ação foram extraídos de "um documento sem eficácia jurídica, baseado em cenário hipotético e dissociado de situações concretas". A empresa diz que as cifras menciona pelo MPT, com base em documento da mineradora, não são parâmetro para acordos individuais ou coletivos.

 

"A Vale está dedicada a oferecer uma rápida reparação às famílias das vítimas e está aberta a conversar com aqueles familiares que tenham interesse em buscar uma conciliação diretamente com a empresa", disse a mineradora, em nota. "Algumas conciliações já foram concluídas dessa forma."

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

27/03/2019 - STJ mantém corpo de brasileiro congelado nos Estados Unidos

 

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, nesta terça-feira (26), autorizar o direito de preservação do corpo de Luiz Felippe Dias de Andrade Monteiro, um brasileiro em procedimento de criogenia nos Estados Unidos. Essa técnica conserva o cadáver congelado em temperaturas extremamente baixas, na esperança de que ele possa ser ressuscitado no futuro. Por unanimidade, o colegiado defendeu que a legislação brasileira não impede a realização do procedimento.

 

A manifestação de vontade do homem pelo procedimento também foi levada em consideração pelos ministros da Terceira Turma. Esse pedido foi transmitido à filha mais próxima do morto.

 

— Na falta de manifestação expressa deixada pelo indivíduo em vida acerca da destinação de seu corpo após a morte, presume-se que sua vontade seja aquela apresentada por seus familiares mais próximos — apontou o relator do recurso, ministro Marco Aurélio Bellizze.

 

Duas filhas do primeiro casamento contestavam a decisão da irmã paterna, pleiteando que o homem fosse sepultado no Rio Grande do Sul, ao lado de sua ex-esposa. Ele morreu em 2012.

 

Impasse judicial

Em primeira instância, o pedido das irmãs foi acatado e a Justiça autorizou o sepultamento do corpo. No primeiro julgamento da apelação, ainda em 2012, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) reformou a decisão e determinou a continuação do procedimento de criogenia. Após essa decisão, a filha do segundo casamento enviou o corpo ao Exterior.

 

O próprio TJ-RJ modificou a sentença, alegando que a ausência de autorização expressa deixada pelo pai em vida inviabilizava o congelamento pela vontade de uma de suas filhas.

 

Na decisão desta terça-feira, o relator disse que, além de não haver norma que proíba a submissão de corpos à criogenia, não existe ofensa à moral ou aos bons costumes no processo.

 

Em relação ao posicionamento do TJ-RJ, Bellizze afirmou que a legislação brasileira não exige formalidade específica para confirmar a expressão de última vontade, que pode ser feita por familiares mais próximos. O ministro destacou corpo já se encontra congelado desde 2012.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/03/2019 - Família de contadora morta espera há dois meses por sepultamento

A família de Sandra Mara Lovis Trentin, 48 anos, que sumiu em janeiro do ano passado em Palmeira das Missões, na Região Noroeste, aguarda há dois meses para atender o último pedido feito pelo pai dela. Antes de morrer, sem saber o paradeiro da filha, Agileu Trentin, 72 anos, pediu que ela fosse enterrada junto a ele, caso a contadora fosse encontrada sem vida. Em 21 de janeiro, os restos mortais foram localizados às margens de uma lavoura de soja. A ossada precisou ser encaminhada para perícia, que busca esclarecer as circunstâncias do crime, e ainda não foi liberada para sepultamento.

 

Paulo Ivan Baptista Landfeldt, marido de Sandra e vereador em Boa Vista das Missões, é apontado pelo Ministério Público como mandante do crime. O político chegou a ser detido em fevereiro do ano passado, mas atualmente responde ao processo em liberdade. O outro réu, Ismael Bonetto, 22 anos, acusado de ter cometido o assassinato em troca de dinheiro, permanece preso.

 

Quatro dias após a ossada ser encontrada, perícia inicial da arcada dentária confirmou que os restos mortais eram de Sandra. A família então passou a planejar como atender o último pedido do pai, que morreu na noite de Natal, após um mês hospitalizado em Cruz Alta. O corpo de Agileu, que sofria de câncer de pulmão, foi sepultado no cemitério de Boa Vista das Missões. O mesmo deve ocorrer com a filha.

 

Junto ao túmulo de Agileu, foi preparada outra sepultura para receber os restos mortais de Sandra. A irmã mais nova da contadora, Cátia Denise Lovis Trentin, 41 anos, diz que a família vive meses de angústia.

 

— Há o conforto por termos encontrado o corpo. Mas vivemos uma ansiedade grande. Continuamos esperando — desabafa Cátia.

 

A localização do corpo quase um ano depois confirmou o que tanto a Polícia Civil quanto o MP afirmavam: a mulher desapareceu porque foi morta. Para a acusação, Bonetto assassinou a contadora a mando do marido dela. O suspeito chegou a confessar o crime quando foi preso. Relatou que teria cometido o assassinato em troca de dinheiro. Mas voltou atrás uma semana depois e alegou que tentou extorquir o político. Landfeldt sempre negou envolvimento.

 

Causa da morte ainda é mistério

Após a localização dos restos mortais, a defesa de Bonetto encaminhou à Justiça pedido para que a prisão preventiva do réu fosse revogada. A solicitação foi negada. O defensor Antônio Korsack Filho fez questionamentos para serem respondidos pela perícia. Os laudos encaminhados à Justiça não apontam a causa da morte de Sandra. No primeiro depoimento, Bonetto havia afirmado que assassinou a contadora com um tiro no peito.

 

— A blusa que estava no corpo não tem sinais de sangue e nem de pólvora. Não foi encontrada na ossada, nas roupas e nem na cova projétil de arma de fogo. Essas respostas reforçam a tese de que ele (Bonetto) mentiu quando assumiu esse crime — argumenta o defensor do réu.

 

Segundo a delegada Cristiane Van Riel, a polícia aguarda outros laudos da perícia – que não têm prazo para serem finalizados – para concluir qual a causa da morte da vítima. O promotor Guilherme Martins de Martins afirmou que só se manifestará após analisar os laudos periciais.

 

Conforme o Instituto-Geral de Perícias (IGP), a identificação foi possível, mas o corpo não foi liberado porque estão sendo feitas análises para determinar a causa da morte. A previsão é que o laudo fique pronto entre 20 e 30 dias e só então será feita a liberação para a família.

 

Do sumiço ao encontro do cadáver

O desaparecimento

Sandra residia em Boa Vista das Missões com o marido, Paulo Landfeldt, e três filhas. Ainda era mãe de um jovem, de um relacionamento anterior. Em 30 de janeiro do ano passado, seguiu até Palmeira das Missões para resolver questões de trabalho. Nunca mais retornou. A caminhonete foi encontrada no mesmo dia. 

 

Os réus

No mês seguinte, o marido dela foi preso, após Ismael Bonetto confessar ter matado a mulher a mando dele. O rapaz mudou de versão uma semana depois. Em entrevista a ZH, em janeiro, o preso disse que tentou se aproveitar da situação.

 

Da mesma forma, o marido de Sandra nega envolvimento na morte. No início deste mês, Landfeldt ofereceu recompensa de R$ 30 mil para quem repassasse informações sobre o caso.

 

Localização do corpo

O cadáver foi encontrado em um matagal a cerca de 40 quilômetros de onde ela desapareceu. Foram encontrados cartões bancários em nome de Sandra.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/03/2019 - Morre jornalista Rafael Henzel, sobrevivente da tragédia com avião da Chapecoense

Morreu na noite desta terça-feira (26), aos 45 anos, vítima de um infarto, o jornalista Rafael Henzel. O profissional era um dos sobreviventes do acidente aéreo que vitimou profissionais de imprensa e boa parte do elenco da Chapecoense, em novembro de 2016. A notícia foi confirmada pela Rádio Oeste Capital de Chapecó, onde Henzel trabalhava.

 

Henzel estava reunido com amigos para um jogo de futebol quando passou mal. Ele foi levado ao Hospital Regional do Oeste ainda com vida, mas não resistiu ao mal súbito. A confirmação da morte do narrador foi dada pelo jornalista Marcinho San, pela Rádio Oeste:

 

— Nosso colega Rafael Henzel veio a falecer na noite desta terça-feira. Ele jogava futebol com amigos e sofreu um infarto fulminante. Foi conduzido ao Hospital Regional de Chapecó, onde foi confirmado o falecimento do colega jornalista, narrador, Rafael Henzel — disse San.

 

Conhecido nacionalmente após o acidente com o avião da Chape na Colômbia, Henzel voltou a trabalhar normalmente com jornalismo após se recuperar dos ferimentos. Ele foi um dos quatro sobreviventes brasileiros da queda do avião da LaMia, junto dos jogadores Alan Ruschel, Neto e Follmann – dois tripulantes bolivianos também ficaram vivos. Foram 20 dias no hospital, 10 deles na UTI, até receber alta. Ele teve sete costelas fraturadas, pneumonia e também uma lesão no pé direito. O narrador chegou a participar da transmissão da Rede Globo no amistoso entre a Seleção Brasileira e a Colômbia, no Rio de Janeiro, em homenagem às vítimas da tragédia. Ele esteve ao lado de Galvão Bueno e narrou parte do jogo no Engenhão.

 

Nos dois anos e meio após o acidente, Henzel esteve envolvido em diversos projetos sobre a queda do voo. Na semana passada, ele esteve na Europa para participar de dois festivais de cinema, que apresentaram o documentário Nossa Chape. Além disso, também escreveu  Viva Como Se Estivesse de Partida, livro sobre a sua relação com a tragédia aérea, que deixou 71 mortos.

 

—  A mensagem (do livro) é acreditar. Considero que tudo o que aconteceu foi um milagre, mas eu não esperei um segundo milagre. Nunca pensei que ia morrer, mesmo acordando no meio do mato. Nunca pensei que iria morrer, não fiquei esperando. Fiz os exercícios que tinha que fazer, planejei voltar ao trabalho 40 dias depois do acidente e voltei. Enfrentei todos os medos, voltei a voar, fui ao estádio em que seria o jogo. Eu não fiquei esperando, não fiquei encostado no INSS. Busquei melhorar através do meu trabalho. A mensagem é acreditar na força que a gente tem. Às vezes, a gente está na zona de conforto e a força não aparece. Quero passar a mensagem de respeito às pessoas. Quando você está no hospital, é um pedaço de carne com um aparelho ligado. Todos têm a mesma importância. E há um conjunto de fatores positivos que te ajudam na recuperação — disse em entrevista a GaúchaZH à época. 

 

Gaúcho de São Leopoldo, Rafael Henzel tinha 30 anos de carreira. Ele fez toda sua trajetória no jornalismo catarinense, principalmente na região oeste do Estado. Além de narrador, Henzel era apresentador de programas na Rádio Oeste. Ele deixa mulher e um filho.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/03/2019 - Geração "nem, nem" madura cresce e desafia reforma da Previdência

Caso seja aprovada sem alterações pelo Congresso Nacional, a reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro terá de encarar um desafio em plena ascensão no Brasil nos últimos 25 anos. Conforme identifica o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), trata-se da geração "nem, nem" madura, a faixa que fica entre 50 e 64 anos de idade. Esses trabalhadores não estão atuando nem estão aposentados. Uma população sem renda que tem em comum a baixa escolaridade, uma barreira a mais para um novo emprego. Esse contingente mais do que dobrou nos últimos 25 anos, chegando a 7,3 milhões de brasileiros em 2017, dado mais atual do instituto.

 

— Nosso estudo começou com homens, mas nos últimos anos começamos também a focar nas mulheres. O recorte até 64 anos prevê a proposta de reforma da Previdência do governo, que coloca a idade mínima de 65 anos para homens. Essa faixa sem emprego não consegue contribuir para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) com os anos que faltam para se aposentar, é uma espécie de limbo — explica a pesquisadora do Ipea e professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Ana Amélia Camarano.

 

A Previdência que o governo propõe prevê idades mínimas de 62 anos para mulheres e de 65 anos para homens, com pelo menos 20 anos de contribuição para ambos. O maior crescimento dessa população no período estudado foi entre os homens. Eram quase 300 mil em 1992 e passaram para cerca de 1,7 milhão em 2017, aumento superior a cinco vezes. Entre as mulheres, passaram de 3 milhões para 5,6 milhões no mesmo período, alta superior a 86%. Como as mulheres, tradicionalmente, ficavam fora do mercado e atuavam em atividades domésticas, os números são maiores. Em comum, a maior parte dessa geração tem a baixa escolaridade. Cerca de 75% desses trabalhadores não têm o Ensino Fundamental completo.

 

— Também existe o preconceito do empregador em relação ao empregado mais velho. Acha que esse trabalhador tem menor produtividade, menor força física, mais problemas de saúde. E, cada vez mais, consideram esse perfil mais difícil de se adaptar às mudanças tecnológicas — avalia Ana Amélia.

 

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), referente ao 4º trimestre de 2018, aponta que a faixa acima dos 60 anos representa 2,6% dos mais de 12 milhões de trabalhadores desocupados no Brasil (312 mil). A maior fatia de desempregados concentra-se entre 25 e 39 anos, com 34,4% (4,1 milhões). Os números diferem do Ipea, já que a PNAD baseia-se em amostra de domicílios e não faz recorte específico na faixa entre 50 e 64 anos.

Cerca de 2,5 mil vagas mapeadas

O estudo do Ipea descreve o dia a dia da agência do Sine Estadual no centro de Porto Alegre. Para quem atende ao público que vai ao local em busca de uma vaga, a presença de cabelos brancos na sala de espera virou rotina. Tanto os "nem, nem" quanto outra fatia de maduros que poderiam ser chamados de "nem, com" — sem emprego, mas já recebendo do INSS.

 

— Eu faço bastante atendimento e chama a atenção a procura de vagas por pessoas acima dos 50 anos. Muita gente que não está aposentada ainda. Mas também há os aposentados que não estavam mais empregados, mas que se viram obrigados a voltar a trabalhar para reforçar a renda da família — conta a coordenadora da agência, Bárbara Barbieri.

 

Ela destaca a dificuldade que o pouco estudo acrescenta no caminho desses desempregados. Há empregadores que procuram, por exemplo, serventes de obras com Ensino Médio. Mas ela destaca iniciativas que pretendem aproveitar o que essa mão de obra tem de melhor, como experiência e responsabilidade. Uma delas é a plataforma MaturiJobs, criada para recolocar pessoas mais velhas no mercado, que chegou com mais força ao Estado neste mês em uma parceria com a Associação Nacional de Aposentados e Pensionistas da Previdência Social (Anapps). O portal mapeou 2,5 mil vagas para pessoas com mais de 50 anos no Rio Grande do Sul.

 

Segundo o IBGE, o Brasil teve aumento na geração de empregos para pessoas acima dos 60, mas o ritmo é inferior ao da elevação populacional. Entre o final de 2012 e 2018, a participação dos trabalhadores mais velhos cresceu 1,6 ponto percentual, indo de 6,5% (5,826 milhões) para 8,1% (7,507 milhões) de todos os ocupados. Acontece que, no mesmo período, essa parcela de pessoas avançou 2,8 pontos, de 16,6% (26,212 milhões) para 19,4% (33,077 milhões) do total da população.

 

Especialista em mercado de trabalho, a coordenadora de Recrutamento e Seleção da AST Facilities Ticiana Teixeira indica que uma defesa contra eventual preconceito de empregadores pode estar nas mãos desses trabalhadores.

 

— Para essa faixa etária, ainda mais, disposição é a palavra-chave. É preciso mostrar na seleção que se tem agilidade, vitalidade para assumir a vaga, aceitando a mesma cobrança que um funcionário mais jovem tem. Essa postura quebra preconceitos que o empregador tenha quanto à capacidade do profissional mais maduro — pontua.

 

Jorge aposta na experiência

 

Aos 53 anos, o pedreiro Jorge Rangel de Rangel diz estar no auge da sua capacidade. Construir é o ofício ao qual se dedicou por quase toda a vida e, por causa desse trabalho, acabou em canteiros de obras por todo o Brasil. Jorge passou por Pernambuco, Minas Gerais, e Rio de Janeiro, onde participou de um trabalho dos quais mais se orgulha: as obras de reforma do Maracanã.

 

— Trabalhei na obra da parte nova do Maracanã. Fazia de tudo um pouco, ia de carpinteiro de ferreiro. Acho que dormia umas cinco ou seis horas por dia só — lembra.

 

Nos últimos dois anos, atuava em Bento Gonçalves, na serra gaúcha, na construção de silos para armazenamento de grãos. A rotina impunha ficar longe de casa, na zona sul de Porto Alegre, para onde retornava a cada 15 dias. Mas no final de 2018, acabou demitido e voltando para a Capital. Jorge refez seu currículo e, quase todas as manhãs, sai para entregá-los tanto em canteiros de obras quanto em empresas de seleção para serviços gerais. À tarde, faz o que pode para ajudar nas atividades do lar, como pequenos consertos e limpeza. Sobre aposentadoria, mesmo tendo começado aos 14 anos, não tem perspectiva de receber o benefício. Há períodos em que atuou sem contribuir para o INSS.

 

Junto com o seguro-desemprego, cuja última parcela já foi paga, a aposentadoria da mulher ajuda nas contas de casa. Exemplo clássico do perfil identificado pela pesquisa do Ipea, o pedreiro tem o Ensino Fundamental incompleto. Em sua busca por trabalho, tem se impressionado com a falta de interesse dos empregadores em, pelo menos, fazer uma entrevista com ele.

 

— Eles pegam o teu currículo, dizem que vão dar uma olhada, e pronto. Fica só nisso. A impressão é de que eles querem a gurizada mais nova, mesmo. Mas eu sei fazer coisas que essa turma jovem fica abismada de ver, e estou muito bem para trabalhar, sim. É só me darem uma oportunidade — avisa Jorge.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

26/03/2019 - RS repete tempo seco e típico de outono nesta terça

O Rio Grande do Sul repete tempo seco e típico de outono nesta terça-feira. De acordo com a MetSul Meteorologia, o sol predomina alternando com períodos de nebulosidade. O vento volta a tomar conta, porém com menor intensidade e sem influenciar na sensação térmica ao ar livre.

 

O amanhecer será frio nos trechos de maior altitude no território gaúcho com mínimas ao redor dos 5°C nos Aparatos e Campos de cima da Serra. No início da manhã há chance de nevoeiro.

 

Pela tarde, a temperatura sobe gradativamente com máximas entre 24°C e 27°C na maior parte das regiões. Em Porto Alegre, o dia será de sol entre nuvens. Na Capital, as marcas devem ficar entre 14°C e 26°C.

 

Mínima e Máxima

São José dos Ausentes 4°C | 19°C

Pelotas 13°C | 21°C

Santana do Livramento 8°C | 22°C

Bagé 11°C | 23°C

Alegrete 9°C | 24°C

Erechim 12°C | 25°C

Santiago 10°C | 26°C

Cruz Alta 11°C | 27°C

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

26/03/2019 - Operação combate tráfico de drogas em condomínio na zona sul de Porto Alegre

A 4ª operação integrada do Gabinete de Gestão Integrada da Região Metropolitana de Porto Alegre ocorre nesta terça-feira (26) em 34 cidades, com foco no combate ao tráfico de drogas. Na Capital, a ação foi deflagrada em um condomínio residencial na Restinga, zona sul, e em outros cinco pontos da cidade. No fim de semana, nesta região, houve um tiroteio à luz do dia entre integrantes de facções criminosas rivais.

 

Com coordenação do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc), mais de 70 policiais cercaram um conjunto habitacional na Avenida Edgar Pires de Castro. Além de coibir a venda de entorpecentes, os agentes receberam denúncias de que moradores estavam sendo ameaçados e que tiveram os apartamentos ocupados à força por traficantes. Alguns imóveis foram usados para guardar armas e drogas, mas também como ponto de tráfico. Ao todo, nesta terça-feira, foram cumpridos 12 mandados de busca na região. Até as 9h20min, sete pessoas haviam sido presas na operação. Um balanço oficial deve ser divulgado ao meio-dia.

 

Sobre o tiroteio ocorrido domingo, o delegado Alencar Carraro, do Denarc, destacou que não houve feridos, mas que já identificou os principais envolvidos. A investigação continua.

 

A chefe de polícia, delegada Nadine Anflor, esteve presente na sede do Denarc. Ela disse que as operações integradas serão uma constante e, no caso do combate à venda de entorpecentes, ressaltou que a Polícia Civil é apenas uma parte de um processo mais complexo.

 

— Também é uma operação social. A polícia vai lá e tira de circulação o criminoso, mas depois o Estado, como um todo, tem de avançar e se fazer presente. É nossa preocupação também e temos de avançar — disse Nadine.

 

O resultado final da 4ª operação integrada deve ser divulgado no final da tarde, quando todos os mandados tiverem sido cumpridos nos 34 municípios. Neste mês, desde a realização da primeira ação deste tipo, foram contabilizadas 206 prisões, cinco apreensões de adolescentes, além de 40 armas e mais de R$ 170 mil localizados. Também foram recolhidos 261 veículos e 32,6 quilos de drogas. Na primeira edição da operação integrada, vistorias e barreiras em áreas de risco e contra o comércio ilegal. Na segunda, o trabalho teve como foco áreas comerciais, próximas a agências bancárias e em paradas de ônibus. Na terceira e mais recente etapa, quando houve o combate à violência contra a mulher, houve 173 visitas a mulheres cadastradas no sistema da Patrulha Maria da Penha da Brigada Militar e 140 verificações em residências com denúncias de agressão, ameaça e tentativa de feminicídio.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

26/03/2019 - Paulo Guedes vai à Câmara nesta terça para debater reforma da Previdência

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai discutir na tarde desta terça-feira (26) a proposta de emenda à Constituição da reforma da Previdência (PEC 6/19) com os parlamentares que integram a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara — primeira fase de tramitação do texto. A expectativa é de que o ministro esclareça os principais pontos da proposta.

 

Na segunda-feira (25), o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), afirmou à Rádio Gaúcha que existe uma indisposição hoje para votar a reforma e que não há unanimidade entre os votos mesmo entre os integrantes do partido do presidente Jair Bolsonaro .

 

— Eu vi um cálculo do Guedes de que faltavam 50 e poucos votos, eu não sei de onde ele está vendo isso — contestou Waldir ao Gaúcha Atualidade.

 

Os parlamentares querem que o ministro esclareça pontos da medida, a reforma previdenciária dos militares, a reestruturação da carreira das Forças Armadas e a necessidade de mudança do sistema de Previdência Social do país.

 

Articulação

A semana passada foi marcada pelo impasse nas articulações políticas entre Poder Executivo e Câmara dos Deputados. Desta forma, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), decidiu adiar a indicação do relator até que o cenário político esteja mais favorável para a aprovação da reforma no âmbito da comissão. A previsão é de que o nome seja indicado até quinta-feira (28).

 

Além de Guedes, parlamentares devem ouvir seis constitucionalistas na CCJ da Câmara para tratar da reforma, na quinta-feira (28). Dois nomes serão indicados pelas lideranças da base do governo, outros dois nomes por lideranças da oposição, e os últimos dois por deputados ditos independentes.

 

Entre os convidados estão o secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco Leal, a procuradora Elida Graziane Pinto, do Ministério Público de Contas de São Paulo, e o advogado Cezar Britto, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Apoio

Guedes reafirmou na segunda-feira (26) a confiança no presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na condução das discussões entre os deputados.

 

— Desde o início, ele apoia a reforma da Previdência. Quando ele foi eleito pela primeira vez (presidente da Câmara), em 2016, falou da importância da aprovação da reforma no primeiro discurso. Ele é a favor — ressaltou.

 

Guedes destacou que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também tem se manifestado a favor da reforma.

 

Para o ministro, o Congresso pode rever determinados pontos da proposta enviada pelo governo, mas pediu que a economia em 10 anos não fique inferior a R$ 1 trilhão. Caso contrário, não será possível implementar o regime de capitalização para os trabalhadores jovens.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

26/03/2019 - Empresário descobre que funcionário é o irmão desaparecido há 30 anos

Antônio Nunes, 35 anos, e Maicon Luciani, 31, moram na mesma cidade, têm amigos em comum e atuam na mesma empresa. A dupla descobriu, por acaso, que também faz parte da mesma família: são irmãos. O caso inusitado ocorreu em Blumenau, em Santa Catarina, a 140 quilômetros de Florianópolis. Tonho do Gás, como o empresário é conhecido na cidade, tem 33 funcionários em cinco pontos de revenda de gás.

 

Em fevereiro, ele levou Maicon para uma viagem curta. A ideia era mostrar ao funcionário, contratado no mês anterior, a logística de transporte e carregamento de gás em outra localidade. Na volta da viagem, quando pararam para jantar, Antônio notou que Maicon cochilava sem perceber e alertou para a saúde do funcionário:

 

— Eu falei pra ele que meu tio-avô tinha esse cacoete por causa do peso e que ele tinha que se cuidar.

 

Ao falar de família, Maicon revelou a Antônio que fora adotado e que, ao fazer 18 anos, a mãe adotiva lhe deu informações cruciais sobre sua origem, caso tivesse interesse de ir atrás dos pais, o que nunca fez:

 

— Comentei que meu sobrenome antes de ser adotado era Nunes. O Antônio ficou me olhando com cara estranha.

 

Contou ainda que o nome da mãe biológica era Zulimar, que sabia que um irmão também tinha sido encaminhado para a adoção e um outro irmão ficado com os avós:

 

— Ele (Antônio) e o Fábio (outro funcionário que os acompanhava) seguiram me olhando com aquela cara de "conta mais". A ficha ainda não tinha caído pra mim.

 

Já Antônio teve certeza de que o novo funcionário era o caçula da família.

 

— Eu olhei pra ele e falei "tu é meu irmão, cara". A história fechou — conta Antônio.

 

Maicon não sabia que o patrão já tinha tentado, sem sucesso, encontrá-lo e já havia reunido algumas poucas pistas. Um desses fiapos de história foi contado por uma cabeleireira que intermediou a adoção, prática comum na época — o processo de adoção, ainda assim, foi formalizado na Justiça.

 

Antonio foi procurá-la e soube que, há alguns anos, em uma fila para votar nas eleições, a cabeleireira havia encontrado a mãe adotiva de Maicon. Antônio quis saber mais, mas a cabeleireira não havia perguntado detalhes, como o endereço da família adotiva.

 

A mãe biológica dos dois, Zula, 55 anos, apelido de Zulimar, era solteira e com dificuldades financeiras nos anos 1980, quando deixou Antônio ainda bebê com os pais dela e saiu de casa para trabalhar em fábricas, lanchonetes e em residências como doméstica. Um ano depois de Antônio, nasceu Jefferson. Para o menino não passar fome, segundo a mãe, o destino foi a adoção. Depois veio nova gestação, de Maicon, que também foi adotado por outra família.

 

— Naquela época não se falava de métodos contraceptivos — diz ela.

 

Zula afirma que sente por não ter acompanhado o crescimento dos filhos e que o momento mais doloroso foi quando entregou os bebês:

 

— (Senti) tristeza. Fiquei sem chão.

 

Há três anos, Antônio encontrou o irmão do meio, Jefferson Greueli, 34. Juntos, tentavam desde então completar o trio, mas não encontravam Maicon. Eles só contavam com a data de nascimento e o primeiro nome do pai adotivo dele, João. Também supunham que eles ainda morassem na cidade.

 

— Se você não quer falar com um familiar, é uma escolha sua. Agora, você não ter essa chance porque ela foi tirada de você é não ter escolha — afirma Antônio.

 

Agora, com a família reunida, os desajustes do passado rendem risadas. Maicon lembra do dia em que foi chamado pelo chefe para liberar botijões de gás para uma colega de outra filial da empresa. A entrega dos botijões foi feita para Zula, que trabalha na distribuidora de gás do filho. Sem saber, naquele dia havia falado com o irmão e a mãe.

 

— Ele caminhava muito devagar e pensei: "Que pamonha esse menino". Depois, descobri que era meu filho — diz Zula.

 

— Eu não queria me sujar —  explica Maicon que ainda está construindo os laços com a família biológica  — Eu fui criado como filho único, ainda estou me acostumando a ter irmãos. Estou aprendendo.

 

No último mês, os três irmãos conseguiram reunir a família biológica com as adotivas. Antônio é casado e tem três filhos, Jefferson tem dois e Maicon é noivo, sem filhos.

 

— Eu nunca procurei (a família biológica). Eu sempre tive muito medo de encontrar meus irmãos. Pensava: "Vou encontrar que tipo de pessoa?". Eu levei sorte que saí de uma família legal. A sensação é de se completar. Saber que não precisa correr atrás de algo que falta em você — afirma Antônio.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

 

 

22/03/2019 - Massa de ar frio persiste no Rio Grande do Sul nesta sexta

Uma massa de ar frio segue predominando no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira. De acordo com a MetSul Meteorologia, o vento circula dos quadrantes Sul/Sudeste e transporta umidade em direção a faixa leste do Estado. Com isso, períodos de maior nebulosidade podem ocorrer no Litoral, Costa Doce, Serra e Grande Porto Alegre e resultar em chuva esparsa.

 

O amanhecer terá frio com marcas inferiores a 10°C com chance de nevoeiro e baixa visibilidade em alguns trechos. Pela tarde, apesar da presença do sol, a temperatura não sobe muito.

 

Em Porto Alegre, o dia será de sol entre nuvens. As marcas na Capital devem ficar entre 13°C e 25°C.

 

Mínima e Máxima

São José dos Ausentes 9°C | 18°C

Caxias do Sul 11°C | 19°C

Passo Fundo 12°C | 22°C

Chuí 11°C | 23°C

Bagé 9°C | 24°C

Pelotas 14°C | 25°C

Cruz Alta 9°C | 25°C

Santa Cruz 11°C | 27°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

22/03/2019 - Vale divulga cronograma de pagamentos de indenizações em Brumadinho

A Vale informou nessa quinta-feira sobre atualização do cronograma para pagamento de indenização emergencial para os atingidos pelo rompimento da barragem em Brumadinho, após audiência realizada em Minas Gerais. O início de atendimento de registro para pagamento das indenizações emergenciais varia conforme a localidade. A Vale tem um prazo de dez dias úteis para avaliar a documentação e, caso não haja pendências, outros dez dias úteis para realizar o pagamento, retroativo a janeiro e até dezembro.

 

Começa no dia 25 em Brumadinho

 

Pires; no dia 27 para as regiões de Capão Redondo, Jangada, Casa Branca, Retiro das Pedras; depois em 3 de abril em São Joaquim das Bicas e de Mário Campos; dia 10 de abril para a região Brumadinho

 

Sede; dia 17 para os distritos de Conceição do Itaguá e Aranha, e Betim e Juatuba; dia 24 para São José do Paraopeba e Piedade do Paraopeba; e dia 29 os demais municípios (Igarapé, Esmeraldas, Florestal, Pará de Minas, São José da Varginha, Fortuna de Minas, Pequi, Maravilhas, Papagaios, Paraopeba, Curvelo e Pompéu).

 

A Vale afirma que até o momento foram realizados mais de 1,2 mil pagamentos emergenciais para residentes nestas comunidades e "reforça, por meio dessas e de outras ações, seu total compromisso com a reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem de forma célere e abrangente."

 

Conforme o acordo, será pago um salário mínimo mensal para cada adulto, meio salário mínimo mensal para cada adolescente e um quarto para cada criança pelo prazo de um ano; e cesta básica para cada núcleo familiar das comunidades de Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira durante 12 meses. Têm direito ao pagamento todas as pessoas que residiam em Brumadinho ou que moravam até um quilômetro da calha do Rio Paraopeba desde Brumadinho até a cidade de Pompéu, na usina de Retiro Baixo, na data do rompimento da barragem, em 25 de janeiro.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

22/03/2019 - Ciclista morre após ser atingido por veículo na Estrada do Mar, em Osório

 

Um ciclista morreu depois de ser atingido na Estrada do Mar (RS-389), em Osório, no Litoral Norte, na noite desta quinta-feira (22). A vítima foi identificada como Otávio dos Santos Cardoso, 65 anos.

 

O acidente ocorreu na altura do Km 1, no bairro Bosques do Albatroz, por volta de 19h. Segundo a Polícia Civil, o ciclista se deslocava no sentido Osório-Xangri-lá quando foi atingido por um veículo Idea. O motorista fez o teste do bafômetro, que descartou que ele estivesse embriagado.

 

O acidente já foi atendido e a rodovia não tem bloqueio.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/03/2019 - Bolsonaro discute nesta sexta criação de novo bloco de países sul-americanos

 

O presidente Jair Bolsonaro cumpre nesta sexta-feira (22), em Santiago, no Chile, mais uma agenda internacional. Ele se reúne, no final da manhã, com presidentes de seis países na Cúpula Presidencial de Integração Sul-Americana. Além do líder brasileiro, participam do encontro os presidentes da Argentina, do Peru, da Colômbia, do Paraguai, Equador e Chile, informou o Palácio do Planalto.

 

O destaque do encontro será o lançamento do Prosul, nova comunidade de países latino-americanos que deverá substituir a União das Nações Sul-Americanas (Unasul). O Prosul será formado por 12 países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Costa Rica, Nicarágua, Panamá e República Dominicana.

 

Na quinta-feira(21), ao desembarcar na capital chilena, Bolsonaro destacou a criação do novo grupo de países e enfatizou compromissos com democracia e liberdade no subcontinente.

 

— É uma satisfação visitar o Chile, tenho profundo respeito pelo povo chileno, pelo presidente Piñera. Trataremos de assuntos de interesse dos nossos países, esse é o grande objetivo da nossa viagem, além de, com toda certeza, selarmos aqui o fim da Unasul. A América Latina toda deve se unir em cima do termo democracia, liberdade e prosperidade —afirmou. 

 

O encontro de líderes sul-americanos prevê uma declaração conjunta à imprensa no início da tarde, seguida de almoço oferecido aos chefes de Estado pelo presidente anfitrião, Sebastian Piñera. Bolsonaro deverá conceder entrevista exclusiva a um veículo de imprensa do Chile.

 

Integram a comitiva os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), além dos deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Hélio Lopes (PSL-RJ).

 

Neste sábado (23), Bolsonaro participa de um café da manhã com cerca de 20 empresários, a convite da Sociedade de Fomento Fabril do Chile (Sofofa), uma das principais associações empresariais do país. Na sequência, ele se reúne, em encontro bilateral, com o líder chileno Sebástian Piñera, no Palácio La Moneda. Antes do encontro, deposita flores no monumento em homenagem ao libertador chileno, o general Bernardo O'Higgins. Após almoço da comitiva brasileira com o presidente Piñera, Bolsonaro e comitiva embarcam de volta ao Brasil.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/03/2019 - Entenda em dois minutos como foi a prisão de Temer e por que ele está detido na PF no Rio

Nesta quinta-feira (21), em São Paulo, o ex-presidente Michel Temer foi preso pela Polícia Federal em desdobramentos da Operação Lava-Jato. Também foram presos o coronel Lima, apontado como operador financeiro de Temer, e o ex-ministro e ex-governador do Rio de Janeiro Wellington Moreira Franco.

 

A prisão de Temer

 

O ex-presidente Michel Temer foi detido no final da manhã desta quinta-feira, no bairro Alto de Pinheiros, em São Paulo. Ele foi encaminhado para o aeroporto de Guarulhos e, posteriormente, para o Rio de Janeiro, onde ficou detido na Superintendência da Polícia Federal.

 

Quem são os outros presos

 

O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Marcelo Bretas. Outras oito pessoas foram detidas: o ex-ministro Moreira Franco, o amigo de Temer João Batista Lima Filho (coronel Lima), Maria Fratezi (mulher de coronel Lima), Carlos Alberto Costa  e Carlos Alberto Costa Filho (sócios de coronel Lima), Rodrigo Castro Alves Neves (apontado como intermediador de propina), Carlos Jorge Zimmermann (que teria ajudado a fornecer propina), e Vanderlei de Natale, que teria colaborado com coronel Lima nas intermediações.

 

As investigações

 

A operação apura contratos firmados por empresas envolvidas na Lava-Jato com a Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras, para realizar obras na usina nuclear Angra 3. As suspeitas são de pagamentos de propina a funcionários da estatal e membros do MDB.  

 

No despacho em que justifica a ordem de prisão, Marcelo Bretas cita o "branqueamento de valores obtidos criminosamente" – que pode ser interpretado como lavagem de dinheiro, que é considerado pela lei como obstrução da Justiça – e recuperação do dinheiro desviado dos cofres públicos pela corrupção. Ele também agiu para impedir que a ação caia nas mãos de Gilmar Mendes, que é tido como aliado de Michel Temer.

 

 

 

O que diz o MPF

 

Na ação cautelar apresentada pelo Ministério Público Federal, Michel Temer é apontado como líder de uma "organização criminosa" que teria desviado R$ 1,8 bilhão dos cofres públicos. Para os procuradores, o ex-presidente Michel Temer e o coronel João Baptista Lima Filho atuam há décadas para desviar recursos públicos.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/03/2019 - Temer passa primeira noite na prisão e deve prestar depoimento nesta sexta

Após passar a primeira noite na prisão no Rio de Janeiro, o ex-presidente Michel Temer deve depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (22). Temer foi preso na quinta-feira (21), em São Paulo, na Operação Descontaminação, um desdobramento das investigações da força-tarefa da Lava-Jato no Rio.

 

Temer ocupa uma cela improvisada na superintendência da PF no Rio, uma sala da corregedoria no terceiro andar do prédio. O espaço, com cerca de 20 metros quadrados e janela, conta com frigobar, ar-condicionado e é uma das poucas salas do edifício com banheiro privativo. O ex-presidente chegou ao local no início da noite de quinta-feira e foi recebido por cerca de 10 manifestantes que gritavam "golpista" e "ladrão".

 

A custódia de Temer no prédio da PF obedece a decisão do juiz Marcelo Bretas, que decretou a prisão do ex-presidente. Bretas defendeu tratamento semelhante ao dado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril de 2018 na superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

 

"Entendo que o tratamento dado aos ex-presidentes deve ser isonômico, uma vez que o ex-presidente Lula está custodiado na superintendência da Polícia Federal em Curitiba", escreveu o juiz em seu despacho.

 

Inicialmente, Bretas havia determinado que Temer fosse enviado ao Batalhão Especial Prisional (BEP), unidade gerida pela Polícia Militar do Rio em Niterói, na região metropolitana da capital. Reservada a policiais, a unidade mantém hoje o ex-governador Luiz Fernando Pezão, acusado de participar do esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral. A mudança foi feita a pedido da defesa de Temer e após consulta à Polícia Federal, que afirmou ter condições de custodiar o ex-presidente.

 

O ex-ministro Moreira Franco e João Batista Lima Filho, o coronel Lima, estão presos no BEP, segundo decisão de Bretas. Na unidade há uma sala de Estado-Maior, mais espaçosa e com mesa e banheiro, onde hoje está Pezão.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/03/2019 - Reforma da previdência dos militares deve poupar R$ 10,4 bilhões em dez anos

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, que o projeto de lei de reforma previdenciária dos militares pouparia R$ 97,3 bilhões em dez anos. No entanto, um plano de restruturação da carreira das Forças Armadas vai custar cerca de R$ 86,8 bilhões nesse período, o que geraria uma economia líquida de R$ 10,4 bilhões. Se comparado ao total que o governo planeja economizar com a reforma, a cifra dos militares representa apenas 1%.

 

Junto com o presidente Jair Bolsonaro, Guedes e outros ministros foram à Câmara dos Deputados, em um gesto simbólico, para entregar a proposta, que deve começar a tramitar na semana que vem.

 

"A reforma da Previdência que nós orçamos em nossa proposta à Câmara dos Deputados em R$ 1,170 trilhão, é considerada pela equipe econômica indispensável para recuperar o crescimento econômico. As Forças Armadas brasileiras, com o patriotismo de sempre, entenderam a importância e participaram dessa contribuição", declarou Guedes.

 

Entre os principais pontos estão o aumento da contribuição previdenciária dos militares, dos atuais 7,5% do salário para até 10,5%, progressivamente. O tempo de contribuição passará de 30 para 35 anos, sem idade mínima para que os militares passem para a reserva.

 

Guedes justificou a necessidade de restruturação da carreira militar ao comparar com a carreira dos servidores públicos civis. Segundo o ministro, jovens que ingressam no serviço público civil, por meio de concurso, chegam a receber salários de R$ 20 mil, maiores até do que generais em fim de carreira.

 

"Uma correção não só do lado da previdência, mas do lado de reduzir privilégios, que no caso estavam a favor de servidores civis e contra servidores militares."

 

Atualmente, o regime previdenciário dos militares é deficiário e a expectativa é que passe a ser superavitário, como já havia adiantado o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, mais cedo. Com isso, não precisaria haver aportes do Tesouro para bancar as aposentadorias das Forças Armadas.

 

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, um dos articuladores do texto, defendeu que a carreira militar tem especificidades que outras não têm.

 

"Nós militares não temos uma relação de trabalho patrão-empregado, nós temos pelo juramento que o militar faz o compromisso com a nação brasileira, de defender a pátria com a própria vida."

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

21/03/2019 - Previsão do tempo no RS: temperaturas baixas e tempo firme predominam nesta quinta

Nesta quinta-feira (21), a expectativa é de tempo firme na maior parte do Rio Grande do Sul, onde o sol deve predominar entre poucas nuvens. De acordo com a Somar Meteorologia, as temperaturas seguem baixas ao longo do dia. A chuva ocorre somente no litoral do Estado, mas de forma isolada e sem grande intensidade.

 

Após registrar a madrugada mais fria do ano, com os termômetros indicando 16,8°C, Porto Alegre deve ter máxima na casa dos 22°C à tarde.

 

Na sexta-feira (22), a chuva volta a ocorrer sobre boa parte do Rio Grande do Sul, especificamente na metade norte, ainda que em forma de pancadas rápidas, intercaladas com períodos de sol. Enquanto isso, o tempo firme ainda predomina em áreas de fronteira com o Uruguai.

 

Confira a previsão para esta quinta-feira (21) para algumas cidades:

Capital: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 15°C e máxima de 22°C

Pelotas: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 13°C e máxima de 22°C

Caxias do Sul: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 12°C e máxima de 18°C

Santa Maria: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 11°C e máxima de 22°C

Santa Rosa: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 11°C e máxima de 22°C

Erechim: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 11°C e máxima de 21°C

Uruguaiana: tempo firme e ensolarado. Mínima de 10°C e máxima de 24°C

Torres: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 17°C e máxima de 21°C

Tramandaí: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 17°C e máxima de 22°C

Capão da Canoa: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 16°C e máxima de 22°C

Xangri-Lá: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 16°C e máxima de 22°C

Rio Grande: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 17°C e máxima de 19°C

Mostardas: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 19°C e máxima de 21°C

Passo Fundo: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 11°C e máxima de 19°C

Bagé: tempo firme e ensolarado. Mínima de 9°C e máxima de 19°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/03/2019 - Nova Zelândia proíbe venda de fuzis de assalto após massacre em mesquitas

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta quinta-feira (21) a proibição imediata da venda de fuzis de assalto e outras armas longas semiautomáticas no país, em resposta ao ataque contra duas mesquitas em Christchurch, que deixaram 50 mortos.

 

— Anuncio que a Nova Zelândia proibirá todas as armas semiautomáticas de estilo militar. Também proibiremos todos os fuzis de assalto — disse Ardern, que também anunciou medidas provisórias para evitar uma enxurrada de compras antes da entrada em vigor da proibição.

 

— A consequência será que ninguém poderá comprar estas armas sem uma autorização da polícia, e posso garantir que não terá sentido solicitar tal permissão — completou Ardern.

 

Ardern também comunicou a proibição de carregadores de grande capacidade e dos dispositivos que permitem realizar disparos mais rápidos.

 

— Para resumir, cada arma semiautomática empregada no ataque terrorista de sexta-feira será proibida neste país.

 

Para as armas já adquiridas, Ardern anunciou um sistema de recompra que exigirá entre 100 e 200 milhões de dólares neozelandeses (entre US$ 69 e 139 milhões), em razão do volume de armas recebidas. Quem mantiver as armas após o período de anistia enfrentará multas de até US$ 4 mil dólares e três anos de prisão.

 

Na sexta-feira passada, o supremacista branco australiano Brenton Tarrant utilizou um fuzil de assalto nos ataques contra duas mesquitas de Christchurch, em um massacre transmitido ao vivo pelo agressor no Facebook.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/03/2019 - MP apura suposto uso de drogas e bebidas alcoólicas em atividade de colégio em Lajeado

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) investiga o suposto uso de drogas e bebidas alcoólicas em atividade de um colégio em Lajeado, no Vale do Taquari. Os fatos, registrados em vídeos, teriam ocorrido durante um piquenique realizado pela instituição de ensino, no dia 14 de março, fora das dependências da escola.

 

Os jovens são do 8º ano e têm de 12 a 13 anos. Ecstasy e Viagra estariam entre os produtos consumidos pelos adolescentes durante o evento. O promotor de Justiça Carlos Augusto Fiorioli afirma que os jovens serão submetidos a exame toxicológico para verificar se os indícios se confirmam. Suposto caso de abuso sexual também está sendo apurado pelo MP.

 

Fiorioli disse que o caso chegou ao MP após repercussão dos vídeos e relatos nas redes sociais. Assim que checou as informações, o promotor abriu um procedimento, pedindo posicionamento da escola.

 

Um jovem teria dado entrada no sistema de saúde em razão do evento. O membro do MP solicitou informações ao Hospital Bruno Born para verificar possível internação de adolescentes com sinais de alcoolemia.

 

— O hospital respondeu negativamente, porque o jovem foi levado para a UPA (Unidade de Pronto-Atendimento).

 

O promotor informou que 14 alunos foram suspensos do colégio. Duas turmas da instituição, conduzidas em dois ônibus, participaram do piquenique. Após juntar as informações fornecidas pela instituição de ensino, Fiorioli disse que iniciou outra fase da apuração:

 

— Hoje pela manhã já começamos a ouvir os pais, responsáveis e os jovens a respeito do fato. Começamos pela existência do fato, identificação das autorias e dos protagonistas, que são os professores, qual foi o papel da escola. Agora, estamos investigando qual a conduta que cada jovem praticou.

 

Após terminar essa etapa, o promotor vai encaminhar o caso ao Judiciário. Caso se comprovem os fatos, o MP pode representar por ato infracional contra os investigados. Os adolescentes ouvidos até o momento admitem apenas o uso de bebidas alcoólicas — que também é ilegal para menores de 18 anos.  

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/03/2019 - PF investiga desvios em convênio entre a UFRGS e fundação

A Polícia Federal (PF) investiga o desvio de recursos públicos relacionados a convênio firmado entre a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), por meio da Superintendência de Infraestrutura (Suinfra), e a Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs).

 

Cinco servidores públicos da universidade foram afastados das funções por determinação da Justiça Federal. Mais de uma centena de pessoas pode ter sido indevidamente favorecida pela aplicação irregular dos recursos do convênio.

 

Os investigados poderão responder por crimes como peculato, falsidade ideológica e associação criminosa. Policiais cumprem 11 mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Viamão e Gravataí na manhã desta quinta-feira (21) na Operação Alforje. A universidade é alvo de buscas: há um mandado sendo cumprido na Suinfra e um no Campos do Vale, conforme apurou a reportagem. 

 

Além dos afastamentos, a Justiça Federal também emitiu medidas de bloqueio de contas e de veículos de pessoas investigadas.

 

O convênio sob suspeita estabeleceu o repasse de R$ 11,4 milhões à Faurgs para elaboração conjunta de projetos nas áreas de engenharia e arquitetura, com vigência nos anos de 2015 a 2017.  O inquérito apura pagamentos com indicativo de irregularidades em favor de beneficiários selecionados sem critérios técnicos e que, muitas vezes, já são vinculados à UFRGS ou à Faurgs.

 

O esquema também funcionava para complementar a renda dos servidores da universidade investigados, por meio do recebimento de bolsas. Há casos de profissionais com formação diversa da área objeto do convênio, indicados como bolsistas do projeto. Os dados da execução e da prestação de contas também são mínimos ou inexistentes.

 

Nome da Operação

Alforje é um tipo de bolsa composta por dois compartimentos, distribuídos de forma que o peso de um seja contrabalanceado pelo do outro.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/03/2019 - Após relatos de ameaças de atentado, Campus do Vale da UFRGS funciona normalmente

Um dia após ter sido tornado público que a UFRGS recebeu informações de ameaça de atentado no Campus do Vale, o clima é de aparente normalidade no local. GaúchaZH esteve, no início da manhã desta quinta-feira (21), no mais afastado dos campi da universidade, onde ônibus transitavam normalmente e estudantes chegavam para as aulas.

 

— Vim depois que soube que a universidade estava tomando providências — disse o estudante de Letras Filipe Machado, 18 anos, salientando que alguns colegas preferiram ficar em casa por medo.

 

Seu colega Wesley Macedo, 22 anos, também compareceu após ler a nota divulgada pela UFRGS:

 

— Mas a gente sai da aula e vai para casa. Não fica de bobeira.

 

A UFRGS expediu nota, na tarde de quarta-feira (20), informando que, "assim como algumas outras universidades brasileiras, recebeu informações de ameaça de atentado no Campus do Vale, semelhante ao ocorrido em Suzano (SP)".

 

Após circularem pelas redes sociais reproduções de mensagens incitando ataques, a universidade afirmou que acionou o setor de segurança da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), polícias Federal (PF) e Civil, além do setor de inteligência da Brigada Militar (BM), e ainda reforçou a segurança interna nos campi em Porto Alegre.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/03/2019 - Estouro assusta moradores perto do Polo Petroquímico de Triunfo

 

Um barulho forte, semelhante ao de uma explosão, assustou moradores de Triunfo, na Região Metropolitana, no começo da manhã desta quinta-feira (21). O estrondo foi ouvido no Polo Petroquímico por volta de 6h30min. 

 

Segundo a assessoria de imprensa da Braskem, o que ocorreu foi um processo chamado decomp, que é a ativação automática de dispositivos de segurança dos reatores para evitar acidentes. O deslocamento de ar é um procedimento incomum que ocorre quando é necessário liberar pressão.

 

O incidente ocorreu na planta 4 da Braskem, onde é feita a produção de polietileno. A área de segurança do Polo Petroquímico foi acionada na hora em que foi ouvido o barulho. Não houve feridos. A Braskem informou que já começou um processo de investigação para saber o que provocou o deslocamento de ar para que sejam feitas as adequações necessárias.

 

— É o que chamam de distúrbio de processo, quando uma pressão mais forte do que o normal ocorre sobre o equipamento e há o rompimento de uma válvula de segurança — afirma o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Petroquímica de Triunfo, Carlos Heitor Machado Rodrigues.

 

Um engenheiro que trabalha no Polo Petroquímico disse a GaúchaZH que, embora se trate justamente de um mecanismo de segurança, "é um barulho amedrontador até para quem está acostumado".

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/03/2019 - Culto ecumênico marcará uma semana de massacre em Suzano

O tiroteio na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), que chocou o país e ainda desperta perguntas sem respostas, completa uma semana nesta quarta-feira. Em homenagem aos dez mortos e 11 feridos, haverá um culto ecumênico no pátio do colégio. Lentamente, há um esforço para retornar à normalidade, as salas de aula estão abertas para os alunos que desejarem participar das sessões de acolhimento.

 

Estudantes e profissionais de outras escolas estaduais preparam cartazes com desenhos e cartas com mensagens e paz, amor, esperança, união, como forma de acolhimento aos que voltarão a frequentar a Raul Brasil. No último dia 13, durante o intervalo das aulas, por volta das 9h30 a tragédia começou. Dois atiradores, um deles menor de idade, entraram no colégio e atacaram estudantes e funcionários usando armas de fogo, uma machadinha e uma "besta" (arma do tipo medieval que parece arco e flecha).

 

A polícia calcula que o ataque durou alguns minutos e só parou porque os policiais entraram na escola e cercaram os atiradores. Pelas investigações, um dos autores da tragédia atirou contra o segundo, matando-o, e depois suicidou-se.

 

Vítimas

Os dez mortos – uma coordenadora pedagógica, uma funcionária, seis estudantes e os dois atiradores – foram velados coletivamente. Os feridos foram levados para diferentes hospitais. Até a última terça-feira, havia ainda pacientes internados em São Paulo para onde foram levados os que precisavam de cuidados especiais.

 

Sobreviventes relataram ter vivido momentos de terror enquanto os atiradores estavam no colégio. Ainda sob trauma, muitos afirmam não conseguir esquecer o que passaram. Para apoiar os estudantes, professores e funcionários, foi organizado um esquema de atendimento psicossocial especializado com equipes do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) da prefeitura de Suzano, psicólogos e assistentes sociais.

 

A direção da Escola Estadual Professor Raul Brasil avalia em conjunto com a Secretaria de Educação de São Paulo sobre o melhor momento de retomar as aulas regulares. Paredes, portas e alguns detalhes da fachada do colégio estão sendo modificados. Muitas portas foram destruídas pelos tiros e golpes de machado. Um terceiro suspeito foi apreendido ontem. A polícia investiga o envolvimento dele no planejamento do crime.

 

Indenizações

Um comitê executivo, criado pelo governo de São Paulo, vai coordenar o pagamento de indenizações para as famílias das vítimas. Na semana passada, o governador do estado, João Doria, disse que o valor da indenização será definido pela Procuradoria-Geral de São Paulo e deve ser de aproximadamente R$ 100 mil para cada família. Segundo Doria, a indenização deve ser paga em até 30 dias. De acordo com ele, até 15 de abril, as famílias dos estudantes e das duas funcionárias da escola vão receber as indenizações.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

20/03/2019 - MP recorre para aumentar as penas do Caso Bernardo

O promotor de Justiça Bruno Bonamente interpôs, nesta terça-feira, recurso com o objetivo de aumentar as penas aplicadas aos quatro réus condenados pela morte do menino Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos. Na última sexta-feira, os jurados acataram a tese da acusação e consideraram culpados os réus Leandro Boldrini, pai do menino, Graciele Ugulini, madrasta, a amiga de Graciele, Edelvânia e Evandro Wirganovicz pela morte e ocultação do corpo de Bernardo. Leandro também foi condenado pelo crime de falsidade ideológica.

 

O homicídio ocorreu em 4 de abril de 2014, data em que o menino desapareceu. Houve comoção na cidade, de menos de 25 mil habitantes, e até uma rede de ajuda foi montada, no sentido de encontrar a criança. Dez dias depois, o corpo de Bernardo foi localizado dentro de uma cova em Frederico Westphalen.

 

As razões de recurso, de acordo com nota do Ministério Público do RS, devem ser apresentadas quando da abertura do prazo para tal, que ocorrerá depois da juntada da degravação de todo o julgamento. A estimativa, de acordo com o MP, é que isso ocorra em meados de abril.

 

 

Fonte: Correio do Povo

20/03/2019 - Polícia investiga caso de mulher que teria pago R$ 10 para homem dar sumiço em cão

A Polícia Civil de Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, está investigando um caso de maus tratos contra um cachorro. Por volta das 20h do último domingo (17), moradores do bairro Faxinal Menino Deus ligaram para a Brigada Militar informando que um homem estaria matando um cachorro a pedradas próxima ao Presídio Regional do município. 

 

Segundo a Brigada Militar, o homem estaria enterrando o cachorro ainda vivo. Mas, ao perceber a movimentação de moradores, ele teria retirado o cão do buraco e entregue para sua tutora. 

 

Aos policiais militares, o homem disse que a tutora do animal havia pago R$ 10 para que ele desse um sumiço no cão. A mulher confirmou a versão, afirmando que teria feito tal pedido porque o cachorro estava doente.

 

— Solicitamos a presença do pessoal da Medicina Veterinária do município. Eles compareceram ao local, e deram o primeiro tratamento. Infelizmente, o animal veio a óbito. Ele estava doente há cerca de 30 dias e a tutora negligenciou o socorro. Estava anêmico, e o exame clínico apontou a suspeita de cinomose. Não há certeza sobre a causa da morte — explicou o  comandante da 1ª e 2ª Companhia do 23º Batalhão de Polícia Militar, capitão Rafael Carvalho Menezes.

 

De acordo com a delegada Ana Luísa Aita Pippi, foi feito um termo circunstanciado. Eles podem responder por maus tratos a animal doméstico agravado pela morte. Os policiais aguardam o laudo do veterinário da prefeitura para apurar os fatos. Os envolvidos e testemunhas serão ouvidos nos próximos dias.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/03/2019 - Previsão do tempo no RS: quarta-feira terá chuva generalizada e queda da temperatura

Na quarta-feira (20), último dia no verão de 2019, há mudanças no tempo em todo o Rio Grande do Sul. De acordo com a Somar Meteorologia, a chuva ocorre de forma generalizada no Estado. O céu fica nublado e as pancadas ocorrem a qualquer momento do dia. Com a chuva vêm também as rajadas de vento acima de 60 km/h. O frio segue ganhando intensidade no dia que marca a virada de estações do ano. Em Porto Alegre, a máxima não deve passar de 23°C no período da tarde.

 

Na quinta-feira (21), as instabilidades perdem intensidade. O tempo firme volta a predominar sobre a maior parte do Estado, com sol entre poucas nuvens, mas a temperatura segue em queda. A chuva ocorre somente no litoral.

 

Confira a previsão para esta quarta-feira (20) para algumas cidades:

 

Capital: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 18°C e máxima de 23°C

Pelotas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 16°C e máxima de 23°C

Caxias do Sul: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 16°C e máxima de 18°C

Santa Maria: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 16°C e máxima de 24°C

Santa Rosa: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 18°C e máxima de 23°C

Erechim: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 17°C e máxima de 23°C

Uruguaiana: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 15°C e máxima de 24°C

Torres: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 24°C

Tramandaí: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 25°C

Capão da Canoa: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 25°C

Xangri-Lá: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 25°C

Rio Grande: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 19°C e máxima de 23°C

Mostardas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 23°C

Passo Fundo: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 17°C e máxima de 24°C

Bagé: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 12°C e máxima de 21°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/03/2019 - Operação integrada em mais de 30 cidades do RS combate crimes contra mulheres

A 3ª Operação Integrada Metropolitana foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (20) em 34 municípios gaúchos para combater crimes contra mulheres. São 960 agentes de vários órgãos estaduais e municipais atuando para prevenir potenciais casos de violência e para proteger de uma forma geral as vítimas de violência doméstica, abusos sexuais, ameaças, agressões e também de tentativas de feminicídio. Na Capital, a Brigada Militar está em 140 locais onde há mulheres com medidas protetivas, e a Polícia Civil em outros 20 locais onde vítimas pediram socorro com urgência nos últimos dias.

 

As outras duas ações integradas na região, contra outros tipos de delitos, também ocorreram neste mês e tiveram cerca de 160 presos.

 

O Gabinete de Gestão Integrada da Região Metropolitana de Porto Alegre coordena o trabalho com órgãos que formam a Rede de Proteção da Mulher, a Rede Lilás, que tem equipes capacitadas para enfrentar este tipo de problema. O trabalho realizado nesta quarta-feira tem base em denúncias feitas pelo telefone 181, quando foram identificados casos mais graves e urgentes. As visitas aos locais escolhidos estão ocorrendo para oferecer acompanhamento às mulheres que podem necessitar de medidas adicionais ou orientações sobre canais de denúncias, bem como de atendimento do Estado. Se houver necessidade, prisões em flagrante de agressores serão realizadas, mas a principal meta é dar início a medidas protetivas ou até mesmo extinguir, conforme a situação verificada. Psicólogos e assistentes sociais acompanham a ação.

 

Segundo o vice-governador e secretário da Segurança Pública e da Administração Penitenciária, Ranolfo Vieira Júnior, que também é coordenador do Gabinete de Gestão Integrada, nas outras operações, realizadas nos dias 9 e 15 de março, houve 161 prisões, 38 armas apreendidas e R$ 167 milhões em dinheiro sem comprovação da origem. Foram realizadas, na primeira edição, vistorias e barreiras em áreas de risco e contra o comércio ilegal. Na segunda, o trabalho teve como foco áreas comerciais, próximas a agências bancárias e em paradas de ônibus.

 

Participam desta 3ª Operação Integrada policiais civis das Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAMs), PMs das Patrulhas Maria da Penha, além de servidores do Instituto-Geral de Perícias (IGP), Bombeiros, Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), além de integrantes de guardas municipais, Vigilância Sanitária Estadual e, no caso de Porto Alegre, também agentes da EPTC.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/03/2019 - Governo começará pacote de concessões por duas estradas e Rodoviária de Porto Alegre

Após atraso de quase um ano no prazo estimado para conclusão de estudo de viabilidade técnica, os gaúchos deverão conhecer até sexta-feira (22) os projetos de concessão de trechos da RS-287 e da RS-324. A divulgação do conteúdo eleva a expectativa de lideranças das regiões que abrigam as duas rodovias.

 

Para os interlocutores, que pressionam por agilidade nos processos, o repasse à iniciativa privada tornou-se a opção viável para as estradas deixarem no retrovisor gargalos históricos. Segundo a avaliação de entidades locais, as condições de conservação põem em risco a população que as utiliza e prejudicam o desenvolvimento econômico, com dificuldades para o escoamento de mercadorias.

 

Embora o desenho dos projetos tenha começado no governo José Ivo Sartori, a iniciativa representará o primeiro pacote de concessões da gestão Eduardo Leite.

 

A informação de que as análises sobre a RS-287, entre Tabaí, no Vale do Taquari, e Santa Maria, na Região Central, e a RS-324, entre Passo Fundo, no Norte, e Nova Prata, na Serra, deverão ser publicadas no Diário Oficial nesta semana foi confirmada pela Secretaria de Governança e Gestão Estratégica.

 

O pacote ainda contemplará a concessão da rodoviária de Porto Alegre, mas deixará de fora a RS-020 por questões de viabilidade econômica, segundo a pasta.

 

O maior trecho a ser concedido à iniciativa privada é o da RS-287, de 204,5 quilômetros. Caso avance, a concessão também teria impactos no Vale do Rio Pardo, que reúne entidades empresariais em defesa da duplicação da rodovia. Um dos líderes do movimento Duplica 287, Lucas Rubinger argumenta que a ampliação da capacidade da estrada é necessária para reduzir acidentes e estimular a economia local, dependente de setores como o fumageiro.

 

– Estamos vendo que o assunto é prioridade para o governo. Aguardamos resposta efetiva. De promessas nos últimos anos, já estamos cheios – pontua Rubinger, também presidente da Associação Comercial e Industrial de Santa Cruz do Sul.

 

Rodoviária de Porto Alegre pode ser concedida por 25 anos

A intenção do Palácio Piratini é repassar trechos da RS-287 e da RS-324 à iniciativa privada por 30 anos. Sem dar detalhes, o governo pretende conceder a rodoviária de Porto Alegre por prazo menor, de 25 anos. Os vencedores da licitação na Capital terão de “implantar melhorias e equipamentos” na estação, diz a secretaria.

 

Sob responsabilidade da consultoria KPMG, contratada em 2017, o estudo de viabilidade técnica, em revisão após ser concluído, é uma das etapas necessárias antes da publicação dos três projetos. Inicialmente, o governo Sartori previa que a análise fosse finalizada até maio de 2018. Com sucessivos adiamentos, o término do estudo ficou para a gestão de Leite. Para a RS-324, o Piratini prevê a concessão de 115,3 quilômetros. 

 

– A rodovia é sinuosa e tem fluxo intenso. Hoje, não há pedágio. Com a concessão, não vejo problema em ter algum. O governo está sem condições de fazer as obras necessárias – aponta o presidente da Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agronegócio de Passo Fundo, Evandro Silva.

 

Depois da divulgação dos projetos, a concessão das duas estradas e da rodoviária da Capital passará por consulta online, para conhecimento geral, por no mínimo 30 dias, e audiências públicas, a fim de coletar sugestões. Na sequência, os documentos terão de ser submetidos à avaliação de órgãos reguladores. Somente após o avanço nessas etapas é que os editais poderão ser publicados. O Piratini evita estimar prazo para a conclusão de todos os processos.

 

Após retirar a RS-020 do pacote de concessão, o governo do Estado está revisando a análise de viabilidade econômica da rodovia. A estimativa do Piratini é de que o estudo seja encerrado até o fim deste mês.

 

No projeto inicial, estava prevista a concessão de 117,7 quilômetros, entre Cachoeirinha, na Região Metropolitana, e Canela, na Serra. O trecho também englobaria municípios do Vale do Paranhana.

 

— Ficamos frustrados com a retirada da RS-020 do pacote. Mas esperamos que o novo modelo de concessão seja mais atrativo. É a única opção que temos para modernizar a rodovia. Nossa preocupação é com a segurança da estrada — observa o presidente da Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana, Roger Fernando Ritter.

 

O que entra no pacote

RS-287: trecho de 204,5 quilômetros, de Santa Maria a Tabaí.

Tempo de concessão: 30 anos

 

RS-324, trecho de 115,3 quilômetros, de Passo Fundo a Nova Prata.

Tempo de concessão: 30 anos

 

Rodoviária de Porto Alegre, com previsão de implantação de melhorias e novos equipamentos.

Tempo de concessão: 25 anos

 

O que fica de fora

RS-020, trecho 117,7 quilômetros, de Cachoeirinha a Canela.

Passado e futuro

Em maio de 2016, a Assembleia aprovou nova lei de concessões de rodovias estaduais. A partir da medida, o governo pode conceder trechos de estradas à iniciativa privada para exploração, conservação, manutenção e ampliação da infraestrutura.

Em março de 2017, o Piratini lançou o Marco Regulatório das Concessões Rodoviárias no RS. Com isso, a KPMG iniciou estudo de viabilidade técnica para conceder as rodovias RS-287, RS-324 e RS-020, servindo de referência para o edital de licitação.

A projeção inicial do governo José Ivo Sartori era de que o estudo fosse finalizado até maio de 2018. Em seguida, o prazo passou por adiamentos.

A RS-020, entre Cachoeirinha, na Região Metropolitana, e Canela, na Serra, foi retirada do projeto por questões de viabilidade econômica. Enquanto isso, a concessão da rodoviária de Porto Alegre foi incluída.

Depois de encerrado o estudo, o projeto de concessão tem der ser publicado no Diário Oficial, etapa prevista para esta semana. Em seguida, passará por consulta online e audiências públicas, a fim de coletar sugestões. Por fim, o projeto terá de ser avaliado por órgãos reguladores – Agergs, Cage e PGE.

Ainda sem prazo, a publicação da versão final do edital dará início ao processo de licitação, com definição das concessionárias.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/03/2019 - Queda no número de homicídios no RS é a maior da década

Considerado um dos principais indicadores para avaliar a segurança, o número de homicídios arrefeceu em fevereiro no Rio Grande do Sul. A redução de 31,7% nos assassinatos, em relação a fevereiro do ano passado — de 205 para 140 ocorrências —, é a maior da década. Em Porto Alegre, a queda foi ainda mais significativa. Com 23 registros, diminuiu 61,6%. Os dados foram divulgados ontem pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Estado.

 

Em janeiro, a Capital teve 46 assassinatos, ou seja, o dobro do registrado em fevereiro. De maneira geral, o RS apresentou queda nos crimes contra a vida nesses dois meses — tendência que já vinha sendo verificada. O ano de 2018, com 2.326 mil homicídios, encerrou com 633 a menos do que em 2017. Em Porto Alegre, 2018 teve 137 assassinatos a menos do que no ano anterior.

 

— Por questão ética, é preciso ressaltar que não é uma coisa que tenha se iniciado no nosso governo. Já vinha existindo essa redução. Estamos conseguindo aumentar a diminuição. Mas temos de melhorar ainda mais — avaliou o vice-governador e secretário da Segurança Pública do RS, Ranolfo Vieira Júnior.

 

Os roubos com morte (latrocínios) tiveram pequena queda. Foram quatro casos no Estado em fevereiro de 2019. No ano passado, houve cinco vítimas desse tipo de crime no mesmo mês. Na Capital, nenhum roubo com morte foi registrado em fevereiro. Em março, já houve um caso.  O advogado Fernando Nunes Machado, 42 anos, foi morto a tiros por criminosos durante tentativa de roubo de veículo no bairro Rubem Berta.

 

O vice-governador e secretário da Segurança atribui a redução dos índices ao trabalho desenvolvido pelas polícias.

 

— Outro dado importante, que queremos qualificar é a descapitalização das organizações criminosas. Há uma rotatividade muito grande no crime. Descapitalizando, começamos a desarticular a organização como um todo — afirma o responsável pela pasta.

 

Os indicadores de violência contra a mulher também apresentaram queda nos dois primeiros meses do ano, segundo os dados da SSP. Os casos de feminicídio – quando a morte é motivada por questões de gênero – tiveram redução de 50%, passando de 10 no primeiro bimestre do ano passado para cinco vítimas em 2019. Em fevereiro, a diminuição foi de 66,6%: foram três casos em 2018 e um no último mês.

 

Diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Capital, a delegada Vanessa Pitrez acredita que a redução é reflexo do foco na inteligência policial e na investigação de combate às facções em todas as escalas.

 

A delegada citou como exemplo operação do último fim de semana. Na ofensiva, foram presos criminosos responsáveis por queimar vivo um homem, suspeito de estuprar a filha de 12 anos no bairro Bom Jesus, na zona leste de Porto Alegre.

 

— Cerca de 90% dos casos estão relacionados ao tráfico. Tem relação com as organizações criminosas. Existe uma cadeia de mando desses homicídios. Atacamos desde o líder, que está no presídio e continua comandando, como os outros elos, até chegar em quem executou. Acreditamos que atacando toda a cadeia conseguimos reduzir os números de homicídios — afirmou.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/03/2019 - Obras inacabadas da Copa de 2014 estão R$ 43,8 milhões mais caras em Porto Alegre

Já se passaram 1.738 dias desde que Porto Alegre recebeu o primeiro jogo da Copa do Mundo de 2014. Desde então, são quatro anos e nove meses de espera para conseguir dar fim às intermináveis intervenções de infraestrutura viária.

 

Os 17 projetos foram identificados, em 2010, como o legado que a Copa deixaria para a capital gaúcha, segundo o então prefeito José Fortunati. Somente seis obras, contudo, foram concluídas a tempo de receber as cinco partidas do Mundial, disputadas em 15 dias de junho de 2014 — uma sétima se juntou à relação ainda no ano da Copa.

 

Passado todo esse tempo, 10 projetos seguem inconclusos. Desses, dois sequer começaram, três estão pela metade e cinco se aproximam da finalização dos trabalhos.

 

Falta de dinheiro, projetos mal planejados e executados, necessidade de se fazer reassentamentos de famílias e desapropriações de terrenos particulares, além de setor construtivo afetado pela crise financeira do país, foram e são alguns dos problemas enfrentados pela prefeitura de Porto Alegre para desenvolver tudo de uma só vez. O custo de tantos erros estão sendo pagos. E com juros.

 

Com os 10 projetos inacabados, a prefeitura pretendia gastar R$ 351,27 milhões em 2013. Esse valor subiu para R$ 395,08 milhões seis anos depois. O aumento foi de R$ 43,8 milhões, o que corresponde a 12% do que foi previsto. Os dados exclusivos foram obtidos por GaúchaZH junto à Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão (SMPG).

 

Segundo o secretário adjunto Daniel Rigon, a atual administração preferiu, mesmo com recurso em caixa desde que firmou empréstimo com o Banrisul em fevereiro de 2018, fazer um pente-fino na situação de cada obra antes de voltar aos trabalhos. A intenção foi escrutinar cada empreendimento a fim de obter prazos e custos factíveis e informações sobre os contratos que voltassem a ser confiáveis. Foram descobertos pagamentos pendentes desde 2013 e processos que não estavam sequer digitalizados.

 

— O caso da Ceará é emblemático. Após muito tempo praticamente parada, a empresa estava descapitalizada para tocar a obra sem que houvesse pagamento de atrasados. Mesmo com dinheiro em caixa, somente em dezembro passado destravamos o aditivo do contrato e agora, em 28 de fevereiro, a Caixa autorizou um pagamento de aproximadamente R$ 3 milhões — exemplifica o secretário adjunto, que hoje mantém no gabinete sacos plásticos fixados na parede para guardar anotações e papeladas referentes a cada uma das obras.

 

Como ocorrido na Ceará, em 92 ocasiões, até agora, a prefeitura precisou alterar o prazo ou o serviço que pretendia executar nas obras. Em parte delas, serviços deixaram de ser feitos, o que, de certa forma, barateou os custos. Além disso, em 115 ocasiões, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) notificou a prefeitura sobre gastos e projetos das obras.

 

A próxima obra a ser entregue

Quem passa pela Avenida Protásio Alves talvez nem perceba, mas a troca de pavimento de 7,5 quilômetros do corredor de ônibus ainda não está concluída. A obra entre as ruas Sarmento Leite (trecho da Osvaldo Aranha) e Saturnino de Brito começou em março de 2012 e deveria ter ficado pronta em setembro de 2013. Essa duplicação motivou 16 aditivos de prazo e de alteração de serviço. A construção está 95% finalizada, segundo a SMPG. Falta ainda instalar algumas barreiras de concreto ao longo do trecho. 

 

A mais demorada

A duplicação de 5,5 quilômetros da Avenida Tronco é considerada uma das mais complexas. Desde que a obra começou, em março de 2012, 1,3 mil famílias mudaram de endereço. Ainda faltam 195 para essa parte do processo ser concluída. A duplicação também motivou 16 aditivos de prazo e de alteração de serviço. A obra está 37% finalizada, e a expectativa da prefeitura é que os trabalhos sejam parcialmente concluídos em julho de 2022. Antes da Copa do Catar, portanto. Isso nos trechos que vão da Rua Gabriel Fialho à Avenida Icaraí. Os primeiros dois trechos, da Avenida Aparício Borges à Rua Gabriel Fialho, não têm previsão de conclusão.

 

A situação das obras inacabadas

 

Empreendimento: Avenida Tronco

Valor original: R$ 124.155.695,44

Valor atual: R$ 124.204.040,02

Evolução física: T1: 35% - T2: 40%

Notificações do TCE: 13

Problemas de projeto: não

Desapropriações e Reassentamentos: sim

Aditivo de prazo: 4

Aditivo de preço: 12

Prazo original: abr/14

Prazo estimado: jul/22

 

Empreendimento: Trincheira da Anita Garibaldi

Valor original: R$ 10.284.487,03

Valor atual: R$ 15.405.472,34

Evolução física: 91%

Notificações do TCE: 14

Problemas de projeto: sim

Desapropriações e Reassentamentos: não

Aditivo de prazo: 8

Aditivo de preço: 6

Prazo original: mai/13

Prazo estimado: mai/19

 

Empreendimento: Trincheira a Cristóvão Colombo

Valor original: R$ 15.525.457,49

Valor atual: R$ 20.532.223,49

Evolução física: 85%

Notificações do TCE: 13

Problemas de projeto: não

Desapropriações e Reassentamentos: não

Aditivo de prazo: 4

Aditivo de preço: 8

Prazo original: mar/14

Prazo estimado: jan/20

 

Empreendimento: Trincheira da Ceará

Valor original: R$ 29.525.895,24

Valor atual: R$ 39.377.432,50

Evolução física: 96%

Notificações do TCE: 14

Problemas de projeto: sim

Desapropriações e Reassentamentos: não

Aditivo de prazo: 5

Aditivo de preço: 4

Prazo original: dez/15

Prazo estimado: out/19

 

Empreendimento: Trincheira da Plínio Brasil Milano

Valor original:  R$ 31.024.912,03

Valor atual: R$ 40.186.127,10

Evolução física: 0%

Notificações do TCE: 14

Problemas de projeto: sim

Desapropriações e Reassentamentos: sim

Aditivo de prazo: 3

Aditivo de preço: 0

Prazo original: ago/14

Prazo estimado: out/21

 

Empreendimento: Corredor Protásio Alves

Valor original: R$ 15.704.904,04

Valor atual:  R$ 18.868.481,11

Evolução física: 95%

Notificações do TCE: 15

Problemas de projeto: não

Desapropriações e Reassentamentos: não

Aditivo de prazo: 9

Aditivo de preço: 7

Prazo original: set/13

Prazo estimado: mar/19

 

Empreendimento: Corredor João Pessoa

Valor original: R$ 5.328.055,13

Valor atual: R$ 7.544.167,46

Evolução física: 50%

Notificações do TCE: 7

Problemas de projeto: não

Desapropriações e Reassentamentos: não

Aditivo de prazo: 2

Aditivo de preço: 2

Prazo original: set/13

Prazo estimado: jan/21

 

Empreendimento: Voluntários - Trecho 1

Valor original: R$ 13.328.206,21

Valor atual: R$ 14.724.154,33

Evolução física: 94%

Notificações do TCE: 13

Problemas de projeto: sim

Desapropriações e Reassentamentos: sim

Aditivo de prazo: 5

Aditivo de preço: 5

Prazo original: jul/13

Prazo estimado: jul/19

 

Empreendimento: Voluntários - Trecho 2

Valor original: R$ 36.759.327,42

Valor atual: R$ 46.930.066,37

Evolução física: 0%

Notificações do TCE: 0

Problemas de projeto: sim

Desapropriações e Reassentamentos: sim

Aditivo de prazo: 0

Aditivo de preço: 2

Prazo original: nov/14

Prazo estimado: mar/24

 

 

Empreendimento: Avenida Severo Dullius

Valor original: R$ 69.637.177,78

Valor atual: R$ 67.310.154,16

Evolução física: 49%

Notificações do TCE: 12

Problemas de projeto: sim

Desapropriações e Reassentamentos: não

Aditivo de prazo: 4

Aditivo de preço: 2

Prazo original: out/13

Prazo estimado: jun/21

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/03/2019 - Secretaria de Planejamento do RS anuncia que pente-fino no funcionalismo foi concluído

A secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) do Rio Grande do Sul, Leany Lemos, afirmou que o governo concluiu a revisão sobre o conjunto de leis e normas que definem a relação da administração com o funcionalismo. O reexame sobre as carreiras públicas é um dos pilares do ajuste fiscal apontado pelo governador Eduardo Leite (PSDB) como parte da reestruturação do Estado. “O ajuste fiscal é uma questão de sobrevivência. Concluímos recentemente parte do diagnóstico sobre as carreiras públicas e identificamos as correções necessárias aos estatutos do funcionalismo”, revelou.

 

Leany coordenou nessa quinta-feira o lançamento das ações de planejamento estratégico para os quatro anos do governo. A atividade ocorreu no Teatro da Ospa e reuniu cerca de 600 servidores para uma palestra com o diretor de Inovação e Gestão do Conhecimento da Escola Nacional de Administração Pública (Enap), Guilherme Alberto Almeida de Almeida, que falou sobre a necessidade de inovação tecnológica nos processos do serviço público. Mais tarde, a secretária declarou em entrevista que o governo entende a revisão sobre as carreiras como uma política de “fundamental importância” para o Estado.

 

Revelou que o Rio Grande do Sul possui hoje 27 carreiras no serviço público, das quais dez estariam para ser extintas, e destacou que cerca de 80% das matrículas do funcionalismo pertencem a servidores da Educação e da Segurança. “São 132 mil vínculos de servidores ativos e outros 210 mil vínculos de aposentados e pensionistas. É uma carga financeira pesada, que representa uma pressão grande sobre a sociedade”, disse. Leany confirmou que as propostas do Executivo serão apresentada em projetos de lei na Assembleia depois que o plenário apreciar a PEC que trata da retirada de plebiscito para permitir privatizações.

 

Inatividade precoce é preocupação

O estabelecimento de uma idade mínima para a aposentadoria no serviço público, através da reforma da Previdência Social que tramita no Congresso, foi qualificado ontem pela secretária de Planejamento do RS, Leany Lemos, como um componente de “fundamental importância” para a reestruturação fiscal do RS. Leany, que coordenou ontem atividade para lançamento das ações de planejamento estratégico do governo, sustentou que as aposentadorias consideradas “precoces” têm exercido uma pressão financeira desproporcional sobre as contas públicas estaduais.

 

“Isso é pesado demais. Para se ter uma ideia, metade da nossa força de trabalho tem hoje mais de 45 anos, num cenário em que a média de idade para aposentadoria é de 50 anos”, apontou. Ela também destacou que o governo aposta na revisão das carreiras com supressão de benefícios que seriam incorporados às aposentadorias como forma de reestruturação das finanças do Estado.

 

Leany diz confiar nas negociações

 

Em suas declarações, ontem, ao revelar planos do governo de Eduardo Leite (PSDB) para reestruturação das carreiras e da previdência públicas, a secretária de Planejamento do Estado, Leany Lemos, reconheceu que se tratam de temas complexos, o que representará um desafio para a administração quando estiverem em tramitação na Assembleia Legislativa.

 

“Temos muita confiança no trabalho que tem sido feito pelo governador em suas visitas a sindicatos e entidades representativas dos servidores. Também através do diálogo direto que ele tem mantido com os deputados estaduais de todos os partidos. Além disso, acreditamos que a sociedade compreende as mudanças que estamos propondo”, pontuou Leany.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

15/03/2019 - Defesas rebatem acusações e sessão do Caso Bernardo termina após a meia-noite

O quarto dia do julgamento do Caso Bernardo foi também o mais longo da semana no Fórum de Três Passos. Depois de acusação ter quatro horas para pedir condenação dos réus, advogados de defesa tiveram outras quatro horas – uma para cada representante – para fazer suas explanações. A sessão foi prolongada até pouco mais de meia noite e será retomada na manhã dessa sexta-feira, quando o júri popular deve chegar ao fim.

 

A primeira defesa a falar foi a de Leandro Boldrini, com o advogado Ezequiel Vetoretti. O representante do réu criticou a cobertura que o caso recebeu nos últimos anos, que teria mostrado seu cliente como um “monstro”. Da mesma forma, rebateu algumas das testemunhas, que afirmavam, por exemplo, que Leandro não ligava para o filho. Ainda disse que ele, de fato, “não era um bom pai”, mas que tinha amor pelo filho, e que não chorou no julgamento e em depoimentos anteriores por ser uma pessoa fria. “Leandro é inocente e tem que voltar aqui para seguir salvando vidas como sempre fez na região. Ele é inocente”, declarou aos jurados.  

 

O advogado de Graciele Ugulini, Vanderlei Pompeo de Mattos, admitiu que sua cliente é culpada pela morte do enteado, mas disse que seu crime foi culposo e não doloso. "Eu defendo uma ré confessa mas não nos termos do MP", disse, ao defender que fato teria sido acidental. “A confissão da Graciele contribuiu para a investigação”, disse o representante da acusada. Falou ainda que não defendia a sua inocência, mas que não poderia concordar que fosse um homicídio doloso.

 

A defesa de Edelvânia Wirganovicz se dividiu entre seus dois advogados: Gustavo Nagelstein e Jean Severo. “Essa situação desse júri ter demorado cinco anos pra ser realizado não condiz com o que entendo por justiça”, começou Nagelstein. Já seu colega protagonizou um dos momentos mais chamativos da noite. “Isso aqui é a denúncia do MP, mas pra mim é uma AK-47, uma pistola automática que detonou a vida de duas pessoas (Edelvânia e Evandro)”, começou dizendo. Em seguida, chamou a cliente ao meio do salão do júri e se referiu a ela como “lixo”, em forma de crítica a como ela supostamente vem sendo tratada. A ré chorou, disse que errou, que queria pagar pelo seu crime e tentou inocentar o irmão Evandro. O advogado pediu a condenação dela por ocultação de cadáver, mas a absolvição do homicídio.

 

O último a falar foi Luiz Geraldo Gomes, advogado de Evandro Wirganovicz. “Esse processo está tapado de erros. Esse processo é um mar de equívocos”, disse o representante do réu. Durante sua fala, ele e disse Evandro era um “estranho no ninho” no caso e falou sobre o que considera ser uma falta de provas da participação do seu cliente na morte de Bernardo. De acordo com Gomes, não há elementos como interpretação telefônica ou imagens que liguem Evandro aos envolvidos, além da comprovação de que o réu tenha recebido dinheiro.

 

A sessão terminou depois da meia-noite. Ela será retomada na manhã de sexta-feira, às 9h, quando deve iniciar o último dia do julgamento. Serão ouvidas a réplica da acusação e a tréplica dos advogados dos réus, duas horas para o MP e duas horas para as defesas – 30 minutos para cada. Em seguida, os jurados que formam o Conselho de Sentença devem ir para a sala secreta para responderem quesitos para cada um dos crimes. Eles entregam as respostas à juíza, que dosa a pena, redige a sentença e a emite.

 

Fotos do corpo de Bernardo marcam debates no julgamento

 

A exibição de imagens do corpo do menino Bernardo Uglione Boldrini, durante a tarde, foi um dos momentos mais impactantes do julgamento dos acusados pela morte do menino. As fotografias foram mostradas pela acusação durante os debates do júri popular e gerou comoção em parte do público presente no Fórum de Três Passos acompanhando a sessão. A explanação do Ministério Público (MP) durou quatro horas e foi seguida por mais quatro horas de manifestações dos representantes dos réus – divididas em uma hora para cada uma das quatro defesas.

 

“O anjinho do Bernardo já estava podre", afirmou o promotor Ederson Vieira aos jurados durante a exibição das fotografias do corpo de Bernardo, quando o debate assumiu um clima visivelmente mais pesado. O pai do menino, o réu Leandro Boldrini, não acompanhou esta parte do debate. Ele foi autorizado a se retirar da sala para não ver as imagens do menino morto. “Um pai que ama o filho, vai sair direto para UTI e passar mal. Um pai inocente passaria”, disse o promotor Bruno Bonamente, antes do acusado deixar o local. Bonamente foi o responsável por comandar a maior parte da explanação do Ministério Público.

 

Outras imagens mostradas foram de Graciele Ugulini, madrasta de Bernardo, em uma loja comprando uma televisão, o que teria ocorrido logo após o crime. “Esta é a calma de quem recém assassinou seu enteado”, declarou Bonamente.

 

A acusação também mostrou registros telefônicos de Leandro Boldrini com o objetivo de provar a falta de preocupação do médico com o desaparecimento do filho, em abril de 2014, e contrapor as afirmações do réu, que havia dito que fez uma “maratona de procura”. Eles também criticaram o fato do casal Leandro e Graciele terem ido a uma festa um dia depois de Bernardo desaparecer e do médico ter ido trabalhar normalmente. “Qual pai vai realizar uma cirurgia com o filho desaparecido? Não treme a mão e, segundo testemunhas, entrou cantando no bloco cirúrgico”, disse Ederson Vieira.

 

Vieira foi um dos promotores que disparou frases mais enfáticas referindo-se aos réus. Ele chamá-los de “psicopatas”. “Me conforta que talvez o anjo (Bernardo) não sentiu dor física pelos remédios. Mas e os quatro anos torturados psicologicamente naquela casa? Aqueles quatro psicopatas aqui atrás de mim”, disse. O promotor também disse que a “monstruosidade” de Leandro e Graciele era maior do que a de Edelvânia e Evandro Wirganovicz, que também era “imensa”.

 

Depois das explanações da acusação, a juíza Sucilene Engler fez um intervalo de cerca de meia hora. Em seguida, seriam ouvidos os advogados de defesa. A expectativa era de que a sessão chegasse até perto de meia-noite. As falas dos representantes dos réus ultrapassaram o horário de fechamento desta edição do Correio do Povo, que, no entanto, seguiu acompanhando pelas mídias digitais.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

15/03/2019 - Sexta-feira será ensolarada no RS

 

O sol novamente predomina no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira. Nuvens aparecem principalmente no Extremo Sul gaúcho, perto da costa e no Norte do Estado. Há chance de chuva extremamente isolada em locais junto à divisa com Santa Catarina e na faixa costeira, mas, se chover, será um em pouquíssimos pontos.

 

O tempo muito aberto em horas da madrugada favorece o resfriamento e traz chance de nevoeiro ou neblina em setores localizados ao amanhecer que será de temperatura amena. Aquece rápido com o sol e a tarde deve ser agradável, até com um pouco de calor em algumas cidades. As máximas, no entanto, não devem ultrapassar muito os 30°C.

 

Mínimas e máximas pelo RS

Porto Alegre 17°C / 29°C

Caxias 14°C / 27°C

Vacaria 12°C / 26°C

Erechim 14°C / 27°C

Santa Rosa 14°C / 31°C

Santa Maria 15°C / 28°C

Alegrete 15°C / 28°C

Livramento 15°C / 28°C

Rio Grande 16°C / 27°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

 

15/03/2019 - Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixam pelo menos 49 mortos

Pelo menos 49 pessoas morreram e outras 48 ficaram feridas nesta sexta-feira (15) em ataques contra duas mesquitas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia. O número exato de criminosos não foi revelado, mas, segundo a primeira-ministra Jacinda Ardern, três homens estavam detidos. A polícia afirmou que um homem com pouco menos de 30 anos foi acusado de assassinato.

 

 — As vítimas fatais ocorreram em dois locais diferentes, uma mesquita na avenida Deans e outra na avenida Linwood, ambas na cidade de Christchurch — informou o comissário Mike Bush. — Quatro pessoas estão sob custódia, três homens e uma mulher  — acrescentou Bush. Explosivos foram encontrados nos veículos utilizados pelos suspeitos. De acordo com o comissário, o Exército conseguiu desarmar as bombas.

 

No momento do tiroteio, a mesquita de Linwood tinha mais de 300 pessoas. A mesquita Masjid al Noor também estava repleta de fiéis, incluindo a equipe de cricket de Bangladesh. Segundo testemunhas, os jogadores conseguiram fugir para um parque ao lado do prédio, no centro da cidade.

 

Um porta-voz da equipe de cricket confirmou que todos os jogadores, que estão no país para uma partida, conseguiram escapar ilesos do ataque.

 

A primeira-ministra, Jacinda Ardern, lamentou que seu país vive um dos "dias mais obscuros" de sua história diante das múltiplas vítimas:

 

— Claramente, o que ocorreu aqui foi um ato de violência extraordinário e sem precedentes. Muitas pessoas afetadas diretamente pelo tiroteio devem ser imigrantes, talvez refugiados, que escolheram a Nova Zelândia para seu lar.

 

O líder da oposição, Simon Bridges, manifestou publicamente seu apoio à comunidade islâmica da Nova Zelândia.

 

 — Ninguém neste país deveria viver com medo, não importa sua raça ou religião — disse Bridges.

 

A polícia advertiu a população a evitar as mesquitas em todo o país. Um enorme cordão policial isolava boa parte de Christchurch, cidade da Ilha do Sul da Nova Zelândia.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/03/2019 - Polícia pede apreensão de adolescente suspeito de participar de massacre em Suzano

Outro adolescente de 17 anos seria o terceiro envolvido na elaboração do massacre na escola de Suzano, na Grande São Paulo, na manhã de quarta-feira (13), segundo o Delegado-Geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes.

 

O delegado afirmou, em entrevista coletiva, na tarde desta quinta (14), que a polícia pediu à Justiça a apreensão do adolescente. Fontes não deu detalhes da participação do adolescente, apenas disse que ele ajudou na elaboração do crime. O jovem seria colega de classe de Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos, um dos autores do ataque. O outro é Luiz Henrique de Castro, 25 anos.

 

Os dois mataram cinco alunos, duas funcionárias e um empresário na escola estadual Professor Raul Brasil. Outras 11 pessoas ficaram feridas. Após os crimes, um assassinou o outro e cometeu suicídio.

 

Ainda de acordo com Fontes, os assassinos se inspiraram no massacre de Columbine, ocorrido em 1999, nos Estados Unidos. A dupla usou um revólver, carregadores, uma arma medieval e uma machadinha.

 

Antes do ataque na escola, mataram o tio do adolescente. Morreram os estudantes Kaio Lucas da Costa Limeira, Cleiton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e Douglas Murilo Celestino e as funcionárias Marilena Ferreira Umezu e Eliana de Oliveira Xavier.

 

O crime ocorreu em meio ao debate sobre posse de armas e chama a atenção por ter sido cometido em dupla e longamente planejado. O presidente Jair Bolsonaro lamentou o atentado seis horas após ocorrido.

 

Segundo um policial que acompanha o caso, o ataque vinha sendo planejado há cerca de um ano e meio. A Polícia Militar (PM) chegou à escola Professor Raul Brasil em Suzano, região metropolitana de São Paulo, quando os dois atiradores, ainda faziam os disparos e estudantes deixavam o prédio desesperados.

 

Segundo o comandante-geral da PM, Marcelo Vieira Salles, ao que tudo indica, ?quando eles [atiradores] viram a Força Tática, entraram para dentro um corredor e um atirou na cabeça do outro. Depois, esse se suicidou." Os atiradores são os ex-alunos da instituição.

 

 

 

Velórios

 

 

Nesta quinta-feira (14), as famílias de funcionárias e alunos mortos no massacre da escola se despediram das vítimas.

 

O velório coletivo começou às 7h no ginásio municipal, entre abraços, choros, sussurros e crianças pequenas que acompanham os pais. O local fica a menos de um quilômetro da escola, palco dos ataques.

 

Milhares de pessoas passaram pelo ginásio prestar homenagens, formando uma grande fila do lado de fora. Alguns familiares chegaram a passar mal, sendo atendidos em ambulâncias.

 

O ministro da Educação, Ricardo Vélez, o secretário estadual da Educação Rossieli Soares e o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, passaram pelo velório.

 

O movimento de pessoas que não são das famílias foi grande no ginásio circundado por dezenas de coroas de flores. Elas ficaram isoladas por uma grade que as separava dos familiares ?os únicos próximos aos corpos.

 

Foram velados os estudantes Cleiton Antonio Ribeiro, 17; Caio Oliveira, 15; Samuel Melquiades Silva de Oliveira, 16; e Kaio Lucas da Costa Limeira, 15.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/03/2019 - A delação que abalou o poder de uma facção criminosa de Porto Alegre

Em uma noite de 2017, dois assassinatos em sequência durante uma "social" — como são chamadas as festas ao ar livre realizadas nas comunidades — acenderam o alerta no então gerente do tráfico de drogas do bairro Mario Quintana, em Porto Alegre. Integrante da facção Bala na Cara, ele estava convicto da inocência de um comparsa e amigo que deveria ser morto como responsável pelo sumiço de uma arma. Também não aceitava a execução de uma jovem, sua protegida, que deveria ocorrer na mesma noite. A garota foi condenada por ter curtido um post dos rivais no crime.

 

"Vamo arrastar ele agora." O aviso dado nas ruas do Mario Quintana foi a senha para o primeiro assassinato. Minutos depois, o amigo do gerente do tráfico foi alvejado na cabeça e jogado dentro de um porta-malas. A ordem teria partido de dentro da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Coube ao gerente dar o último disparo no amigo, que agonizava dentro do veículo.

 

Horas depois, a garota foi morta com três tiros no rosto. Teve o corpo jogado dentro do mesmo carro onde estava a vítima anterior.

 

As duas mortes abalaram o sujeito, mesmo que ele fosse acostumado a conviver e a praticar a barbárie. Contrariado com as execuções, achou que era melhor abandonar o crime, antes de merecer um fim igual. Uma semana depois, avisou que sairia da facção. Pretendia mudar de bairro. O pedido foi aceito. Mas, na sequência, tomou conhecimento da ordem que já esperava: deveria ser assassinado. Sabia demais.

 

Decidiu que, antes de morrer, entregaria os crimes que havia presenciado ou praticado, além de todo o esquema de funcionamento da facção. Em uma madrugada, entrou em uma delegacia de Porto Alegre e perguntou a um policial:

 

— O que tu quer saber sobre Os Bala?

Consequências

O gerente virou, então, delator. Fez acordo de colaboração premiada com a Justiça, foi inserido em um programa de proteção a testemunhas e deixou para trás não apenas o bairro ou a Capital: mora fora do Rio Grande do Sul, sob proteção federal, aguardando o julgamento dos processos em que é réu. Por continuar jurado de morte pelo grupo criminoso, muda-se com frequência de Estado, usa colete à prova de balas e, aos 23 anos, acredita que já fez "hora extra na Terra". Sem dizer o local onde se encontrava e sem fornecer informações judiciais, em respeito às cláusulas do acordo de colaboração, ele contou sua história à reportagem.

 

Foi a maior delação da história do crime organizado no Estado.

 

À polícia, ele revelou detalhes sobre o funcionamento da facção e sobre sequestros e esquartejamentos. A confissão gerou, nos últimos dois anos, pelo menos 60 processos por homicídios envolvendo a facção. Um membro do Judiciário afirma:

 

— Foi a grande fonte de informação para atacar a facção. Ele estava jurado de morte e resolveu falar. O medo faz com que a maioria se cale.

 

A reportagem teve acesso a 24 processos, sendo que em 18 o delator é réu e em seis a colaboração serviu de embasamento para apurar o caso. Há detalhes de crimes bárbaros, como um esquartejamento em 2016, enquanto a pessoa estava viva. Em decisão judicial do primeiro trimestre de 2018, o homem é citado como antigo gerente do tráfico, sob comando de José Dalvani Nunes Rodrigues, o Minhoca — que se tornou réu e continua sendo investigado, suspeito de ter ordenado outros homicídios.

 

Com ajuda da delação, pelo menos três líderes da facção foram isolados. Em março de 2017, Minhoca foi transferido para a penitenciária federal de Campo Grande (MS).

 

Em julho do mesmo ano, outros 27 chefes do crime organizado foram encaminhados para unidades de segurança máxima fora do Estado, entre eles Fábio Fogassa, o Alemão Lico, e Marcio Oliveira Chultz, o Alemão Márcio.

Revelações

Quando um criminoso resolve delatar, é natural que haja desconfiança — os relatos precisam ser confrontados com fatos. Para comprovar a veracidade do que falava, o ex-gerente do tráfico, em fevereiro de 2017, possibilitou à polícia a descoberta de um depósito usado pela facção em Canoas, próximo à BR-386. Foram encontrados 142 quilos de maconha em uma fábrica de fachada.

 

Os bandidos compravam centenas de quilos de café para disfarçar o cheiro da droga que emanava do local. Ali também ficavam armas e munições. Fuzis eram obtidos a partir de negociações com o Comando Vermelho, facção do Rio de Janeiro. Um ônibus foi apreendido.

 

O veículo seria usado para transportar a maconha de Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai, até Porto Alegre. Em outra comprovação às autoridades, o delator indicou onde existiria um cemitério clandestino. 

 

Um desembargador descreve que o delator "relatou, com riqueza de detalhes, a estrutura, hierarquia, divisão de tarefas da organização criminosa, além de diversas práticas ilícitas realizadas pela facção". Soube-se, por exemplo, que o grupo criminoso lucrava cerca de R$ 200 mil por semana no bairro Mario Quintana. Por mês, o Judiciário estima que a arrecadação no Rio Grande do Sul é de R$ 10 milhões a R$ 15 milhões.

Origens

No fim da década de 1990, o filho de uma dona de casa corria pela zona norte de Porto Alegre dizendo que, quando crescesse, seria policial. Aos 13 anos, já fora da escola (largou na sétima série), pegou pela primeira vez em arma, um revólver 38, mas pela mão de bandidos. Aos 15, ganhou uma pistola e o status de segurança do tráfico no Mario Quintana, bairro que, desde 2011, registrou pelo menos 217 assassinatos (é o quinto mais violento da Capital). Desfilava com colete à prova de balas e posava para fotos com armas automáticas e fuzis.

 

Aos 18, recebeu um carro do padrasto, que tentava afastá-lo do crime. Uma semana depois, era preso com o veículo. Dentro, havia uma pistola 9 milímetros e drogas.

 

No fim de 2016, ele virou gerente do crime. Recolhia o dinheiro que chegava do Interior e organizava remessas de maconha. Participou da disputa sangrenta entre grupos criminosos e, segundo seu relato, era um dos poucos que executavam esquartejamentos, selvageria que virou rotina na intimidação dos desafetos. Afirma que recebia ordens diretas de um dos líderes, hoje preso no Estado.

 

"Desce na Pedrinha (bairro Passo das Pedras) ou na Timbaúva e tenta sequestrar alguém para esquartejar. Se não der, mata ali mesmo." Recados assim eram frequentes na guerra entre os Bala na Cara e a facção rival, os Anti-Bala. Criminosos carregavam o rival até o outro lado da Avenida Protásio Alves e o torturavam até a morte.

 

Os revides eram habituais. O sangue corria dos dois lados do chamado "corredor da morte".

 

Certa vez, uma garota de 12 anos foi morta por suspeita de ter repassado informações aos rivais. Estava na casa de um traficante quando teve o telefone confiscado.

 

Na manhã seguinte, espancaram a guria e a levaram a um morro no bairro Jardim Protásio Alves. De joelhos, foi decapitada.

 

A cova onde ela foi enterrada ficava em cemitério clandestino no meio da mata. Usar esses pontos para depositar cadáveres é estratégia comum — havia corpos que deveriam ser expostos, como forma de impor terror; outros, não.

 

A morte da garota atormentou o gerente do tráfico na época. Ele dizia ter sonhos e visões. Acabou se suicidando. Foi sucedido no cargo por seu segurança — o mesmo homem que, tempos depois, abalaria o poder das facções criminosas ao se tornar delator.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/03/2019 - "O Leandro achava que era um bom pai", diz defesa de Boldrini em julgamento em Três Passos

 

O primeiro advogado a falar pela defesa dos réus, no julgamento pela morte de Bernardo Uglione Boldrini, em Três Passos, foi Ezequiel Vetoretti. Ele é responsável pela defesa de Leandro Boldrini. O médico é acusado pelo Ministério Público de ter sido o mentor da morte do filho. A defesa sustentou que o pai não sabia do crime e que foi enganado pela mulher. Graciele Ugulini, que era madrasta do garoto, também é ré no processo, assim como os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz.

 

Em interrogatórios durante a manhã desta quinta-feira (14), Graciele e Edelvânia também sustentaram que Boldrini não sabia da morte do filho. Elas alegaram que o menino morreu por conta da ingestão excessiva de medicamentos. A defesa da madrasta alega que o crime foi cometido de forma culposa, ou seja, sem intenção. Vetoretti, que defende Boldrini, argumentou que o réu foi transformado em um monstro pela imprensa, com base em uma visão acusatória contaminada.

 

— Ele é uma pessoa fria. Ele foi criado como disse, na ponta do facão. O irmão dele é assim também. Esse é o Leandro autêntico que vem aqui. Mas ele amava o Bernardo (...). O Leandro não tem nada a esconder. Ele podia vir aqui e fazer teatro. Eu podia dizer: Leandro chora. Não querem desmistificar o monstro que fizeram o Leandro. O Leandro achava que era um bom pai — afirmou o advogado.

 

A primeira versão, apresentada à polícia em 14 de abril de 2014 por Edelvânia, foi citada pela defesa de Boldrini. A confissão dela permitiu que a polícia localizasse o corpo de Bernardo. Edelvânia afirmou que ela e Graciele cometeram o crime. Naquela oportunidade, ela relatou que Boldrini não sabia do plano para matar o menino. Dizia que a madrasta teria afirmado que quando contasse, o marido ficaria aliviado, por ter se livrado do filho. A ré mudou a versão ao longo do processo. Agora, ela afirma que a morte aconteceu de forma acidental e que ela queria levar o menino a um hospital, mas Graciele não teria permitido.

 

— A Edelvânia vem e conta detalhes. E diz que o Leandro não sabia e isso é esquecido. Isso é ignorado. Quando perguntada se Leandro tinha participação ela disse: não. Mas aí a acusação diz que ela estava mentindo — defendeu advogado de Boldrini.

 

A defesa de Boldrini reproduziu no plenário um áudio, que já havia sido usado pelo MP. Nele, o médico comunica a um radialista o desaparecimento de Bernardo. Ele dá detalhes da descrição do filho, como altura e peso, e se refere ao filho com tempo verbal no passado. A defesa argumentou que Boldrini só repetiu o tempo verbal do radialista. O advogado exibiu aos jurados ligações entre Boldrini e Bernardo. Isso foi usado para argumentar que o médico falava com o filho por telefone quando ele não estava em casa aos fins de semana

 

— O único fim de semana em que Leandro não conseguiu falar com o filho foi esse. A imprensa tem a chance hoje de desfazer esse monstro que criaram do Leandro. Não interessa para as páginas dos jornais que tenha prova a favor de Leandro — argumentou Vetoretti.

 

O advogado fez referência diversas vezes à obra Otelo, de William Shakespeare, para afirmar que houve um erro na investigação e no processo ao apontar a culpa pela morte do filho para Boldrini.

 

Ao fim da uma hora que teve disponível para fazer a defesa — o tempo de quatro horas foi dividido entre os réus — Vetoretti pediu aos jurados que absolvam Boldrini. Ele disse ainda que o médico pretende retomar a vida e o atendimento em Três Passos, caso isso aconteça.

 

— O lugar do Leandro é aqui, em Três Passos. O Leandro é inocente — afirmou.

 

Defesa de Graciele pede semi-imputabilidade

A defesa de Graciele foi a segunda a falar na noite desta quinta-feira em Três Passos, onde as defesas estão sendo ouvidas no julgamento pela morte de Bernardo. O advogado Vanderlei Pompeo de Mattos manteve a versão, já apresentada pela ré, de que o menino morreu após ingerir medicamentos, por acidente. Por isso, pediu que o crime seja desclassificado para homicídio culposo, ou seja, quando não há intenção de matar.

 

No entanto, o advogado afirmou que, caso os réus entendam que houve homicídio doloso, com intenção, julguem a possibilidade de semi-imputabilidade. Com isso, não seria excluída a imputabilidade, mas caso isso seja aceito pelos jurados, ao fazer a dosimetria da pena, a juíza Sucilene Engler poderia reduzir a pena de Graciele. Isso sob o argumento de que a ré não teria plena capacidade de compreensão sobre os fatos.

 

O advogado já havia argumentado que a cliente passou por internações no Instituto Psiquiátrico Forense (IPF) nos últimos anos e que chegou a cometer tentativas de suicídio.

 

— Ela é ré confessa. A única que prestou depoimento confessando o que tinha feito, devidamente assistida por defensor — afirmou Pompeo de Mattos.

 

Defesa de Edelvânia

Em sua fala inicial, a defesa de Edelvânia reclamou da demora do júri para julgar sua cliente, visto que os réus estão presos há quase cinco anos preventivamente. Gustavo Nagelstein, um dos advogados de Edelvânia, afirmou que ela nunca recebeu dinheiro de Graciele, contradizendo o Ministério Público, que aponta recebimento de R$ 6 mil para ajudar a matar e ocultar o cadáver de Bernardo.

 

Em sua manifestação, o advogado Jean Severo disse que o Ministério Público tem "as mãos sujas de sangue" na morte de Bernardo, em referência à manutenção da guarda do menino com o pai por decisão de um juiz e parecer favorável do MP.

 

A defesa de Edelvânia pediu ainda que ela seja condenada por ocultação de cadáver e não por homicídio.

 

— Eu não estou pedindo um milagre para vocês. Estou pedindo para absolverem duas pessoas de bem, que querem voltar para casa e trabalhar — apelou Severo aos jurados, referindo-se a Edelvânia e Evandro.

 

 

 

Defesa de Evandro

Último advogado a falar no quarto dia de julgamento, Luiz Geraldo Gomes dos Santos afirmou que não existe elemento probatório contra Evandro Wirganovicz e que seu cliente "caiu de paraquedas no processo só porque estava pescando".

 

— Estamos tratando aqui com a vida de uma pessoa que pode ficar mais 12 anos atrás das grades. Quem tem que provar isso aqui não provou nada — disse o advogado de Evandro.

 

A defesa afirmou ainda que não existe nenhuma interceptação que mostre Edelvânia conversando com o Evandro sobre o fato e apresentou um laudo de detector de mentiras ao qual seu cliente foi submetido.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/03/2019 - Sol predomina em todo o Rio Grande do Sul nesta quinta-feira

O sol predomina em todas as áreas do Rio Grande do Sul nesta quinta-feira. Em alguns pontos ele virá acompanhado de nuvens. No Extremo Sul do Estado poderá chover e também na divisa com Santa Catarina. Existe uma chance de neblina isolada ao amanhecer que será ameno em muitos municípios. No decorrer do dia a temperatura sobe, mas sem ser um "calorão". As máximas ficarão entre 25ºC e 28ºC na maior parte do Estado, inclusive na Capital e nas cidades da Grande Porto Alegre.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

14/03/2019 - Homem é detido em flagrante ao tentar abandonar gato na beira de estrada

Um homem de 29 anos foi detido em flagrante pela Polícia Rodoviária Federal nesta quarta-feira em Vacaria, na serra gaúcha, por maus tratos a animais ao tentar abandonar um gato na estrada. O caso ocorreu nesta quarta-feira no km 52 da BR-116.

 

Agentes da PRF faziam uma ronda de rotina pela região quando viram um Fiat Strada parado na margem da rodovia. O homem estava com um gato na mão.

 

Quando abordado pelos policiais, ele entrou em contradição, afirmando inicialmente que o gato não era seu e depois admitindo ser dono do animal.

 

Ele foi detido por abandono e maus tratos aos animais, e assinou um termo circunstanciado. O gato foi encaminhado a uma ONG da serra gaúcha ligada à causa animal. Ele será disponibilizado para adoção.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/03/2019 - Cortesia com vizinhos escondia personalidades paralelas dos assassinos de Suzano

O que se sabe até agora sobre os dois jovens que mataram cinco adolescentes e três adultos antes de combinarem suas mortes em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo, aponta para personalidades tranquilas e cordatas com os vizinhos do bairro. Paralelamente, nos porões da internet, formava-se a dupla de monstros responsável pela barbárie desta quarta.

 

Em meio a um país chocado, uma comunidade estava especialmente perplexa com a chacina. Trata-se do entorno da Avenida Mogi das Cruzes, no bairro Jardim Imperador, onde o comércio de rua funciona como em cidades pequenas: com estabelecimentos acotovelados um ao outro e os respectivos proprietários conhecidos entre si.

 

Ali funcionava a JVV Veículos, concessionária e lava-rápido de Jorge Antonio de Moraes, tio de um dos assassinos, o adolescente Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e primeira vítima da manhã. Ambos eram rostos conhecidos na região.

 

— O Jorginho era uma pessoa ótima. Trabalhava há décadas aqui. O garoto, nós conhecíamos de vista. Conhecíamos melhor os avós, que criaram ele. A avó faleceu recentemente. Sabíamos que ele era meio "fumeta", mas acreditávamos que era inofensivo — declara uma funcionária da Padaria Nova Imperador.

 

No local, por volta das 9h, Jorge tomou café da manhã, como fazia todos os dias. Segundo os vizinhos, ele caminhou em companhia de um amigo para comprar uma folha de papel sulfite em um bazar do outro lado da rua e em seguida entrou no lava-rápido para abri-lo. Esse amigo chegou a ouvir um rapaz se aproximar e perguntar:

 

— É você que é o Jorge?

 

Embora a polícia tenha divulgado preliminarmente que Guilherme matou o tio, essa cena leva os vizinhos a crer que o autor dos disparos foi o segundo assassino, Luiz Henrique de Castro, de 25 anos. A motivação pode ser uma rusga antiga entre tio e sobrinho: há cerca de dois anos, Jorge teria contratado e, logo depois, demitido Guilherme do lava-rápido.

 

Depois de um dos atiradores alvejarem Jorge com três tiros, a dupla seguiu em um carro alugado até a Escola Professor Raul Brasil, a 700 metros dali, onde ambos haviam estudado. Lá, antes dos adolescentes, eles mataram outra personagem conhecida e querida no bairro, a coordenadora pedagógica Marilena Ferreira Vieira Umezo.

 

Sobre Luiz Henrique, o mais velho dos atiradores, pouco se sabe. Sua família também seria de idosos, surpresos com o crime. Também se comenta que os dois rapazes eram vizinhos na Rua Sete de Setembro, a cinco quadras dali. Quem melhor se recorda dele é a responsável pela Drogaria Indaiá, há 39 anos na região, que pede para não ter o nome divulgado.

 

— Desde criança a mãe trazia ele aqui para tomar injeção, então ele me chamava pelo nome. Depois de adulto, vinha sempre fazer recarga de celular. Me chamava a atenção que ele fazia recarga com trocados para me ajudar no caixa. Era uma garoto educado, gentil até. Agora, você imagina como eu fiquei quando soube que esses rapazes machucaram o filho de uma cliente minha, aqui, com uma machadinha — conta a microempresária.

 

Indícios apontam que pela internet, todavia, Luiz Henrique tinha uma personalidade paralela com traços de fascínio por armas e fanatismo religioso. Na tarde desta quarta, uma reportagem do Portal R7 apontou que Luiz Henrique e Guilherme seriam frequentadores de um fórum clandestino na rede onde pegaram dicas para comprar armamentos.

 

Na quinta-feira, um dos membros da dupla teria postado uma mensagem agradecendo os "conselhos e orientações". No texto, o autor se diz espantado com a qualidade "digna de filmes de Hollywood" do que recebera de um contato, possivelmente as armas. Segundo o texto, a postagem de uma música seria a senha para que, em no máximo três dias, eles estivessem "diante de Deus, com nossas sete virgens". "Nascemos falhos, mas partiremos como heróis", diz a postagem.

 

Antes da matança, Guilherme publicou em redes sociais fotos mostrando as armas e os trajes que vestiria. Os perfis da dupla foram bloqueados pelas autoridades para investigação. A barbárie terminaria horas depois, com o adolescente alvejando Luiz Henrique e a si mesmo em seguida. Já as incógnitas sobre as motivações, seguem.

 

 

 

Fonte:  Gaúcha/ZH

14/03/2019 - Tiros à queima roupa, uso de machadinha e suicídio combinado: o que se sabe sobre o massacre em Suzano

A polícia segue tentando esclarecer o massacre em uma escola em Suzano, região metropolitana de São Paulo, nesta quarta-feira (13). Em mais um atentado doméstico registrado no Brasil, 10 pessoas morreram — contando com os dois autores da chacina.

 

Cincos estudantes da escola Professor Raul Brasil estão entre as vítimas da dupla. Os atiradores foram identificados como Luiz Henrique de Castro, 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos.

 

O crime

Antes do ataque, os dois foram até uma loja de carros seminovos do tio de Guilherme, Jorge Antônio Moraes, localizada a cerca de 450 metros da escola. De acordo com testemunhas, por volta de 9h15min, o adolescente entrou sozinho no local, onde também funciona um estacionamento e um lava-rápido e disparou três vezes. Ele acertou o celular que Jorge segurava na mão, a clavícula e as costas da vítima. Depois, saiu e embarcou no carro que o esperava na saída.

 

Em seguida, eles estacionaram um veículo Onix branco em frente à instituição de ensino. Os dois entraram na escola. Segundo os investigadores, Monteiro teve acesso fácil por já conhecer a coordenadora pedagógica, a primeira vítima na instituição de ensino. Sete pessoas baleadas no interior da unidade morreram. 

 

Vídeo que circula nas redes sociais mostra um deles atirando contra alunos à queima roupa no que seria o saguão do estabelecimento. Após efetuar os disparos, ele começa a agredir os corpos das vítimas caídas com uma espécie de machado. Ele tenta conter alunos em fuga, mas sem sucesso.

 

Após o ataque, Monteiro teria matado Castro e se suicidado em seguida. Eles teriam combinado o suicídio. 

 

Mortos

Os funcionários da escola mortos no atentado foram identificados como Marilena Ferreira Vieira Umezo e Eliana Regina de Oliveira Xavier. Os alunos são Caio Oliveira, 15 anos, Claiton Antônio Ribeiro, 17 anos, Douglas Murilo Celestino, 16 anos, Kaio Lucas da Costa Limeira, 15 anos, Samuel Melquíades Silva de Oliveira, 16 anos. Jorge Antônio Moraes foi alvejado na loja de veículos. Pelo menos outras 11 pessoas ficaram feridas.

 

Os atiradores

Os responsáveis pelo ataque foram identificados como Luiz Henrique de Castro, 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos. Ambos são ex-alunos da instituição de ensino. Eles eram amigos de infância e vizinhos.

 

A polícia investiga se os dois jovens planejaram o crime em um fórum de um jogo de videogame. Os investigadores estão ouvindo os pais dos rapazes sobre essa questão, mas suspeitam que pode ter ligação com o massacre. A polícia ainda não sabe como ou onde as armas foram compradas.

 

Segundo vizinhos, os dois às vezes ficavam o dia inteiro conversando, sentados na frente de casa. E passavam pelo menos três noites por semana em uma lan house perto de casa jogando. 

 

Armas usadas no ataque

A dupla responsável pelo massacre portava diversas armas. Na cena do crime, os policiais encontraram um revólver 38, quatro jet luders (carregadores de arma), uma besta (espécie de arco e flecha), um arco e flecha, coquetéis molotov e uma machadinha. Uma das vítimas que sobreviveu ao ataque foi atingida por uma machadinha entre o ombro e a cervical.

 

Motivação

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campo, e o comandante da Polícia Militar, coronel Marcelo Salles, disseram que a motivação do crime ainda não é conhecida.

 

— Todos esses cabos soltos, cabe à polícia agora ir amarrando — disse o secretário.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/03/2019 - Famílias se despedem de vítimas do massacre em Suzano em velório coletivo

Em choque, familiares e amigos se despedem de vítimas do massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), em velório coletivo no ginásio municipal, nesta quinta-feira (14). O clima é de consternação. Cerca de 50 profissionais da rede municipal de saúde prestam atendimento no local.

 

Por volta das 8h10min, acompanhado do prefeito Rodrigo Ashiuchi, o ministro da Educação, Ricardo Vélez, esteve na Arena Suzano, onde abraçou e conversou com parentes dos que se foram. Ele deixou o recinto uma hora depois, sem falar com a imprensa.

 

No local, são velados os corpos de seis dos 10 mortos: os alunos Cleiton Ribeiro, 17 anos, Caio Oliveira, 15, Samuel Silva de Oliveira, 16, e Kaio Limeira, 15, além das funcionárias Marilena Umezu, 59 anos, e Eliana Xavier, 38. Haverá missa ecumênica às 11h. O cortejo ao Cemitério São Sebastião deve começar às 15h e o enterro está previsto para as 17h.

 

— Ainda não dá para acreditar no que aconteceu. Estamos todos tentando entender. É um absurdo — desabafou um familiar, antes de entrar no ginásio.

 

Os caixões foram dispostos na quadra, lado a lado, abertos. Ao fundo, 28 coroas de flores homenageiam as vítimas. Apesar da tristeza, até o início da manhã não houve incidentes graves — apenas uma senhora passou mal e teve de ser levada para fora, em cadeira de rodas, para ser atendida. Há psicólogos, psiquiatras, enfermeiros e assistentes sociais no recinto, onde, desde cedo, toca música clássica. A imprensa foi autorizada a entrar no prédio e ocupa a parte superior da arquibancada.

 

Na pista, foi montado um corredor com graduação, por onde passam centenas de pessoas, que vieram prestar condolências. Com um cartaz em punho, um homem exigia "mais segurança".

 

O drama de Suzano começou por volta das 9h30min de quarta-feira (13), quando Guilherme Monteiro 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, 25, invadiram a escola armados com um revólver calibre 38, munidos de quatro carregadores, uma besta (arma que dispara flechas), machados e artefatos que pareciam ser explosivos.

 

Ex-alunos da instituição, os dois chegaram atirando a esmo. Deixaram oito mortos, pelo menos uma dezena de feridos e também morreram — segundo a polícia, um disparou na cabeça do outro e depois se matou. Também foi morto o tio de Guilherme, Jorge Antônio Moraes, dono da locadora Jorginho Veículos, onde a dupla roubou o carro que usaria para chegar ao colégio.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/03/2019 - Em depoimento, madrasta deve inocentar o pai de Bernardo e alegar morte acidental

Ao depor na manhã da quinta-feira, no julgamento em Três Passos, a madrasta de Bernardo Uglione Boldrini, Graciele Ugulini, deverá manter a versão que inocenta Leandro Boldrini de qualquer participação na morte do menino. Nesta quarta-feira (13), Boldrini depôs e afirmou que quem planejou e executou o crime foram Graciele e a amiga Edelvânia Wirganovicz. Os três são réus no processo pela morte do garoto, assim como Evandro Wirganovicz.

 

Apesar da acusação, o advogado de Graciele, Vanderlei Pompeo de Mattos, não fez questionamentos ao réu.

 

— Só tornaria mais polêmica a manifestação dele. É a versão apresentada por ele. Eu me sustento na versão apresentada pela minha cliente e amanhã vai ser o momento dela apresentar a versão dela — explicou Pompeo de Mattos.

 

É a primeira vez que Graciele falará publicamente sobre o crime. O único depoimento que deu foi à polícia, em 30 de abril de 2014.

 

— Ela ocultou (de Boldrini) o acidente ocorrido (a madrasta alega que a morte foi acidental). Tanto que a ida à festa (o casal foi em uma festa no sábado, dia 5 de abril de 2014) foi uma forma de dissimular mais ainda. Não contou nada para ele — disse o advogado.

 

E essa história de comoção que pregaram? Tchê, sobrou banco no plenário. Não vi uma pessoa se manifestando. Cadê o clamor público? Venderam essa imagem para polemizar o que não existe.

Pompeo de Mattos afirmou que Graciele não pretende silenciar, mas que vai depender da postura do Ministério Público.

 

— Vejo uma postura odiosa por parte da acusação. Venho lutando há cinco anos, estou com espingarda de pressão e máquina estatal do Judiciário está com um míssil contra nós. É todo um aparato estatal contra um defensor com cliente presa. E essa história de comoção que pregaram? Tchê, sobrou banco no plenário. Não vi uma pessoa se manifestando. Cadê o clamor público? Venderam essa imagem para polemizar o que não existe.

 

Ele já havia se manifestado pouco antes do início do julgamento, na segunda-feira, afirmando que sustentará a tese de que o crime foi culposo (sem intenção de matar), já que, segundo ele, Graciele teria permitido que o enteado tomasse os medicamentos, que acabaram resultado na sua morte. Essa versão, de que houve um acidente e não um crime, deve ser defendida pelo advogado ao longo dos debates.

 

A juíza Sucilene Engler avisou os jurados, no final da sessão desta quarta-feira (13), que nesta quinta-feira os trabalhos devem ultrapassar as 19h. A intenção é dar início aos debates entre Ministério Público e defesas, para garantir que o julgamento seja encerrado na sexta-feira.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/03/2019 - Leandro Boldrini acusa Graciele e Edelvânia de matarem Bernardo

“Quando tirarem essas algemas de mim, a primeira coisa que eu vou fazer é ir até Santa Maria e rezar onde está enterrado meu filho”, declarou Leandro Boldrini durante o terceiro dia do julgamento do Caso Bernardo, no Fórum de Três Passos. Pai da vítima e um dos acusados pela morte do menino, ele foi primeiro réu a ser ouvido no júri popular, em um depoimento que durou mais de três horas e meia. Durante suas respostas, o médico, após recomendação de seus advogados, falou sempre de frente para os jurados e disse que não mandou matar Bernardo. “Foi a Graciele (Ugulini, madrasta) e a Edelvânia (Wirganovicz, amiga de Graciele) que mataram meu filho.”

 

• Leia mais sobre o caso Bernardo

 

Durante suas respostas, Leandro Boldrini intercalou diversas vezes a frase “senhores jurados”, falando sempre de frente para o júri popular. O réu também variou suas reações, por vezes respondendo lentamente aos questionamentos e em outras inclusive levantando para demonstrar algumas situações. Em uma delas, narrou a situação em que, após ser preso, Graciele teria lhe admitido ser responsável pela morte de Bernardo. Declarando-se inocente, ele disse aos promotores que tomou conhecimento de que o filho havia morrido somente no dia 14 de abril de 2014, quando o corpo foi encontrado.

 

O acusado foi diversas vezes questionado sobre como era a sua relação com Bernardo. Ele admitiu ser um pai ausente, mas com a justificativa de que seu trabalho não lhe permitia ter muito tempo para o filho. “A profissão de médico, de cirurgião, requer uma dedicação em tempo integral. Pode ser por esse motivo que eu fosse um pai mais provedor do que um pai presente”, relatou Boldrini. O réu também concordou com as afirmações de que Bernardo costumava dormir na casa dos amigos, mas que o contrário não costumava acontecer. “O Bernardo decidia a agenda dele”, disse.

 

Ao falar sobre a relação de sua mulher, Graciele Ugulini, com o menino, Boldrini disse que ela não chegou a mencionar que Bernardo seria um “estorvo” para o núcleo familiar, mas confirmou que existiam atritos entre os dois. Durante essas respostas, ele comentou os vídeos registrados por ele mostrando as brigas da família com o garoto. As imagens foram amplamente divulgadas e mostram, por exemplo, o garoto com uma faca pedindo para o pai parar de gravá-lo. Segundo Leandro Boldrini, o objetivo das gravações era conciliar Bernardo e a madrasta. “Eu queria que eles se acertassem”, disse. Ele ainda disse que após esse registro tomou a decisão de encaminhar a criança a um psiquiatra. “Melhorou 100%”, garantiu o réu.

 

Boldrini ainda procurou mostrar que, ao contrário de algumas acusações, havia tentado se aproximar de Bernardo. “Combinei com ele que, como o final de semana tinha dois dias, ele poderia curtir o sábado na casa do amigo que preferisse, mas que domingo passaríamos juntos”, disse. Foi questionado, então, como foi sua postura quando o menino desapareceu. Contou que iniciou uma “maratona de ligações” e foi novamente indagado do motivo pelo qual teria ido trabalhar normalmente na segunda-feira, três dias depois do desaparecimento. "Eu estava no hospital crente de que 'ah, ele vai estar no colégio, está me pregando uma peça'", disse. Afirmou, no entanto, que, quando soube que a polícia trabalhava com a possibilidade de morte, sentiu “um arrepio”.

 

“Ele era integrante da família. Não era um estorvo. Senhores jurados, não era um estorvo", disse Leandro Boldrini durante o depoimento. Um dos pontos trazidos durante os questionamentos foi sobre a primeira comunhão de Bernardo, que Leandro não compareceu. Segundo o médico, o menino só lhe avisou da data alguns dias antes, quando ele já havia marcado de ir a um casamento com Graciele. "Ele teria que ter a responsabilidade de me avisar mais cedo", justificou. Ao final da sessão, o médico se declarou inocente e disse que não se preocupa em como reconstruirá a vida se for absolvido, que vai trilhar seu caminho de volta em Três Passos, pois essa “cruz” não se compara à perda do filho.

 

Possibilidade de anulação do júri movimenta fim de depoimento

O julgamento do Caso Bernardo corre o risco de ser anulado após um episódio ocorrido na sessão desta quarta, durante o depoimento do réu Leandro Boldrini, no Fórum de Três Passos. Em meio aos questionamentos do Ministério Público (MP), a defesa do acusado interrompeu e orientou seu cliente a parar de responder às perguntas. A acusação, então, continuou perguntando ao pai da vítima, que permaneceu sentado, em silêncio. Ao final, seus representantes argumentaram que a continuidade do interrogatório gerava constrangimento e prejudicava a avaliação do júri popular. A possibilidade de nulidade foi registrada à juíza Sucilene Engler e poderá ser utilizada ao final do julgamento, caso Boldrini seja condenado.

 

Leandro Boldrini respondeu aos questionamentos dos primeiros promotores, Bruno Bonamente e Silvia Jappe, sem interrupções de seus advogados. Durante as perguntas de Ederson Vieira, que por vezes se mostrou mais incisivo, os representantes do réu disseram que a acusação estava faltando com a educação e orientaram ao pai de Bernardo que permanecesse em silêncio. O médico, a partir daí, silenciou. Para a defesa, no entanto, a continuidade violava o direito do acusado permanecer em silêncio e prejudicava o júri, que poderia entender que, ao não responder, Boldrini estivesse confessando.

 

Ao tentar, sem sucesso, que a juíza não consignasse as perguntas, a defesa citou decisões precedentes em que o julgamento foi anulado em função disso. O júri, no entanto, segue normalmente. Ao final, esse registro feito pela defesa, pode ser utilizado para pedir a anulação do júri. Se a magistrada negar, o pedido será submetido ao Tribunal de Justiça e, se for atendido, em tese, todo o julgamento precisaria ser feito novamente. A questão tumultuou os ânimos no final da sessão.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

13/03/2019 - Segundo dia de júri é marcado por emoção de "mãe adotiva" e defesa de testemunhas do pai de Bernardo

No segundo dia de julgamento do caso Bernardo, seis mulheres prestaram depoimento no Fórum de Três Passos. A sessão iniciou às 9h desta terça-feira (12) e foi encerrado pouco depois das 18h.

 

Dessas, duas foram chamadas pelo Ministério Público e três pela defesa do médico Leandro Boldrini, réu pela morte do filho. Além delas, a ex-secretária do cirurgião foi arrolada tanto pela defesa como pela acusação.

 

Por quase nove horas, elas falaram sobre o caso envolvendo a morte de Bernardo Uglione Boldrini, assassinado em abril de 2014. A madrasta Graciele Ugulini também é ré no processo, assim como os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz.

 

Os depoimentos

Juçara Petry - vizinha 

 

Por quase três horas, a empresária, que foi vizinha da família de Bernardo, falou sobre a convivência com ele e o descaso sofrido pelo menino por parte da família. Juçara, que era considerada como mãe pelo garoto, relatou que a criança costumava permanecer dias em sua casa. Ele chegou a prestar homenagem para ela na escola.

 

Disse que Bernardo não tinha roupas adequadas ao tamanho dele e, por isso, costumava usar as vestes dela. Chegava a pegar blusas e calçados emprestados. Contou ainda que o menino reclamava de não ter lanche para levar à escola, não ter janta e nem a chave de casa.

 

Disse que Boldrini era relapso com o filho, mas que acreditava que isso acontecia por conta do excesso de trabalho. Chorou uma única vez, ao recordar do dia em que Bernardo relatou que errou de propósito a lição para que o marido dela continuasse a ensiná-lo.

 

Questionada se sentia culpa pela morte do menino, disse que fez o possível por ele, mas que acredita que não conseguiu ouvir alguns pedidos de socorro. Reiterou diversas vezes que o menino não contava sobre as brigas com o pai (registradas em vídeos).

 

Descreveu Bernardo como um menino dócil, que corria para abrir a porta do carro para ela e gostava de dormir na cama, no meio do casal. Lembrou do episódio como a primeira comunhão, em que ela e o marido estiveram presentes, já que Boldrini não compareceu.

 

— Pai que não dá roupa e não dá comida não tem amor, né? — concluiu ao ser questionada pela defesa do médico.

 

Ariane Schmitt – psicóloga

 

A psicóloga foi a segunda a ser ouvida nesta terça-feira e falou por cerca de uma hora e meia. Ela atendeu o menino por dois períodos, em 2011 e em 2014. A primeira logo após a morte da mãe do garoto, Odilaine Uglione.

 

Ariane falou sobre as péssimas condições físicas e emocionais em que o Bernardo vivia. Ela criticou as atitudes do pai, com o descaso e as gravações nas quais aparecia provocando o filho, irritado. Também disse ter alertado o médico sobre os riscos de permitir que o menino administrasse medicação controlada sozinho.

 

Quanto a Leandro Boldrini, Ariane o avaliou como um pai "tangencial, periférico, sem vínculo e empatia".

 

— A morte de Bernardo não aconteceu em 4 de abril de 2014, ele teve a infância abortada. A morte foi lenta, gradual e contínua.

 

Andressa Wagner - ex-secretária

 

A ex-secretária do médico Leandro Boldrini afirmou que Graciele chegou a afirmar que precisava “dar um fim” em Bernardo. Ela foi a quarta testemunha a ser ouvida no júri pela morte do menino, e não permitiu que fossem registradas imagens do seu rosto. Ela também afirmou que a madrasta se referia a Bernardo como “estorvo”.

 

— Ela falou que dinheiro ela tinha para dar um fim no guri — disse. 

 

Andressa contou que Graciele pedia que ela “expulsasse” Bernardo do consultório. Mas afirmou que isso seria para que o menino fosse para casa estudar. Ela negou que Bernardo não tivesse roupas adequadas, como foi descrito por outras testemunhas. Disse que o menino andava com boas vestimentas, calçados e portava chave com controle da residência.

 

A ex-secretária considerou que Boldrini era um médico dedicado e chorou quando falou sobre o fato de ter sido apontada como possível autora da carta assinada pela mãe de Bernardo, antes de se suicidar em 2010. O caso foi reaberto, mas a polícia concluiu novamente pelo suicídio. Ficou confirmada na investigação que o documento foi escrito pela mãe do menino.

 

— Terminaram com a minha vida — disse, entre lágrimas.

 

Lori Heller - ex-babá

Um dos depoimentos mais curtos do dia, a ex-babá de Bernardo relatou que não lembrava de muitas coisas e que estava com quadro de pressão alta. A juíza Sucilene Engler pediu que advogados se contenham nas perguntas para não agravar situação. Por isso, as defesas optaram por reduzir as perguntas.

 

Ela falou por apenas 15 minutos. Não relatou de nenhuma anormalidade na casa de Bernardo. Disse que o menino era cuidado. Ela não quis ser fotografada. Ao fim da sessão, foi dispensada da lista de testemunhas, depois que defesas e Ministério Público se comprometeram a não a reinquirir no julgamento.

 

Marlise Cecília Henz - ex-funcionária de Boldrini

Um dos momentos de tensão durante o segundo dia de júri aconteceu quando o MP decidiu exibir um vídeo para a testemunha.

 

Nas imagens, Bernardo grita repetidas vezes por socorro. O pai e a madrasta ameaçam o menino. Durante o vídeo, a sala do júri permaneceu em silêncio. Os réus não esboçaram reação. Edelvânia foi a única a baixar a cabeça.

 

Cecília, como prefere ser chamada, trabalhou com Boldrini no hospital, em Três Passos. Ela relatou que a madrasta chegou a dizer que “ia arranjar um matador de aluguel para matar Bernardo”. Isso teria acontecido após o menino procurar o Fórum, em janeiro de 2014, para reclamar da falta de atenção do pai e das brigas com a madrasta.

 

— A gente não via ela como essa monstra que vê hoje — disse.

 

Rosângela Pinheiro - Ex-colega de Boldrini

Foi o depoimento mais curto do dia, com duração de cerca de cinco minutos. Falou que trabalhou na administração do hospital em que Boldrini atuava. Disse que não tinha informações sobre a vida familiar de Boldrini, nem de Graciele. Não soube dar maiores detalhes envolvendo Bernardo. As defesas de Edelvânia e Evandro não fizeram questionamentos para a testemunha. Também não permitiu ser fotografada. O julgamento foi encerrado assim que esse depoimento terminou.

 

No terceiro dia:

Nesta quarta-feira (13), a expectativa é que sejam ouvidas as seis testemunhas restantes.

 

Elas foram chamadas pela defesa de Boldrini. A lista inclui: Luiz Omar, que trabalhou com o médico, Paulo Boldrini, irmão do réu, Wilson Boldrini, também irmão, Sonia Boldrini, cunhada, Maria Lucia Cremonese, professora e Luiz Gabriel Costa Passos, perito particular.

 

Esse último depoimento pode se estender por até cinco horas, segundo estima a defesa do médico. Após finalizar o depoimento das testemunhas, a próxima etapa é ouvir os réus. Ainda não se sabe se será possível ouvir algum deles nesta quarta-feira (13).

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

 

 

 

13/03/2019 - Polícia identifica suspeito de matar mulher em motel de Porto Alegre

A polícia identificou o suspeito de matar uma mulher dentro de um motel, na última sexta-feira (8), em Porto Alegre. O nome do homem não foi divulgado, para não atrapalhar as investigações. Ele está foragido, e as autoridades buscam localizá-lo.

 

Conforme a titular da Delegacia da Mulher, Tatiana Bastos, a vítima também foi identificada: Fabíula Francine Lopes, 32 anos e mãe de três filhos. Segundo a perícia no local, a mulher teria sofrido violência sexual. Feminicídio é a principal linha de investigação. A polícia ainda analisa imagens de câmeras de segurança, para levantar mais detalhes sobre o crime.

 

Na segunda (11), um ex-companheiro da vítima foi ouvido pela polícia. De acordo com ele, Fabíula e o suspeito estariam em um início de relacionamento. Na quarta (11), familiares da vítima serão ouvidos.

 

Crime

Fabíula foi encontrada morta na sexta pelo proprietário do motel na Avenida Farrapos, na região central de Porto Alegre. A vítima teria chegado ao local por volta das 20h de quinta. O homem que estava com ela deixou o estabelecimento por volta das 23h.

 

O corpo de Fabíula estava caído no chão do quarto, com um corte profundo na cabeça. Segundo a Polícia Civil, ela teria sido atingida por um golpe, possivelmente desferido com a tampa da caixa da descarga. No local, havia garrafas de bebidas alcoólicas e uma lata vazia, que os policiais acreditam que havia sido utilizada como cachimbo para consumo de crack.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

13/03/2019 - Previsão do tempo no RS: instabilidade perde força nesta quarta-feira

Nesta quarta-feira (13), as instabilidades diminuem gradualmente no interior do Rio Grande do Sul, mas ainda há risco para pancadas de chuva nas demais áreas. No extremo norte do Estado, na divisa com Santa Catarina, há potencial para tempestades com raios e trovões e acumulados mais significativos. O vento fica intenso, com rajadas que ultrapassam os 50 km/h, especialmente na faixa leste do RS.

 

Na quinta-feira (14), a massa de ar seco avança e atinge praticamente todo o Estado, deixando o tempo firme. Apenas o extremo sul do litoral ainda apresenta condições para pancadas de chuva isoladas e de pouca intensidade, principalmente no final da tarde. Mesmo com o sol aparecendo, as temperaturas diminuem em relação ao dia anterior. A sensação térmica é amena na metade sul, mas no Noroeste ainda faz calor.

 

Previsão para quarta-feira (13)

 

Capital: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 30°C

Pelotas: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 28°C

Caxias do Sul: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 24°C

Santa Maria: Tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 19°C e máxima de 28°C

Santa Rosa: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 17°C e máxima de 25°C

Erechim: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 24°C

Uruguaiana: Tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 18°C e máxima de 27°C

Torres: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Rio Grande: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 25°C

Mostardas: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 27°C

Passo Fundo: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 24°C

Bagé: Tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 18°C e máxima de 24°C

Tramandaí: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Xangri-Lá: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Capão da Canoa: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 30°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

13/03/2019 - Votação de projeto sobre venda de estatais gaúchas deve ocorrer no mês de abril

Prioridade do governador Eduardo Leite, a proposta que desobriga a necessidade de plebiscito para venda da CEEE, Sulgás e Companhia Riograndense de Mineração (CRM) deve ir à votação no plenário da Assembleia em 16 ou 23 de abril, em primeiro turno. A segunda apreciação só pode ocorrer, no mínimo, três sessões após a primeira votação.

 

O texto começou a tramitar nesta terça-feira (12) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e terá como relator o deputado Edson Brum (MDB). O primeiro teste para a base governista será a votação dentro da própria comissão, prevista para 9 de abril. Antes, na próxima terça-feira, a CCJ faz audiência pública sobre o tema no plenarinho da Casa. O debate foi solicitado pela oposição e teve anuência do governador, que avalizou acordo fechado entre líderes do governo, Frederico Antunes (PP) e do PT, Luiz Fernando Mainardi.

 

Na reunião desta terça-feira (12) da CCJ, a oposição tentou assumir a relatoria do projeto, mas Brum fez prevalecer o critério de rodízio entre integrantes, com sequência por ordem alfabética. Assim, ele mesmo assumiu a incumbência. O deputado tem até duas semanas para apresentar o parecer, mas em acordo com os parlamentares ficou estabelecido que não haverá apreciação prévia antes de 2 de abril, pois dia 26 de março, Frederico Antunes estará em viagem aos Estados Unidos, onde ministra palestra no Congresso Mundial de Free Shops.

 

A votação na comissão deve ser tranquila para o governo. Dos 12 integrantes, oito pertencem à base de sustentação do Piratini e o único independente é simpático às privatizações. A oposição tem três votos. Para o texto ser aprovado, são necessários ao menos sete votos favoráveis. Em caso de vitória por 6 a 1, por exemplo, o projeto deve ser distribuído a outro relator e o parecer submetido a nova votação.

 

No governo de José Ivo Sartori, projetos semelhantes não chegaram a ser apreciados na CCJ, mas a demora foi deliberada. Como o governo jamais teve 33 votos necessários para aprovação no plenário, preferiu deixá-los na CCJ enquanto negociava adesões, mas a situação mostrou-se incontornável. Hoje, a nova composição da Assembleia garante a Leite cerca de 40 votos dos 55 deputados.

 

Formação da CCJ

Base governista

Edson Brum (MDB) - presidente

Gabriel Souza (MDB) - vice

Frederico Antunes (PP)

Sérgio Turra (PP)

Elizandro Sabino (PTB)

Luiz Henrique Viana (PSDB)

Elton Weber (PSB)

Fran Somensi (PRB)

Independente

Tenente-coronel Zucco (PSL)

Oposição

Luiz Fernando Mainardi (PT)

Pepe Vargas (PT)

Juliana Brizola (PDT)

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

13/03/2019 - Mãe e filha são presas com cocaína no aeroporto de Porto Alegre tentando embarcar para Portugal

A Polícia Federal prendeu duas mulheres por tráfico internacional de drogas no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, na noite desta terça-feira (12). As mulheres eram mãe e filha e levavam cinco quilos de cocaína.

 

Segundo a Polícia Federal, as duas mulheres, de 39 e 20 anos, naturais de Fortaleza (CE), embarcariam para Portugal e tiveram as bagagens inspecionadas em atividade de interdição de drogas no aeroporto, entre 20h e 21h desta terça. A inspeção de rotina contou com cães farejadores treinados para o faro de entorpecentes.

 

Após sinalização dos cães, os policiais localizaram a droga escondida sob o forro de uma das malas. As duas mulheres foram presas em flagrante e conduzidas para a Superintendência da Polícia Federal. 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

13/03/2019 - Polícia do Rio encontra 117 fuzis em casa de amigo de suspeito de matar Marielle

A Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou, nesta terça-feira (12), 117 fuzis M-16 na casa de um amigo do policial militar reformado Ronnie Lessa, preso por suspeita de participação no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A apreensão ocorreu no bairro Méier, zona oeste do Rio de Janeiro. As armas estavam desmontadas e em caixas e acomodadas em um guarda-roupas, segundo o portal G1. Apenas os canos não foram localizados.

 

Essa é a maior apreensão de fuzis da história do Rio de Janeiro, segundo a Polícia Civil. Até segunda-feira (11), 100 armas desse tipo haviam sido apreendidos neste ano no Rio. Ao justificar a origem dos objetos, o dono do imóvel alvo da ação, Alexandre Mota de Souza, disse que Lessa, que é seu amigo de infância, pediu para ele guardar as caixas e não abrir os recipientes.

 

O fuzil M-16, produzido nos Estados Unidos desde 1960, foi utilizado em guerras como a do Vietnã, do Golfo, do Afeganistão e do Iraque. Uma das suas variações, o M4A1, é de uso restrito das forças armadas do Brasil, como brigadas de operações especiais do Exército e fuzileiros navais.

 

Nesta terça-feira, a polícia cumpriu um dos 32 mandados de busca e apreensão da Operação Lume na casa. Os agentes também acharam R$ 112 mil na operação, sendo R$ 50 mil na casa dos pais de Ronnie e R$ 60 mil em seu carro.

 

Segundo os investigadores, Lessa, 48 anos, um dos presos nesta terça-feira, é suspeito de efetuar os disparos que mataram a vereadora e seu motorista. O segundo suspeito preso foi o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, 36 anos. Ele estaria dirigindo o carro quando os tiros foram disparados.

 

Ronnie Lessa, 48 anos, preso nesta terça-feira (12) acusado de ter atirado em Marielle Franco e no motorista Anderson Gomes, segundo denúncia do Ministério Público, é conhecido pela pontaria certeira e pela frieza em suas ações. Sargento reformado da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro, tem fama associada a crimes de mando entre colegas de farda — apesar de, até então, nunca ter sido investigado e ser ficha limpa até a operação desta terça-feira (12).

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

13/03/2019 - Polícia deflagra nova operação do caso Marielle

 

 

A Polícia Civil do Rio de Janeiro deflagrou na manhã desta quarta-feira (13) uma nova operação no âmbito da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Segundo o portal G1, mandados de busca e apreensão são cumpridos na zona oeste da cidade.

 

Um dos alvos da ação é bombeiro Maxwell Simões Correa, conhecido como Suel. Agentes do Ministério Público (MP) e da Polícia Civil fizeram buscas na casa dele na ma, no Recreio dos Bandeirantes.

 

Na manhã desta terça-feira (12), dois suspeitos de participarem do assassinato da vereadora foram presos. Um deles é policial militar reformado e o outro é ex-PM. Segundo nota divulgada pelo MP do Rio, um dos presos é o policial militar reformado Ronnie Lessa, 48 anos. Ele é suspeito disparar a arma que matou a vereadora e seu motorista, Anderson Gomes.

 

Gomes levava Marielle e uma assessora de um evento da Lapa, na região central da cidade, para a Tijuca, na Zona Norte. No meio do caminho, em uma área do Centro conhecida como Cidade Nova, um carro emparelhou com o da vereadora e uma pessoa disparou, segundo a polícia, arma automática.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/03/2019 - RS terá segunda-feira com muita nebulosidade e chance de chuva

O sol chega a aparecer com nuvens em diferentes pontos do Estado, ao menos em parte do dia, nesta segunda-feira. A nebulosidade, entretanto, predomina no Rio Grande do Sul. Espera-se chuva no decorrer do período, em algumas localidades já de manhã, em várias regiões.

 

A chuva afetará principalmente o Oeste, Noroeste e o Norte do Estado. Em pontos mais a Leste, como é o caso de Porto Alegre, a probabilidade de chover será menor e o dia terá sol e nuvens com períodos de abundante nebulosidade. Há risco de chuva forte isolada no Oeste e no Noroeste. Já a temperatura segue agradável.

 

As mínimas rondam os 11°C em São José dos Ausentes e os 14°C em Santana do Livramento. As máximas, por sua vez, podem chegar a 26°C em Uruguaiana e 27°C em Santa Cruz do Sul. Em Porto Alegre, os termômetros variam entre 18°C e 26°C.

 

Na terça, as precipitações tendem a afetar grande parte do Estado e devem ser localmente fortes com volumes altos. Já na quarta-feira, a instabilidade ainda afetará diversas regiões com risco ainda de chuva de forte intensidade, notadamente no Norte e no Nordeste gaúcho.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

11/03/2019 - Laudo aponta que caminhão que colidiu em helicóptero que levava Boechat estava a cerca de 40 km/h

Conforme laudo do Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo, o caminhão que colidiu com o helicóptero que levava o jornalista Ricardo Boechat e o piloto Ronaldo Quattrucci trafegava a aproximadamente 40 km/h no momento da batida. O choque ocorreu na saída da praça de pedágio do Rodoanel, em direção à Rodovia Anhanguera. A morte de Boechat e Quatrucci completa um mês nesta segunda-feira (11). As informações são do G1.

 

Segundo documento do Núcleo de Engenharia da Polícia Técnico-Científica do Instituto de Criminalística, fica comprovado que o veículo trafegava dentro do limite de velocidade permitido para a via. O órgão analisou o tacógrafo do caminhão conduzido pelo motorista João Adroaldo Tomackeves, que sobreviveu à colisão, saindo com ferimentos leves.

 

Boechat e Quattrucci morreram em decorrência de politraumatismos causados pelo impacto entre o helicóptero e o caminhão, ocorrido em 11 de fevereiro.

 

A reportagem não conseguiu localizar o representante do Ministério Público responsável por acompanhar o caso para comentar o assunto nesta semana.

 

Para a Polícia Civil, que investiga o acidente, ainda não há elementos que possam responsabilizar alguém criminalmente pela colisão e pelas mortes. O entendimento da investigação, até então, é de que o que aconteceu foi uma "fatalidade".

 

Além do laudo do IC, que atesta que o motorista estava em velocidade compatível para o trecho, outra prova corrobora com a hipótese de que não houve crime na colisão. Vídeo gravado por câmeras de segurança, por exemplo, mostra que o helicóptero tentava um pouso de emergência, após pane ainda não identificada pela perícia, quando se chocou com o caminhão, que saía da praça de pedágio perto de 40 km/h.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/03/2019 - Chuva causa desabamento e deixa pelo menos sete mortos em SP

Ao menos sete pessoas morreram durante a  forte chuva que começou na noite de domingo (10) e se estende pela segunda-feira (11) em diversas regiões da Grande São Paulo. O temporal ainda  provocou alagamentos e bloqueou vias de acesso para a capital paulista.

 

Quatro pessoas morreram e outras duas ficaram feridas após uma casa desabar, no final da noite deste domingo (10), no bairro Estância das Rosas, em Ribeirão Pires, na região metropolitana de São Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, chovia forte na região no momento do desabamento. Outros três morreram afogados: dois na Avenida dos Estados e um no bairro Taboão, em São Bernardo do Campo. Na Zona Leste de São Paulo, uma criança ficou ferida em estado grave.

 

Toda a capital paulista foi colocada em estado de atenção, de acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). A prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio de veículos no período da manhã desta segunda-feira (11). Houve o transbordamento do rio Tamanduateí, na Avenida do Estado, e também do córrego da Mooca, na zona leste.

 

A capital amanheceu com pontos de alagamentos na Marginal Tietê, nas pontes do Limão, Piqueri e Dutra. A linha 10 — turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanas (CPTM), que passa pelo ABC, está paralisada, sem previsão de normalização.

 

As principais vias de ligação do ABC com a capital sofreram alagamentos e muitos trechos foram interditados. Na rodovia Anchieta, na altura do km 13, em São Bernardo, as pistas centrais e marginais ficaram bloqueadas tanto no sentido capital quanto em direção ao litoral devido ao transbordamento do córrego Ribeirão dos Couros.

 

Moradores e motoristas ilhados em carros foram resgatados por botes na região do Ipiranga (zona sul) e também no ABC. Segundo último balanço do Corpo de Bombeiros, houve 23 desabamentos ou deslizamentos e 121 quedas de árvores, em ações concentradas em São Paulo e no ABC.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/03/2019 - Devassa na educação mira pagamentos indevidos e matrículas fantasmas

A Polícia Federal (PF) e a Controladoria-Geral da União (CGU) já começaram a rastrear convênios e verbas para dar impulso àquilo que o presidente Jair Bolsonaro anunciou, há três semanas, como Lava-Jato da Educação. Entre os alvos estão importantes iniciativas do governo federal no setor: o Programa Universidade para Todos (ProUni), o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

 

– O Brasil gasta mais em educação, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), do que a média de países desenvolvidos. Em 2003, o Ministério da Educação (MEC) investiu cerca de R$ 30 bilhões. Em 2016, gastando quatro vezes mais, chegou a cerca de R$ 130 bilhões. Mesmo assim, ocupa as últimas posições no Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) – justificou Bolsonaro, ao anunciar parceria entre o MEC e a PF para investigar programas educacionais.

 

Estão na mira bolsas distribuídas pelo ministério nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff (ambos do PT) e Michel Temer (PMDB). Entre as gestões auditadas devem estar as dos ex-ministros da Educação Fernando Haddad (candidato petista derrotado por Bolsonaro na recente eleição à Presidência), Aloizio Mercadante (PT) e José Mendonça Filho (DEM).

 

Sem adiantar detalhes, PF e CGU confirmam que vão checar possíveis desvios no financiamento de programas pelo sistema S (Senai, Senac e Senar), na concessão de bolsas de ensino a distância e em despesas de universidades federais. A suspeita é de falhas, sobrepreços e desperdícios.

 

ZH teve acesso a auditorias feitas pela CGU no ProUni, no Pronatec e no Fies, que devem servir de alicerce para a investigação da PF. A maioria das irregularidades apontadas envolve o ProUni, destinado a dar acesso ao Ensino Superior a estudantes de baixa renda, selecionados mediante desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O programa oferece bolsas de estudos integrais (100%) e parciais (50%) em instituições privadas de educação superior. Os beneficiários devem ter renda per capita familiar bruta de até três salários mínimos. As bolsas também são extensivas aos professores da rede pública de ensino que exercem magistério da educação básica.

 

Entre 2009 e 2014, a CGU apontou 34.921 indícios de irregularidade no cadastro de estudantes beneficiados pelo ProUni. Desses, 15.559 tiveram suas bolsas encerradas no período, após ter sido concedido prazo para que os alunos se justificassem.

 

O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou cruzamento de dados com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho, e encontrou 23 mil estudantes com renda superior ao exigido no ProUni, nesse intervalo de tempo.

 

A PF vai apurar se há conexão entre os casos e se há fraude planejada, porque auditorias continuaram a levantar irregularidades nos anos seguintes. No período entre 2015 e 2017, as principais irregularidades constatadas por CGU e TCU foram as seguintes:

 

- Existência de beneficiários falecidos na situação de matriculados no programa.

 

- Concessões a bolsistas com renda familiar acima da prevista para ser beneficiado pelo programa (1,5 salário mínimo para bolsa integral e três salários mínimos para bolsa parcial, de 50%).

 

- Candidatos aprovados que deixaram de comprovar ao menos um critério de elegibilidade (escolaridade, residência e renda do grupo familiar). O índice foi de 12,2%.

 

- Registro de bolsistas que receberam o benefício e não são brasileiros natos ou naturalizados (condição obrigatória para aderir ao programa).

 

- Existência de beneficiados que têm duas bolsas ativas (o que é vetado).

 

- Seleção de candidatos para campi que não funcionavam.

 

- Alto índice de ociosidade das vagas das bolsas ofertadas, com média de 22%.

 

 

 

490 mortos inscritos no ensino técnico

 

 

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) também foi auditado pela Controladoria-Geral da União (CGU). Ele promove parcerias com entidades públicas e privadas especializadas para a oferta de cursos gratuitos de qualificação profissional e tecnológica, de acordo com as necessidades do mercado de trabalho local.

 

Entre as principais irregularidades detectadas de 2011 a 2016 estão: menores de 14 anos (o que é vetado), estudantes com mais de três cursos de formação inicial e continuada por ano (também proibido), alunos mortos (registrados no Sistema de Controle de Óbito, o Sisobinet) e estudantes contabilizados em duplicidade no mesmo curso, mas em programas distintos.

 

O caso dos mortos é um dos que mais chama a atenção. Em 2012, foi constatado que um aluno estava registrado no Sisobinet, com falecimento em 2009, mas foi matriculado em um curso para 2013. Ao todo, foram encontrados pela auditoria, de 2011 a 2016, 490 CPFs de pessoas mortas, mas aceitas como bolsistas.

 

- É possível que muitos tenham morrido ao longo do curso, mas outros, como constatou a auditoria da CGU, foram matriculados após a morte - diz uma fonte com acesso aos dados.

 

Outro problema identificado é que, mesmo diante de desistências no programa Bolsa-Formação (o principal do Pronatec), bolsistas continuaram a ser contabilizados, e as instituições responsáveis pelas aulas mantiveram o recebimento de verbas, mesmo sem que esses estudantes estivessem em aula.

 

Sob suspeita

NO PROUNI

Mortos

Do cruzamento dos dados do Sistema Informatizado de Controle de Óbitos com os do ProUni verificou-se a existência de 47 beneficiários matriculados e já falecidos. Destes, um morreu antes de se tornar bolsista, e os demais, após o recebimento do benefício.

 

 

 

Dados desatualizados

Em pesquisa por amostragem realizada em 2012, foram analisados dados de 1.889 bolsistas (de 135 mil que existiam nesse ano). Desses, 48,3% não foram encontrados em razão da desatualização de endereços e telefones na base de dados.

 

 

 

Critérios não comprovados

Da mesma amostra, verificou-se que 12,2% dos 1.879 candidatos aprovados nos processos seletivos deixaram de confirmar pelo menos um dos critérios exigidos para a bolsa: escolaridade, residência e renda do grupo familiar.

 

 

 

Estrangeiros

O ProUni só pode beneficiar brasileiros. Em consulta à base do programa foi identificada a existência de 58 registros de candidatos que informaram não serem brasileiros natos ou naturalizados.

 

 

 

Várias bolsas

O programa permite apenas uma bolsa por pessoa. No cruzamento do cadastro com CPF foram encontrados seis beneficiados com duas.

 

 

 

Má gestão

Auditoria aponta que o índice de ociosidade (recursos previstos, mas não usados) das bolsas ofertadas para o ProUni entre 2006 e 2012 foi, em média, de 22%. Isso mostra falha de planejamento e investimento equivocado do dinheiro. O MEC associa essa situação ao fato de as universidades nem sempre conseguirem montar turmas nos cursos oferecidos. O TCU aponta que, no período de 2008 a 2012, 330.797 vagas ficaram ociosas.

 

 

 

Arrecadação menor

A existência de ociosidade de bolsas resulta em receita a menos ao governo federal. As instituições de ensino recebem isenção fiscal com base na oferta dos benefícios em vez da presença. O TCU estima que os cofres públicos deixaram de receber pelo menos R$ 1 bilhão entre 2010 e 2013.

 

 

 

Carros de luxo e aeronaves

A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) realizou auditoria no ProUni, ainda sigilosa, que já identificou ao menos 49 bolsistas que são donos de embarcações. Outros 65 têm carros de luxo e três constam como donos de aeronaves. O benefício é destinado a pessoas cuja renda familiar é de até três salários mínimos.

 

NO FIES

 

Auditoria estimou em R$ 73 milhões o sobrepreço, por ano, do custo das bolsas. As faculdades dariam benefícios com valor inferior ao do que recebiam do Fundo de Financiamento Estudantil. Por exemplo, foram detectadas ocorrências de alunos de Odontologia cujo contrato no Fies tem mensalidade de R$ 1.952,64, ante bolsas ofertadas com previsão de dispêndio de R$ 976,25. Ou de alunos de Direito com mensalidade no fundo de R$ 1.935,98, com bolsas para o curso de R$ 967,99.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/03/2019 - "É o momento de se fazer justiça", diz prefeito de Três Passos sobre julgamento do caso Bernardo

Cidade pequena, pacata e pacífica. Assim o prefeito de Três Passos, Zé Carlos Amaral, definiu a cidade palco do julgamento dos quatro acusados de matar o menino Bernardo Boldrini, que começa nesta segunda-feira (11). Segundo Zé Carlos, a comunidade hoje revive a dor e a consternação do crime que chocou a todos, mas também de expectativa: "É o momento de se fazer justiça".

 

— Nós tivemos um momento de muito luto na cidade. Depois, o momento de aguardo da justiça até que o julgamento fosse marcado para que todos os envolvidos e responsáveis por esse crime bárbaro tivessem o julgamento que merecem. — afirmou o prefeito, em entrevista ao Gaúcha Atualidade.

 

Zé Carlos conta que o episódio deixou tanto as autoridades quanto as pessoas da comunidade mais atentas em relação à defesa da criança e do adolescente, "com medidas protetivas do próprio judiciário mais severas, disparadas com maior antecedência".

 

— Prova disso é que o serviço de albergamento do município aumentou muito desde então.

 

Os serviços de proteção viraram alvo de atenção após o conhecimento de que Bernardo, no dia 24 de janeiro 2014, antes do falecimento em 4 de abril, foi sozinho ao Fórum de Três Passos e disse que queria falar com o juiz. Na sala do Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cededica), afirmou:

 

— Sou Bernardo, sou filho do médico Leandro Boldrini. Estou recebendo maus-tratos da minha madrasta e eu queria falar com o juiz a respeito disso.

 

Indagado sobre o número de denúncias de maus tratos com relação às crianças, Zé Carlos disse que "tanto existe essa questão das pessoas procurarem mais o serviço de proteção à criança, o Creas, como também a intensificação dessas atividades preventivas por parte desses profissionais".

 

— A gente observa que uma situação tão drástica causa uma modificação muito profunda na comunidade. — enfatizou.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Mais de 70% dos feminicídios e das tentativas de feminicídio no país têm parceiro como suspeito

Em janeiro de 2019, pelo menos 179 mulheres foram mortas vítimas de feminicídio ou sobreviveram a uma tentativa de feminicídio no país. Segundo levantamento obtido pelo jornal Folha de S.Paulo, 71% dessas mulheres – as que morreram e as que sobreviveram – foram atacadas pelo atual ou pelo ex-companheiro. De cada quatro suspeitos, um tinha histórico de violência ou antecedentes criminais.

 

Segundo a Folha, os crimes analisados pela publicação – ocorridos em 25 Estados brasileiros– mostram ainda que a mulher vitimada tem, em média, 33 anos, e o agressor, um pouco mais: 38 anos. O inconformismo com o fim do relacionamento aparece entre os motivos mais citados para a agressão (18%), logo atrás de brigas, ciúmes ou suposta traição (25%).

 

 

As estatísticas foram compiladas pela Folha a partir de um levantamento feito pelo advogado Jefferson Nascimento, pesquisador da USP, que se baseia em casos publicados na imprensa brasileira.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Estradas federais tiveram menos mortes e acidentes no Carnaval de 2019

O balanço da Operação Carnaval da Polícia Rodoviária Federal, divulgado nesta quinta-feira, mostra redução no número de mortos, de acidentes, de feridos e ultrapassagens perigosas no feriadão de 2019. Houve queda de 19% nas mortes nas rodovias federais do país de 1ª a 6 de março, na comparação com o número registrado no ano passado. Ao todo, 83 pessoas morreram. Em 2018, foram 103 mortes.

 

O número de acidentes diminuiu 24% em relação a 2018, passando de 1.518 no carnaval passado para 1.157 neste ano. Dados da PRF mostraram também que teve queda de 22% nas ultrapassagens irregulares. Os acidentes deixaram 1.464 feridos, o que representa redução de 7% em relação ao total de 1.569 pessoas feridas no carnaval passado.

 

Os agentes da PRF fiscalizaram 185.741 veículos, resultando em 63.313 autos de infração. Foram registrados 8.542 flagrantes de ultrapassagens indevidas, que, segundo a polícia, estão entre as principais causas de colisões frontais.

 

Ainda em relação a flagrantes, houve 5.206 autuações por falta do uso de cinto de segurança, número 13% maior que no ano anterior. Ao todo, 68.153 motoristas foram submetidos aos testes de bafômetro que resultaram em 1.959 autuações por embriaguez ao volante neste ano. No ano anterior, foram feitos 52.585 testes que resultaram em 1.629 multas. A PRF registrou 1.040 pessoas pilotando motocicletas sem o uso de capacete, além de 846 crianças transportadas sem os cuidados necessários, o que corresponde a um crescimento de 44% e 16%, respectivamente, em relação ao ano passado.

 

Sobre criminalidade, a polícia apreendeu 956 quilos (kg) de maconha e quase 152 kg de cocaína. Segundo os dados, 23 armas de fogo, 699 munições e 121.650 maços de cigarro foram apreendidos, 82 veículos foram recuperados e 673 pessoas foram presas por diversos crimes. De acordo com a PRF, ações de conscientização e educação para o trânsito alcançaram 21.269 pessoas em todo país durante a Operação Carnaval 2019. “Com isso, a PRF segue rumo ao alcance da meta estabelecida para o período. Em 2010, foram registrados 183.456 acidentes e 8.623 óbitos nas rodovias federais. Em 2017, o número de acidentes foi de 89.318 e 6.244 óbitos, em 2018 já foram 69.114 acidentes e 5.259 óbitos”, destacou a polícia.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

08/03/2019 - Instabilidade avança e predomina no RS nesta sexta-feira

 

O sol até aparece ao menos em parte do dia em algumas áreas, mas a sexta-feira vai ter muitas nuvens no Rio Grande do Sul. Áreas de instabilidade trazem chuva já cedo em diferentes pontos do território gaúcho e em muitos locais chove ainda de manhã, segundo a MetSul Meteorologia.

 

Da tarde para a noite, a instabilidade tende a afetar maior número de localidades. A MetSul não se descarta temporais de caráter localizado em que pode cair granizo ou ventar forte. O risco é maior no Oeste e no Noroeste. A Defesa Civil também alertou sobre o risco de eventos adversos devido às chuvas intensas.

 

Devido à instabilidade, a temperatura se eleva menos.

 

Mínimas e máximas pelo RS

Porto Alegre 23°C / 28°C

Caxias 19°C / 26°C

Capão 22°C / 27°C

Santa Rosa 21°C / 26°C

Santa Cruz do Sul 22°C / 27°C

Alegrete 21°C / 25°C

Pelotas 21°C / 26°C

Santiago 21°C / 24°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

08/03/2019 - Casal e filho são indiciados por encomendar morte de açougueiro em São Leopoldo

Proprietário de minimercados em São Leopoldo, no Vale do Sinos, um casal é considerado foragido pela Polícia Civil. Delvio Pinheiro Medeiros, 63 anos, e Dede Noal Medeiros, 55 anos, assim como o filho Cristian Fernando Medeiros, 31 anos, foram indiciados e tiveram prisão preventiva decretada como mandantes da execução do açougueiro Maycon Douglas dos Santos Michel, 27 anos, em 5 de setembro do ano passado. O motivo seria uma ação trabalhista movida pela vítima. O atirador ainda não foi identificado.

 

Cristian foi detido em 29 de janeiro. Delvio e Dede, possivelmente ao tomarem conhecimento da prisão do filho, saíram da casa onde moravam, fecharam os minimercados e não foram mais encontrados pelos policiais. Cerca de um mês após a captura de Cristian, o delegado Vinicius do Vale, da Delegacia de Homicídios de São Leopoldo, concluiu o inquérito.

 

Michel foi morto com 12 tiros, em frente ao mercado de sua família, no qual trabalhava. Antes, havia sido empregado em um dos estabelecimentos de Delvio, Dede e Cristian. Os ex-patrões não assinaram sua carteira de trabalho. Por isso, ele ingressou com uma ação na Justiça do Trabalho no dia 21 de agosto do ano passado.

 

De acordo com o que apurou a Polícia Civil, após ter entrado com a ação trabalhista, Michel passou a sofrer ameaças. Testemunhas afirmaram que Delvio disse ao açougueiro que ele “sabia como a família (Medeiros) era” e, caso seguisse adiante com o processo, “iria ver”. Além disso, em agosto, o comerciante teria feito uma ligação por WhatsApp para o ex-empregado. Neste telefonema, não teria falado nada.

 

No site do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região ainda aparece o processo movido por Michel. Após a morte dele, houve 23 movimentações. Na última, com data de 15 de fevereiro, consta como “decorrido o prazo de Maycon Douglas dos Santos Michel”. A notificação dos réus havia sido feita em 5 de setembro. Foi Dede quem recebeu a citação do oficial de Justiça. Naquele mesmo dia, Michel seria morto.

 

Cerca de duas horas antes do crime, o atirador esteve no mercado. Usando boné, entrou no estabelecimento da família do açougueiro, no bairro Campina, comprou um doce, pagou com uma moeda de R$ 1 e não quis o troco. Uma testemunha afirmou ter visto Cristian nas proximidades. Imagens de câmeras de segurança flagraram tanto o momento em que o homem desceu de uma picape Montana, quanto o que entrou no comércio. De acordo com a polícia, era Cristian quem estava ao volante da caminhonete.

 

Por volta de 20h10min, o açougueiro conversava com familiares na frente do mercadinho, enquanto comiam churrasquinhos. O atirador, usando moletom e capuz, aproximou-se de Michel pelas costas e começou a disparar. Depois de dar 12 tiros, saiu caminhando até um carro, não identificado, que estava em uma esquina próxima. Na fuga, atirou contra a guarita de um condomínio, mas não feriu ninguém. Em frente ao mercado, foram recolhidos oito estojos de munição .40. 

 

— Cristian levou o atirador ao local antes para ele ver quem era o alvo — afirma o chefe de investigações da Delegacia de Homicídios de São Leopoldo, Odilei Betanin.

 

Suspeitos negam envolvimento na morte

 

Embora o autor dos disparos não tenha sido identificado, com o depoimento da testemunha e com as imagens de câmeras, a Polícia Civil chegou a Cristian e, depois, ao pai dele como mandante. Dede foi a última a ser identificada como participante. 

 

— Nas investigações, ficou evidenciado que, além de pai e filho, a mãe não só sabia como participou ativamente, pagando R$ 2 mil para o atirador — relata o chefe de investigações.

 

O delegado Vinicius do Vale indiciou o trio por homicídio duplamente qualificado (mediante pagamento ou promessa de recompensa e à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido) e por crime de associação criminosa.

 

O casal e o filho haviam sido ouvidos antes da decretação das prisões. Todos negaram os crimes e as ameaças. Seus depoimentos foram semelhantes. Dede e Cristian, no entanto, caíram numa contradição: enquanto a mãe afirmou que no dia do crime o filho trabalhava em um dos mercados da família, ele disse que prestava serviço voluntário em uma entidade beneficente.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Desarticulada quadrilha suspeita de invadir prédios para realizar ataques a bancos

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta sexta-feira (8), operação para desarticular uma quadrilha suspeita de atacar bancos na região metropolitana de Porto Alegre agindo sempre da mesma forma: usando informações privilegiadas, o grupo invade prédios ao lado das agências, quebra paredes já previamente escolhidas, entra nos estabelecimentos e abre os cofres para levar o dinheiro.

 

Ao todo, 29 agentes da Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) cumpriram, nesta manhã, quatro mandados de prisão preventiva e cinco de buscas na Capital e em Cachoeirinha. Até as 7h15min, dois suspeitos haviam sido presos.

 

O delegado João Paulo de Abreu, responsável pela investigação de mais de um ano e cinco meses, afirmou que três homens já haviam sido presos anteriormente e outros quatro foram identificados ao longo da investigação.

 

O grupo teria atacado mais de cinco agências, mas passou a ser alvo da polícia após um ataque ao banco Santander da Avenida Eduardo Prado, na Zona Sul de Porto Alegre, em setembro de 2017. Um dia após o crime, três homens foram presos pela Brigada Militar (BM) no bairro Mario Quintana, na Zona Norte, com R$ 112 mil levados da agência.

 

O delegado não está divulgando os nomes dos presos pelo fato de que a investigação continua. Abreu não descarta o envolvimento de mais integrantes do grupo, que ainda estão sendo identificados. No entanto, revela que todos os detidos têm vários antecedentes criminais.

 

— Chama atenção que todos têm o mesmo antecedente e que configura a forma de agirem. Ou seja, eles vão responder e já respondem por vários delitos de furto qualificado mediante rompimento de obstáculo. Neste caso, buraco em parede de banco e corte de cofre bancário — explica Abreu.

 

A polícia diz que os outros antecedentes criminais dos presos são lesão corporal, receptação de veículos roubados, furto a estabelecimento comercial, porte ilegal de arma e munição, furto de veículos, entre outros.

 

Conforme o delegado, o grupo invade prédios desocupados, salas comerciais ou comércios antes de ingressar nos bancos. Além disso, eles se especializaram em abrir cofres e está sendo apurado como obtêm as informações privilegiadas.

 

Em relação ao ataque à agência do Santander, os criminosos levaram mais de R$ 300 mil. Em um dos outros quatro casos investigados, eles teriam levado R$ 1 milhão de um banco na Zona Norte da Capital, em 2016.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Presa quadrilha que aplicava golpe do bilhete premiado no Vale do Sinos

Agentes da 2ª Delegacia de Polícia de São Leopoldo prenderam quatro integrantes de uma quadrilha que estaria agindo desde o início do ano no Vale do Sinos aplicando o chamado golpe do bilhete premiado. 

 

Dois suspeitos foram detidos no início da quinta-feira (7), no município, depois de lesar uma idosa em R$ 10 mil. Outros dois fugiram, mas foram presos pela Polícia Civil em Passo Fundo, no norte do Estado, no final do dia.

 

O delegado Rodrigo Zucco, responsável pela investigação, diz que o grupo estava sendo monitorado desde janeiro, quando teria ocorrido o primeiro dos pelo menos cinco golpes aplicados no Vale do Sinos. Segundo ele, os presos na ação são três homens da região de Lages, em Santa Catarina, e uma mulher de Passo Fundo.

 

Conforme a investigação, o grupo agiria por até dois meses em uma localidade e, em seguida, voltava para o Estado vizinho. Depois, quando gastava o dinheiro roubado das vítimas, escolhia uma nova região para atacar.

 

— Eles se estenderam aqui na região (Vale do Sinos) porque estavam obtendo êxito, mas conseguimos monitorar os passos deles e evitar que mais pessoas fossem lesadas — diz Zucco.

 

A polícia confirmou que o grupo conseguiu dar golpes em pelo menos cinco vítimas em um valor estimado de R$ 50 mil. A maior parte do dinheiro foi recuperada, inclusive os R$ 10 mil levados nesta quinta-feira de uma idosa de 76 anos.

 

Zucco afirma que todas as vítimas do Vale do Sinos são idosas e foram abordadas perto de agências bancárias, após terem feito algum tipo de movimentação bancária. As prisões só foram divulgadas nesta sexta-feira (8), após agentes de São Leopoldo terem confirmado a prisão dos integrantes da quadrilha em Passo Fundo.

 

Os nomes dos presos ainda não foram divulgados. Zucco diz que dois foram detidos em flagrante, mas os outros ainda aguardam pela homologação da prisão temporária na Justiça.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Especialistas divergem sobre fim das lombadas eletrônicas, anunciado por Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro, em pronunciamento nesta quinta-feira (7), defendeu o fim das lombadas eletrônicas nas rodovias. O chefe do Executivo afirmou que os equipamentos que estão em funcionamento serão mantidos até o final dos contratos e que não será permitido às concessionárias de rodovias utilizarem valores que deveriam, por contrato, serem direcionados à manutenção para a instalação de lombadas.

 

No entendimento do presidente, o principal objetivo dos equipamentos não é reduzir o número de acidentes. Segundo Bolsonaro, no Brasil, é quase impossível viajar sem receber multa.

 

No entendimento da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Rio Grande do Sul, o uso de lombadas eletrônicas é importante. Segundo o chefe da comunicação social do órgão, Alessandro Castro, esses mecanismos ajudam a controlar a velocidade, diminuem o número de acidentes e a necessidade do uso de radares.

 

O sociólogo e especialista em segurança viária Eduardo Biavati tem o mesmo entendimento em relação ao uso de equipamentos eletrônicos para controlar a velocidade.

 

— Qual é a explicação para tanta morte no trânsito no Brasil? É muito simples. Nós corremos demais, porque nada nos impede de correr.

 

Biavati elenca o controle de velocidade como uma das primeiras medidas para combater a mortalidade no trânsito. Em seguida, cita manobras de engenharia, como redesenhar as vias para melhorar o fluxo e a contenção do excesso de velocidade. A fiscalização do consumo de álcool e campanhas de educação também são defendidas pelo sociólogo. O especialista entende que nem Brasil e nenhum país no mundo estão preparados para abandonar o uso da tecnologia para garantir a velocidade segura nas rodovias:

 

— Não há nenhum exemplo no mundo onde se abriu mão disso. É impossível. Pelo contrário. Eu estava vendo no site da polícia australiana exatamente o contrário. Eles estão equipando cada viatura com um radar. Não ter mais radar fixo. Qualquer viatura passando ao seu lado pode ter o radar de velocidade.

 

O professor, engenheiro aposentado do Ministério dos Transportes e mestre em Transporte e Trânsito pela UFRGS, Mauri Panitz, defende a iniciativa do presidente da República. No entendimento de Panitz, o uso de controladores de velocidade não auxilia na educação de trânsito e tem o caráter de "satanizar" o motorista.

 

— Segurança viária não se obtém com multas. A multa deve ser aplicada, mas com moderação. De forma mais educativa. Agora, nós temos é que sinalizar corretamente as rodovias, o que elas não são. Temos que ter rodovias uniformes em termos de sinalização e de dimensões. Não uma rodovia que uma hora é larga e daqui a pouco é mais estreita. Uma hora tem acostamento, outra hora não tem.

 

Panitz afirma que os fiscalizadores de trânsito realizam ações visando os motoristas que excedem a velocidade, mostrando casos extremos, mas que a maioria das multas são aplicadas em excessos de velocidade pouco acima do permitido.

 

— Se tu tens de controlar a velocidade no acelerador, olhando o velocímetro, tu não consegues manter exatamente os 80 km/h ou um pouquinho antes. Uma hora tem que dar uma acelerada para fazer uma ultrapassagem para subir em uma elevação ou segurar o carro em uma descida. Então, tu não consegue manter a velocidade constante. Isso é muito normal, muito natural. Eles se aproveitam dessa pequenas deficiências no controle da velocidade e ficam multando com um, dois, três quilômetros acima do limite.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Entre defesa da Previdência e ataques à imprensa, Bolsonaro anuncia fim de lombadas eletrônicas no país

O presidente Jair Bolsonaro retomou as transmissões ao vivo em sua página no Facebook, expediente utilizado com frequência durante a campanha eleitoral, na noite desta quinta-feira (7). Foi sua primeira manifestação após a repercussão negativa da declaração dada em um evento militar, no Rio de Janeiro, em que afirmou que “democracia só existe se as Forças Armadas quiserem” e também após publicação de vídeo obsceno.

 

Após se justificar, defendeu brevemente a reforma da Previdência, atacou a imprensa por reportagem que ele considera contra o governo e afirmou ainda que o país não terá mais lombadas eletrônicas em suas vias.

 

 

—  Há uma quantidade enorme (de lombadas eletrônicas) no Brasil. É quase impossível viajar sem receber multa. E a gente sabe, ou desconfia, que o objetivo não é reduzir acidente  — disse.

 

Segundo ele, os equipamentos que estão em funcionamento serão mantidos até o final dos contratos. Também afirmou que não será permitido às concessionárias de rodovias utilizar valores que deveriam, por contrato, ser direcionados à manutenção para a instalação de lombadas.

 

 O presidente também informou que o projeto já anunciado para aumentar o período de validade da carteira de motorista de cinco para 10 anos está em fase final de elaboração, no Ministério da Infraestrutura.

 

Ao comentar a declaração sobre democracia e o papel das Forças Armadas, Bolsonaro recorreu ao principal conselheiro de seu governo, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, que esteve ao seu lado no vídeo transmitido do Palácio do Planalto. Ele questionou o militar se sua fala “estaria em um caminho errado” e obteve essa resposta.

 

— Não, claro que não. Não tem nada de polêmico. Ao contrário, foram palavras ditas de improviso (...) colocadas para aqueles que amam a sua pátria, que vivem diariamente a manutenção da democracia e liberdade, caracterizando e exortando-os para que continuem fazendo o seu papel — asseverou Heleno.

 

O general citou os casos de Cuba e Venezuela, que possuem regimes classificados como ditaduras e encontram nas Forças Armadas o esteio para sua manutenção.

 

Ao retomar a palavra, Bolsonaro iniciou sua defesa da reforma da Previdência, afirmando que os militares serão incluídos nas modificações, mas “respeitando as especificidades” do serviço. Ele afirmou que o principal objetivo é combater privilégios e, apesar da soberania do Parlamento, espera que a reforma “não seja muito desidratada”.

 

Críticas à imprensa

A reportagem que aponta aumento de 16% no uso do cartão corporativo de servidores ligados à Presidência nos dois primeiros meses de governo, em relação aos primeiros bimestres dos últimos quatro anos, divulgada pelo jornal Estado de São Paulo, foi criticada pelo general Augusto Heleno. Segundo ele, o aumento ocorreu devido ao período da posse presidencial e a necessidade de preparar a cerimônia no Palácio do Planalto.

 

— No global (envolvendo cartões usados em ministérios), baixou 28%. A imprensa pegou aquela parte negativa e divulgou — completou Bolsonaro.

 

 Bolsonaro ainda confirmou a realização de três viagens internacionais, as primeiras após a participação do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, em janeiro. Os destinos serão Estados Unidos, Chile e Israel, países alinhados politicamente com seu governo.

 

Prevenção ao assédio

Entre risos, Bolsonaro ironizou a iniciativa do Banco do Brasil de promover conhecimentos sobre diversidade e prevenção de assédios moral e sexual para um concurso de assistente técnico. Ele afirmou que “ninguém tem que fazer curso sobre isso”, já que seria uma questão de “educação”. Após aconselhar eventuais prejudicados que não se encaixariam à regra a procurarem a Justiça, reclamou:

 

— A gente dá risada aqui, mas não pode ser assim, pelo amor de Deus.

 

Outro tema abordado foi a caderneta de vacinação que controla as imunizações em crianças e adolescentes de nove a 16 anos. Citando a reclamação de uma mãe, criticou figuras utilizadas no material, que não “caem bem para meninos e meninas terem acesso”. O presidente disse que determinou ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a confecção de novas cadernetas.

 

A transmissão, que ainda contou com a presença do porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros, foi encerrada com uma mensagem às brasileiras. Ao mandar um abraço à mãe, Dona Olinda, fez alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta sexta-feira (8). Ele não comentou as críticas feitas pelo oposição e por aliados devido à postagem de um vídeo obsceno em sua conta no Twitter na segunda-feira (4) de Carnaval.

 

A transmissão, que ainda contou com a presença do porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros, foi encerrada com uma mensagem às brasileiras. Ao mandar um abraço à mãe, Dona Olinda, fez alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta sexta-feira (8).

 

Ele não comentou as críticas feitas pelo oposição e por aliados devido à postagem de um vídeo obsceno em sua conta no Twitter na segunda-feira (4) de Carnaval.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

08/03/2019 - Maioria da bancada federal gaúcha é favorável à reforma da Previdência, mas com ajustes

 

A maioria da bancada gaúcha na Câmara aprova a proposta de reforma da Previdência. Levantamento feito por GaúchaZH junto a 27 dos 31 deputados federais do Rio Grande do Sul revela que 16 têm posição favorável ao texto apresentado pelo governo Jair Bolsonaro, ainda que com ressalvas.

 

Somente Bibo Nunes (PSL), Darcísio Perondi (MDB) e Marcel van Hattem (Novo) disseram apoiar as sugestões de forma integral. Para os outros 13, a adesão completa às medidas elaboradas pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, depende de alterações no texto e do envio de proposições complementares ao Congresso – entre os quais, o projeto para incluir os militares na reforma. Os pontos de discórdia estão relacionados, em especial, a mudanças nas regras da aposentadoria rural e no Benefício de Prestação Continuada (BPC).

 

No caso dos trabalhadores do campo, o principal motivo de preocupação é a imposição de idade mínima de 60 anos para homens e mulheres e a exigência de contribuição mínima de 20 anos – hoje, a exigência é de 15 anos para ambos os sexos,e as mulheres se aposentam cinco anos antes que os homens.

 

Quanto ao BPC, idosos e pessoas com deficiência sem meios de se sustentar terão de esperar até os 70 anos (cinco anos a mais do que prevê a norma atual) para receber o um salário mínimo, sendo que, a partir dos 60 anos, só poderão ganhar R$ 400. A revisão desse ponto já é dada como certa, federal, que reconhecem se tratar de um “bode na sala”.

 

Para os nove deputados contrários à proposta, os problemas vão além desses itens. Há críticas à idade mínima (65 anos para homens e 62 para mulheres), à intenção de implementar um regime de capitalização, à tentativa de retirar da Constituição regras da Previdência, às restrições a aposentadorias especiais e às regras de transição, entre outros tópicos.

 

Além dos que se declararam contra e a favor, dois parlamentares informaram que ainda estão indecisos sobre o projeto, dois não foram localizados e dois não quiseram se manifestar – Afonso Hamm (PP) e Nereu Crispin (PSL), este último do mesmo partido de Bolsonaro.

 

No Senado, Lasier Martins (Podemos) e Luis Carlos Heinze (PP) disseram ser favoráveis à reforma, mas com ressalvas, e Paulo Paim (PT) se declarou contrário ao texto e cético em relação à aprovação, se não houver “profundas mudanças”.

 

Câmara

Deputados são a favor da proposta do governo

Bibo Nunes (PSL)

Darcísio Perondi (MDB)

Marcel van Hattem (Novo)

 

Deputados que são a favor, mas apresentam ressalvas

Afonso Motta (PDT): BPC, aposentadoria rural e magistério

Carlos Gomes (PRB): idade mínima, tempo de contribuição e fim de privilégios

Daniel da TV (PSDB): BPC e aposentadoria rural

Giovani Cherini (PR): antes, defende regulamentação do teto salarial para servidores

Giovani Feltes (MDB): BPC e trabalhadores rurais

Jerônimo Goergen (PP): trabalhadores rurais e regra de transição

Liziane Bayer (PSB): aposentadoria rural, servidores públicos, BPC e regra de transição

Lucas Redecker (PSDB): BPC e trabalhadores rurais

Marcelo Brum (PSL): não detalhou as ressalvas

Márcio Biolchi (MDB): aguarda envio de demais projetos e possíveis alterações

Pedro Westphalen (PP): trabalhadores rurais e magistério

Ronaldo Santini (PTB): BPC e servidores da segurança

Ubiratan Sanderson (PSL): trabalhadores rurais, servidores da segurança e regra de transição curta demais

 

Deputados que são contra

Bohn Gass (PT)

Fernanda Melchionna (PSOL)

Heitor Schuch (PSB)

Henrique Fontana (PT)

Marcon (PT)

Maria do Rosário (PT)

Paulo Pimenta (PT)

Pompeo de Mattos (PDT)

 

 

Deputados que são contra, mas apresentaram ressalvas

Marcelo Moraes (PTB): a favor do fim de privilégios

Deputados que estão indecisos

Danrlei de Deus (PSD): aguarda proposta de mudança na previdência dos militares

 Maurício Dziedricki (PTB): aguarda reunião da bancada

Deputados que não quiseram se manifestar

Afonso Hamm (PP)

Nereu Crispim (PSL)

Não foi localizado

Alceu Moreira (MDB)

Marlon Santos (PDT)

 

Senado

A favor, com ressalvas

Lasier Martins (Podemos): BPC, idade mínima e prejuízos a quem começa a trabalhar cedo

Luis Carlos Heinze (PP): aposentadoria rural e de trabalhadores urbanos

 

Contra

Paulo Paim (PT)

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

07/03/2019 - Leite quer escolher novo secretário de Desenvolvimento e Turismo até o final de semana

O governador Eduardo Leite prevê que a pasta de Desenvolvimento Econômico e Turismo tenha um novo secretário até este final de semana. A declaração foi dada na manhã desta quinta-feira, em entrevista ao programa Bom Dia, da Rádio Guaíba.

 

“Eu estou muito seguro de que vamos encontrar, rapidamente, até o final de semana, uma pessoa para a condução desta secretaria. A pessoa será escolhida contemplando critérios técnicos e políticos. Inclusive a questão das composições em níveis federais, que passam pela decisão na medida em que tem um quadro estadual e federal, pois perdem ou ganham cadeiras e isso significa força política no parlamento e no ponto de vista político para composição de Governo”, comentou o governador.

 

• Posse na embaixada gaúcha é adiada após saída de Franciscon de secretaria

 

Na tarde dessa quarta-feira, o então titular Dirceu Franciscon (PTB) entregou comunicado a Leite rejeitando convite para comandar a secretaria. Franciscon justificou ter recusado cargo em função da reestruturação da máquina pública provocada pelo Piratini, já que parte dos funcionários ligados à Secretaria que recebiam salários de até R$ 6 mil passaram a ganhar menos de R$ 1 mil.

 

Leite salientou que entende os motivos do deputado e que está encaminhando para a Assembleia Legislativa um projeto para alterar a estrutura das funções gratificadas. “Ele (Franciscon) alega motivos pessoais e, entre pontos, a reestruturação das funções gratificadas, dos cargos em comissão. Tem funcionários de carreira com função gratificada muito baixa, isso dificulta a atração de talentos para o Governo. Estamos encaminhando para a Assembleia Legislativa uma proposta de alteração dessas estruturas, sem acréscimos de custos no total do valor, para termos uma capacidade maior de atrair talentos para as secretarias, com cargos de liderança”, explicou.

 

No início de 2019, Franciscon chegou a compor o primeiro escalão do governo do Estado. No entanto, ele retornou para Assembleia Legislativa para tomar posse como deputado estadual no fim de janeiro. Desde lá, Dirceu Franciscon não retornou mais para o Executivo.

 

Com a ida do petebista para o governo, Marcus Vinicius de Almeida (PP), primeiro suplente da coligação, assumiu a cadeira de Franciscon na Assembleia. O imbróglio começou a ganhar novos contornos quando a equipe montada por Dirceu Franciscon, incluindo cargos de confiança (CCs), não conseguiu ser realocada para o primeiro escalão. Para não perder as indicações no Legislativo para Marcus Vinicius, ele assumiu de vez cadeira conquistada nas eleições depois de ter somado 37.322 votos.

 

Entre fevereiro e março, o adjunto Márcio Machado, conhecido como Manolo, respondeu em nome da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo. A tendência é de que o PTB indique outro nome para a Secretaria. A alteração depende do aval de Eduardo Leite.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

07/03/2019 - Prazo para a entrega da declaração do IR começa hoje

Começa às 8h desta quinta-feira a largada para o período de entrega das declarações de Imposto de Renda. Os contribuintes já podem enviar o formulário, preenchido por meio do computador ou smartphones/tablets, para a Receita Federal. O período para prestar contas ao Fisco vai até as 23h59min do dia 30 de abril. Está obrigado a declarar, entre outros exigências, quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018 – o mesmo valor do ano-base de 2017. Este ano a Receita espera receber 30,5 milhões de formulários até o fim do prazo.

 

A declaração de 2019 é diferente quando comparada com o formulário do ano passado: o contribuinte precisa informar o CPF de todos os seus dependentes, independente da idade deles. No ano passado, a Receita Federal recebeu 29,2 milhões de declarações. Com isso, o Fisco espera que cerca de 1,23 milhão contribuintes a mais prestem contas ao Leão neste ano.

 

Segundo analistas, o fato de o governo não corrigir a tabela do Imposto de Renda desde 2015 contribui para que aumente o número de contribuintes obrigados a apresentar a declaração. A defasagem da tabela do IR, segundo o Sindifisco Nacional, está em 88,40%.

 

A recomendação dos especialistas é que o contribuinte separe todos os documentos necessários para a prestação de contas. Os papéis mais importantes que o contribuinte deve ter em mãos são os informes de rendimento tanto da empresa onde trabalha quanto das instituições financeiras nas quais são mantidos os seus investimentos. Além disso, é preciso ter os recibos médicos. Gastos com médicos são aceitos, porém, despesas com medicamentos não. Erros ou omissões de dados estão entre os principais problemas que levam o contribuinte para a malha fina, explica Leônidas Quaresma, auditor fiscal da Receita: “A Receita cruza os dados informados pelo contribuinte e pelas instituições pagadoras, como as empresas onde o contribuinte trabalha ou os bancos onde possuem algum investimento. A multa por atraso na entrega da declaração é de no mínimo R$ 165,74 e no máximo 20% do imposto devido.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

07/03/2019 - Temporal bloqueia estrada, danifica ponte e deixa moradores sem luz em Caxias do Sul

Um temporal com vento e chuva forte causou estragos em pelo menos três localidades do interior de Caxias do Sul, na Serra gaúcha, na tarde desta quarta-feira (6). Uma ponte foi danificada, houve quedas de árvores, bloqueios em via e ainda falta de luz.  Os locais mais afetados são Santo Homo Bom, São Braz e São José da 6ª Légua.

 

 Na Rota do Sol, no km 152, no trevo de acesso a Santo Homo Bom, houve deslizamentos de terra, que deixaram o trânsito em meia pista. Apenas na manhã de quinta-feira (7), será realizada a remoção de terra e árvores.

 

Já na localidade de Fazenda Souza, o Rio da Cruz transbordou, danificando a ponte que fica na Rua Domingos Mazzochi. Segundo a Defesa Civil, a força das águas destruiu as laterais da estrutura e ainda fez parte do asfalto desmoronar. A subprefeitura da localidade cogita interditar a passagem, que liga as comunidades de São Braz e São José.

 

Mesmo assim, alguns motoristas se arriscaram e fizeram a travessia pela ponte. Um deles foi o morador Aclessio Molon.

 

— Moro a 500 metros da ponte e estou preocupado porque meu açude estourou e tenho cavalos na propriedade. Tenho que ver o que aconteceu por lá — relatou.

 

Além disso, um trecho da Estrada Fazenda Souza foi bloqueado por quatro árvores,  que caíram devido aos ventos. A região teve ainda falta de luz. A RGE, concessionária de energia elétrica na região, foi acionada e trabalha para restabelecer o serviço.

 

O agricultor Maicon Luis Novello conta que foi até um acesso secundário da localidade de São Braz, onde mora, em direção a São Luiz, para ver se tinha passagem, mas o rio também transbordou impedindo o trânsito.

 

— Foi chuva e vento forte. Começou forte por volta das 16h e durou cerca de meia hora. Depois, a chuva acalmou mas seguiu até pelas 17h30min — relatou Novello.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

07/03/2019 - Previsão do tempo no RS: frente fria avança e provoca temporais no Estado

A aproximação de uma nova frente fria e instabilidades em diversos níveis da atmosfera mantêm o tempo instável no Rio Grande do Sul durante esta quinta-feira (7). Após um dia quente e abafado, as pancadas de chuva ganham intensidade entre o final da tarde e o começo da noite, vindo acompanhadas de descargas elétricas, rajadas de ventos de mais de 60km/h e até eventual queda de granizo.

 

Na fronteira entre o estado e o Uruguai, os volumes são mais expressivos, aumentando o risco de transtornos. Há inclusive um alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para tempestades que abrange as regiões  da Campanha, Missões, Litoral Sul.

 

Confira a previsão do tempo para algumas regiões

Capital: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 34°C

Pelotas: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 35°C

Caxias do Sul: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 27°C

Santa Maria: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 32°C

Santa Rosa: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 32°C

Erechim: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 31°C

Uruguaiana: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 31°C

Torres: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 31°C

Tramandaí: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 31°C

Capão da Canoa: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 32°C

Xangri-Lá: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 31°C

Rio Grande: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 31°C

Mostardas: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 30°C

Passo Fundo: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 33°C

Bagé: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 33°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

07/03/2019 - Polícia faz operação contra fraude em licitações na Companhia Riograndense de Mineração

A Polícia Civil realizou, na manhã desta quinta-feira (7), operação contra empresas que fazem o transporte de cinzas da Companhia Rio Grandense de Mineração (CRM). Quatro prestadoras de serviços são suspeitas de fraudes em licitação e associação criminosa em prejuízo aos cofres públicos.

 

O prejuízo aos cofres da CRM é estimado em R$ 9 milhões. A investigação é conduzida pela Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública e Ordem Tributária, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). 

 

 

Foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão na sede da estatal, em Porto Alegre, e em outros nove endereços residenciais e empresariais em Alvorada, Butiá, Charqueadas, Minas do Leão e na Capital. Cinquenta policiais civis participaram da operação.

 

— São quatro empresas (investigadas). A primeira, que vencia a licitação, desistia subitamente, alegando incapacidade, deixando para a segunda empresa – que tinha o mesmo sócio da terceira – indícios da suposta fraude licitatória — diz o delegado Max Otto Ritter.

 

Ainda conforme a investigação, a quarta concorrente dos certames não teria qualquer condição de participar da concorrência, dando indícios de servir apenas como fachada para o crime. Os nomes das empresas não foram divulgados.

 

A operação foi batizada de "Cinerum", que, em latim, significa cinzas, em alusão ao serviço prestado à estatal. A denúncia chegou a polícia em 2017, pela Contadoria e Auditoria Geral do Estado (Cage), que identificou irregularidades nas contratações. Segundo Ritter, a CRM seria "vítima" do esquema.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

07/03/2019 - Veja onde foi feita a aposta de Gravataí que ganhou na Mega Sena

A Caixa Econômica Federal (CEF) divulgou na manhã desta quinta-feira (7) o nome da lotérica onde foi feita a aposta que acertou as seis dezenas da Mega-Sena, sorteada na noite de quarta-feira. É a lotérica Caminho da Sorte, na Rua Alexandrino de Alencar, no bairro Morada do Vale I.

 

O prêmio total, de R$ 78.938.308, 62, estava acumulado há nove concursos.  O último vencedor havia sido registrado em 2 de fevereiro deste ano, quando uma aposta do Rio de Janeiro levou R$ 24.666.686,76.  Os números sorteados nessa quarta-feira foram:  02 - 03 - 06 - 18 - 20 - 28.

 

 

A Caixa deve confirmar, ainda pela manhã, se a aposta vencedora foi simples ou se foi feita por meio de um bolão.

 

Segundo levantamento da Caixa Econômica Federal (CEF), com o resultado desta quarta-feira (6), o Rio Grande do Sul acumula 37 bilhetes sortudos. A última aposta vencedora no Estado havia sido registrada em 23 de junho do ano passado, quando um jogador de Canoas tirou a sorte grande. Na época, o prêmio acumulado de R$ 45 milhões foi divido com uma aposta de Salvador (BA), um de Maranguape (CE) e um de Marabá (PA). Cada uma recebeu o valor de R$  9.627.559,21.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

06/03/2019 - Campeã do Carnaval do Rio de Janeiro será definida nesta quarta-feira

Nesta quarta-feira (6), a partir das 16h30min, será realizada, na Marquês de Sapucaí, a apuração dos desfiles do Grupo Especial e do Grupo de Acesso do Carnaval do Rio de Janeiro. A transmissão ao vivo será exibida pela TV Globo.

 

Das 14 escolas que desfilaram nas noites de domingo (3) e de segunda (4), as duas com notas mais baixas serão rebaixadas e, em 2020, desfilarão na Série A. Já a campeã da Série A deste ano subirá para o Grupo Especial no próximo Carnaval.

 

No início da tarde desta quarta-feira, um sorteio na sede da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio (Liesa) irá definir a ordem de leitura dos quesitos, as notas descartadas e os critérios de desempate.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

06/03/2019 - Renato chega à quinta Libertadores como técnico com quase 70% de aproveitamento

Renato Portaluppi começa, nesta quarta-feira (6), a caminhada em sua quinta Libertadores como treinador. O histórico é invejável: um título, um vice-campeonato, um prêmio de melhor técnico e um aproveitamento de 67,33% ao longo de 50 partidas na competição mais importante do futebol sul-americano. Só uma vez, em 2011, não chegou pelo menos às semifinais.

 

A primeira experiência de Renato como técnico na Libertadores foi em 2008, quando conduziu o Fluminense à decisão. Depois de perder para a LDU no Equador por 4 a 2, o time carioca venceu por 3 a 1 no Maracanã, mas deixou o título escapar na decisão por pênaltis.

 

Pelo Grêmio, a primeira experiência foi em 2011 — logo depois de ter garantido a classificação ao torneio continental em uma campanha de recuperação no Brasileirão do ano anterior. O rendimento na Libertadores não foi bom. Primeiro, passou pelo inexpressivo Liverpool-URU na fase preliminar. Na fase de grupos, ficou em segundo, atrás do Junior-COL. Nas oitavas, perderia para a Universidad Católica — adversário que voltará a encontrar neste ano.

 

Como assistir ao jogo do Grêmio na Libertadores

A melhor campanha foi em 2017, quando foi eleito o melhor treinador e conduziu o Grêmio ao tricampeonato. Em 14 jogos, foram 10 vitórias, dois empates e duas derrotas, incluindo duas vitórias na decisão contra o Lanús. Ano passado, o time gremista novamente chegou à semifinal, mas perdeu para o River Plate, de virada, na Arena.

 

Somadas as participações de Renato por Fluminense e Grêmio, seus times somaram 50 jogos, com 31 vitórias, oito empates e 11 derrotas, um aproveitamento de 67,33% — são 91 gols marcados e 42 gols sofridos.

 

Todos os jogos de Renato como treinador na Libertadores

Fluminense 2008 (vice-campeão)

LDU 0x0 Fluminense

Fluminense 6x0 Arsenal-ARG

Libertad 1x2 Fluminense

Fluminense 2x0 Libertad

Arsenal-ARG 2x0 Fluminense

Fluminense 1x0 LDU

Atlético Nacional 1x2 Fluminense

Fluminense 1x0 Atlético Nacional

São Paulo 1x0 Fluminense

Fluminense 3x1 São Paulo

Boca Juniors 2x2 Fluminense

Fluminense 3x1 Boca Juniors

LDU 4x2 Fluminense

Fluminense 3 (1)x(3) 1 LDU

 

Rendimento:

14 jogos

9 vitórias

2 empates

3 derrotas

27 gols marcados

14 gols sofridos

69,04% de aproveitamento

 

Grêmio 2011 (eliminado nas oitavas de final)

Liverpool-URU 2x2 Grêmio

Grêmio 3x1 Liverpool-URU

Grêmio 3x0 Oriente Petrolero

Junior-COL 2x1 Grêmio

Grêmio 2x0 León de Huánuco

León de Huánuco 1x1 Grêmio

Grêmio 2x0 Junior-COL

Oriente Petrolero 3x0 Grêmio

Grêmio 1x2 Universidad Católica

Universidad Católica 1x0 Grêmio

 

Rendimento:

10 jogos

4 vitórias

2 empates

4 derrotas

15 gols marcados

12 gols sofridos

46,67% de aproveitamento

 

Grêmio 2017 (campeão/melhor treinador)

Zamora 0x2 Grêmio

Grêmio 3x2 Deportes Iquique

Guaraní-PAR 1x1 Grêmio

Grêmio 4x1 Guaraní-PAR

Deportes Iquique 2x1 Grêmio

Grêmio 4x0 Zamora

Godoy Cruz 0x1 Grêmio

Grêmio 2x1 Godoy Cruz

Botafogo 0x0 Grêmio

Grêmio 1x0 Botafogo

Barcelona-EQU 0x3 Grêmio

Grêmio 0x1 Barcelona-EQU

Grêmio 1x0 Lanús

Lanús 1x2 Grêmio

 

Rendimento:

14 jogos

10 vitórias

2 empates

2 derrotas

25 gols marcados

9 gols sofridos

76,19% de aproveitamento

 

Grêmio 2018 (eliminado nas semifinais)

Defensor 1x1 Grêmio

Grêmio 4x0 Monagas

Cerro Porteño 0x0 Grêmio

Grêmio 5x0 Cerro Porteño

Monagas 1x2 Grêmio

Grêmio 1x0 Defensor

Estudiantes 2x1 Grêmio

Grêmio 2 (5)x(3) 1 Estudiantes

Atlético Tucumán 0x2 Grêmio

Grêmio 4x0 Atlético Tucumán

River Plate 0x1 Grêmio

Grêmio 1x2 River Plate

 

Rendimento:

12 jogos

8 vitórias

2 empates

2 derrotas

24 gols marcados

7 gols sofridos

72,22% de aproveitamento

 

NÚMEROS TOTAIS

50 jogos

31 vitórias

8 empates

11 derrotas

91 gols marcados

42 gols sofridos

67,33% de aproveitamento

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

06/03/2019 - Mega Sena deve pagar R$ 80 milhões nesta quarta-feira

 

Com R$ 71 milhões acumulados e a previsão de apostas para esta quarta-feira (6),  a expectativa da Caixa é que o concurso 2.131 da Mega Sena pague cerca de R$ 80 milhões. Os números serão sorteados às 20h desta quarta, no Caminhão da Sorte, que estará estacionado na cidade de Itupeva, em São Paulo.

 

Já são nove sorteios que acumularam — o último, 2.130, de sábado (2), rateou R$ 42.283,94 para 101 apostas  que acertaram a quina. As dezenas foram 13, 16, 36, 53, 54 e 55.

 

Considerando que a probabilidade de acertar o prêmio principal da Mega Sena é uma em 50.063.860, no jogo simples de seis números, os apostadores buscam formas para aumentar as chances de se tornar milionários. No momento da escolha dos números, há aqueles que se baseiam em resultados de concursos anteriores, os que optam por datas comemorativas ou por simples palpites. Confira, neste link, calculadora elaborada por  GaúchaZH  para ajudar você a conferir se as suas apostas já foram sorteadas.

 

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. O bilhete simples, com seis dezenas, custa R$ 3,50. As apostas também podem ser realizadas pelo site oficial da Caixa. Para isso, é necessário preencher o cadastro, registrar um cartão de crédito, e ter mais de 18 anos.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

06/03/2019 - Quarta-feira terá sol, calor e pancadas de chuva no Rio Grande do Sul

O sol vai aparecer com nuvens na maioria das regiões gaúchas nesta Quarta-Feira de Cinzas, mas vão ocorrer períodos de maior nebulosidade. Uma massa de ar quente e úmido atuará sobre o Estado vai trazer mais uma jornada de tempo muito quente e abafado com forte calor em algumas regiões.

 

O aquecimento estimula a formação de nuvens carregadas que provocam pancadas de chuva da tarde para a noite em diferentes áreas do Estado, mas, especialmente, na Metade Norte.

 

Espera-se chuva isoladamente torrencial com o risco de temporais localizados de vento forte e granizo.

 

A temperatura no Rio Grande do Sul nesta quarta-feira ficará entre 16°C, em Vacaria, e 34°C, em Porto Alegre.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

06/03/2019 - PRF recomenda que motoristas peguem a estrada a partir da tarde de quarta-feira

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recomenda aos motoristas que pretende retornar do Litoral Norte a Porto Alegre nesta quarta-feira que, se possível, optem pelo turno da tarde. Conforme a corporação, o movimento de volta à Capital já se acentuou nesta terça-feira.

 

Devido ao movimento, o uso do acostamento na freeway chegou a ser liberado, porém foi suspenso pouco antes das 16h, em razão da intensidade de chuva e vento. A concessionária CCR Via Sul informou que havia lentidão entre os km 5 e 12 por volta das 17h.

 

No túnel da BR 101, uma faixa no sentido Porto Alegre foi bloqueada ao longo de dois quilômetros e gerou mais de nove quilômetros de congestionamento, conforme a PRF.

 

Estadas estaduais

 

Segundo o Comando Rodoviário da Brigada Militar, cerca de 160 mil motoristas já haviam retornado a Porto Alegre pelas rodovias estaduais, que registraram fluxo menor que o previsto até as 15h desta terça. A projeção do órgão é de que 402 mil automóveis voltem à Capital desde o litoral até esta quarta.

 

 

Fonte: Correio do Povo

06/03/2019 - Brasil é o quarto país que mais produz lixo no mundo, diz Fundo Mundial para a Natureza

 

O estudo "Solucionar a Poluição Plástica: Transparência e Responsabilização", feito pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF), mostra que o Brasil é o quarto país no mundo que mais produz lixo. São 11.355.220 toneladas e apenas 1,28% de reciclagem. Só está atrás dos Estados Unidos (1º lugar), da China (2º) e da Índia (3º). No Brasil, segundo dados do Banco Mundial, mais de 2,4 milhões de toneladas de plástico são descartadas de forma irregular, sem tratamento e, em muitos casos, em lixões a céu aberto. Aproximadamente  7,7 milhões de toneladas de lixo são destinados a aterros sanitários.

 

A poluição por plástico gera mais de US$ 8 bilhões de prejuízo à economia global. Levantamento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) indica que os diretamente afetados são os setores pesqueiro, de comércio marítimo e turismo. O diretor executivo do WWF no Brasil, Mauricio Voivodic, alertou sobre a necessidade de adotar medidas urgentes para reverter a situação. "O próximo passo para que haja soluções concretas é trabalharmos juntos, por meio de marcos legais, que convoquem à ação os responsáveis pelo lixo gerado. Só assim haverá mudanças urgentes na cadeia de produção de tudo o que consumimos".

 

Segundo o estudo, o volume de plástico que vaza para os oceanos anualmente é de cerca de 10 milhões de toneladas. Nesse ritmo, mostra a pesquisa, até 2030 serão lançados ao mar o equivalente a 26 mil garrafas de plástico para cada quilômetro quadrado (km2). Aproximadamente metade dos produtos plásticos que poluem o mundo hoje foi criada nos anos 2000. O diretor-geral do WWF Internacional, Marco Lambertini, afirmou que o sistema atual de produção, uso e descarte de lixo está "falido" e que é necessário mudar o comportamento. "É um sistema sem responsabilidade, e atualmente opera de uma maneira que praticamente garante que volumes cada vez maiores de plástico vazem para a natureza."

 

A poluição do plástico afeta a qualidade do ar, do solo e sistemas de fornecimento de água. Os impactos diretos estão relacionados a não regulamentação global do tratamento de resíduos de plástico, à ingestão de micro e nanoplásticos (invisíveis aos olhos) e à contaminação do solo com resíduos.   A queima ou incineração do plástico pode liberar na atmosfera gases tóxicos, alógenos e dióxido de nitrogênio e dióxido de enxofre, extremamente prejudiciais à saúde humana. O descarte ao ar livre também polui aquíferos, corpos d'água e reservatórios, provocando aumento de problemas respiratórios, doenças cardíacas e danos ao sistema nervoso de pessoas expostas.

 

Na poluição do solo, um dos vilões é o microplástico oriundo das lavagens de roupa doméstica e o nanoplástico da indústria de cosméticos, que acabam sendo filtrados no sistema de tratamento de água das cidades e acidentalmente usados como fertilizante, em meio ao lodo de esgoto residual. Quando não são filtradas, essas partículas acabam sendo lançadas no ambiente, ampliando a contaminação.

 

A pesquisa faz recomendações sobre possíveis soluções para a situação envolvendo os sistemas de produção, consumo, descarte, tratamento e reúso do plástico. Os cuidados propostos incluem orientação para os setores público e privado, a indústria de reciclagem e o consumidor final. As propostas incluem que cada produtor seja responsável pela sua produção de plástico, o fim de vazamento do produto nos oceanos - e reúso e reciclagem como base para uso do material. Paralelamente a substituição do plástico por materiais reciclados.

 

Entre os principais danos do plástico à natureza estão estrangulamento, ingestão e danos ao habitat. A gerente do Programa Mata Atlântica e Marinho do WWF no Brasil, Anna Carolina Lobo, disse que a maior parte do lixo marinho encontrado no litoral é plástico. Nas últimas décadas, o aumento de consumo de pescados aumentou em quase 200%. "As pesquisas realizadas no país comprovaram que os frutos do mar têm alto índice de toxinas pesadas, geradas a partir do plástico em seu organismo, portanto, há impacto direto dos plásticos na saúde humana. Até as colônias de corais - que são as 'florestas submarinas' - estão morrendo. É preciso lembrar que os oceanos são responsáveis por 54,7% de todo o oxigênio da Terra", disse.

 

O estrangulamento de animais por pedaços de plástico já foi registrado em mais de 270 espécies animais, incluindo mamíferos, répteis, pássaros e peixes, causando desde lesões agudas e crônicas, até mesmo a morte. Esse estrangulamento é hoje uma das maiores ameaças à vida selvagem e conservação da biodiversidade.   A ingestão de plástico já foi registrada em mais de 240 espécies. A maior parte dos animais desenvolve úlceras e bloqueios digestivos que resultam em morte, uma vez que o plástico muitas vezes não consegue passar por seu sistema digestivo.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

06/03/2019 - Governo Sartori registrou maior rombo dos últimos 16 anos no RS

 

Sob os efeitos da mais grave recessão da história recente do país, o governo de José Ivo Sartori (MDB) chegou ao fim com R$ 2,74 bilhões de déficit orçamentário (despesas acima das receitas) em 2018. Publicado no fim de fevereiro no Diário Oficial do Estado, o resultado foi o segundo pior dos últimos 16 anos, atrás apenas do rombo de 2015, também na gestão Sartori (veja o gráfico abaixo).

 

Em setembro passado, reportagem de ZH mostrou a evolução das finanças estaduais desde 2003, contemplando as administrações de Germano Rigotto (MDB), Yeda Crusius (PSDB) e Tarso Genro (PT). Sartori havia ficado de fora, porque o mandato ainda estava em curso. Agora, a consolidação dos dados traduz as agruras do período e os desafios do novo inquilino do Palácio Piratini – Eduardo Leite (PSDB) herdou cofres raspados e uma série de compromissos em atraso, muitos ainda pendentes.

 

 

Em 2015, em meio à derrocada da economia, Sartori assumiu cortando diárias, horas extras, passagens, nomeações. Criou a previdência complementar, elevou a alíquota de contribuição do funcionalismo, sancionou a lei de responsabilidade fiscal estadual, concluiu a renegociação da dívida, iniciada por Tarso, extinguiu órgãos.  Nada disso foi suficiente.

 

Rigotto, Tarso e Sartori registraram déficits orçamentários em seus quatro anos de governo. Sartori teve o pior resultado, com o maior rombo da série, em 2015. Entre 2003 e 2018, o único período de saldo positivo foi nos primeiros três anos de Yeda, devido à política do déficit zero. O auge da crise se deu em 2015, quando o PIB recuou 3,5% no Brasil, pior resultado em 25 anos, o que se refletiu em queda na arrecadação. Em 2016, Sartori conseguiu reduzir o buraco contábil graças à majoração do ICMS e, em especial, a recursos extraordinários obtidos de forma emergencial (exemplo: venda da folha dos servidores ao Banrisul e acordo judicial com a Ford), que não se repetiriam mais.

 

Os gastos seguiram crescendo mais do que a arrecadação, ano após ano. Reajustes salariais aprovados por Tarso para valorizar a área da segurança pública, com reflexos até 2018, exigiram malabarismos fiscais.

 

Sob protestos de servidores e críticas da oposição, o primeiro parcelamento da folha de pagamento do Executivo foi anunciado em meados de 2015, em meio a sucessivos bloqueios nas contas públicas.

 

— Foi muito difícil. No início, as pessoas não acreditavam que o bicho era tão feio, mas a verdade é que faltava dinheiro para tudo. Imagina dizer que não daria para pagar os salários de 350 mil pessoas? Foi desgastante, brutal — recorda o então secretário da Fazenda, Giovani Feltes, reeleito deputado federal pelo MDB.

 

Em 2016, o tarifaço no ICMS e a adoção de medidas extraordinárias (como a venda da folha ao Banrisul) colaboraram para reduzir o abismo contábil. O déficit caiu, mas a agonia continuou: os contracheques foram pagos em dia apenas no mês de janeiro. Depois disso, nunca mais.

 

No ano seguinte, o Piratini chegou a anunciar a venda de ações do Banrisul, mas acabou recuando para não ter prejuízo frente ao mau humor do mercado – a operação só seria efetivada em 2018, com volume menor de papéis. Sartori, então, passaria a apostar tudo no regime de recuperação fiscal, que prometia fôlego na dívida e novos financiamentos.

 

Enquanto negociava com os técnicos federais, o governo decidiu recorrer à Justiça para parar de pagar a conta bilionária com a União. A liminar favorável no Supremo Tribunal Federal – que segue valendo – foi comemorada nos salões do Piratini, mas azedou as relações com a Secretaria do Tesouro Nacional, que já iam mal.

 

Em reuniões cada vez mais duras em Brasília, o governo viu ruir, em setembro de 2018, a chance de fechar o pré-acordo para aderir ao programa de ajuste. Sem meias palavras, o então ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, exigiu a venda do Banrisul para concretizar o negócio. Em plena campanha eleitoral, Sartori apontava o plano de recuperação como única saída à crise, mas o ultimato sepultou qualquer pretensão.

 

— Foi um momento bastante tenso. O governador já tinha deixado claro que não venderia o banco. Isso estava fora de cogitação — relembra Luiz Antônio Bins, sucessor de Feltes na Fazenda.

 

 

Em dezembro passado, prestes a entregar o cargo, Sartori autorizou Bins a adotar ações emergenciais para reforçar o caixa e atenuar o rombo – incluindo a antecipação de impostos que só entrariam em janeiro, na administração de Leite. Como resultado, a receita cresceu. Ainda assim, Leite tomou posse com parte da folha de dezembro em aberto, o 13º parcelado e um passivo próximo de R$ 1 bilhão só na saúde.

 

O desfecho teria sido diferente, argumentam Feltes e Bins, se a conjuntura econômica tivesse ajudado. Eles também fazem a ressalva de que o cálculo do déficit orçamentário inclui valores não pagos da dívida com a União (os repasses estão suspensos desde julho de 2017 devido à liminar obtida na Justiça, mas continuam sendo empenhados na contabilidade).

 

— Poderíamos ter chegado ao equilíbrio no fim de 2016 ou no início de 2017, mas enfrentamos a maior crise da história republicana do país, que nos tirou R$ 11 bilhões em ICMS. Também arcamos com os reajustes da segurança, cujo impacto chegou a R$ 8 bilhões. Mesmo assim, o Estado não parou e o resultado foi melhor do que havíamos projetado no início do governo, se nada tivesse sido feito — diz Bins.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

01/03/2019 - Feriadão de Carnaval inicia com tempo ensolarado no RS

 

O início do feriadão do Carnaval terá tempo ensolarado no Rio Grande do Sul. De acordo com a MetSul Meteorologia, quem for pegar a estrada nesta sexta-feira poderá contar com a presença do sol e ampla visibilidade, a despeito de bancos localizados de nevoeiro entre a madrugada e começo da manhã.

 

Apesar do sol aparecer em todo o Estado, entre os Aparados e áreas do Litoral Norte a Leste da Serra gaúcha ainda terá nuvens com chance de chuva isolada.

 

A temperatura será amena no início do dia, mas aquece rápido logo nas primeiras horas da manhã com calor no período da tarde.

 

Em Porto Alegre, a sexta-feira será de tempo seco e ensolarado. Na Capital, as marcas ficam entre 16°C e 31°C.

 

Mínima e Máxima

Capão da Canoa 19°C | 24°C

Passo Fundo 13°C | 28°C

Erechim 13°C | 28°C

Rio Grande 15°C | 29°C

Santiago 15°C | 30°C

Santa Cruz 15°C | 31°C

Pelotas 15°C | 31°C

Uruguaiana 16°C | 32°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

01/03/2019 - Forte terremoto de 7 graus atinge o Peru

Um forte terremoto, de 7,0 graus na escala Richter, atingiu o Peru nesta sexta-feira. O tremor teria provocado a evacuação de pessoas da regiões próximas ao litoral por conta da possibilidade de um tsunami.

 

Segundo informações do jornal Diário Correo, do Peru, o sismo foi registrado durante a madrugada, na província de Azángaro, na região de Puno. O epicentro do terremoto está localizado a oito quilômetros a Noroeste de Azángaro. A profundidade estimada é de 270 quilômetros, conforme o Instituto Geofísico do Peru.

 

A Defesa Civil local informou que está monitorando as zonas mais vulneráveis. Até o momento, não há relatos de feridos ou danos materiais.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

01/03/2019 - Funcionários da Vale deixam presídio em Minas Gerais

Seis dos oito funcionários da Vale que foram presos durante a investigação do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, foram soltos na noite desta quinta-feira, da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Duas mulheres ainda permanecem na cadeia feminina Estevão Pinto, na capital mineira e aguardam liberação.

 

O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu habeas corpus aos detidos, na tarde desta quarta-feira. Na decisão, o magistrado alegou "falta de justificativa na manutenção da prisão".

 

Os oito funcionários da companhia foram detidos no dia 15 de fevereiro. Segundo o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), eles trabalhavam em setores responsáveis pela garantia da estabilidade da barragem da mina Córrego do Feijão.

 

As investigações apontam que os suspeitos teriam conhecimento de anormalidades na barragem. Dias antes da tragédia, alguns dos funcionários conversaram com técnicos da empresa alemã responsável pelos laudos de segurança.

 

A estrutura rompeu no dia 25 de janeiro, deixando 182 mortos e 129 desaparecidos.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

01/03/2019 - Governo do RS lança novo modelo da carteira de identidade

O governo do Estado lançou oficialmente, na tarde desta quinta-feira (28), o modelo das novas carteiras de identidade que serão emitidas no Rio Grande do Sul a partir de sexta-feira (1). O evento aconteceu na sede do Departamento de Identificação do Instituto Geral de Perícias (IGP-RS) para alinhar o serviço ao padrão nacional definido no ano passado pelo então presidente Michel Temer.

 

No documento, poderão ser incluídas novas informações opcionais, como número do PIS/Pasep, Cadastro de Pessoa Física (CPF), Carteira de Trabalho e Previdência Social, nome social, Título de Eleitor, Carteira Nacional de Habilitação, Certificado Militar, tipo sanguíneo e o fator Rh. Até mesmo informações que auxiliem no pronto atendimento, como se a pessoa tem alguma doença crônica ou alergia a algum medicamento, poderão ser colocadas. Os dados serão lidos por meio do QR code impresso no verso da carteira de identidade, que também conta com elementos de segurança contra fraude.

 

Na ocasião, o governador do Estado, Eduardo Leite, e o vice, Ranolfo Vieira Júnior, já emitiram suas identidades no novo modelo.

 

Conforme o IGP, só deve realizar o processo quem perdeu o RG, ou teve o documento furtado ou roubado. O modelo antigo continua valendo em todo o país.

 

O novo valor para retirar a carteira de identidade começou a valer partir de 2 de fevereiro. A emissão da primeira via segue sendo gratuita. Já a segunda, que antes era de R$ 65,88, passa a valer R$ 68,43. Maiores de 65 anos ou vítimas de roubo (obrigatória a apresentação do Boletim de Ocorrência) estão isentos. A segunda via expressa também sofreu alteração de R$ 85,65 para R$ 88,95.

 

A diretora geral do IGP-RS, Heloísa Kuser, afirmou que o novo valor faz parte um reajuste feito todos os anos previsto por lei.

 

— O valor não será diferente porque o modelo da carteira de identidade mudou, mas, sim porque ele anualmente é reajustado — explicou. 

 

A emissão normal demora entre 15 e 20 dias úteis para ficar pronta. Já a expressa, se retirada no posto de identificação do bairro Azenha, fica pronta em três horas – em outros pontos e no interior leva, em média, cinco dias úteis.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

01/03/2019 - Após críticas, Moro recua de nomeação de cientista política para conselho ligado ao Ministério da Justiça

O ministro da Justiça e da Segurança Pública Sergio Moro recuou, nesta quinta-feira (28), da nomeação da cientista política Ilona Szabó, diretora do Instituto Igarapé, para uma vaga no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. A nomeação da especialista foi alvo de ataques nas redes sociais de grupos de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro durante as últimas semanas.

 

De acordo com o jornal O Globo, em nota divulgada nesta quinta-feira, Moro explica que a saída da cientista política do conselho é devido às críticas recebidas. O ministro informa ainda que até pediu desculpas a ela pela decisão.

 

"Diante da repercussão negativa em alguns  segmentos, optou-se por revogar a nomeação, o que foi previamente comunicado à nomeada e a quem o Ministério respeitosamente apresenta escusas", diz o texto distribuído pela assessoria de imprensa do ministério.

 

 O conselho é ligado ao Depen (Departamento Penitenciário Nacional). Entre suas atribuições estão avaliações do sistema penitenciário, proposição de diretrizes da política criminal e inspeções e fiscalizações de estabelecimentos penais.  A participação no conselho é voluntária e o mandato é de dois anos. O Conselho é um órgão consultivo, sem funções executivas no governo.

 

 Szabó tem mestrado em Estudos de Conflito e Paz pela Universidade de Uppsala, na Suécia. É co-fundadora e diretora-executiva do Instituto Igarapé, que produz pesquisas sobre segurança, justiça e desenvolvimento.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

01/03/2019 - Fisioterapeuta do PR é preso no RS suspeito de simular assalto para tentar matar ex-companheira

Um fisioterapeuta paranaense reconhecido pela formação de lutadores campeões de MMA foi preso na noite desta quinta-feira (28) pela Polícia Civil gaúcha, em Porto Alegre, suspeito de ordenar a simulação de um assalto para tentar matar a ex-companheira. O crime ocorreu em Curitiba.

 

A Polícia Civil não divulgou a identidade do preso, mas a reportagem de GaúchaZH confirmou que se trata de Adriano Tiezerini, 37 anos.

 

A prisão ocorreu em uma academia do bairro Mont'Serrat, onde o fisioterapeuta participaria de um evento. Na rede social de um dos atletas que também estaria presente, Tiezerini foi anunciado como "autoridade da fisioterapia", que "já participou da formação de vários campeões e feras do esporte de elite".

 

Os policiais chegaram no momento em que era iniciada uma transmissão ao vivo do evento. O mesmo atleta que havia feito o anúncio publicou, em seguida, que "por motivos de força maior", a live seria "transferida para a próxima semana".

 

— O fisioterapeuta estava em Porto Alegre somente para participar deste evento, e ajudamos a Polícia Civil paranaense. Identificamos duas possíveis academias (onde ele estaria) e enviamos policiais à paisana. Em uma delas, encontramos o fisioterapeuta, que não resistiu à prisão — contou o delegado Arthur Raldi.

 

Segundo a investigação, o crime ocorreu em 29 de dezembro de 2018, quando Tiezerini e a ex-companheira marcaram um encontro em Curitiba após um período afastados. O afastamento, inclusive, teria ocorrido devido a ameaças que teriam sido feitas pelo fisioterapeuta contra a mulher.

 

Por receio, a mulher levou uma amiga ao encontro. Segundo o boletim de ocorrência, os três estavam em um restaurante da capital paranaense e, após sair do local, Tiezerini se afastou para pegar o carro. Neste momento, as duas foram vítimas de um suposto assalto, quando a ex-companheira foi atingida por três tiros, em um dos braços e no abdômen.

 

A mulher sobreviveu ao ataque. A Polícia Civil do Paraná iniciou investigação e identificou que o assalto teria sido organizado pelo fisioterapeuta para tentar matar a ex-companheira - o caso foi tratado como tentativa de feminicídio.

 

Um mandado de prisão foi expedido pela Justiça. Tiezerini foi preso por volta das 20h30min desta quinta, em ação que contou com a coordenação dos delegados Arthur Raldi e Emerson Wendt, da Delegacia de Capturas do Departamento de Investigações Criminais (Deic).

 

O celular do fisioterapeuta também foi apreendido para que a polícia possa verificar suspeitas de ameaças. O homem foi levado para o Deic para a formalização da prisão, e policiais civis paranaenses são aguardados para conduzi-lo a Curitiba.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

01/03/2019 - Rodovias administradas pela CCR receberão R$ 500 milhões de investimento em 2019

Todas as rodovias concedidas à CCR ViaSul no Estado estavam recebendo algum tipo de reparo nesta quinta-feira (28), fosse na área de rolamento ou nas cercas que isolam as pistas. Além da freeway, entre Porto Alegre e Osório, a maior empresa brasileira de concessões de infraestrutura de transportes passou a administrar, neste ano, a BR-101, de Osório a Torres, a BR-386, entre Canoas a Carazinho, e a BR-448, de Sapucaia do Sul a Porto Alegre. A previsão de investimento é de R$ 500 milhões até o fim do ano nas quatro estradas.

 

Gestor de Engenharia da CCR, Elvio Torres avalia que a rodovia recebida em melhores condições foi a freeway, por conta da manutenção que vinha sendo realizada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Nas demais, foram detectados trechos que necessitam de intervenções emergenciais no pavimento. A verba anunciada também será aplicada em trabalhos como melhoria do asfalto, serviços de limpeza, capina, roçada e vistoria de bueiros.

 

— Neste primeiro ano, estamos restabelecendo as condições ideais das quatro rodovias, melhorando pavimento e sinalização nos pontos críticos. Estamos, também, vistoriando e cadastrando dispositivos de drenagem e corrigindo anomalias — explica Torres.

 

Por enquanto, a única das quatro pedagiada é a freeway. O começo da cobrança de tarifa nas outras cinco praças de pedágio – quatro na BR-386 e uma na BR-101 – está previsto para fevereiro de 2020. O valor será R$ 4,40 em ambos os sentidos para veículos de passeio.

 

Para quem utilizar a freeway neste feriadão de Carnaval, a boa notícia é que todo acostamento entre Gravataí e Osório será liberado em ambos os sentidos quando houver congestionamento. Caberá à CCR ViaSul comunicar a Polícia Rodoviária Federal (PRF) quando tiver intenção de usá-lo. São esperados 150 mil veículos na rodovia, entre sexta-feira (1) e sábado (2). O objetivo é evitar ou amenizar congestionamentos em razão da grande quantidade de automóveis prevista.

 

Operações em andamento

Freeway

 

À espera do grande movimento do Carnaval, trabalho de conservação da freeway estão concentrados entre o km 5 e o 88. Ainda em 2019, a CCR pretende começar a ampliação da praça de pedágio de Santo Antônio da Patrulha e renovar a iluminação. Em 2022, implantar quatro novas passarelas. A obra mais ousada está no cronograma de 2031, quando deve ser ampliada a capacidade, com mais 73 quilômetros de faixas.

 

BR-386

 

Os trabalhos se concentravam ontem do km 178 ao 185 e entre o km 350 e o 400, onde ocorre a recuperação do asfalto. No km 436, em Nova Santa Rita, funcionários refaziam a pintura da pista. Ainda neste ano, a empresa pretende começar obras de iluminação. Nos próximos dois anos, 18 novas passarelas deverão ser construídas e acessos terão de ser melhorados. Em 2022, a empresa irá começar a duplicação de 225 quilômetros. O primeiro a ser ampliado é entre Marques de Souza e Lajeado.

 

BR-448

 

Na Rodovia do Parque, a CCR trabalhava na capina e recomposição da cerca que limita a faixa de domínio. Neste ano, empresa deve começar a recuperação de trechos do pavimento. O gestor de Engenharia da CCR, Elvio Torres, não trata a rodovia como prioridade, pela sua conservação.

 

BR-101

 

O pavimento asfáltico da BR-101 também passa por manutenção. Serviços estão localizados do km 0 ao 10 e do km 70 ao 88. Projeção da empresa é, neste ano, melhorar os acessos à via. Em 2020, começar a construção de 10 passarelas. Esta previsto, ainda, melhorar retornos em 2023.

 

O que prevê o edital

2019: trabalhos iniciais, com intervenções emergenciais, como tapa-buracos e reparos no acostamento, melhorias na sinalização vertical (placas) e horizontal (pinturas na pista) e colocação de taxas refletivas em 100% do trecho concedido.

 

2020 a 2023: recuperação de todas as rodovias, incluindo recapeamento de trechos e reforma estrutural de passarelas e também de viadutos.

 

2021 a 2030: duplicação de pista entre Lajeado e Carazinho (BR-386).

 

2031 a 2036: adequação da duplicação de Canoas a Tabaí (BR-386) e alargamento da freeway, de Gravataí até Osório.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

28/02/2019 - Advogado que espancou empresária não tem distúrbios psiquiátricos, apontam exames

O advogado Vinicius Batista da Serra, de 27 anos, que espancou a paisagista Elaine Peres Caparroz, de 55 anos, teve alta no início da tarde desta quarta-feira (27) do Hospital Penal Psiquiátrico Roberto Medeiros, no Rio de Janeiro, onde estava internado. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), não foram constatados distúrbios psicológicos e, por isso, ele será transferido para uma unidade prisional comum.

 

"O interno ficou acautelado na unidade prisional em observação médica, onde, após última avaliação psiquiátrica, foi constatada estabilidade no quadro médico. Além disso, após resultados dos exames feitos durante a internação, não houve alteração do quadro clínico psicopatológico", informou a Seap, em nota.

 

O Ministério Público do Estado do Rio divulgou nesta quarta-feira que Serra não só teve a intenção de matá-la como, de fato, acreditava que ela estava morta quando deixou seu apartamento. Por isso, o MPRJ pediu a condenação do agressor por homicídio qualificado, com penas de prisão que vão de 12 a 30 anos.

 

Segundo o MP, o denunciado, "consciente e voluntariamente e com a intenção de matar, espancou violentamente a vítima, causando-lhe lesões corporais graves". Ainda de acordo com o MP, Serra deixou a casa de Elaine, na manhã do sábado, 16, acreditando que havia matado a paisagista.

 

"De acordo com a denúncia, o crime não ocorreu por circunstâncias alheias à vontade de Serra, que deixou a residência de Elaine acreditando que havia matado a vítima", sustentou o MP. Além disso, apontou um agravante: "A tentativa de homicídio foi praticada de forma dissimulada, já que o denunciado marcou um encontro prévio com a agredida, ocultando sua intenção de matar."

 

Em postagem em uma rede social, a própria Elaine confirmou a intenção de Serra: "Fui agredida por várias horas seguidas, o que demonstra intensa crueldade e a intenção dele de matar. Só não o fez porque eu obtive socorro, ou seja, por uma circunstância que não dependeu da vontade dele! Apesar dos meus gritos de socorro, ele não titubeou e prosseguiu com o espancamento".

 

Para o MP, a forma como o crime foi praticado, "com múltiplos golpes desferidos, além da longa duração das agressões, também demonstra a crueldade do ato, executado por razões da condição de sexo feminino e em evidente menosprezo à condição da mulher, o que caracteriza o feminicídio".

 

Os procuradores pedem que Serra seja condenado por homicídio qualificado, que prevê pena de reclusão de 12 a 30 anos. Além disso, informaram, ele deve ser condenado também ao pagamento de indenização por danos materiais e morais causados à vítima.

 

Serra e Elaine se conheceram por meio de uma rede social e durante oito meses conversaram virtualmente. No último dia 16, marcaram o primeiro encontro, na casa dela, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. No meio da noite, ela teria sido acordada e violentamente agredida por Serra ao longo de toda a madrugada.

 

A paisagista acredita que foi drogada por Serra. A polícia concluiu que ele agiu de forma premeditada, desde o momento em que pediu a amizade de Elaine nas redes sociais.

 

Elaine foi casada com Ryan Gracie, lutador de jiu-jitsu morto em 2007. Ela é mãe de Rayron Gracie, que também é lutador. Nos perfis de Serra nas redes sociais, ele é identificado algumas vezes como lutador de jiu-jitsu. O advogado tem um registro policial de agressão ao próprio irmão.

 

A paisagista lembrou que o Brasil aparece em quinto lugar no ranking mundial feminicídios, segundo dados de 2015. "Vamos juntas fazer o possível para combater a violência contra a mulher", escreveu. "'Nem uma a menos' deve ser a bandeira de toda a sociedade que precisa agir diante dessas ocorrências", completou.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

28/02/2019 - Homem é condenado a 101 anos de prisão por matar a facadas a ex-companheira e duas cunhadas

Em um julgamento que durou 15 horas,  Jackson Felipe Lahr  foi condenado a 101 anos de prisão em regime fechado por triplo homicídio: ele matou a ex-companheira e duas cunhadas em fevereiro de 2017. O júri foi realizado terça-feira (26), em Cunha Porã, Santa Catarina. Por se tratar de feminicídio a pena foi aumentada.

 

Lahr também foi condenado a pagar indenização de R$ 600 mil para a família das vítimas e teve os bens bloqueados. Ele já saiu preso do julgamento e foi encaminhado para a unidade prisional de Maravilha.

 

O crime ocorreu em 27 de fevereiro de 2017, na linha Sabiazinho, interior de Cunha Porã. O réu foi acusado de matar com 19 facadas a ex-companheira Rafaela Horbach, 15 anos, com quem teve um filho fruto de um relacionamento de 11 meses. Além dela, também foram mortas as cunhadas Fabiane Horbach, de 12 anos, e Juliane Horbach, de  23 anos.

 

Ele ainda é acusado da tentativa de homicídio contra o marido de Juliane, Gilvane Meyer, que teve 17 perfurações, inclusive no estômago e pulmões, mas fingiu-se e morto e ainda conseguiu pedir socorro para um vizinho.

 

No dia do crime, Lahr teria arrombado a casa de Gilvane e Juliane, que também abrigava Rafaela e o filho após o fim do relacionamento da irmã. A irmã mais nova também estava no local.

 

No dia do velório familiares relataram que Lahr não aceitava o fim do relacionamento e a restrições em ver o filho.  A defesa do réu chegou a pedir mudança de lugar do júri, pela comoção social, mas o Tribunal de Justiça manteve o julgamento em Cunha Porã.

 

Durante depoimento, Lahr falou por apenas dez minutos.  Disse que não lembrava de nada. O pai da vítima, Neuri Horbach, foi uma das pessoas ouvidas, além de um  vizinho, o policial que atendeu a ocorrência e o sobrevivente do crime.

 

O clima foi de bastante emoção. Familiares, mesmo abalados, acompanharam o julgamento das 8h30min até o encerramento, após 23h. O auditório, que tem capacidade para cerca de 100 pessoas, permaneceu lotado e outras 200 assistiram ao julgamento nas entradas e saídas do auditório.

 

A segurança foi reforçada com 18 pessoas. A sessão foi conduzida pela juíza Janaína Alexandre Linsmeyer Berbigier. A defesa pode recorrer da decisão.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

28/02/2019 - RS envia auxílio para trabalho de buscas em Brumadinho

A pedido do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o Rio Grande do Sul enviará uma equipe de cinco bombeiros militares e quatro cães para Brumadinho. Grupo embarca na sexta-feira (1º), na Base Aérea de Canoas, e deve permanecer até 11 de março.

 

Na solicitação feita ao Estado, o comando dos bombeiros de Minas Gerais ressaltou a necessidade de apoio por causa da redução das equipes que atuam no local. Para agilizar o deslocamento, a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil colocou um avião à disposição dos bombeiros gaúchos.

 

 O rompimento da barragem da Vale na Mina Córrego do Feijão, em 25 de janeiro, matou 179 pessoas e deixou 131 desaparecidas. 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

28/02/2019 - Rio Grande do Sul repete tempo seco e agradável nesta quinta

O Rio Grande do Sul terá mais um dia de tempo agradável e com sol nesta quinta-feira. De acordo com a MetSul Meteorologia, a nebulosidade pode tomar conta, especialmente, no Nordeste do Estado, entre o Litoral Norte e a Serra gaúcha. Não se descarta chuva isolada e passageira nestes pontos.

 

O amanhecer pode ter temperaturas baixas para a época do ano em muitos municípios. Com a presença do sol, no entanto, faz com que as marcam subam ainda pela manhã e a tarde, as marcas ficam agradáveis com vento por vezes moderado.

 

Em Porto Alegre, as nuvens podem tomar conta durante o dia, mas o sol deve aparecer durante a quinta. As marcas na Capital ficam entre 15°C e 28°C.

 

Mínima e Máxima

Torres 18°C | 23°C

Capão da Canoa 19°C | 24°C

Caxias do Sul 13°C | 25°C

Erechim 13°C | 26°C

Santiago 13°C | 27°C

Alegrete 11°C | 28°C

Santa Cruz 14°C | 29°C

Uruguaiana 13°C | 30°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

28/02/2019 - INSS antecipa pagamento de benefícios a moradores de Brumadinho

Resolução do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, antecipa o pagamento dos benefícios previdenciários a moradores de Brumadinho, em Minas Gerais. O município ainda sofre com as consequências do rompimento de uma barragem de rejeitos da Vale, ocorrida no dia 25 de janeiro, matando 180 pessoas e deixando 130 desaparecidas.

 

A antecipação do cronograma de pagamento vai valer enquanto permanecer o estado de calamidade pública reconhecido pela portaria nº 30, de 25 de janeiro de 2019, da Secretária Nacional de Proteção e Defesa Civil, do Ministério do Desenvolvimento Regional.

 

A resolução diz também que o valor antecipado deverá ser ressarcido em até 36 parcelas mensais fixas, "a partir do terceiro mês seguinte ao da antecipação, mediante desconto da renda do benefício e, dada a natureza da operação, sem qualquer custo ou correção".

 

Para fazer jus à antecipação, o beneficiário deverá assinar um Termo de Opção, que deverá ser feito nas agências bancárias ou seus correspondentes responsáveis pelo pagamento dos benefícios, no período de 22 de fevereiro a 30 de abril de 2019.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

28/02/2019 - MEC recua de novo e desiste de pedir vídeos de alunos cantando o Hino Nacional

 

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, fez um novo recuo e desistiu de pedir que diretores de escolas gravem e encaminhem ao governo vídeos de alunos cantando o Hino Nacional. Um novo comunicado deve ser encaminhado às escolas com a retirada desse pedido.

 

Vélez já havia admitido na terça-feira (26) o erro de incluir em uma carta enviada a escolas de todo país o slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro, que deveria ser lido aos alunos. Mas o pedido de filmagem dos alunos havia sido mantido numa nova versão da carta, que passou a citar a necessidade de autorização dos pais para as filmagens – o que antes nem sequer era citado.

 

 

As redes de ensino foram pegas de surpresa e ao menos 10 governos estaduais divulgaram que não seguiriam as orientações do MEC para as filmagens. A reportagem apurou que a consultoria jurídica do MEC não havia sido consultada antes do envio da carta às escolas.

 

Em resposta ao Ministério Público Federal (MPF), o Ministério da Educação informou na quarta-feira (27) que haveria dificuldades técnicas e de segurança para armazenar os vídeos.

 

"Cumpre-me anotar, a propósito, que recebi notícia, há pouco, do Gabinete do Exmo. Sr. Ministro de Estado da Educação, no sentido de que, por razões técnicas de dificuldade de guarda desse material (imagens e sons), bem como de segurança, determinará a expedição de nova comunicação, com a retirada do pedido de produção e envio de vídeos", diz ofício da consultoria jurídica do MEC, assinada pelo consultor jurídico Cássio Cavalcante Andrade.

 

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do MPF havia exigido que o ministro apresentasse justificativa para a carta enviada às escolas em que se pedia filmagem de alunos cantando o Hino Nacional e a repetição do slogan da campanha. O ofício citava o desrespeito a 17 preceitos constitucionais e legais.

 

Na resposta, o MEC insiste que o ministro já admitiu o erro ao inserir na mensagem às escolas o slogan da campanha de Bolsonaro e que, no geral, o atendimento aos pedidos era voluntário. O ministro assumiu o erro um dia após a polêmica com a carta.

 

"(O ministro) fez publicar nova nota, com correção, em que suprimiu o slogan de campanha presidencial e salientou o caráter espontâneo e voluntário da ação (que se refere à leitura de uma mensagem do ministro e a gravação dos alunos cantando o hino)", diz o ofício.

 

O texto defende que o encaminhamento de uma nova versão da carta corrigida denota a boa-fé do ministro e afastaria a ação de confronto com o princípio constitucional da impessoalidade.

 

O governo ainda argumenta que os atos de sugerir que os alunos cantem o hino, bem como a leitura de uma mensagem do ministro aos alunos, não poderia ser sinal de censura.

 

"O ministro da Educação até poderia, em princípio, valer-se de uma mensagem institucional, a ser veiculada pela grande mídia, para transmitir essa mesma mensagem à comunidade escolar. Preferiu, no entanto, a forma menos custosa aos cofres públicos, e, a seu ver, a mais efetiva", diz o ofício.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

28/02/2019 - Juan Guaidó chega ao Brasil e se reúne com Bolsonaro nesta quinta-feira

 

O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, reconhecido por cerca de 50 países como presidente interino do país e buscando apoio mais concreto do Brasil, chegou nesta quinta-feira (28) a Brasília. Ele será recebido durante a tarde pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

O encontro foi confirmado na noite de quarta (27) pelo porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros. Apesar de o Brasil reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela, o encontro não será tratado como uma visita de Estado.

 

— O presidente abriu sua agenda para recebê-lo no Planalto, cumprimentá-lo. E o prosseguimento dessa visita e aquilo que venha a ser tratado estará sob a batuta do ministro Ernesto (Araújo, de Relações Exteriores). Ele (Guaidó) não será recebido com as formalidades, será recebido diretamente no gabinete do presidente — disse o porta-voz.

 

No mês passado, o Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela proibiu Guaidó de deixar o país e congelou suas contas. A Corte atendeu a um pedido do procurador-geral, Tarek William Saab, aliado do presidente Nicolás Maduro. Apesar da decisão judicial, o presidente interino foi à Colômbia para articular a entrega de ajuda humanitária e prometeu retornar à Venezuela em breve.

 

O porta-voz da Presidência não informou se Guaidó voltará ao seu país pelo Brasil ou se o governo federal ajudará o venezuelano no retorno.

 

Violência

Nos últimos dias, o clima de confronto dominou a região fronteiriça da Venezuela com o Brasil e a Colômbia. Por ordem de Maduro, a fronteira com o Brasil foi fechada. Houve dificuldades para o transporte da ajuda humanitária internacional com registros de mortos e feridos. Segundo relatos, militares venezuelanos atiraram na direção de civis desarmados.

 

Para Maduro, há uma orquestração internacional, liderada pelos Estados Unidos e Colômbia, com o objetivo de promover uma intervenção na Venezuela. Ele e aliados negam a existência de crise humanitária no país.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

28/02/2019 - Combate às facções, união de forças policiais e rede de proteção a crianças: como será o plano da Segurança do RS

O programa de segurança que será lançado nesta quinta-feira (28), às 9h30min, no Palácio Piratini, pelo governador Eduardo Leite vai além de um plano de combate à criminalidade. Elaborado pela equipe do vice-governador Ranolfo Vieira Jr., que acumula as secretarias da Segurança e da Administração Penitenciária, o conjunto de ações foi batizado de Programa Transversal de Segurança Pública e Defesa Social.

 

O nome revela a convicção do governador de que não se combate o crime apenas com repressão. Para não ficar apenas enxugando gelo, a ideia é envolver diferentes secretarias na prevenção à violência, investindo na área social.

 

As principais diretrizes do programa são combate ao crime organizado, políticas sociais preventivas e transversais (em articulação com municípios), qualidade do atendimento ao cidadão e sistema prisional. Uma das preocupações da dupla Leite-Ranolfo, partilhada com o comandante da Brigada Militar, Mario Ikeda, e com a chefe de Polícia, Nadine Anflor, é melhorar os serviços oferecidos a quem recorre aos órgãos de segurança.

 

— Precisamos agilizar os processos burocráticos e melhorar a experiência de quem recorre ao Estado — reconhece Leite.

 

A lentidão do Estado se expressa em questões rotineiras – da fila para o registro de uma ocorrência à demora na liberação de um carro roubado ou furtado, quando localizado pela polícia. Para melhorar o atendimento, o governo deve investir em tecnologia e ampliar o leque de serviços oferecidos pela internet.

 

O sistema prisional é outro pilar do plano. Desde a campanha, o governador tem dito que não basta prender e encarcerar: é preciso investir na ressocialização, o que passa por dar ao preso oportunidade de trabalhar e estudar, para evitar a reincidência. Leite tem consciência de que amontoar presos em cadeias sem as mínimas condições não contribui para a redução da violência.

 

No pilar do combate à criminalidade está prevista a implantação do Gabinete de Gestão Integrada Metropolitano, que tem como foco a realização de ações conjuntas  e/ou simultâneas de prevenção e repressão às condutas criminais na Capital e nos 34 municípios da Região Metropolitana.

 

— Estamos bastante entusiasmados com o que poderá ter de resultado — disse o governador à coluna.

 

A experiência de Ranolfo como delegado que já chefiou a Polícia Civil dá a Leite a segurança de que o plano tem consistência.

 

Na área social, a grande preocupação é oferecer uma rede que proteja crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e impeça que sejam recrutados pelos traficantes. Além do Programa de Oportunidades e Direitos (POD), que foi ampliado no governo de José Ivo Sartori e oferece formação profissionais e atividades lúdicas, ações das secretarias de Educação, Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Trabalho e Ação Social, Esporte e Lazer, Saúde e Cultura devem reforçar o programa de defesa social.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/02/2019 - Colisão entre trens deixa cinco pessoas feridas no Rio de Janeiro

 

Uma colisão entre dois trens deixou pelo menos cinco feridos na Estação São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro. Neste momento, os bombeiros estão trabalhando para tentar retirar uma pessoa presa nas ferragens.

 

De acordo com a Supervia, o acidente ocorreu às 6h55min, no ramal Deodoro. Um trem de passageiros colidiu na traseira de outra composição, que não tinha passageiros.

 

Os trens do ramal Deodoro não estão parando nas estações de São Cristóvão e Praça da Bandeira.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

27/02/2019 - Mais de 500 vacinas terão que ser descartadas após desligamento de energia

O governo do Estado recomendou que a prefeitura de Santa Cruz do Sul descarte 544 vacinas  após o desligamento de energia elétrica no prédio onde eram armazenadas. As doses descartadas são de diversos tipos.

 

No total, 11.423 corriam o risco de serem descartadas. Elas foram recebidas no dia 8 de fevereiro e, no dia 11, seriam distribuídas para a população. Mas no dia 9, um sábado, alguém desligou o disjuntor que fica do lado de fora do prédio da Vigilância Sanitária, onde eram armazenadas as doses. Baterias extras das câmaras frias mantiveram o equipamento funcionando, mas, na segunda-feira (11), a temperatura começou a subir. Quando um funcionário foi verificar, a temperatura da câmara era de 17,3 ºC, sendo que o recomendado para o armazenamento de vacinas é que o termômetro não ultrapasse 17º.

 

Segundo o secretário municipal de Saúde, Régis de Oliveira Júnior, o Estado não encontrou problemas relacionados à elevação da temperatura. No entanto, como as vacinas não puderam ser enviadas para os postos devido à necessidade de análise, não puderam ser utilizadas. Agora, a recomendação do descarte foi feita devido à proximidade do fim da data de validade, em março.

 

— Se esse problema com a temperatura não tivesse ocorrido, talvez não precisássemos descartar as vacinas. Mas como elas estão próximas do vencimento e houve essa elevação da temperatura, o Estado achou mais seguro fazer o descarte. O soro hospitalar que estava na câmara fria também será descartado — afirma o secretário.

 

O prejuízo com estas 544 vacinas é de R$ 16.215,03. Segundo o secretário, a perda é do Estado e da União, responsáveis por encaminhar as doses.

Novo lote de tetraviral só no dia 14 de março

Desde o desligamento do disjuntor, a prefeitura recebeu lotes extras de vacinas, mas postos de saúde da cidade vinham enfrentando falta de doses. Nesta terça-feira (26), as 10.879 vacinas que não foram consideradas prejudicadas foram distribuídas às unidades. Mesmo assim, a suspeita da prefeitura é de que, nos próximos dias, faltem doses de tetraviral, que protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela.

 

— O novo lote de vacinas tetraviral só chega no dia 14 de março e, até lá, não temos previsão de chegada de mais doses. Fizemos pedido, mas o Estado não tem como encaminhar. Assim, estamos, por enquanto, concentrando as doses no Centro Materno Infantil (Cemai).

 

A Polícia Civil investiga o caso. Para não correr mais o mesmo risco, a prefeitura informou que vai comprar um gerador. Além disso, a Vigilância Sanitária passará a funcionar no mesmo prédio da Secretaria Municipal de Saúde, na Rua Ernesto Alves, no Centro. 

Vacinas descartadas:

dT (contra difteria e tétano): 110 doses

Tetraviral (contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela): 156 doses

Vacina contra varicela: 43 doses

FA (contra febre amarela): 85 doses

DTPa (contra difteria, tétano e coqueluche): 147 doses

Hep A (contra hepatite A): 3 doses

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/02/2019 - Justiça aceita denúncia e acusado de espancar empresária no RJ vira réu

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou denúncia do Ministério Público (MP) do Estado contra Vinicius Batista Serra, 27 anos, acusado de tentativa de feminicídio contra a empresária Elaine Perez Caparroz, 55 anos. Ela foi agredida no dia 16 deste mês, no apartamento onde mora, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade.

 

Após marcar encontro com Elaine pelas redes sociais e trocar mensagens com ela durante oito meses, Vinicius a espancou durante aproximadamente quatro horas. Quando o Judiciário aceita a denúncia formulada pelo MP, o acusado passa à condição de réu e começa a responder a processo judicial.

 

"Se medidas anteriores, tais como a Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio, não foram suficientes para frustrar a onda de violência contra as mulheres, resta ao Judiciário, autorizado que está pela legislação vigente, abraçar interpretação invasiva, objetivando a pacificação do seio social e o bem-estar dos envolvidos nos casos concretos. Em se tratando deste caso em particular, verifico pelas detalhadas declarações da vítima sobrevivente que o denunciado não poupou esforços para impingir-lhe demorada sessão de espancamento", escreveu o juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, titular da 3ª Vara Criminal do Rio, ao receber a denúncia.

 

Na decisão, o juiz determinou ainda o encaminhamento imediato de Elaine Caparroz para atendimento no Projeto Violeta/Laranja, com o objetivo de viabilizar o atendimento psicológico, em razão da violência sofrida. "Encaminhe-se a vítima, com urgência, ao Projeto Violeta/Laranja do [Tribunal de Justiça do Rio] para a adoção imediata dos procedimentos necessários ao seu pronto restabelecimento físico e psíquico."

 

O projeto garante proteção à mulher que sofreu violência doméstica e familiar, além de permitir a celeridade na tramitação das medidas protetivas de urgência, garantindo a segurança da vítima.

 

Vinicius Batista Serra, preso por agredir a empresária, foi encaminhado na semana passada para o Hospital Psiquiátrico Roberto Medeiros, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, para avaliação de sanidade mental.

 

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) informou que "o interno está em período de observação na unidade sendo acompanhado por uma equipe médica".

 

Vinícius é acusado de tentativa de feminicídio e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça no dia 18. O juiz Alex Quaresma Ravache, que conduziu a audiência de custódia, foi quem determinou o encaminhamento do agressor para avaliação médica psiquiátrica.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/02/2019 - Previsão do tempo no RS: Bagé registra 7,6ºC nesta quarta-feira, temperatura mais baixa do verão no Estado

A quarta-feira (27) registrou a menor temperatura de todo o verão no Estado: Bagé amanheceu com os termômetros na marca dos 7,6ºC. Em Jaguarão, o dia também começou com frio: 8,3ºC. Porto Alegre teve mínima de 19°C. 

 

De acordo com a Somar Meteorologia, a temperatura caiu em todo o Estado por conta do vento vindo do oceano.  Ao longo do dia,  um sistema de alta pressão atmosférica atua sobre o Rio Grande do Sul e inibe a formação das nuvens carregadas. Desta maneira, o sol predomina entre poucas nuvens na maior parte do RS.

 

Há chances de pancadas de chuva somente no Litoral Norte e na Serra.  Nas demais áreas, o sol aparece ao longo do dia e ajuda a elevar as temperaturas no período da tarde.

 

— Em todo o Estado, há o predomínio de vento sul, que traz um ar mais gelado para a região e faz aumentar a sensação de frio em todo o Rio Grande do Sul, especialmente nas primeiras horas da manhã. Durante a tarde, tem um alívio por conta do sol – explica o meteorologista Caio Guerra.

 

Na quinta-feira (28), as cidades gaúchas ainda devem ter temperaturas mais baixas. O calor retorna ao RS na sexta-feira (1º) .

 

Confira como fica o tempo nesta quarta-feira (27) em algumas cidades do Estado:

Porto Alegre: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 15°C e máxima de 27°C

Pelotas: tempo firme e ensolarado. Mínima de 14°C e máxima de 26°C

Caxias do Sul: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 15°C e máxima de 23°C

Santa Maria: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 13°C e máxima de 27°C

Santa Rosa: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 14°C e máxima de 28°C

Erechim: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 15°C e máxima de 28°C

Uruguaiana: tempo firme e ensolarado. Mínima de 12°C e máxima de 27°C

Torres: tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

Rio Grande: tempo firme e ensolarado. Mínima de 17°C e máxima de 24°C

Mostardas: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 20°C e máxima de 24°C

Passo Fundo: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 15°C e máxima de 27°C

Bagé: tempo firme e ensolarado. Mínima de 9°C e máxima de 24°C

Tramandaí: tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

Xangri-Lá: tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

Capão da Canoa: tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 20°C e máxima de 26°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

27/02/2019 - Servidor da Assembleia usa atestados médicos para burlar expediente

Uma irregularidade denunciada ao longo dos anos e sem efetiva solução segue permitindo que dinheiro público escoe sem controle na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. É o caso de servidores com altos salários que tentam burlar o expediente. Nesta reportagem, o protagonista é o servidor público concursado Luís Fernando Coimbra Albino, 55 anos.

 

Com salário bruto de R$ 24,2 mil, ele ficou pelo menos 131 dias fora das suas funções desde janeiro de 2017, usando atestados médicos para não trabalhar. Albino seria um dos campeões de afastamento do serviço por motivo de saúde no Legislativo gaúcho.

 

Licenças para tratar enfermidades são previstas em lei. Entretanto, o Grupo de Investigação (GDI) da RBS apurou que Albino participou de atividades não ligadas ao Parlamento em dias nos quais alegava estar enfermo e necessitando de repouso.

 

Devido a essas suspeitas, a Polícia Civil abriu investigação e desencadeou, na manhã desta quarta-feira (27), a Operação Repouso Absoluto. Buscas estão sendo feitas na Assembleia Legislativa e em um endereço ligado ao servidor.

 

A polícia apura crimes de peculato, falsidade ideológica e associação criminosa. Há suspeita de uso de atestados médicos ideologicamente falsos.

 

Ao longo de meses, de forma intercalada e em dias aleatórios, o GDI monitorou a rotina do servidor por meio de informações públicas — nas redes sociais, por documentos ou pessoalmente. Ele foi flagrado em encontros políticos e em viagens pelo partido ao qual é filiado, o Solidariedade, e até em audiências judiciais, atuando como advogado.

 

Albino, lotado este ano na Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia, também é secretário de assuntos jurídicos do Solidariedade, conforme consta no site do partido. Em 2016, ele se candidatou a vereador na cidade de Tramandaí, onde tem casa, e ficou como 13º suplente pela coligação PP-PRB-PTB-DEM-SD.

 

A apuração do GDI mostrou que, em um ano, entre janeiro de 2017 e janeiro de 2018, o servidor somou 91 dias não contínuos fora do trabalho devido a supostas doenças. Foram oito licenças para tratamento de saúde. Ao longo de 2018 até o começo de 2019, foram pelo menos mais três licenças para tratar enfermidades, somando um total de 40 dias sem poder atuar no Parlamento.

 

As suspeitas de possível fraude em documentos médicos foram levantadas por funcionários que desconfiavam da ausência de Albino e encaminhadas ao GDI. A reportagem registrou situações em que ele participou de eventos do Solidariedade, fez viagens com o vereador Clàudio Janta (SD), presidente estadual da sigla, e atuou em processos e audiências judiciais enquanto estava, supostamente, doente.

 

Os flagrantes

 

Em novembro do ano passado, durante um dos períodos de afastamento de Albino, o GDI flagrou o servidor saindo de um prédio na Avenida Duque de Caxias cujo endereço ele declara, no site da OAB, como sendo de seu escritório de advocacia. Dirigindo uma caminhonete Range Rover preta, ele parou na Rua Caldas Junior para um homem entrar no carro e, em seguida, saiu da cidade. Por volta das 12h30min, chegou a Caxias do Sul.

 

Em 15 de março, o GDI flagrou o servidor participando de audiência judicial em mais um dia em que estava sem cumprir expediente na Assembleia, devido a uma suposta doença. Albino chegou ao Fórum Regional Alto Petrópolis dirigindo uma caminhonete Range Rover preta. Às 10h02min, entrou no prédio do foro. Às 10h38min, saiu para conferir se o carro estava bem estacionado. Às 12h50min, depois da realização da audiência, saiu acompanhado por duas pessoas e foi embora dirigindo a mesma caminhonete.

 

Em algumas situações flagradas, o servidor saía para atividades externas durante horário de expediente, depois de supostamente ter registrado o ponto biométrico. Foi o que ocorreu em 1º de março do ano passado, quando ele usou parte do horário de trabalho para participar de um encontro estadual do Solidariedade na Capital. Em situação semelhante, no dia 7 de novembro de 2017, na companhia do vereador Janta, Albino esteve em reunião do partido no Palácio Piratini com o então governador José Ivo Sartori.

 

 

Se ocupasse um cargo em comissão (CC) ou fosse lotado na área parlamentar, onde há maior flexibilidade para trabalhos externos de interesse dos deputados, Albino talvez tivesse justificativas para atividades fora da sede. Mas, à época dos dois casos citados, ele estava lotado na Divisão de Transporte/Gabinete Militar.

 

Além disso, o Estatuto do Servidor Público do Rio Grande do Sul proíbe, no artigo 178, o funcionário de se ausentar "do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato" (inciso III) e de "entregar-se a atividades político-partidárias nas horas e locais de trabalho" (inciso VII).

 

Também em 2017, em outubro, durante outro período em que Albino afirmou à Assembleia estar doente, fotos divulgadas no Facebook revelaram que o servidor público estava viajando em atividade pelo partido. O evento era o chamado Rota 77, projeto do Solidariedade de visita a municípios. As imagens mostraram que Albino estava em viagem com Janta e outros colegas da sigla, passando por Rio Grande, São José do Norte e Capão do Leão.

 

Com a operação desta quarta-feira (27), a Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública e Ordem Tributária (Deat) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) pretende localizar documentos que confirmem a fraude investigada. Policiais estão vasculhando arquivos no setor de gestão de pessoal e de recursos humanos para apreender pastas funcionais, dados do ponto biométrico e atestados médicos em nome de Albino. A polícia também investigará a relação do servidor com os médicos que assinaram atestados.

 

— Estamos apurando as suspeitas de uso de atestados ideologicamente falsos, já que as provas demonstram um número  considerável de viagens e atividades de caráter partidário e profissional justamente na vigência de licenças para tratamento de saúde. Vamos verificar outros casos que chamem a atenção pela frequência e quantidade de afastamentos — diz o delegado Max Otto Ritter, que conduz a investigação.

 

GaúchaZH procurou Albino, Janta e o presidente da Assembleia, Luís Augusto Lara, e aguarda retorno.

 

 

A criação do ponto eletrônico

 

A instalação do ponto biométrico para controle da jornada de trabalho de servidores do quadro da Assembleia Legislativa foi aprovada em 2012, depois de outra denúncia de Zero Hora.

 

Foi o caso da recepcionista Lídia Rosa Schons que, com salário de R$ 24,3 mil, cumpria apenas metade do horário de trabalho. Em horas que devia estar cumprindo a jornada, ela costumava passear com seu cachorro na Praça da Matriz, em frente ao parlamento. ZH fez flagrantes à época.

 

Um mês depois da publicação da reportagem, que mostrou descontrole nos mecanismos do Parlamento ao atestar efetividades, a Assembleia aprovou o ponto biométrico. O controle só começou a funcionar, no entanto,  em abril de 2014.

 

Lídia já foi condenada em um processo a ressarcir valores ao Parlamento e ainda responde a outra ação judicial. Agora, o caso do servidor Luís Fernando Coimbra Albino coloca em xeque novamente os mecanismos de controle do parlamento.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/02/2019 - Tragédia em Brumadinho completa um mês, com balanço de 176 mortos e 134 desaparecidos

Passado um mês da tragédia causada pelo rompimento da Barragem 1 da Vale em Brumadinho, Minas Gerais, os trabalhos de buscas ainda tentam localizar 134 desaparecidos. O número de mortos chega a 176, conforme último balanço divulgado pelas autoridades mineiras.

 

A barragem – localizada a 57 quilômetros de Belo Horizonte – rompeu-se por volta das 12h20min de uma sexta-feira, 25 de janeiro. Um mar de lama tomou conta de estradas, do rio, do povoado e, sobretudo, da área da Vale, empresa responsável pela barragem. Como era hora do almoço, muitos funcionários ficaram retidos no restaurante.

 

O misto de perplexidade, tristeza e indignação se instalou no país. As dificuldades causadas pela lama e os riscos de contaminação aliados à chuva intensa aumentaram ainda mais a tensão nas buscas por vítimas. Famílias inteiras desapareceram. Nem todos foram localizados.

 

No domingo (24), ocorreram manifestações em Brumadinho e em Belo Horizonte para homenagear os mortos.

 

Incertezas

Pela estimativa do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, os trabalhos deverão se estender por três a quatro meses após o rompimento.

 

Os rejeitos atingiram o Rio Paraopeba, e o governo de Minas proibiu o consumo da água, devido ao risco de contaminação. Não há estimativa de suspensão da medida.

 

 

 

Fonte: gaúcha/ZH

25/02/2019 - Previsão do tempo no RS: frente fria provoca chuva em todo o Estado nesta segunda-feira

A segunda-feira deve registrar chuva de moderada à forte no Rio Grande do Sul, em especial nas áreas que fazem fronteira com a Argentina, por conta de uma área de baixa pressão atmosférica no Paraguai.

 

O Estado ainda deve registrar a passagem de uma frente fria que mantém as nuvens carregadas em todas as regiões, com risco para volumes expressivos em áreas próximas à divisa com Santa Catarina.

 

Apesar da presença do sistema, o risco para ventanias diminuem por conta das temperaturas mais baixas. No começo da manhã fazia  21,8°C em Porto Alegre. Na fronteira com o Uruguai a chuva se torna mais pontual.

 

Na terça-feira, a frente fria avança para Santa Catarina e uma massa de ar seco começa a atuar no interior gaúcho, deixando o tempo firme na maior parte do Estado. As temperaturas devem se manter amenas. A partir de quarta, as marcas sobem em todo o Estado.

 

Confira como fica o tempo em algumas cidades:

 

Porto Alegre: chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 25°C

Pelotas: tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 19°C e máxima de 26°C

Caxias do Sul: chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 18°C e máxima de 21°C

Santa Maria: Chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 19°C e máxima de 24°C

Santa Rosa: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

Erechim: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 20°C e máxima de 26°C

Uruguaiana: Chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 18°C e máxima de 29°C

Torres: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

Rio Grande: Tempo instável, com chuvas isoladas. Mínima de 20°C e máxima de 24°C

Mostardas: Chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 25°C

Passo Fundo: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 20°C e máxima de 24°C

Bagé: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 15°C e máxima de 25°C

Tramandaí: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 21°C e máxima de 25°C

Xangri-Lá: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 21°C e máxima de 25°C

Capão da Canoa: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 21°C e máxima de 25°C

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/02/2019 - Além de problemas em câmaras frias, IGP enfrenta déficit de 60% de servidores no RS

Além de cinco câmaras frias inoperantes no interior do Estado, o Instituto-Geral de Perícias (IGP) também enfrenta outro problema: a falta de servidores. Hoje, o déficit é de 60%.

 

Segundo legislação atualizada no começo do ano passado, deveriam haver 1.751 trabalhadores. Entretanto, só 715 vagas estão ocupadas, conforme a diretora do Departamento de Perícias do Interior, Marguet Ines Hoffmann Mittmann. É preciso ainda contratar 1.036 pessoas.

 

No ano passado, 106 aprovados no último concurso foram chamados, o que amenizou a falta de pessoal. De acordo com Marguet, está em negociação com o governo a convocação de outros 83 aprovados que estão no cadastro-reserva. Ainda não há previsão para isso ocorrer.

 

A vice-presidente do Sindicato dos Servidores do Instituto-Geral de Perícias (Sindiperícias), Carla Jung,  observa que, devido à demora para convocar os aprovados, muitos deles foram chamados em outros concursos, alguns com salários mais atrativos. Em Santa Catarina, a remuneração para médico legista e perito criminal é três vezes maior, segundo Carla.

 

A falta de servidores faz as equipes se desdobrarem para atender os casos. Em Porto Alegre, há dois grupos de plantão para fazer esses atendimentos na Região Metropolitana, com exceção de Novo Hamburgo. Fora o deslocamento, peritos levam, em média, de duas a quatro horas para atender um registro de homicídio. Já um acidente de trânsito com vítimas pode passar de cinco horas. Isso acaba gerando atraso para atender outra ocorrência.

 

 

Família aguardou sete horas para chegada de perícia

Na metade do ano passado, uma família aguardou sete horas para o corpo do motorista de aplicativo Sidney Moreira, 41 anos, ser retirado de uma vala ao lado de uma estrada vicinal em Viamão, Região Metropolitana. O corpo foi localizado pelo irmão dele, que preferiu não se identificar, por volta das 6h40 após parentes receberem o itinerário da última corrida.

 

— É muito ruim, o sofrimento vai se alongando. Ainda ver o corpo do irmão em uma vala, acaba se  revoltando na hora — critica o irmão.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/02/2019 - Venezuela retirou veículos blindados da fronteira em Roraima, diz governo do Brasil

O Ministério da Defesa informou na noite deste domingo (24) que negociou com as forças militares da Venezuela a retirada de veículos blindados da fronteira entre os dois países.

 

Em nota, o governo brasileiro informou que, após conversas com o país vizinho, chegou-se à conclusão que a presença do aparato militar na barreira montada pelos venezuelanos é inconveniente.

 

Neste domingo (24), foram registrados novos confrontos na cidade de Pacaraima (RR), na fronteira com a Venezuela. Um grupo de venezuelanos arremessou pedras e e colocou fogo em pneus na tentativa de cruzar para o Brasil.

 

Os militares venezuelanos responderam com gás lacrimogêneo e balas de borracha, aproximando-se da linha da fronteira. As bombas atingiram os manifestantes e jornalistas que estavam na região.

 

O Exército brasileiro retirou manifestantes do local e montou um cordão de isolamento para evitar novos distúrbios. "O Ministério da Defesa intercedeu para que novos incidentes não voltem a se repetir", registrou a nota oficial.

 

O governo de Jair Bolsonaro disse ainda que, agora à noite, a situação é de normalidade na faixa de fronteira e que as viaturas que transportariam alimentos e remédios para o país vizinho aguardam em Pacaraima até que seja autorizado o acesso.

 

O sábado (23) foi marcado por confrontos nas fronteiras da Venezuela com Brasil e Colômbia quando caminhões e manifestantes tentaram romper os bloqueios militares para fazer entrar a ajuda humanitária.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/02/2019 - Com Guaidó, Grupo de Lima debate crise na Venezuela e ações contra Maduro

O opositor Juan Guaidó e seus aliados, com o governo dos Estados Unidos à frente, definem nesta segunda-feira (25) em Bogotá as próximas ações diante da crise na Venezuela. O presidente Jair Bolsonaro escalou o vice, Hamilton Mourão, para participar do encontro.

 

A reunião do chamado Grupo de Lima deve começar às 9h locais (11h de Brasília), e uma entrevista coletiva dos chanceleres está prevista para as 13h (15h de Brasília). A aliança reúne 13 Estados latino-americanos e o Canadá.

 

Guaidó, presidente do Parlamento venezuelano que está na Colômbia desde sexta-feira, pediu que todas as opções permaneçam abertas contra Maduro depois da frustrada operação do fim de semana que pretendia levar ajuda básica ao país, afetado pela escassez de alimentos e remédios, que provocou distúrbios violentos. Os caminhões com a assistência doada principalmente pelos Estados Unidos tiveram que recuar e voltar para a cidade fronteiriça de Cúcuta ante o bloqueio das forças chavistas.

 

— Vimos um crime sem precedentes — declarou Guaidó ao chegar no domingo a Bogotá, enquanto o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou que os dias de Maduro "estão contados".

 

O governo venezuelano, que fez alertas sobre eventuais planos dos Estados Unidos para iniciar uma invasão militar com o pretexto da ajuda humanitária, celebrou no domingo o fracasso da operação em um comício liderado pelo poderoso dirigente chavista Diosdado Cabello.

 

Em meio à violência na fronteira, ganha a força a opção radical contra Maduro, que tem o apoio da Rússia e de Cuba.

 

— Vamos apresentar posições firmes que signifiquem uma escalada em medidas diplomáticas, políticas e de uso da força — afirmou o parlamentar Julio Borges, que faz a ligação de Guaidó com o Grupo de Lima.

 

A Colômbia pretende reforçar a figura de Guaidó e suas alternativas para a saída de Maduro, que por sua vez está cada vez mais atrelado aos militares.

 

O Grupo de Lima se reuniu pela última vez em 4 de fevereiro em Ottawa. Na ocasião, 11 países pediram uma mudança pacífica de governo, ao mesmo tempo que solicitaram aos militares que reconhecessem Guaidó e permitissem a entrada de ajuda. Três integrantes do Grupo de Lima - México, Guiana e Santa Lúcia - não reconhecem o opositor como presidente interino.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

25/02/2019 - Incêndio de grandes proporções atinge loja no centro de Canela

Um incêndio de grandes proporções atingiu, na noite deste domingo (24),  um estabelecimento comercial localizado na Avenida Júlio de Castilhos, no centro de Canela, na Serra. O incêndio começou por volta das 20h30min, no Mercado dos Plásticos, e só foi controlado na madrugada desta segunda-feira (25).

 

Segundo o Corpo de Bombeiro, seis caminhões foram utilizados no combate às chamas, com a preocupação de que o fogo não se alastrasse aos estabelecimentos vizinhos. Como os imóveis são todos de comércio, não havia ninguém nas lojas no horário da ocorrência.

 

Os bombeiros do município contaram com apoio de guarnições de Gramado, Nova Petrópolis e São Francisco de Paula. Os trabalhos foram encerrados pouco antes das 6h.

 

Durante a manhã, o local será isolado para perícia, que deve identificar as causas das chamas.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/02/2019 - Multas de trânsito poderão ser parceladas no cartão, mas com acréscimo de juro

Os motoristas gaúchos podem, a partir de agora, parcelar o valor das multas de trânsito no cartão de crédito. O mesmo vale para taxas de licenciamento de veículos, Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e o seguro obrigatório DPVAT. A alternativa, porém, é vinculada ao pagamento de juro, taxas e demais encargos correspondentes a um financiamento. Isso porque as operações são realizadas por meio de instituições financeiras credenciadas pelo Departamento de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran-RS) e são caracterizadas como empréstimo.

 

A previsão do Detran é de que essa forma de pagamento seja implantada, gradativamente, nos Centros de Formação de Condutores (CFCs), Centros de Registro de Veículos Automotores (CRVAs), Centros de Remoção e Depósito (CRDs) e despachantes credenciados de todo o Estado. A possibilidade de parcelamento é uma opção dos credenciados, portanto, é possível que não seja oferecida em toda a rede.

 

De acordo com o Detran gaúcho, a operação em si caracteriza uma negociação privada entre o titular do cartão e a instituição financeira, sendo regulamentada pelo Banco Central. Como pré-requisito, é necessário dispor de limite no cartão de crédito. Já os detalhes das bandeiras aceitas e dos custos de financiamento dependem da cada empresa credenciada. Atualmente, estão aptas a operar junto ao Detran as financeiras DLK Net, Pin Pag, Vamos Parcelar, Zapay e Zignet.

 

Também é possível quitar os valores devidos pelo cartão de débito. Mas sobre essa possibilidade também podem incidir taxas, dependendo do contrato oferecido pela empresa de crédito. Por conta disso, o Detran orienta solicitar o detalhamento da fatura a ser paga antes de realizar a operação.

 

Questionado se alguma das taxas fica para o Detran, o departamento garante que não. Mas no caso do CFC ou outro credenciado, depende da forma como foi feita a parceria com a empresa financeira. "É possível que a empresa repasse algum valor para o credenciado pelo serviço prestado, mas o Detran-RS não se envolve nisso. Trata-se de uma negociação privada entre o credenciado e a financeira", explica a nota.

 

Orientação do Detran-RS

- Vá até um posto de atendimento — CFC, CRVA, CRD ou despachante — que ofereça essa modalidade de financiamento ou verifique no site da financeira se ela oferece a possibilidade de pagamento diretamente pelo seu site.

 

- Defina o valor total a ser pago. Os valores de IPVA e Licenciamento podem ser consultados no sistema do Detran-RS, mediante informação da placa do veículo e do Renavam. Para débitos referentes a multas ainda não vencidas, é preciso acessar e imprimir a guia de pagamento (GAD/M) a partir do site do Detran-RS e levá-la ao credenciado que já estiver operando com cartões de crédito.

 

- Consulte os planos de pagamento possíveis com o detalhamento de todos os custos adicionais de cada forma de pagamento e decida pela opção que melhor atenda às suas necessidades.

 

- Passe o cartão e efetue o pagamento.

 

Regulamentação

As empresas intermediadoras estão autorizadas pelo Denatran a operar em todo o país, e não apenas no Rio Grande do Sul. A autorização para pagamento de multas por cartão de débito/crédito foi estabelecida pela resolução 697/2016 do Conselho Nacional de Trânsito, posteriormente alterada pela resolução 736/2018, também do Contran, e regulamentada pela portaria 149/2018, do Denatran.

 

No Rio Grande do Sul, o Detran-RS regulamentou o pagamento de multas de trânsito e demais débitos de veículo com cartões de débito ou crédito, com a publicação da portaria 494/2018, que estabeleceu o credenciamento das empresas.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/02/2019 - Previsão do tempo no RS: sol e calor marcam a sexta, mas chuva avança no fim de semana

A sexta-feira (22) será de predomínio de sol e calor em quase todo o Rio Grande do Sul. Apenas nas áreas mais próximas de Santa Catarina há risco para eventual chuva fraca e isolada. O alerta para os níveis altos de ultravioleta ainda permanece em todo o Estado. De acordo com a Somar Meteorologia, os índices de umidade do ar seguem abaixo do ideal na Fronteira Oeste.

 

Para o sábado (23), há o retorno da chuva isolada para a metade sul do Estado. Há risco para pancadas fortes, em forma de temporais acompanhados de raios e trovoadas, principalmente em áreas próximas ao Uruguai. As precipitações ocorrem especialmente à tarde. Também chove na faixa leste, incluindo a Região Metropolitana de Porto Alegre. Entre o Centro e o Norte, o tempo firme predomina e os períodos de sol garantem mais um dia quente e abafado.

 

A chuva se espalha pelo RS no domingo (24). São esperados temporais em praticamente todo o Estado. No extremo sul, há potencial para transtornos como alagamentos, por conta do volume de água de até 70mm. As rajadas de vento podem alcançar até 70 km/h. As temperaturas diminuem pouco em comparação aos dias anteriores e o calor ainda predomina em quase todo Rio Grande do Sul.

 

 

O clima nesta sexta-feira (22)  em algumas cidades

Capital: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 21°C e máxima de 36°C

Pelotas: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 22°C e máxima de 36°C

Caxias do Sul: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 20°C e máxima de 30°C

Santa Maria: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 19°C e máxima de 35°C

Santa Rosa: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 20°C e máxima de 36°C

Erechim: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 19°C e máxima de 32°C

Uruguaiana: tempo firme e ensolarado. Mínima de 21°C e máxima de 36°C

Torres: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 23°C e máxima de 33°C

Tramandaí: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 24°C e máxima de 32°C

Capão da Canoa: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 23°C e máxima de 33°C

Xangri-Lá: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 23°C e máxima de 32°C

Rio Grande: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 25°C e máxima de 34°C

Mostardas: tempo firme e ensolarado. Mínima de 25°C e máxima de 30°C

Passo Fundo: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 20°C e máxima de 32°C

Bagé: tempo firme e ensolarado. Mínima de 18°C e máxima de 34°C

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/02/2019 - Venezuela fecha fronteira com o Brasil após determinação de Maduro

 

O posto de fronteira entre o Brasil e a Venezuela na cidade de Pacaraima, em Roraima, foi fechado às 21h de Brasília (20h no horário venezuelano), após a determinação do presidente Nicolás Maduro de bloquear o trânsito de cidadãos entre os dois países. O posto costuma ser fechado durante a noite e reaberto às 7h da manhã (6h no horário venezuelano), mas a determinação de Maduro é que essa reabertura não aconteça por tempo indeterminado. As informações foram divulgadas pelo Jornal Nacional, da TV Globo.

 

O mandatário venezuelano fez o anúncio do fechamento da fronteira em uma reunião com o alto comando militar do país em Fuerte Tiúna, na capital Caracas.

 

— Eu decidi, no sul da Venezuela, que a partir das 20h (21h de Brasília) deste 21 de fevereiro, fica fechada total e completamente, até novo aviso, a fronteira terrestre com o Brasil — afirmou o presidente.

 

A determinação vem às vésperas de uma mobilização liderada pelo autodeclarado presidente interino Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional, para obter ajuda humanitária de outros países — inclusive o Brasil. Maduro rechaça essa ajuda, afirmando se tratar de uma "esmola".

 

 O Brasil, que vai instalar um centro de aprovisionamento no Estado fronteiriço de Roraima, prepara uma operação para fornecer ajuda humanitária em "cooperação com o governo dos Estados Unidos", disse em Brasília o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. Há informações não confirmadas oficialmente que foram enviados militares para cidade de Santa Helena de Uairén, na fronteira com o Brasil.

 

 Barros disse nesta quinta-feira (21) que a operação para enviar ajuda humanitária ao país vizinho ainda está programada para este sábado (23). E explicou que os caminhões com medicamentos e alimentos ficarão na cidade de Pacaraima até haver uma decisão sobre o fechamento da fronteira.

 

 — O limite de ação é a faixa de fronteira. Os eventos e necessidades além da borda de fronteira são, naturalmente, de responsabilidade do governo venezuelano — disse.

 

Questionado se o governo teme algum conflito entre Brasil e Venezuela, Barros disse que não identifica, neste momento, possibilidade de fricção na região porque o ponto focal é a ajuda humanitária".

 

Em caminhões, os insumos serão levados de Bela Vista para Pacaraima por motoristas brasileiros. Do outro lado da fronteira, deverão ser transportados por motoristas venezuelanos.

 

No próximo sábado (23), apoiadores do autodeclarado presidente da Venezuela Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional, e do presidente Nicolás Maduro vão fazer um duelo musical nas fronteiras do país. Enquanto apoiadores de Guaidó organizam o "Venezuela Aid Live" para arrecadar US$ 100 milhões em ajuda humanitária, na cidade de Cúcuta, na Colômbia, apoiadores chavistas armam o "Hands off Venezuela" (Tirem as mãos da Venezuela), com atrações ainda não confirmadas.

 

 O show oposicionista contará com artistas do porte dos espanhóis Alejandro Sanz e Miguel Bosé, o dominicano Juan Luis Guerra, os colombianos Carlos Vives e Juanes, e o porto-riquenho Luis Fonsi. Ainda não foram anunciadas as atrações do show chavista.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

22/02/2019 - Imposto de Renda 2019: governo publica regras no Diário Oficial

O governo federal publicou no Diário Oficial da União desta sexta-feira (22) as regras para a declaração do Imposto de Renda 2019. A prestação de contas deve ser apresentada entre 7 de março e 30 de abril, pela internet, podendo ser elaborada em computador, tablet ou smartphones. É obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis maiores que R$ 28.559,70 durante o ano de 2018.

 

Neste ano, uma das novidades é que será exigido o CPF de todos os dependentes incluídos na declaração. Em 2017, era necessário fornecer o documento apenas para crianças a partir de 12 anos, No ano passado, o CPF passou a ser exigido a partir dos oito anos.

 

 

 

Segundo o G1, em 2019, os contribuintes ainda precisarão dar mais mais detalhes sobre seus bens. Será preciso informar à Receita o endereço, número de matrícula, IPTU e data de aquisição de imóveis, além do Renavam de veículos.

 

Pessoas físicas poderão optar pelo desconto simplificado, correspondente à dedução de 20% do valor dos rendimentos tributáveis na declaração de Ajuste Anual, limitado a R$ 16.754,34.

 

Quem precisa declarar?

Precisam declarar trabalhadores com rendimento mensal a partir de R$ 1.903,99 no ano passado, quem obteve ganho de capital pela alienação de bens e direitos, negociou em bolsa de valores, recebeu rendimentos isentos – não tributáveis ou tributados na fonte (como indenização trabalhista ou rendimento de poupança) acima de R$ 40 mil em 2018 – ou que tenham bens com valor acima de R$ 300 mil, entre outras situações mais específicas.

 

Como fazer e enviar?

Para realizar a declaração, o programa gerador será disponibilizado, a partir da semana que vem, no site da Receita Federal. Quem optar declarar por outros dispositivos, poderá baixar o aplicativo "Meu Imposto de Renda", disponível para os sistemas Android e iOS, afirma o jornal Folha de S. Paulo.

 

Quais os prazos?

Contribuintes que entregarem a declaração sem erros no início do prazo –lembrando que a entrega pode ser feita a partir de 7 de março –  terão prioridade para receber a restituição, caso tenham direito. Os pagamentos estão previstos para começar em junho e devem seguir até dezembro.

 

Quem precisar pagar impostos, poderá fazê-lo em até oito quotas mensais e sucessivas, desde que não seja inferior a R$ 50. Caso o imposto seja de valor inferior a R$ 100, deve ser saldado em quota única.  Quem perder o prazo estará sujeito a multa de 1% sobre o total devido, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo corresponde a 20% do imposto.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/02/2019 - Freeway terá novo bloqueio para obras da Ponte do Guaíba a partir desta sexta

Cancelado no último final de semana por causa da previsão de chuva em Porto Alegre, um novo bloqueio para o lançamento das vigas da obra da Nova Ponte do Guaíba ocorre a partir desta sexta-feira na BR 290 (Freeway). A rodovia terá interdições de sexta-feira a domingo, entre os quilômetros 94 e 95, nas proximidades da Arena do Grêmio. Nesta sexta, às 17h, a restrição ao tráfego acontecerá em uma faixa no sentido Litoral-Capital. A partir da meia-noite de sábado, haverá o bloqueio total da rodovia, em ambos os sentidos. A liberação das pistas está prevista para as 14h do domingo. No fim de semana passado o bloqueio foi suspenso. A ação é realizada pelo Dnit/RS.

 

A interrupção do trânsito no trecho é necessária para que seja possível manobrar com guindastes quatro vigas de sustentação da estrutura. Cada uma delas pesa cerca de 140 toneladas. Por conta das alterações no trânsito na entrada e na saída da Capital, a EPTC atuará com desvios, que são necessários para garantir a fluidez. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também prestará apoio. O usuário que precisa utilizar o trecho da rodovia durante o período da interdição deve ficar atento aos desvios. Para quem vem do interior do Estado pela BR 290, a opção é seguir pela avenida Castello Branco ou acessar a avenida Sertório. Quem pretende sair de Porto Alegre pelo Centro, através da Castello Branco e quer seguir ao interior pela BR 290, acesso normal pela alça da ponte do Guaíba.

 

Em direção ao Litoral, região Metropolitana ou BR 448, a opção é acessar a rua Voluntários da Pátria e ingressar novamente na freeway, após o bloqueio. Aos condutores que chegam pela BR 448, a alternativa é seguir pela alça de acesso ao bairro Humaitá. O acesso à freeway sentido Litoral não será alterado. E para aqueles que chegam em direção à Capital, a rodovia estará interditada no Km 92, passando o acesso à BR 116. Para seguir ao Centro da Capital, a opção é utilizar a alça de acesso em direção ao Aeroporto. Quem chega pela BR 116, precisa saber que o acesso à freeway sentido Porto Alegre estará bloqueado. A opção é seguir pelo Aeroporto até a avenida Farrapos. O acesso no sentido Litoral não sofrerá alterações.

 

A CCR ViaSul estima que 85 mil veículos se desloquem ao Litoral Norte neste final de semana pela Freeway. Nesta sexta-feira, a previsão é de que 55 mil sigam em direção às praias, e a concessionária orienta aos motoristas que evitem viajar entre 14h e 20h. No sábado, a expectativa é de que 30 mil passem pelo pedágio de Santo Antônio da Patrulha sentido Litoral, sendo que o melhor momento para pegar a estrada e evitar congestionamentos é o início da tarde. Para o retorno, no domingo, a indicação é se deslocar para a Capital até as 14h ou após as 22h.

 

A fim de colaborar com a fluidez do trânsito na rodovia, a concessionária, em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal, poderá liberar o acostamento para o tráfego de veículos. Por isso, o usuário deve ficar atento à sinalização e alertas com sinais piscantes ao longo do trecho, informando a liberação. Para agilizar a passagem dos veículos nas praças de pedágio de Gravataí e Santo Antônio da Patrulha, segundo a CCR ViaSul, a operação papa-fila poderá ser utilizada. Mais informações: fone 0800 000 0290.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

21/02/2019 - Incêndio deixa 70 pessoas mortas em Bangladesh

 

Pelo menos 70 pessoas morreram no incêndio nesta quinta-feira em um conjunto de apartamentos na capital de Bangladesh. As edificações também eram usadas como armazéns de produtos químicos, segundo informações do Corpo de Bombeiros local.

 

Dezenas de pessoas ficaram presas nos edifícios, incapazes de escapar pelas ruas estreitas e engarrafadas, à medida que explodiam em chamas os armazéns de produtos químicos e plástico altamente inflamáveis. O balanço atualizado divulgado por bombeiros e médicos registra 70 mortos e 55 feridos, 10 deles em estado crítico. O comandante do serviço de bombeiros de Bangladesh, Ali Ahmed, disse que o número de mortos deve subir.

 

O incêndio começou às 22h40min de quarta-feira (13h40min de Brasília) no bairro de Chawkbazar, uma das áreas mais antigas da cidade, marcada pelas ruas estreitas. Segundo Ahmed, o incêndio em Chawkbazar, na parte antiga de Daca, pode ter se originado em um botijão de gás antes de se espalhar rapidamente pelo prédio onde produtos químicos altamente inflamáveis eram armazenados.

 

Emissoras de televisão exibiram imagens que mostravam a porta principal de um dos edifícios fechada, impedindo a saída dos moradores, enquanto as chamas tomavam conta dos cinco andares do prédio. "Houve um tumulto quando o incêndio começou, as pessoas não conseguiram escapar", disse Ahmed, descrevendo uma parte da cidade onde as ruas são muito estreitas.

 

Outro oficial de bombeiros disse a repórteres que o incêndio foi "contido", mas não encerrado, apesar dos esforços de mais de 200 bombeiros. "Levará tempo. Este não é como outro incêndio qualquer", disse ele, acrescentando que a proporção foi devastadora por causa dos produtos químicos" altamente combustíveis armazenados no local. Testemunhas afirmaram que os convidados de um casamento em um centro comunitário próximo ficaram presos no incêndio e vários terminaram feridos.

 

O vice-comandante da Polícia Metropolitana de Daca, Ibrahim Khan, disse que pelo menos dois carros e dois riquixás queimaram no incêndio. Centenas de pessoas correram para o hospital para procurar seus parentes desaparecidos. Um incêndio similar em 2010 em um antigo prédio na capital de Bangladesh, que também foi usado como depósito de produtos químicos, matou mais de 120 pessoas em um dos piores incêndios em Daca. Após a tragédia, as autoridades da cidade anunciaram uma operação para erradicar os armazéns de produtos químicos de áreas residenciais, mas nos últimos anos a iniciativa foi paralisada.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

21/02/2019 - Criminosos explodem agência bancária de Pantano Grande, no Vale do Rio Pardo

Um grupo de criminosos usou explosivos para atacar a agência do Banco do Brasil de Pantano Grande, no Vale do Rio Pardo, na madrugada desta quinta-feira. De acordo com a Brigada Militar, entre cinco e seis pessoas estavam envolvidas no caso, que ocorreu às 2h20min e culminou no roubo de dinheiro de um caixa eletrônico e do cofre central da instituição financeira. É a primeira vez que a cidade é alvo de ataque desse tipo.

 

Acionada por moradores da região, a BM relatou que os criminosos estavam armados com fuzis e realizaram disparos para o alto no momento da fuga. Os policiais militares da cidade atendiam outra ocorrência e, ao chegar na rua Papa João XXII, não havia mais ninguém no local. A agência ficou isolada até que o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) fosse descolado para analisar a existência de explosivos, que não havia.

 

Conforme a BM, a quadrilha fugiu em uma Hyundai Tucson preta pela avenida central da cidade e seguiu em direção ao entroncamento das BRs 290 e 471. Ainda segundo a BM, não se sabe se o veículo seguiu em direção a Porto Alegre ou a Encruzilhada do Sul, onde buscas estão sendo realizadas. Durante a ação, não houve confronto com a polícia ou feridos.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

21/02/2019 - Leite pede estudo sobre impactos do texto da Reforma da Previdência

Em Brasília, o governador Eduardo Leite (PSDB) classificou o projeto da Previdência como “complexo e amplo”. Em função da multiplicidade da proposta, que atinge o serviço público, o setor privado e seguridade social, Leite irá solicitar exame detalhado de técnicos da Fazenda para verificar se os interesses dos estados também serão contemplados pela reforma.

 

• Entenda as regras de transição previstas na reforma da Previdência

 

• Reforma da Previdência deve começar a tramitar na Câmara na terça-feira

 

• Reforma da Previdência tem que ser aprovada na Câmara e no Senado em dois turnos

 

“Temos que mergulhar com nossas equipes técnicas em cada ponto, em cada linha e artigo para vermos os seus efeitos práticos. Mas, ela aponta para uma direção correta”, avaliou. O governador destacou que hoje o Rio Grande do Sul tem déficit previdenciário de R$ 12 bilhões, com aumento anual de cerca de R$ 1 bilhão e que “todos os gaúchos pagam esta conta”.

 

Conforme anunciado na última semana, a proposta da Reforma da Previdência prevê idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e de 62 para mulheres, com contribuição mínima de 20 anos. Atualmente, a idade mínima de aposentadoria é de 60 anos para mulheres e de 65 para homens, com contribuição mínima de 15 anos. A aposentadoria por tempo de contribuição, por sua vez, é de 30 anos para mulheres e de 35 para homens.

 

Alíquotas progressivas

 

Os trabalhadores da iniciativa pública e privada passarão a pagar alíquotas progressivas para contribuir com a Previdência, segundo o Ministério da Economia. A ideia é criar um sistema progressivo de alíquotas no qual quem ganha mais contribui mais. Elas deixarão de incidir sobre o salário inteiro e incidirão sobre faixas de renda, num modelo semelhante ao adotado na cobrança do Imposto de Renda. No fim das contas, cada trabalhador, tanto do setor público como do privado, pagará uma alíquota efetiva única.

 

Atualmente, o trabalhador da iniciativa privada, que recebe pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), paga 8% se ganha até R$ 1.751,81, 9% se ganha de R$ 1.751,82 a R$ 2.919,72 e 11% se ganha de R$ 2.919,73 até o teto do INSS, de R$ 5.839,45. As alíquotas incidem sobre todo o salário até o teto.

 

Números

 

Pela nova proposta, quem ganha um salário mínimo (R$ 998) contribuirá com 7,5% para a Previdência. Acima disso, contribui com 7,5% sobre R$ 998, com 9% sobre o que estiver entre R$ 998,01 e R$ 2 mil, com 12% sobre a renda entre R$ 2.000,01 a R$ 3 mil e com 14% sobre a renda entre R$ 3.000,01 e R$ 5.839,45 (teto do INSS). Dessa forma, um trabalhador que receber o teto do INSS contribuirá com alíquota efetiva (final) de 11,68%.

 

De acordo com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, as alíquotas efetivas ficarão em 7,5% para quem recebe o salário mínimo, de 7,5% a 8,25% para quem ganha de R$ 998,01 a R$ 2 mil, de 8,25% a 9,5% para quem ganha de R$ 2.000,01 a R$ 3 mil e de 9,5% a 11,68% para quem recebe de R$ 3.000,01 a R$ 5.839,45 (teto do INSS).

 

A proposta de reforma da Previdência ainda eleva a contribuição dos servidores que ganham os salários mais altos. A alíquota da contribuição à Previdência dos servidores públicos poderá chegar até 22% para quem ganha salários acima de R$ 39 mil, segundo o diretor do programa do Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, Felipe Portela.

 

De R$ 5.839,46 até R$ 10.000,00, a alíquota efetiva será 11,68% até 12,86%; de R$ 10.000,01 a R$ 20.000, a alíquota sobe de 12,86% a 14,68%; de R$ 20.000,01 a R$ 39.000,00, as alíquotas de 14,68% a 16,79% e acima de R$ 39.000, a alíquota será superior a 16,79% (máximo de 22%).

 

No setor público será aplicada lógica semelhante. Atualmente, o servidor federal paga 11% sobre todo o salário caso tenha tomado posse antes de 2013. Quem ingressou no serviço público depois de 2013 paga 11% até o teto do INSS.

 

Arrecadação

 

Segundo o Ministério da Economia, a mudança nas alíquotas da Previdência para os servidores públicos federais reforçará a arrecadação em R$ 29,3 bilhões nos próximos dez anos. Para os trabalhadores da iniciativa privada, o novo sistema de alíquotas gerará gastos adicionais de R$ 27,6 bilhões para o governo. No total, porém, ao somar trabalhadores da iniciativa privada e do setor público, o novo modelo de alíquotas gerará economia de R$ 2,1 bilhões.

 

Segundo o diretor Felipe Portela, a ideia é tornar o sistema mais solidário, fazendo os servidores públicos, que ganham mais, contribuir mais em troca de beneficiar a parcela dos trabalhadores da iniciativa privada, que recebem menos.

 

Policiais e agentes penitenciários poderão se aposentar aos 55 anos

 

Os policiais civis, federais, agentes penitenciários e socioeducativos se aposentarão aos 55 anos pela proposta de reforma da Previdência. A idade valerá tanto para homens como para mulheres. Os tempos de contribuição, no entanto, serão diferenciados para homens e mulheres. Os agentes e policiais masculinos precisarão ter 30 anos de contribuição, contra 25 anos para as mulheres.

 

A proposta também prevê tempo mínimo de serviço de 20 anos para policiais homens e agentes homens e mulheres e 15 anos para policiais mulheres. Progressivamente, o tempo de exercício progredirá para 25 anos para homens e 20 anos para mulheres nos dois cargos (agente e policiais). Atualmente, os policiais não têm idade mínima, com tempo mínimo de contribuição de 30 anos para homens e 25 anos para mulheres. O tempo mínimo de serviço exigido corresponde a 20 anos para homens e 15 anos para mulheres.

 

Professores

 

O secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, defendeu a idade mínima igual em 60 anos para homens e mulheres que sejam professores. Essa idade é menor do que a regra geral, que exigirá 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

 

"Isso parte do princípio que essas aposentadorias têm regras especiais pela atividade em si, não pela questão de gênero. Outros países têm regras especiais para professores, mas o Brasil é o único a tratar diferente professor de professora", afirmou ele.

 

Rolim também defendeu a proposta de cobrar dos professores um tempo mínimo de contribuição maior, de 30 anos. No INSS, esse período será de 20 anos; para servidores, de 25 anos.

 

Segundo ele, a ideia é que os professores contribuam mais para ter direito à idade menor. Ele ressaltou que, se o trabalhador entender como mais vantajoso, ele poderá se aposentar pelas regras gerais, contribuindo menos, mas com idade maior.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

21/02/2019 - Previsão do tempo no RS: calorão e raios solares intensos predominam nesta quinta

A quinta-feira (21) segue com tempo firme em praticamente todo o Rio Grande do Sul. De acordo com a Somar Meteorologia, apenas no extremo norte do Estado há chances de pancadas de chuva, que podem ser acompanhadas de raios e trovoadas. O céu com poucas nuvens permite a presença do sol na maior parte do dia, o que deixa as temperaturas elevadas e requer atenção para os raios solares devido aos níveis do Índice de Ultravioleta (IUV) altos em todo o RS.

 

As temperaturas seguem elevadas e a sensação de calor é alta na sexta-feira (22). A tendência é de avanço de uma frente fria ao longo dos próximos dias, com risco para temporais no domingo.   

 

Confira como fica o tempo em algumas cidades:

Porto Alegre: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 21°C e máxima de 35°C.

Pelotas: tempo firme e ensolarado. Mínima de 22°C e máxima de 33°C.

Caxias do Sul: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 17°C e máxima de 28°C.

Santa Maria: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 19°C e máxima de 34°C.

Santa Rosa: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 19°C e máxima de 33°C.

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 33°C.

Uruguaiana: tempo firme e ensolarado. Mínima de 22°C e máxima de 37°C.

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 31°C.

Tramandaí: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 22°C e máxima de 32°C.

Capão da Canoa: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 22°C e máxima de 34°C.

Xangri-Lá: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 22°C e máxima de 33°C.

Rio Grande: tempo firme e ensolarado. Mínima de 25°C e máxima de 31°C.

Mostardas: tempo firme e ensolarado. Mínima de 25°C e máxima de 29°C.

Passo Fundo: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 18°C e máxima de 33°C.

Bagé: tempo firme e ensolarado. Mínima de 19°C e máxima de 32°C.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/02/2019 - Polícia investiga desvios no fundo de saúde de servidores de Canoas

A Operação Corpore Sano, desencadeada nesta quinta-feira (21) pela Polícia Civil, apura possíveis desvios no Fundo de Assistência à Saúde do Servidor Municipal (Fassem) de Canoas, na Região Metropolitana. Uma clínica, que era credenciada à época dos fatos, teria encaminhado pacientes para diversos serviços – como pilates e estética – que não são cobertos pelo plano. A conta acabava sendo paga pelo município.

 

A investigação da polícia começou a partir de pedido do Ministério Público. São apurados crimes de falsificação de documento público, falsificação de documento particular, falsidade ideológica e associação criminosa em prejuízo do erário de Canoas.

 

Conforme a apuração, a clínica – especializada em fisioterapia e fonoaudiologia, e que ainda não teve o nome divulgado – triplicou o faturamento em curto espaço de tempo devido à fraude. Quando surgiram as suspeitas, ela acabou descredenciada pelo fundo de assistência.

 

A Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública e Ordem Tributária (Deat) cumpre nesta quinta-feira quatro mandados de busca e apreensão a fim de localizar documentos que possam comprovar os desvios.

 

Um dos alvos das buscas é o Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores Públicos de Canoas (CanoasPrev), ao qual o fundo de assistência está ligado. Também há mandados sendo cumpridos na residência de um médico, em Porto Alegre, e na casa da dona da clínica, em Canoas.

 

Conforme o delegado Max Otto Ritter, a clínica investigada é suspeita de encaminhar pacientes, de forma dissimulada, para atendimentos não contratados e não cobertos pelo Executivo municipal. A polícia ainda apura o envolvimento de servidores públicos e se a assinatura de um médico estaria sendo falsificada por pessoas ligadas ao esquema para autorizar os atendimentos.

 

As suspeitas surgiram a partir do aumento de pagamentos por serviços que seriam prestados supostamente apenas pela clínica credenciada. Na verdade, ela cobrava a mais para também pagar pelos serviços não cobertos para os quais encaminhava os beneficiários do plano e seus dependentes. A polícia vai investigar também se usuários do plano tinham conhecimento da fraude.

 

A prefeitura de Canoas se manifestou por meio de nota em que afirma que, "por meio do Canoasprev, informou ao Ministério Público, ainda em 2017, de suspeitas de irregularidades por parte dessa clínica, que foi credenciada ao Fassem no final de 2016. Assim que foram identificados os indícios de irregularidades, o Canoasprev cancelou o contrato e informou ao MP da situação".

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/02/2019 - Carreta tomba e causa bloqueio na BR-101, no Litoral Norte

Uma carreta carregada com farelo de soja tombou no km 47 da BR-101, em Terra de Areia, no Litoral Norte, na madrugada desta quinta-feira (21). O motorista do veículo não se feriu.

 

O acidente provoca bloqueio parcial nos dois sentidos da rodovia, pois a carga está espalhada sobre a pista. O trânsito flui pelo acostamento.

 

A previsão da Polícia Rodoviária Federal (PRF) é de que a limpeza da via comece na manhã desta quinta-feira.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

21/02/2019 - Parlamentares se mobilizam para atenuar proposta de reforma da Previdência

 

Poucos momentos após a entrega da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência à Câmara pelo presidente Jair Bolsonaro, na manhã desta quarta-feira (20), uma mobilização foi sendo formada em torno do tema. Parlamentares de oposição e de siglas alinhadas ao Planalto concordavam em trabalhar para reduzir o alcance de alguns pontos da proposta.

 

À noite, em pronunciamento de rádio e TV, Bolsonaro destacou que é preciso garantir que todos recebam seus benefícios em dia:

 

 

 — A nova Previdência será justa para todos. Sem privilégios. Ricos e pobres, servidores públicos, políticos ou trabalhadores privados, todos seguirão as mesmas regras de idade e tempo de contribuição. Também haverá a reforma do sistema de proteção social dos militares. Respeitaremos as diferenças, mas não excluiremos ninguém. Quem ganha mais, contribuirá com mais. Quem ganha menos, contribuirá com menos ainda — disse.

 

O foco das críticas ao projeto recaiu sobre idades mínimas para a aposentadoria, aumento no tempo de serviço e alterações em benefícios sociais. Apesar do discurso de austeridade da equipe econômica, deputados avaliam que o governo não terá alternativa a não ser aprofundar a interlocução com o Congresso, especialmente para negociar apoio e reduzir o peso das mudanças.

 

Os mais afoitos defendem, até mesmo, a troca de ministros para acomodar indicações partidárias, sob o pretexto de agilizar a formação de base aliada coesa em torno do governo, o que ainda não há.

 

– Com esse clima não aprova nada. Pode ser essa reforma ou um texto bem mais leve. Não passa nada – pontua uma liderança nacional do PP, que se empenhou em aprovar o texto proposto por Michel Temer, mas não obteve sucesso.

 

Para membros do centrão, a equipe econômica abusou de trechos polêmicos na proposta, justamente para ter espaço de negociação. Nessa categoria, apostam que haverá possibilidade de discussão sobre o tempo de trabalho de 40 anos para benefício integral e a ampliação das idades mínimas para a aposentadoria rural.

 

O chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, admite que o governo espera mudanças antes da votação, embora tenha mandado um recado a deputados e senadores:

 

– A reforma tem de superar disputas políticas e questões ideológicas. Trata-se de uma escolha que o governo colocou nas mãos dos congressistas, que, em nome da sociedade, vão aperfeiçoá-la.

 

O líder do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SP), afirmou que o partido irá propor emendas para reduzir a idade mínima para aposentadoria e ampliar o tempo de transição, definido em até 12 anos.

 

Reconhecimento sobre "erro" em casos passados

No plenário da Câmara, o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) fez discurso firme contra as alterações e, ao lembrar que Bolsonaro se posicionou contrariamente a outras propostas de reforma previdenciária, colocou ao microfone trechos gravados de discursos em que o presidente diz que definir idade mínima de 65 anos para aposentadoria é "crime" e "falta de humanidade". O próprio presidente fez referência a isso durante a entrega do projeto, dizendo que reconhece ter errado no passado.

 

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), apoiou o texto enviado pelo Planalto, elogiando o rigor técnico. Afirmou que a bancada do partido irá analisar questões como o aumento do tempo de contribuição e as idades mínimas para, depois, divulgar posicionamento:

 

– Gorduras no texto sempre vão existir. Não pode vir uma proposta do Executivo sem pensar que nós, legisladores, não vamos opinar sobre ela. É nosso dever e papel aprimorar a proposta.

 

Criticado até por aliados do Planalto pela falta de experiência na interlocução política, o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO), deixou aberta a possibilidade de negociação. Para ele, a inclusão de demandas de governadores na PEC irá auxiliar na aprovação do texto final.

 

Outro fator de desgaste ao Planalto foi o atraso no envio do projeto que contempla militares e policiais. Apesar da promessa de entrega em até 30 dias, o fato foi explorado pela oposição e por partidos do centrão. "Tenho a convicção de que, sem uma reforma que alcance também os militares, o texto apresentado não deveria sequer tramitar", publicou em uma rede social o senador e presidente do PP, Ciro Nogueira (PI).

 

Alçado na terça-feria (19) ao posto de líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) respondeu que não vê motivos para preocupação, já que está garantido o envio do texto.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/02/2019 - Nova jornada de calor marca Rio Grande do Sul nesta quarta

O Rio Grande do Sul recebe uma nova jornada de calor nesta quarta-feira. De acordo com a MetSul Meteorologia, o sol aparece em todo o Estado e são esperadas marcas agradáveis já na parte da manhã, mas aquece rapidamente. A tarde será de calor intenso em diversos municipios.

 

Devido ao forte aquecimento durante o dia, nuvens se formam principalmente na virada da tarde para a noite. Com isso, há possibilidade de chuva isolada na Metade Norte, e até o fim da quarta, a instabilidade pode atingir o Extremo Sul gaúcho.

 

Em Porto Alegre, o dia será de tempo seco e quente. Na Capital, as marcas ficam entre 21°C e 34°C.

 

Mínima e Máxima

Capão da Canoa 21°C | 27°C

Torres 21°C | 28°C

Caxias do Sul 18°C | 30°C

Passo Fundo 18°C | 31°C

Rio Grande 22°C | 32°C

Santiago 21°C | 33°C

Alegrete 21°C | 34°C

Santa Cruz  21°C | 35°C

Uruguaiana 23°C | 36°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

20/02/2019 - Mais de 270 hospitais do Rio Grande do Sul funcionam sem alvará

Mais de 270 hospitais do Rio Grande do Sul funcionam sem alvará. No total, conforme o Corpo de Bombeiros, 112 possuem o documento. Na Capital, apenas três dos 29 hospitais de Porto Alegre possuem Alvará de Prevenção e Proteção contra Incêndio (APPCI) em dia, conforme o chefe da Divisão de Prevenção Contra Incêndios do 1° Batalhão de Bombeiro Militar (BBM) de Porto Alegre, major Ederson Lunardi. São eles: Hospital Moinhos de Vento, Hospital Ernesto Dornelles e Policlínica Militar. Os demais ainda estão em tramitação no Corpo de Bombeiros (CBMRS).

 

O APPCI é a certificação emitida pelos bombeiros CBMRS de que a edificação está de acordo com a legislação vigente, conforme o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). A discussão sobre o tema veio à tona após incêndio ocorrido no Hospital Fêmina na tarde de sábado. O Grupo Hospitalar Conceição (GHC), responsável pela administração da instituição de saúde, admitiu que o Fêmina não possuía PPCI, informação também confirmada pelo CBMRS. A tramitação do documento na corporação está parada há mais de uma década, quando o hospital foi multado.

 

Em 2014 a instituição chegou a contestar a multa junto ao Ministério Público Federal (MPF), que por sua vez contatou o CBMRS, recebendo as informações necessárias. Desde então, não houve movimentação. “De lá pra cá os responsáveis não se movimentaram, foi inércia por parte da direção”, ressaltou o major. Sobre os demais hospitais, Lunardi reiterou que “cada um tem uma peculiaridade”. “O Hospital de Clínicas, por exemplo, tem questões de quatro ou cinco páginas de correções que precisam ser apresentadas, o Fêmina estava mais atrasado. De modo geral, todos estão em tramitação recente, em processo de análise das medidas. Alguns já apresentaram documentos que foram solicitados, agora precisamos analisar”, explicou.

 

Lunardi destacou que, mesmo sem o PPCI, isto não significa que a instituição não tenha prevenção instalada. “Tanto tinha (no Fêmina) que os brigadistas do local conseguiram evacuar rapidamente, sendo que se trata de um trabalho extremamente complexo em virtude da locomoção das pessoas”, afirmou. “As coisas pegam fogo”, reiterou Lunardi, mas é preciso estar com os equipamentos de prevenção em dia para que o fogo não se alastre. “Não temos mais aqueles incêndios que tivemos na década de 1970, por exemplo, que consumiam prédios inteiros. Atualmente o fogo fica confinado no espaço atingido, mas claro que só com o PPCI e com o alvará no final é possível dizer que uma edificação é segura”, enfatizou.

 

Mesmo com o alvará, de acordo com Lunardi, é possível ter dúvidas. “Não é porque tem o documento, também é preciso ter a manutenção dos equipamentos, tanto que interditamos três boates no final de semana, uma delas tinha o alvará, mas não estava de acordo com a vistoria anterior. Precisou ser interditada”, disse.

 

Atenção voltada aos hospitais

Entre as necessidades de adequações, principalmente em edificações consideradas complexas como creches, hospitais e asilos, segundo Lunardi, está a chamada área de refúgio. “É preciso separar os espaços, com portas corta fogo, então uma área seria o refúgio da outra, seria possível evacuar a ala que está em chamas, por exemplo, isolando o fogo sem muitas dificuldades”, explicou.

 

Por isto, conforme Lunardi, o CBMRS sempre reforça a importância do PPCI e dos alvarás. “Acho que agora vai dar uma movimentada depois do que aconteceu, nós também temos que ir lá incomodar, ficar notificando, já que os responsáveis ficam parados”, analisa. Conforme as regras, um estabelecimento - seja ele um hospital, uma creche ou uma casa noturna - tem 30 dias para apresentar o PPCI após a notificação dos Bombeiros. “A gente sabe que é complexo, principalmente em se tratando de hospitais públicos, mas pelo menos em algumas instituições de saúde têm movimentação, as coisas estão sendo encaminhadas. Em outras, nem isso”, assinalou. Agora, de acordo com Lunardi, o CBMRS estará com as atenções voltadas especialmente para os hospitais. “Temos que verificar se eles estão se movimentando”, disse.

 

Sobre a possibilidade de interdição dos locais sem PPCI, Lunardi ressaltou que somente instalações com iminente risco de vida são lacradas. “O prédio está lá há 50 anos e não pegou fogo ainda. Quem interdita por questões de funcionamento é a prefeitura, no caso de irregularidades com o alvará de funcionamento da edificação. Atualmente a prefeitura só libera o funcionamento de um estabelecimento com o PPCI, mas ainda temos dificuldades com edificações existentes”, pontuou.

 

Após o ocorrido, Lunardi afirmou que os hospitais que estão há um tempo fora do prazo estabelecido pelo CBMRS e sem movimentação, serão notificados.  Com relação ao Hospital Cristo Redentor, por exemplo, que também pertence ao Grupo Hospitalar Conceição (GHC), a empresa que venceu a licitação para elaborar o PPCI da instituição é de Santa Catarina e, por conta disso, foi necessário realizar uma série de encontros para explicar a legislação gaúcha. “A gente busca também aproximação com os responsáveis técnicos, queremos que a prevenção esteja presente em todos os locais”, assinalou Lunardi.

 

Ainda com relação ao Hospital Fêmina e as indicações de que não havia alarme de incêndio nas instalações, o major reiterou que, na prática, ainda não se sabe se existe alarme no local. “Pela informação que temos era uma sala que estava em obras, sabemos que tem uma rede de hidrante, mas tivemos que usar nossas redes de mangueiras, subir até o sexto andar com a mangueira nas costas para combater o incêndio, isto é um problema. Uma edificação muito alta, pede o hidrante. Agora temos que fazer uma avaliação técnica do espaço”, disse.

 

Polícia investiga incêndio no Fêmina

A diretora do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), delegada Adriana Regina da Costa, informou que a Polícia Civil está ouvindo testemunhas e aguardando o laudo da perícia por parte do Instituto-Geral de Perícias (IGP). “Não estamos divulgando mais informações além disso”, declarou.

 

Ainda conforme Adriana, a análise das imagens das câmeras de segurança iniciaram dois dias depois do incêndio e, até o momento, não há indicação de suspeitos. “Funcionários e direção estão sendo ouvidos, o que é de praxe, mas não estamos indicando ninguém como suspeito até então, até porque não se sabe se o incêndio foi com intenção ou houve negligência, ainda está em aberto e não tem nada definido nesse sentido”, enfatizou.

 

Os apontamentos de possíveis “culpados”, segundo Adriana, só serão feitos após o recebimento do laudo da perícia. “É muito prematuro para a gente afirmar que tem suspeito, a perícia demora um pouco”, disse. Mesmo que a instituição seja vinculada ao Ministério da Saúde - portanto federal -, a investigação está com a Polícia Civil e, de acordo com Adriana, não há nenhuma previsão de que seja passada para a Polícia Federal.

 

O IGP informou que o local ficou bastante danificado, já foi realizada uma perícia preliminar, “mas devido ao grau de destruição da sala a perícia vai precisar retornar (talvez mais de uma vez) para reavaliar”. Como surgiram evidências novas da Polícia Civil, todo o trabalho precisa de um cuidado ainda maior. “Ainda não temos um prazo para finalizar esse processo por causa desses fatores, mas assim que tivermos novidades vamos repassar”.

 

Sindicato pede cautela

Para o Sindicato dos Enfermeiros do Rio Grande do Sul (Sergs) a situação é preocupante, ainda mais porque existe a tentativa de criminalizar funcionários. “A verdadeira responsabilidade do acidente é da gestão do hospital, que não tem o PPCI atualizado”, apontou o presidente do sindicato, Estevão Finger. Um trabalhador da enfermagem já foi demitido, acusado de ter causado o fogo. Ele foi apontado como suspeito por ter modificado a posição da câmera de segurança que fica na entrada da sala onde ocorreu o incêndio. Ele prestou depoimento à Polícia Civil e alegou que bateu na câmera enquanto carregava um suporte para soro.

 

O GHC também é responsável pela gestão de mais dois hospitais sem alvará de incêndio, conforme a entidade. Para Finger, culpabilizar os trabalhadores é muito grave e desvia a investigação dos verdadeiros responsáveis. “Houve negligência por parte da gestão do Grupo Hospitalar Conceição nessa situação como um todo. E a impunidade com o grupo nesse momento pode ocasionar novos incidentes”, destacou.

 

Já a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que segue em contato constante com a direção do Grupo Hospitalar Conceição (GHC). A Direção do Hospital informou à SMS que agora é preciso, além da perícia do IGP, e Vigilância em Saúde, a vistoria de engenheiros para confirmarem a estabilidade estrutural pós incêndio. Os pacientes que foram realocados no sábado, conforme a SMS, estão adequadamente sendo atendidos nos demais hospitais.

 

A SMS estará orientando a atenção primária para a necessidade de readequar as referências das gestantes nesse intervalo. Assim que liberadas as áreas para o retorno dos pacientes, e se houver indicação desse retorno, a Central de Leitos da SMS estará coordenando esse fluxo.

 

Confira a íntegra do comunicado divulgado pela diretoria do Grupo Hospitalar Conceição

 

"Em 9 de julho de 2016, esta Diretoria foi nomeada para gerir o GHC. Desde então, vem atuando ativamente frente a várias questões que envolvem a infraestrutura das unidades hospitalares e serviços de saúde vinculados a esta instituição, entre as quais destacamos as ações para implantação do Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Em 13 de julho de 2016, portanto quatro dias após a posse, foi designada uma comissão específica, composta por técnicos do quadro permanente da instituição, para o enfrentamento do tema.

 

Diante do importante número de leitos do GHC (Hospital Conceição 784, Criança Conceição 204, Cristo Redentor 237 e Fêmina 166), que juntos somam 1.391, em uma área construída de cerca de 110 mil metros quadrados, o cronograma de trabalho foi iniciado pelos hospitais Conceição e Criança Conceição, que compreendem 988 leitos e 60 mil metros quadrados.

 

O PPCI do Hospital Conceição está em aprovação no Corpo de Bombeiros desde 14 de junho de 2016. Desde então, este processo foi analisado pelos bombeiros quatro vezes, nas quais eles emitiram notificações de correções a serem feitas no projeto. Em 9 de novembro de 2018, foi emitida a última notificação de correção, e o hospital está atualmente trabalhando nas modificações necessárias.

 

O Hospital Cristo Redentor também se encontra com processo avançado. A elaboração do PPCI do HCR foi concluída e enviada para análise e aprovação pelo Corpo de Bombeiros em 9 de julho de 2018. Desde então, esse processo foi revisado pelos bombeiros uma vez. Em 24 de outubro de 2018, foi emitida a última notificação de correção, e o hospital está atualmente trabalhando nas modificações necessárias solicitadas pelo Corpo de Bombeiros.

 

Já a Escola GHC teve processo iniciado em 2018 no Corpo de Bombeiros. Porém, devido à inauguração de nova área da Escola (Espaço Fênix - antigo prédio que estava desocupado), foi necessário realizar novo protocolo. Foi solicitada a reanálise em 15 de janeiro de 2019.

 

A Unidade de Pronto Atendimento Moacyr Scliar, conforme informado pela Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, protocolou reanálise em 21 de novembro de 2018. O Hospital Fêmina, os postos de saúde e a Central de Logística estão em processo de licitação para levantamento das áreas físicas para confecção do PPCI.

 

Salientamos a efetividade da Brigada de Incêndio do Hospital Fêmina, que demonstrou competência, equilíbrio e agilidade no combate ao sinistro, por meio de ações que colaboraram para o bom desfecho do episódio. Também ressaltamos que todas as providências administrativas necessárias foram adotadas.

 

Agradecemos ao Corpo de Bombeiros, à Prefeitura de Porto Alegre, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, às equipes de remoção e aos profissionais de saúde do Hospital Fêmina e voluntários de outras instituições que compareceram ao local para ajuda ao sinistro naquela data"

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

20/02/2019 - Caminhoneiro é baleado em assalto na BR-290 em Eldorado do Sul

Um caminhoneiro foi baleado na madrugada desta quarta-feira (20) na BR-290, em Eldorado do Sul, na Região Metropolitana. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o crime ocorreu por volta das 4h, quando dois homens em um carro preto anunciaram o assalto e atiraram cinco vezes contra o caminhão, na altura do km 140.

 

Ainda conforme a PRF, o automóvel teria fechado o caminhão e os ocupantes apontaram armas pedindo que o motorista parasse. O caminhoneiro não parou e colidiu no outro veículo. 

 

Os criminosos, então, atiraram. Foram cinco disparos, sendo que um deles atravessou a porta e atingiu o condutor em um dos pés.

 

Os assaltantes fugiram e o caminhoneiro dirigiu até um posto de gasolina na rodovia. Lá, a PRF o encontrou já medicado, trocando o pneu do caminhão – que seguia para Eldorado do Sul, carregado de tijolos. 

 

A vítima decidiu seguir viagem e foi orientada a realizar o registro em uma delegacia. Os ladrões ainda não foram encontrados.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/02/2019 - Sistema do INSS fica fora do ar e prejudica atendimento em todo o país nesta quarta-feira

 

O sistema de atendimento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está fora do ar na manhã desta quarta-feira (20), afetando agências de todo o país. Segundo o órgão, o problema ocorre desde a madrugada e a DataPrev – empresa de tecnologia que atende o instituto – está trabalhando para normalizar o serviço.

 

Na terça, uma queda do sistema causou tumulto na agência no INSS na Avenida Bento Gonçalves, na região central de Porto Alegre. Na manhã desta quarta, por volta das 8h, mais de 30 pessoas estavam em frente ao local. Laila Rodrigues, 31 anos, reclama que o problema é recorrente:

 

— O atendimento é muito ruim. Quase sempre que venho não tem sistema — disse.

 

A orientação dada pelos servidores é para que os usuários busquem o reagendamento pelo telefone 135.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/02/2019 - STF deve retomar nesta quarta-feira votação sobre criminalização da homofobia

 

O julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) para decidir se o Congresso Nacional é ou não omisso por não ter criado até agora lei que criminalize a homofobia, suspenso na última quinta-feira (14), deve ser retomado nesta quarta-feira (20).

 

Na última sessão, o ministro Celso de Mello, relator de uma das ações, fez a leitura de cerca de metade do seu voto – cujo texto soma 108 páginas. A discussão desta quarta deve começar com a conclusão de seu voto.

 

— A inércia do Estado qualifica-se perigosamente como um dos processos deformadores da Constituição — afirmou o decano, indicando posicionamento favorável à causa LGBT+. — Não se nasce mulher, torna-se mulher — em referência a Simone de Beauvoir, ícone do feminismo.

 

Duas ações são analisadas pelo Supremo – uma apresentada pelo Partido Popular Socialista (PPS) e a outra, pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT). O pedido é para que o Supremo declare o Congresso omisso por até hoje não criar uma lei que criminalize a homofobia. Como medida de reparação, as ações pedem que Câmara e Senado tenham prazo para criar lei penal que regule a questão. Até lá, que a discriminação motivada por homofobia ou transfobia seja enquadrada na lei do racismo (7.716/1989), assim como ocorre com crimes movidos por antissemitismo (aversão a judeus).

 

A pena para o crime de racismo é de um a cinco anos de prisão, sem fiança.

 

Uma das ações é a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26, movida pelo Partido Popular Socialista (PPS), cujo relator é o ministro Celso de Mello. A outra ação é um Mandado de Injunção, movido pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais (ABGLT), cujo relator é ministro Edson Fachin.

 

Na quarta-feira passada (13), após a sessão do STF ser suspensa para a retomada no dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro se declarou contra a criminalização da homofobia. Ao citar o argumento usado pela Advocacia-Geral da União (AGU) na sessão, o presidente disse que a Constituição Federal não exige tipificação penal da homofobia e que quem deve criar leis para punição de crimes é o Congresso.

 

O fundamento das duas ações é que há agressões, verbais e físicas, motivadas especificamente por preconceito. Mais de 10 instituições são reconhecidas como amici curiae – não são partes do processo, mas têm interesse na discussão e podem se manifestar oralmente. Entre elas, há organizações não governamentais (ONGs) LGBT+ e associações ligadas a evangélicos.

 

Hoje, mais de 40 países têm leis que criminalizam homofobia e transfobia – entre eles, Argentina, Uruguai, Canadá, Espanha, França, Portugal e Suécia. O Brasil registrou 445 casos de assassinatos de homossexuais em 2017, segundo levantamento do Grupo Gay da Bahia. A expectativa média de vida de pessoas trans é de 35 anos.

 

O QUE DIZEM AS AÇÕES

Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26

Quem é o relator: ministro Celso de Mello

 

Na ADO 26, o Partido Popular Socialista (PPS) pede que homofobia e transfobia sejam reconhecidos como racismo, que o STF declare que o Congresso foi omisso em não votar até agora projeto que criminalize o preconceito contra LGBT+ e coloque prazo de até um ano para o Congresso legislar sobre o tema.

 

Nesta ação, a Câmara se defendeu dizendo que aprovou, em 2001, o projeto de Lei 5.003 e o enviou para análise do Senado, que nunca o votou. O Senado, por sua vez, disse que não foi omisso e sublinhou que cabe a ele decidir o tema agora.

 

Mandado de Injunção 4733

Quem é o relator: ministro Edson Fachin

 

A ação, movida pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais (ABGLT), pede que o STF reconheça a homofobia como crime de racismo ou como crime de discriminação que atenta contra liberdades individuais. Aqui, tanto Câmara quanto Senado afirmaram que não foram omissos.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/02/2019 - Em Brasília, Leite defende contribuição extra de servidores para equilibrar Previdência

Em Brasília, o governador Eduardo Leite defendeu, nesta terça-feira (19), alteração na Constituição que permita aos Estados a cobrança de contribuição extra dos servidores para equilibrar as contas do sistema previdenciário. Hoje, o índice máximo de desconto é de 14%, já aplicado no Rio Grande do Sul. Leite e outros governadores pressionam para que a reforma da Previdência permita a ampliação do índice em períodos de déficit.

 

Nos últimos dias, interlocutores do ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiram que o pleito dos governadores poderá ficar de fora da reforma, que será entregue ao Congresso nesta quarta-feira (20). Envolvidos na aprovação da reforma, governadores estão em Brasília mobilizados pelo tema.

 

— Eu estou confiante de que a contribuição extraordinária estará (na reforma), ela é fundamental para que haja uma repercussão no curto prazo, diante da urgência de superação do quadro fiscal dos estados — argumentou Leite.

 

Caso a medida seja aprovada no Congresso, caberia a cada governador enviar propostas de alteração da alíquota. Leite afirmou que os índices ainda não foram discutidos de forma detalhada. Garantiu que o objetivo é fazer uma taxação temporária, até que o déficit seja superado.

 

— Não é um índice uniforme, pode ser um índice que aumenta de acordo com o poder aquisitivo, a renda. Isso é um detalhe técnico, a questão agora é a garantia constitucional — explicou.

 

Segundo o governador, o déficit previdenciário no Estado é de R$ 12 bilhões ao ano. Mesmo que a reforma seja aprovada, o impacto não será imediato.

 

— A legislação estabelece que o déficit do sistema previdenciário deve ser custeado solidariamente pelos servidores e pelo governo. Então, há um déficit e os 14% não são suficientes para financiar este sistema – complementou.

 

O governador gaúcho ficará em Brasília até esta quarta-feira (20). Além de encontro com governadores, tem agenda com parlamentares do seu partido, PSDB, e com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, com quem irá tratar da Lei Kandir.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

20/02/2019 - Saiba quais são os pontos de conflito na proposta do governo para reforma da Previdência

A chegada da proposta de reforma da Previdência ao Congresso nesta quarta-feira (20) marcará o início do principal desafio do governo de Jair Bolsonaro.

 

A ação, prioridade da equipe econômica em busca do equilíbrio fiscal, irá testar a capacidade de interlocução do Planalto e sua força para modular a voracidade de parlamentares que já se organizam para desidratar o alcance das mudanças.

 

O texto, que traz pontos mais ambiciosos do que os apresentados nos últimos governos, será entregue por uma comitiva, integrada pelo presidente e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Além de prestigiar os deputados, o ato é visto como forma de Bolsonaro usar o capital político recebido nas urnas a favor da proposta, atenuando críticas de parlamentares que reclamam a falta de canal de diálogo com o Executivo.

 

Além disso, a estratégia do Planalto é colocar na rua campanha ostensiva para explicar pontos polêmicos do projeto, como a adoção de idades mínimas para aposentadoria por tempo de serviço e como funcionará o período de transição. A palavra “reforma” será evitada e, em seu lugar, será usada a expressão “nova Previdência”. O mote será o combate aos privilégios.

 

Oferecer subsídios para a discussão também é estratégia para evitar que a demissão do então ministro da Secretaria-Geral da Previdência, Gustavo Bebianno, ofereça poder de barganha para deputados que não integram a base aliada ou a oposição e precisarão ser convencidos pelo governo.

 

Na última semana, a divulgação das idades mínimas de 65 anos para homens e 62 para mulheres foi recebida com torrente de críticas por líderes partidários na Câmara. O reflexo inicial desfavorável já era aguardado pelo Planalto, assim como a necessidade de negociação em pontos polêmicos do texto para quebrar resistências.

 

— Vai ter negociação. As idades mínimas ficaram muito altas e a transição, muito pequena. Vamos buscar meio termo – diz o líder do PR na Câmara, José Rocha (BA).

 

O governo quer evitar atrasos na busca pela maioria. Por ser proposta de emenda à Constituição (PEC), a aprovação depende do apoio de 308 entre os 513 deputados. A demora na apreciação do texto teria repercussão negativa junto ao mercado e reduziria a força política do governo.

 

Para congressistas, o clima para a aprovação é melhor do que durante o governo de Michel Temer. No entanto, preveem longas discussões, em especial, com representantes de categorias que buscam reduzir os efeitos das mudanças propostas.

 

— Vemos que todo mundo é a favor da reforma da Previdência, desde que não mexa com os seus privilégios. Mas já é bom ter consenso de que a reforma é necessária – avalia o deputado Alceu Moreira (MDB-RS).

 

Durante a gestão Temer, a negociação para a antiga reforma contou com uma espécie de balcão, onde deputados apresentavam demandas e condições para apoiar o texto. Em paralelo, parlamentares da base aliada produziam mapas de votos. Em nenhum momento se alcançou o apoio necessário à aprovação.

 

Para a nova reforma, deputados afirmam que o Planalto ainda não deu início a conversas com a base aliada em busca de votos.  A falta de interlocução é citada por parlamentares experientes, que estranham a tímida movimentação e criticam os nomes indicados para as negociações, como o líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO).

— Não concordo com os nomes, mas eles estão sendo coerentes. Para (Rodrigo) Maia, é conveniente, porque ele terá muita influência sobre o líder do governo. Mas está na hora de o Planalto compor com os partidos e não só com as bancadas temáticas – adverte um dos principais nomes do PP na Câmara, referindo-se ao presidente da Casa.

 

Maia garantiu a imediata instalação da comissão especial que irá tratar da proposta a partir de agora. O grupo será responsável pelo texto final da reforma. Na última semana, ele se mostrou otimista.

 

— Acredito que, se tudo correr parecido, a gente vai ter esse debate feito, e a matéria pronta para votar no início de junho — disse.

 

O governo avalia ser possível aprovar as mudanças até o final de setembro.

 

PONTOS DE CONFLITO

Idade mínima

Atualmente, não há idade mínima para aposentadoria por tempo de serviço.

 

A proposta do governo aponta para 65 anos para homens e 62 para mulheres, valores intermediários entre o que queria a equipe econômica (65 para ambos) e Bolsonaro (65 para homens e 60 para mulheres). Foi a primeira informação divulgada com objetivo de analisar impacto e facilitar negociações.

 

Transição

 

O governo incluiu três possibilidades de transição. Na aposentadoria por tempo de contribuição, há a previsão de idades mínimas iniciais de 56 anos para mulheres e 60 anos para homens, elevadas até o limite de 62 anos para  mulheres (em 2031) e 65 anos para homens (em 2029). Para quem está muito próximo da aposentadoria, haverá por dois anos a opção de pedir o benefício pelas exigências atuais de tempo de contribuição, mas com pedágio e incidência do fator previdenciário sobre o valor do benefício.

 

A terceira alternativa será a aposentadoria por pontos, na fórmula 86/96.

 

Benefício de Prestação Continuada

 

A intenção de reduzir o valor, concedido a idosos de baixa renda com alguma deficiência, foi recebida de forma negativa até mesmo por aliados. A equipe econômica quer criar faixas etárias, com a concessão do benefício a partir dos 55 anos, mas sem chegar a pagar o salário mínimo integral.

 

Aposentadoria rural

 

O governo Bolsonaro dificultou o acesso à aposentadoria rural por meio de medida provisória, editada em janeiro, retirando protagonismo dos sindicatos rurais, que atestavam o tempo de serviço mínimo de 15 anos dos beneficiários.

 

Militares

 

Tema que opõe integrantes da equipe econômica e da ala militar do Planalto. Por não depender de mudanças constitucionais, as alterações poderiam ser encaminhadas ao Congresso em projeto de lei ordinário.

 

Tramitação da PEC no Congresso

 

Planalto prevê protocolar PEC da reforma da Previdência na Câmara na quarta-feira, dia 20

Proposta é encaminhada para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)

CCJ tem até cinco sessões para debater o texto e outra duas para votação do parecer do relator

Após, a PEC segue para a comissão especial criada exclusivamente para analisar seu conteúdo

Abre-se o prazo de 10 sessões para discussão da proposta e apresentação de emendas

O relator elabora uma alternativa ao texto original, com sugestões dos demais deputados que integram o grupo, dando origem a um substitutivo, que deve ser votado em até 40 sessões

Caso o prazo final seja ultrapassado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), poderá levar a PEC para votação em plenário. A reforma da Previdência proposta por Michel Temer ficou apenas sete dias na CCJ e 89 na Comissão Especial

Se a data de 20 de fevereiro for confirmada e a nova PEC seguir tramitação idêntica, a discussão e início da votação em plenário poderia começar na última semana de maio

Caso seja aprovada em dois turnos, com intervalo de cinco sessões entre cada votação, a PEC segue para o Senado

Chegando ao Senado, o texto vai direto para a CCJ

A Comissão deverá apresentar um parecer em até 30 dias

Após aprovação pela CCJ, a PEC segue direto ao plenário, onde sua aprovação também passa por dois turnos de votação, com intervalo de cinco sessões entre elas

Caso a proposta não seja alterada pelos senadores, o texto é promulgado em sessão do Congresso Nacional. Se for modificada, precisará de nova apreciação na Câmara.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

19/02/2019 - Três detentos fogem do Presídio Estadual de Cruz Alta

Três detentos do regime fechado fugiram do Presídio Estadual de Cruz Alta, na Região Norte do Rio Grande do Sul, na madrugada desta terça-feira (19), segundo informações da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe).

 

Eles estavam na mesma cela, junto com outros cinco presos. De acordo com a Superintendência, foram usados garfos e facas para abrir um buraco. Já a Brigada Militar informou que foram encontrados alicates, chaves de fenda e uma barra de ferro no local.

 

Os detentos escaparam pelo telhado de uma guarita que não tem monitoramento prioritário, por volta das 2h40. O alarme do presídio chegou a disparar.

 

A polícia acredita que a fuga foi planejada. Um carro aguardava os detentos do lado de fora. De acordo com a Susepe, o veículo usado na fuga foi encontrado queimado.

 

A Brigada Militar faz buscas na região para encontrar os presos. A Susepe divulgou os nomes deles: Ezequiel David Trindade, Cristin Vieira e José Felipe de Oliveira.

 

Fuga em massa

Na madrugada do último domingo (17), 13 presos conseguiram fugir do Presídio Estadual de Erechim, no Norte do Rio Grande do Sul. De acordo com a Susepe, quatro já foram recapturados. Eles foram encontrados em um matagal nos arredores.

 

Conforme a Brigada Militar (BM), dois buracos foram abertos: um entre as celas 15 e 16, onde os presos estavam, e outro que deu acesso à rua.

 

Na Serra, 10 detentos do regime semiaberto fugiram do albergue do Presídio Estadual de Bento Gonçalves, no dia 8 de fevereiro. Eles abriram um buraco na parede.

 

Mês passado, 17 presos do regime fechado fugiram do Presídio Regional de Passo Fundo, no Norte do Rio Grande do Sul. De acordo com informações da Susepe, três bandidos invadiram o local com uma caminhonete S10. Eles usaram o veículo para arrombar o portão. As câmeras de segurança da casa prisional registraram a ação.

 

Os presos acessaram o pátio do presídio depois de terem feito um buraco na parede de uma das celas e se esconderem no forro. Até agora, 13 já foram recapturados

 

 

 

Fonte: G1

19/02/2019 - Saúde libera recursos para atender moradores da região de Brumadinho

 

O Ministério da Saúde (MS) anunciou nesta segunda-feira a liberação de R$ 4 milhões para custear ações assistenciais para os moradores de 18 cidades afetadas pelo rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, no último dia 25. Segundo a pasta, os recursos serão destinados a assistência psicológica à população e aos profissionais que participam dos trabalhos de resgate das vítimas, bem como para ações de monitoramento da qualidade da água e do solo, com o propósito de prevenir doenças.

 

Entre as principais preocupações das autoridades em saúde estão os consequentes casos de ansiedade e depressão decorrentes do estresse pós-traumático - seja por vivência direta do desastre, seja pela perda de amigos e parentes. De acordo com o ministério, em Brumadinho dois Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e três Equipes Multiprofissionais de Atenção Especializada em Saúde Mental já foram habilitados, e mais dois Núcleos Ampliados da Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) ainda serão credenciados.

 

No total, a cidade receberá R$ 1,65 milhão. O ministério promete liberar os R$ 2,3 milhões restantes para Brumadinho e mais 17 cidades atingidas pelo desastre investirem em ações de vigilância, como prevenção e controle de epidemias e doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Essa quantia será distribuída entre Betim, Curvelo, Esmeraldas, Felixlândia, Florestal, Fortuna de Minas, Igarapé, Juatuba, Maravilhas, Mário Campos, Papagaios, Pará de Minas, Paraopeba, Pequi, Pompéu, São Joaquim de Bicas e São José da Varginha, além de Brumadinho.

 

A pasta ainda se comprometeu a acompanhar pelos próximos 20 anos o quadro de saúde de cerca de mil profissionais que participam dos resgates e buscas (Bombeiros, Força Nacional de Segurança, Defesa Civil, Ibama e outros) e das vítimas do rompimento da barragem. A ação terá a colaboração de pesquisadores de instituições como a Fiocruz, as universidades Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Rio de Janeiro (UFRJ) e a organização Médicos Sem Fronteiras. Se necessário, outras instituições referenciadas também poderão ser envolvidas. Até o momento, a Polícia Civil de Minas Gerais já confirmou 169 mortes causadas na tragédia. Outras 141 pessoas continuam desaparecidas.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

19/02/2019 - Previsão do tempo no RS: terça-feira será de sol, calor e pancadas de chuva

A terça-feira (19) será de sol, calor e pancadas de chuva em todo o Rio Grande do Sul. Durante a manhã, o sol predomina entre poucas nuvens e rapidamente as temperaturas se elevam. No período da tarde, há condições para pancadas de chuva bastante isoladas, pontuais e sem grandes acumulados, favorecidas por instabilidades em altos níveis atmosféricos. A precipitação mais expressiva é prevista para o Litoral Norte e Serra.

 

Na quarta-feira (20), há condições para pancadas rápidas de chuva no final do dia na faixa norte e Serra. Essa instabilidade vem acompanhada de eventuais trovoadas, mas com acumulados pouco expressivos. Na metade sul, de acordo com a Somar Meteorologia, o tempo firme predomina. As temperaturas voltam a subir e retorna a sensação de calor.

 

Confira como fica o tempo em algumas cidades:

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 33°C

Pelotas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 29°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 27°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 31°C

Santa Rosa: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 18°C e máxima de 31°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 17°C e máxima de 27°C

Uruguaiana: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 22°C e máxima de 33°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Tramandaí: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 29°C

Capão da Canoa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 30°C

Xangri-Lá: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 29°C

Rio Grande: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 23°C e máxima de 26°C

Mostardas: tempo aberto e com poucas nuvens. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 28°C

Bagé: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 19°C e máxima de 29°C

 

 

Fonte:  Gaúcha/ZH

19/02/2019 - Moradora de Alvorada arrecada e vende recicláveis para pagar castração de animais de rua

De segunda a sexta-feira, a autônoma Priscila Alves Silva, 34 anos, roda pelas ruas de Alvorada com seu carro, um Corsa 1.0, para recolher materiais recicláveis. O trabalho tem uma motivação nobre: depois de passar por cerca de 200 pontos de coleta durante a semana, ela vende os materiais e usa o dinheiro para custear a castração de animais de rua.

 

Protetora de animais “desde que se conhece por gente”, Priscila resolveu criar o projeto com recicláveis há cerca de cinco meses. Neste tempo, já foram cerca de 25 cachorrinhas e 15 gatas castradas. Apenas em sua casa, ela mantém 15 cães, fora outros 15 que estão em lares temporários – onde ela leva ração e materiais para cuidados básicos. A alvoradense prefere não revelar seu endereço, por receio de que cães sejam abandonados no local.

 

O tamanho da dedicação dela com os animais já não cabe mais no carro que dirige: com o material que recolhe nos pontos de coleta atualmente, Priscila enche o veículo. Sem conseguir coletar mais, ela tem de limitar, também, o número de animais que auxilia mensalmente.

 

O desejo dela é adquirir um veículo maior, que possa fazer o transporte de mais animais – atualmente, ela leva cinco ou seis a cada vez que visita o veterinário –, mas também de uma quantia maior de recicláveis. 

 

– Eu só tenho dois braços e um carro 1.0. Cheguei no meu limite, mas quero ir além – conta a autônoma.

 

Pedido

 

Para seguir com o projeto, batizado de 100% Vira-latas: Eu Apoio, ela criou uma vaquinha online para arrecadar doações. Além da vontade de ter um carro maior, Priscila ainda precisa de auxílio para manter o depósito onde guarda os recicláveis e as despesas com deslocamento.

 

– Não quero um carro novo. Se alguém tiver algum para doar, já seria ótimo. Uma Kombi antiga seria muito bem-vinda, por exemplo – cita Priscila.

 

Como ajudar

 

/// É possível doar na vaquinha online de Priscila por meio do link bit.ly/100viralatas

Caso de Justiça

O número de animais nas ruas de Alvorada fez com que a Justiça entrasse em ação. Em setembro de 2018, a 2ª Câmara Cível determinou uma série de ações por parte da prefeitura para o controle populacional de cães e gatos abandonados. Entre os pontos solicitados, estavam a readequação e execução de projeto de reforma e ampliação do prédio da Unidade de Vigilância em Zoonoses e implantação, em 90 dias, de uma política de controle populacional de cães e gatos.

 

Cinco meses depois, a prefeitura diz que tem realizado o trabalho de informação sobre o controle da população animal por meio de campanhas educativas. Além disso, promove feiras de doação e melhorias no canil municipal. Alvorada foi contemplada por uma emenda parlamentar que garante recursos para compra de um veículo para ser usado como “castramóvel”. Entretanto, não foi dada previsão para que essa verba chegue ao município.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

19/02/2019 - Em fuga, criminosos trocam tiros com a polícia e atropelam motociclista em Porto Alegre

Após assaltarem pedestres na zona sul de Porto Alegre, na noite desta segunda-feira (18), criminosos em fuga trocaram tiros com a polícia em uma perseguição que se estendeu até o bairro Santana. Conforme a Brigada Militar (BM), os assaltantes só pararam o veículo após atropelarem um motociclista na Avenida Princesa Isabel.

 

A BM conseguiu deter os três criminosos. Um deles foi encaminhado ao Hospital de Pronto Socorro (HPS) após ser atingido por um tiro, e os demais, para a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento.

 

O motociclista passa bem, segundo a BM. A polícia afirmou que a vítima recebeu atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e foi liberada em seguida.

 

Conforme o tenente Nelson Cattelan, a BM recebeu denúncias de que três homens em um Punto vermelho, com placas de Porto Alegre, estavam assaltando pedestres próximo à Avenida Teresópolis, na Zona Sul. O veículo teria sido roubado.

 

Uma guarnição deslocou-se até o local e encontrou os assaltantes — que não obedeceram a ordem de parada e fugiram em direção à Zona Leste. Durante a perseguição, houve pelo menos duas trocas de tiro entre criminosos e policiais, uma delas na Avenida Oscar Pereira.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

19/02/2019 - Pedidos de aposentadoria têm alta de quase 20% no RS com debate sobre reforma da Previdência

Às vésperas de a reforma da Previdência ser enviada ao Congresso, o número de pedidos de aposentadoria saltou quase 20% no Rio Grande do Sul. Em janeiro, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) recebeu 17,5 mil solicitações do benefício no Estado, alta de 19,9% em relação a igual mês de 2018. A marca é a maior para o período em 10 anos, conforme dados oficiais. 

 

No mês passado, os requerimentos também dispararam no país, inclusive em nível superior ao gaúcho. Em janeiro, o Brasil teve 234,6 mil pedidos, crescimento de 28,7% frente a 2018. Assim como no Rio Grande do Sul, a quantia é a mais elevada para o intervalo em uma década, período limite da série histórica do INSS.

 

– O aumento nos pedidos indica que as pessoas estão preocupadas com a reforma da Previdência. Mas é importante procurar especialistas antes de fazer os requerimentos. Quem já alcançou as exigências para se aposentar agora poderá alcançar o benefício com as regras atuais. Ou seja, já tem o direito adquirido – pondera o advogado Thiago Gonçalves de Araújo, diretor do Instituto de Estudos Previdenciários (Ieprev).

 

Espera-se que o presidente Jair Bolsonaro envie a proposta de reforma ao Congresso na quarta-feira (20). Até o momento, o governo federal não detalhou o projeto, mas adiantou que o texto prevê idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e de 62 para mulheres. Segundo o secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, a proposta ainda incluirá período de transição de 10 anos para trabalhadores e de 12 anos para trabalhadoras.

 

– Em face de declarações anteriores do presidente, a proposta é mais ousada, já que Bolsonaro vinha falando em idades mínimas mais baixas. Parece que entendeu que a reforma da Previdência é essencial – analisa o economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central (BC).

 

O debate sobre as mudanças no sistema de aposentadorias ganhou fôlego a partir de 2016, quando Michel Temer, antecessor de Bolsonaro, assumiu a Presidência.

 

O surgimento das discussões fez o número de pedidos de aposentadoria saltar 29,3% no Rio Grande do Sul em 2017, frente ao ano anterior – no Brasil, a alta foi de 21,2%.

 

A reforma desenhada pela equipe de Temer teve seu avanço abalado por denúncias contra o emedebista e acabou engavetada em fevereiro de 2018, com a intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro. A medida, encerrada em dezembro, impediu a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) necessária para alterações na seguridade social. Com a perda de fôlego do projeto, o número de pedidos de aposentadoria diminuiu seu ritmo de aumento em 2018, com alta de 7,8% no Estado. No mesmo período, as solicitações avançaram 8,2% no país, conforme o INSS.

 

– A reforma precisa ser feita nos dois lados, tanto no setor público quanto no serviço privado. Sem isso, em poucos anos, toda a arrecadação do governo federal será destinada à seguridade social – defende o economista Darcy Francisco Carvalho dos Santos, especialista em contas públicas.

 

Sócio do escritório Jobim Advogados Associados, Átila Abella afirma "não ser contra a reforma", mas avalia que as mudanças teriam de ser propostas com maior debate com a população.

 

– A Previdência está inserida no contexto de proteção social. Uma reforma não pode ser feita assim, abruptamente, só com o interesse do governo de fechar o caixa – argumenta Abella, cofundador do Previdenciarista, site voltado para advogados da área.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

19/02/2019 - Acusado de espancar empresária já foi investigado por bater no irmão deficiente

 

O advogado Vinicius Batista Serra, de 27 anos, preso após ser acusado de espancar a paisagista e empresária Elaine Perez Caparroz, de 55 anos, no apartamento dela, na Barra da Tijuca, na zona sul do Rio, na noite do último sábado (16) já tinha uma passagem pela polícia. Em 8 de fevereiro de 2016 ele agrediu o irmão, que é deficiente, segundo denúncia apresentada à polícia pelo próprio pai, que naquela ocasião também levou um golpe no rosto.

 

Segundo o registro policial, por volta das 2h30min o pai acordou ao ouvir gritos no quarto dos filhos. Ao chegar lá, viu Vinicius agredindo o irmão com golpes de jiu-jitsu. Ao tentar separar os filhos, o pai chegou a levar um golpe no rosto.

 

O agressor acusava o irmão de ter pego R$ 1,2 mil dele que haviam desaparecido. Mais tarde se descobriu que o dinheiro estava em outro local e não havia sido recolhido pelo irmão. A investigação acabou arquivada depois que o pai desistiu de acusar o filho.

 

Serra teve a prisão em flagrante convertida para preventiva nesta segunda-feira (18). O juiz Alex Quaresma Ravache, responsável pela mudança, também determinou que Serra seja submetido a avaliação médica psiquiátrica.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

19/02/2019 - Moro entrega pacote anticrime ao Congresso nesta terça-feira

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deve ir ao Congresso na tarde desta terça-feira (19) para protocolar o projeto de lei anticrime, considerado uma das vitrines do novo governo. O projeto prevê alterações em 14 leis, modificando pontos do Código Penal, do Código de Processo Penal, da Lei de Execução Penal, entre outros.

 

O objetivo, segundo o ministro, é endurecer o combate a crimes violentos, como homicídio e latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas.

 

Veja o que pode mudar caso o pacote seja aprovado

A previsão é que Moro apresente o projeto acompanhado de uma mensagem assinada pelo presidente Jair Bolsonaro. Antes, o ministro conversa com secretários estaduais de Segurança Pública e participa de reunião ministerial, no Palácio do Planalto.

 

Nas últimas semanas, Moro se reuniu com parlamentares, governadores, secretários de Segurança e magistrados para apresentar e detalhar as medidas. Inclusive, anunciou mudanças no texto para atender a reivindicações. 

 

Tramitação no Congresso

O projeto de lei de combate ao crime deverá tramitar paralelamente à proposta de reforma da Previdência, que deve ser apresentada ao Congresso nesta quarta-feira (20). Logo depois de assinar o texto, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento à nação, para explicar a necessidade de mudar as regras do setor.

 

Os pontos da reforma revelados até agora são a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com um cronograma de transição de 12 anos para quem está próximo dessas idades. O governo calcula que a reforma vai permitir uma economia de R$ 800 bilhões a R$ 1 trilhão nos próximos 10 anos.

 

Por se tratar de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), a reforma da Previdência precisa ser votada em dois turnos na Câmara e no Senado, com o apoio de no mínimo três quintos dos deputados e dos senadores em cada votação.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/02/2019 - Piratini vai focar esforços na PEC que extingue obrigatoriedade de plebiscito para venda de estatais

Por ora, o Piratini irá centralizar os esforços na aprovação da proposta de emenda à Constituição que extingue a obrigatoriedade de realização de plebiscito para a venda da CEEE, CRM e Sulgás. A PEC já está em tramitação na Assembleia e deve estar apta a votação no plenário a partir de 15 de abril. Segundo o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (PP), além da ampla base aliada, a defesa pública e incisiva das privatizações durante a campanha pelo governador Eduardo Leite (PSDB) facilita as negociações.

 

Otomar evitou falar em placar, mas sustentou a expectativa de que o Executivo obterá “número bem acima dos 33 votos necessários à aprovação da proposta”. Após o desfecho da PEC, chegarão ao Legislativo três projetos distintos de aval à privatização, alienação ou federalização da CEEE, CRM e Sulgás. Será um texto específico para cada empresa.

 

Outra proposta que estará entre as próximas que serão encaminhadas ao Legislativo é a de alterações na previdência gaúcha. O governo do Estado espera impacto por aqui atrelado ao texto que a União visa aprovar no Congresso Nacional, mas já trabalha em alterações que terão de ser colocadas em prática. A previdência, que somou déficit de R$ 11 bilhões em 2018 e cujo rombo, segundo Otomar, deve chegar a R$ 12 bilhões neste ano, tem sido a pauta principal das conversas de Leite com representantes de sindicatos de categorias do funcionalismo. Seis já foram visitados. O tema da previdência está sendo analisado pela secretaria do Planejamento. No comando da pasta, Leany Lemos afirmou na última semana que o aumento da contribuição dos servidores está entre as possibilidades em análise.

 

Contrários à PEC definem artilharia

 

Em minoria na Assembleia, deputados contra a derrubada do plebiscito para a venda da CEEE, CRM e Sulgás, tentarão impor o maior desgaste possível ao governador. Uma das estratégias será a de explorar a promessa de Leite, na campanha, de que faria a consulta à população nos primeiros seis meses de gestão.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

18/02/2019 - Ed Sheeran encanta Porto Alegre com seu violão, romantismo e simplicidade

Ed Sheeran é um artista fora da curva no mundo pop. Enquanto a maioria de seus contemporâneos usam e abusam de danças, efeitos imagéticos e sonoros em seus trabalhos e shows, o britânico mantém a simplicidade de quem está começando na carreira e não tem experiência para entreter multidões, ou de quem não é um dos principais nomes da música na atualidade. Na noite de domingo, data em que comemorou seus 28 anos e uma sólida trajetória profissional, foi o cantor que entregou ao público um presente, apresentando em Porto Alegre uma versão gigantesca de um show no melhor estilo pub: intimista, com quase nada além de um violão, um pedal de loop e um microfone. A Arena do Grêmio, lotada por 40 mil pessoas, assistiu à “Divide”, a turnê mais lucrativa de 2018, na qual o cantor desfilou seus hits tomados por um constante sentimentalismo e significados pessoais.

 

Em pontualidade característica dos ingleses, Ed apareceu nos telões exatamente às 21h, ainda no backstage, caminhando ao palco. Foi o suficiente para o ambiente ser tomado pelos de gritos da plateia que sufocou os acordes iniciais de “Castle on The Hill”, sua faixa tirada do disco que nomeia a tour e é inspirada em suas memórias de infância. Vestido de maneira casual - calça jeans e uma camisa - ele mostra desde o começo que não precisa de muito esforço para conquistar, bastam seu carisma e energia. Estava rasgando sorrisos e, no meio da música, soltou um “Porto Alegre, como vocêe está se sentindo?”, em um português carregado de sotaque.

 

Seu aniversário foi justamente o mote para sua primeira interação com a plateia. "É o mais longe que eu estou de casa no meu aniversário. Obrigado por terem vindo" disse. “Eraser”, com sua batida meio fantasmagórica e elementos tradicionais da cultura irlandesa, veio na sequência. “É incrível saber que é a primeira vez que algumas pessoas da plateia estão vendo um show meu. Tenho performado há muito tempo”, falou, destacando que, desde então, canta algumas das faixas que apresentava em bares e nas ruas, como “The A Team”. Do disco “+”, é um dos seus maiores sucessos, com o qual começou sua escalada à fama e deu continuidade à equação musical da noite. Foi arrebatadora, às luzes das lanternas dos celulares.

 

"Don’t" mostrou um lado mais enérgico e foi precedido por "Dive", uma balada sexy e cheia de pausas dramáticas. "Não me chame de bebê... a menos que você queira dizer isso", cantou, dividindo os vocais com boa parte da plateia eufórica que entoava o refrão a plenos pulmões. É verdade que muitos ali não conheciam todas as músicas e compraram ingresso embalados pelos hits que recentemente chegaram ao topo das paradas ou acompanhavam seus filhos e namoradas sem fazer a menor ideia de quem é Ed Sheeran. A esses, o astro da noite deixou uma mensagem: “vocês tiraram tempo do seu dia para ir a um lugar que não queriam ir e fazer alguém que vocês amam feliz. Sou muito grato por isso”.

 

Em “Bloodstream”, mostrou um lado mais maduro versando sobre “as vozes em sua cabeça”, enquanto os telões pintaram-se de vermelho, justamente como uma corrente de sangue. Na dinâmica do espetáculo, frequentes conversas que quebravam o ritmo, mas permitiam o contato com o público. Foi num desses bate-papos que o inglês comentou sobre seus dotes para a composição. São vários os artistas cujos hits foram escritos por ele. Para a noite, pinçou desse repertório “Love Yourself”, de Justin Bieber. O britânico emendou a melancólica e belíssima “Tenerife Sea”, numa entrega assistida em silêncio. “Kiss Me” e “Hearts don’t break around here” seguiram a seção.

 

Ed formou sua própria orquestra em “Give Me Love”, durante a qual pediu que todos cantassem um “oh” em harmonia enquanto ele interpretava os versos. A cada troca de música, o público ensaiava um “Parabéns para você" em inglês, mas estava difícil engajar toda a multidão. O canto, que vinha das arquibancadas ganhou força antes de “Galway Girl”, mas os acordes e o retorno nos ouvidos do artista certamente não permitiram que ouvisse. Ele deu continuidade ao seu cod-irlandês, que ganhou uma recepção acalorada com o público aplaudindo e cantando junto.

 

Mas foi com “I see Fire” que o aniversariante deu início ao ápice da noite. A música do filme "O Hobbit: A Desolação de Smaug” serviu de prelúdio para o sucesso absoluto de “Thinking out lout”. Se faltaram mil estrelas no céu para que os casais se beijassem, como sugere a letra, elas foram compensadas pelas lanternas dos celulares que lentamente balançavam no ar, seguradas por mãos trêmulas de emoção. Para arrematar o público, “One” e “Photograph”. É, sem dúvidas, o auge, onde as harmonias do britânico se encontram com a dos fãs e emoção toma conta. A olhar para os lados, não foi difícil perceber que o choro lavara os rostos de várias pessoas. “Perfect” fechou o momento colocando os apaixonados para “dançar no escuro”, juntinhos, com os isqueiros e telefones iluminando a Arena como vaga-lumes.

 

“Nancy Mulligan” e sua pegada celta agitaram o ambiente até que Ed anunciou que cantaria a última música, “Sing”, de seu primeiro álbum. E, assim como o nome da faixa diz, a multidão cantou até o artista repentinamente desaparecer do palco e os telões se apagarem. Não precisou nem de gritos para que ele retornasse para o bis. Trajado com a camisa amarela da seleção brasileira de futebol, voltou ao seu posto e colocou um chapéu de festa para interpretar “Shape Of You”. Ao som da trilha mais ouvido da história do Spotify, corpos de diferentes formas e idades dançavam em clima e alegria e celebração. Teria sido um excelente final, com a artista encerrando sua passagem pelo Brasil com a faixa que o consolidou na indústria, mas o britânico optou por fechar com uma menos conhecida, a intensa e enérgica “You Need Me, I don’t need You”.

 

Ed Sheeran pode não ser a cara e o visual de uma estrela pop, mas seu comportamento e a intimidade com a qual trata cada de um de seus espectadores em meio aos milhares que o assistem fazem com que ele brilhe. É um cantor cheio de alma, que fecha os olhos enquanto canta os refrões e torna sua entrega perceptível. Ele tem um domínio absurdo sobre seu público, se apresentando como um contador de histórias e causos capaz de sustentar duas horas de apresentação para um estádio lotado apenas com seu charme, romantismo e simplicidade. Poucos artistas solos conseguem isso, afinal, nenhum outro é o ruivo mais famoso da música que às vezes parece esquecer o tamanho de sua fama.

 

Passenger encanta plateia

 

“Só tenho uma música famosa, então espero que vocês não se importem que eu cante ela sete vezes”, disse Michael Passenger, que nos palcos responde pelo sobrenome, em um típico humor inglês, brincando sobre sua faixa “Let Her Go”.  O músico, muitas vezes confundido como uma banda, foi o responsável pelo show de abertura, E, se não era muito conhecido pelo público, certamente se fez notar e surpreendeu com canções que foram muito bem recebidas. O músico de 34 anos fez uma apresentação com vocais potentes, claros e penetrantes que preencheram os quatro cantos da Arena.

 

Ele não escondeu a emoção de estar na América do Sul pela primeira vez e chorou após interpretar a faixa que o consagrou no estádio iluminado pelos celulares. Recordou quando tocava em pubs e afirmou que não “esperava que fosse fazer tanto sucesso e tocar tanta gente ao redor do mundo”. No repertótio também entregou os singles "Suzanne", "I hate", "Hell or High Water" e  "Survivors". Outro momento marcante foi sua versão melancólica de “The Sound of Silence”, clássico dos gênios do folk Simon e Garfunkel.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

18/02/2019 - Semana começa com sol na maior parte do Rio Grande do Sul

 

Grande parte do Rio Grande do Sul terá outra vez sol e nuvens nesta segunda-feira. No Litoral Norte, por conta de um centro de baixa pressão na costa do Sul do Brasil, há previsão de maior nebulosidade e períodos de chuva.

 

Pode chover de forma localizada, especialmente da tarde pra noite, em diversas regiões pela circulação de umidade da área de baixa pressão interagindo com o ar quente sobre o continente.

 

Porto Alegre e a região Metropolitana devem ter sol e nuvens, mas não se pode descartar chuva isolada e passageira na segunda metade do dia. A manhã é agradável e a tarde de calor. A máxima na Capital será de 31°C.

 

Mínimas e máximas pelo RS

Porto Alegre 22°C / 31°C

Caxias 17°C / 26°C

Torres 20°C / 26°C

Erechim 18°C / 28°C

Passo Fundo 18°C / 29°C

Alegrete 19°C / 31°C

Livramento 17°C / 30°C

Bagé 17°C / 29°C

Rio Grande 21°C / 29°C

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

18/02/2019 - Setenta e oito presos aguardam vagas no sistema carcerário do RS

A situação que nos últimos anos incomoda a área de Segurança Pública se repete em Porto Alegre. Devido à falta de espaço no sistema penitenciário estadual, presos acabam sendo algemados nas viaturas da Brigada Militar (BM). Além de limitar a atividade policial, já que diminui o número de veículos e brigadianos nas ruas, a cena chega a parecer rotineira. Na manhã deste domingo, por exemplo, entre os presos, dois homens fumavam algemados dentro de um dos carros. A Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) confirmou que pelo menos 78 presos em delegacias aguardam vagas no sistema carcerário do Estado na manhã deste domingo.

 

Desse total, pelo menos três estavam em viaturas da Brigada em frente ao Palácio da Polícia, na Capital. Em uma delas, a situação inusitada: sem camisas e descalços, dois homens estavam algemados – um no banco do motorista e outro no porta-malas - fumando enquanto aguardavam transferência. 

 

Do lado de fora, brigadianos garantiam a custódia dos presos. O homem algemado ao volante de uma viatura se espreguiçava e bocejava deitado no lugar do motorista. Questionada, a Susepe afirmou que o procedimento adotado pela Brigada Militar (BM) durante a custódia dos presos fica a critério da corporação militar. Já a BM afirmou, inicialmente, que o procedimento já seria relativo às regras da Susepe, mas garantiu estar em busca de mais informações sobre a questão.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

18/02/2019 - Polícia investiga se incêndio em hospital foi criminoso

A Polícia Civil investiga a possibilidade de o incêndio que atingiu o Hospital Fêmina, em Porto Alegre, no sábado (16) ser decorrente de ato criminoso.

Imagens captadas por uma das câmeras de segurança do hospital mostram um homem em atitude suspeita junto a uma da salas atingidas pelo fogo. O suspeito foi flagrado mexendo no equipamento de filmagem que estava direcionado para o local onde o fogo teria começado.

 

A administração do hospital registrou ocorrência na 10ª Delegacia da Polícia Civil e entregou as imagens. Pelo fato de o hospital pertencer à União, pode ocorrer de a apuração ser deslocada para a Polícia Federal (PF).

 

Por enquanto, conforme o subchefe da Polícia Civil, delegado Fábio Motta Lopes, a Polícia Civil fará apuração preliminar e, se for o caso, mandará o material para a PF. Testemunhas já foram ouvidas na 10ª DP. 

 

O incêndio ocorreu na tarde do sábado (16), atingindo salas do sexto andar. Dois andares tiveram que ser evacuados. Trinta pacientes, entre eles 18 bebês da UTI neonatal, foram transferidos para outros hospitais. Eventual negligência por parte do hospital nas medidas necessárias para prevenção de incêndio também será verificada pela polícia.

 

Na manhã desta segunda-feira (18), a emergência do hospital está fechada, com previsão de normalizar o atendimento apenas na quarta-feira. A direção do Grupo Hospitalar Conceição promete falar nesta segunda-feira sobre o caso, também explicando o motivo de o hospital não ter Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio (PPCI) nem projeto tramitando junto ao Corpo de Bombeiros.

 

GaúchaZH apurou que o projeto para concluir o plano com aprovação dos Bombeiros está parado desde 2008, quando o Fêmina tentou impugnar uma multa.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/02/2019 - Segurança acusado de assassinato em supermercado tem condenação por agressão

Davi Ricardo Moreira Amâncio, de 32 anos, acusado pela morte de Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, no hipermercado Extra, na Barra da Tijuca, na quinta-feira (14), não poderia atuar na atividade de segurança privada. Amâncio, que trabalha há pouco mais de um ano na empresa Groupe Protection, deveria ter apresentado certidões negativas de antecedentes criminais. De acordo com reportagem exibida pelo programa Fantástico, da TV Globo, neste domingo (17), ele já havia sido condenado por lesão corporal depois de agredir uma ex-companheira.

 

O laudo do IML aponta que a morte do jovem foi causada por estrangulamento. Imagens exibidas pelo Fantástico mostram que o segurança permaneceu sobre Pedro Henrique por pelo menos sete minutos, apesar dos apelos da mãe de Gonzaga. As imagens e o depoimento de uma amiga da mãe do rapaz à polícia mostram que o segurança respondeu dizendo que a mãe estava mentindo.

 

O Extra, que pertence ao Grupo Pão de Açúcar, informou que os seguranças envolvidos foram definitivamente afastados e que instaurou uma sindicância interna para acompanhar as investigações. A reportagem não conseguiu falar com a empresa Groupe Protection, responsável pela segurança do hipermercado.

 

Ao Fantástico, o advogado da Groupe Protection declarou que a checagem da ficha criminal cabe à Polícia Federal e não à empresa. A exigência faz parte da portaria nº 3.233/2012, do Ministério da Justiça, que regula a atividade de segurança privada.

,

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/02/2019 - Reforma da Previdência será enviada na quarta-feira ao Congresso

A partir desta quarta-feira (20), o governo enfrentará o primeiro grande desafio na área econômica. A proposta de emenda à Constituição (PEC) que reforma o regime de Previdência dos trabalhadores dos setores público e privado será enviada ao Congresso, onde começará a tramitar na Câmara dos Deputados.

 

Logo depois de assinar o texto, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento. Ele explicará a necessidade de mudar as regras de aposentadoria e de que forma a proposta será discutida no Congresso.

 

 

Na última quinta-feira (14), o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, adiantou alguns detalhes do texto, fechado em reunião entre o presidente e os ministros da Economia, Paulo Guedes, da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

 

Os pontos revelados até agora são a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com um cronograma de transição de 12 anos para quem está próximo dessas idades. O acordo foi resultado de uma negociação entre a equipe econômica e o presidente.

 

Originalmente, a equipe econômica tinha pedido idade mínima unificada de 65 anos para homens e mulheres, para os trabalhadores dos setores público e privado. O presidente gostaria de uma idade mínima de 65 anos para homens e 60 para mulheres. A área econômica defendia 10 anos de transição, o presidente pedia 20 anos.

 

Somente na quarta-feira serão revelados detalhes ainda não divulgados, como a proposta para aposentadorias especiais de professores, policiais, bombeiros, trabalhadores rurais e profissionais que trabalham em ambientes insalubres. Também serão informadas as propostas para regras como o acúmulo de pensões e de aposentadorias e possíveis mudanças nas renúncias fiscais para entidades filantrópicas.

 

Governadores e a reforma

No mesmo dia marcado pelo governo para a entrega do texto da proposta da reforma da Previdência ao Congresso Nacional, governadores de todos os Estados voltam a se reunir , pela terceira vez, em Brasília, para discutir a agenda econômica do país. No encontro, os chefes dos Executivos estaduais esperam conversar diretamente com o ministro da Economia. O Planalto não confirmou a presença do presidente Jair Bolsonaro.

 

— É um tema essencial duplamente. Primeiro, por ter impacto fiscal direto nas contas e, segundo, porque com a reforma temos o equilíbrio das contas, com repercussão em toda a economia — afirmou o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

 

A aposta de governadores em situações semelhantes à vivida por Leite é que com a solução do déficit previdenciário, o governo federal ganhe margem para ajustar outras contas, causando impacto global na economia. A expectativa dos estados é por maior distribuição de recursos e atração de investimento privado.

 

— Essa é uma estratégia essencial para o Brasil, para promovermos o equilíbrio das contas públicas — disse o governador gaúcho.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Diretor de futebol do Guarani de Venâncio Aires é morto a tiros durante assalto

O diretor de futebol do Guarani de Venâncio Aires foi morto a tiros na noite desta quinta-feira (17), em Mato Leitão, no Vale do Rio Pardo (17). Éder Silva foi morto quando chegou em casa, na localidade de Santo Antônio.

 

O delegado Felipe Staub Cano afirma que a principal hipótese é de que se trata de um latrocínio (roubo com morte). Segundo o delegado, a casa de Éder estava revirada e alguns objetos de valor desapareceram. Eletrodomésticos também estavam embalados para serem levados.

 

—Ele chegou em casa e logo depois houve os disparos. Pela bagunça toda que tinha dentro de casa, não era uma coisa que se faz em pouco em tempo. Então provavelmente eles entraram mais cedo e estavam lá quando ele chegou — afirmou Cano.

 

O dirigente havia passado o dia fora de casa e estava retornando com o filho, que presenciou a ação.

 

Através de relatos de testemunhas, a Polícia Civil acredita que ao menos dois criminosos participaram da ação. Até o momento, ninguém foi preso. 

 

Atualmente diretor de futebol, Silva ingressou na categoria de base do Guarani em 1996 e teve uma passagem pelo futebol profissional. Por meio de nota, o clube lamentou o acontecimento.

 

"É com uma tristeza infinita no coração que comunicamos o falecimento de nosso ex Atleta e atual Diretor de Futebol Éder Silva.

 

Éder iniciou sua trajetória no EC Guarani nas categorias de Base em 96, teve passagem no futebol profissional, atualmente Éder atuava como Diretor de Futebol no Novo Projeto do EC Guarani.

 

Um torcedor apaixonado pelo clube, que voluntariamente dedicava parte dos seus dias ao Clube. Ficaram as recordações de um homem dedicado que deu e ensinou muito a todos nós.

 

Não temos palavras para expressar os nossos sentimentos. Pedimos a Deus que conforte o coração dos familiares e amigos neste momento de dor."

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Equipe econômica do governo estuda reforma com benefício menor que o salário mínimo

O governo de Jair Bolsonaro estuda incluir na proposta de reforma da Previdência mecanismo de concessão de aposentadoria rural e Benefício de Prestação Continuada (BPC) — concedido a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda – que permitiria pagar menos de um salário mínimo, atualmente em R$ 998.

 

A ideia é adotar o modelo conhecido como “fásico” (em fases), no qual o segurado poderia solicitar mais cedo a ajuda da União, desde que aceite receber valor abaixo do mínimo. Para abrir caminho à mudança, o Palácio do Planalto avalia transformar a aposentadoria rural em benefício assistencial, resgatando seu status anterior à Constituição de 1988.

 

A discussão sobre enquadrar o pagamento aos aposentados do campo como Previdência ou assistência ocorre porque hoje o benefício é concedido sem comprovação de contribuição. Aliados do governo dizem que a modalidade facilita fraudes.

 

— Tem trabalhador rural aposentado que tem a mão mais lisa que a minha – critica Paulo Tafner, um dos autores de uma das propostas que estão sendo analisadas pela equipe do ministro de Economia, Paulo Guedes.

 

De acordo com Tafner, há muitas brechas na lei que permitem fraudes, como a verificação de que um segurado é trabalhador rural apenas com declaração de entidade sindical:

 

— Todos os sindicatos estão perdendo filiados, menos os de trabalhadores rurais. A população rural está diminuindo no Brasil e os sindicatos só fazem crescer.

 

Ideia surgiu em 2017 com apoiadores do presidente

A proposta do modelo fásico foi levantada na comissão especial da reforma da Previdência em 2017 pelos irmãos Arthur e Abraham Weintraub, professores da Unifesp e integrantes do governo Bolsonaro. Eles foram apresentados à campanha do então candidato pelo hoje ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

 

Na época, o modelo previa a possibilidade de pedir o benefício assistencial a partir de 55 anos, com valor de 25% do salário mínimo. A partir dos 60 anos, seria 50%, subindo para 75% aos 65 anos. A integralidade só seria concedida acima de 70 anos. 

 

 O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Junior, reafirmou nessa quinta-feira (17) que o governo trabalha para enviar a proposta ao Congresso o mais rápido possível, tendo vista que as chances de aprovação são maiores no período inicial do mandato de Bolsonaro.

 

 Governo também quer limite à soma de pensão e aposentadoria

 Além da possibilidade de criar benefício com valor abaixo do salário mínimo, a proposta de reforma da Previdência da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, quer impor limite ao acúmulo de aposentadoria e pensão. Um terço dos pensionistas (ou 2,4 milhões de pessoas) também recebe aposentadoria. O custo é de R$ 64 bilhões por ano.

 

 A ideia que deve ser apresentada ao presidente Jair Bolsonaro é criar mecanismo redutor desses benefícios quanto maior for o valor da soma dos dois. A medida só valeria para as concessões posteriores à reforma, de forma a não afetar pagamentos já em vigor para evitar judicialização do tema.

 

 Hoje, não existe restrição ao acúmulo. Segundo o governo, há casos de pessoas que recebem seis benefícios ao mesmo tempo. Todos dentro da lei. Na proposta do ex-presidente Michel Temer, que deve ser aproveitada em parte por Bolsonaro, a soma de aposentadoria e pensões estaria limitada a dois mínimos (R$ 1.996)

 

 Um dos formatos avaliados no momento prevê que, se a soma dos benefícios ficar acima do mínimo e chegar a até três salários, o corte seria de 20%. Entre três e cinco mínimos, de 40%. No intervalo entre cinco e oito salários, somente a metade seria paga. Para quem ganha acima de oito mínimos, a tesourada chegaria a 60%

 

 – Está crescendo o número de pessoas que acumulam pensão e aposentadoria. E no caso de pessoas jovens, há exemplos de quem acumula pensão, aposentadoria e renda do trabalho. É um absurdo. Não são as pessoas, as regras que estão erradas. Precisamos arrumar – diz o economista Paulo Tafner, que integra equipe de Guedes.

 

Fim do valor integral para pensão com morte

 O texto em elaboração também deve incluir o fim do pagamento integral de pensão por morte. A ideia é que as regras no Brasil se aproximem das de países europeus, onde o valor do benefício é dividido em cotas e leva em conta o número de dependentes deixados pelo falecido. Entre as hipóteses avaliadas, está a de manter o benefício integral apenas para viúvas com três ou mais filhos menores.

 

 Segundo cálculos do Planalto, as pensões por morte respondem por cerca de 25% dos gastos do INSS com benefícios. Em novembro de 2018, custaram R$ 14 bilhões de um total de R$ 59,4 bilhões.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - RS é o Estado com mais áreas em estudo de demarcação de terras indígenas

Fortemente identificado com o setor rural, o presidente Jair Bolsonaro começou seu mandato mexendo em temas sensíveis ao agronegócio, como identificação, delimitação, demarcação e registro de territórios indígenas – competências que passaram a ser do Ministério da Agricultura e não mais da Fundação Nacional do Índio (Funai). O próprio órgão indigenista deixou a pasta da Justiça no início do mês para ser incorporado à dos Direitos Humanos. Com 19 territórios em estudo pelo governo para possível demarcação, o maior número entre todos os Estados, o Rio Grande do Sul será afetado pelo cenário de mudanças.

 

Segundo a Funai, essas áreas são tradicionalmente ocupadas por caingangues ou guaranis e distribuídas por 23 municípios. Bolsonaro já declarou que, se depender dele, "não tem mais demarcação", posicionamento apoiado pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul). Para a entidade, a população indígena tem "terras suficientes" para seu desenvolvimento econômico e social e avalia como "naturais" as alterações feitas por decreto.

 

— Independentemente a qual ministério esteja vinculada, o importante é que a Funai perca seu viés ideológico e político. Isso vinha causando enorme tensão nessas áreas — sublinha o presidente da comissão de Assuntos Fundiários da Farsul, Paulo Ricardo Dias.

 

Já a direção da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) contesta a mudança por avaliar que o governo acata "reivindicação da classe ruralista" e coloca os "interesses privados acima dos coletivos".

 

— Envio dos processos administrativos de demarcação para o Ministério da Agricultura atende a interesses contrários aos direitos dos povos indígenas — sustenta a coordenadora-executiva da organização, Sônia Guajajara.

 

A população indígena que mora em áreas próprias no Brasil soma 517.383 pessoas. Dessas, 18.266 (3,53%) estão no Rio Grande do Sul, Estado com 29 áreas demarcadas em 41 municípios e ocupadas por caingangues, guaranis e guaranis mbya. Na avaliação de Dias, também vice-presidente da comissão de Assuntos Fundiários da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a demarcação das 19 áreas ainda em estudo levaria a mais conflitos, principalmente no raio de aproximadamente 150 quilômetros ao redor de Passo Fundo, onde encontram-se inúmeras reservas, como a do Carreteiro, em Água Santa.

 

— Esperamos que, com a nova orientação do governo, essas áreas em estudo não sejam demarcadas. Causaria mais tensão. Além de novos territórios, os índios buscam ampliar as que já são suas — complementa Dias.

 

O território Carreteiro, demarcado em 1911, é uma reserva distante dois quilômetros do centro do município. Os moradores da aldeia, de origem caingangue e vizinha de lavoura de soja, reivindicam expansão da área, hoje de 602,98 hectares. A população da reserva era de 245 indígenas em 2010, conforme dados mais atualizados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Atualmente, há 17 processos em tramitação na Justiça envolvendo disputa de terras com índios no RS, conforme a Advocacia-Geral da União (AGU).

 

Procuradoria-Geral da República é acionada

Tão logo o presidente Bolsonaro anunciou a retirada da demarcação de terras indígenas da Funai, em 1º de janeiro, a Apib protocolou representação pedindo que a Procuradoria-Geral da República ingresse com ação judicial para devolver ao órgão a atribuição de identificar essas áreas.

 

A organização que representa os índios solicitou, ainda, a instauração de inquérito civil para investigar e monitorar os atos e processos administrativos de demarcação que irão tramitar na pasta. Para a coordenadora-executiva da Apib, o presidente deixou claro, com as alterações, que seu compromisso é "com o que há de mais atrasado no Brasil":

 

— Essas ações e as falas de Bolsonaro geram vulnerabilidade e dão respaldo para a intolerância indígena — pontua Sônia.

 

A Funai não quis se manifestar e o Ministério da Agricultura informou que criará um conselho "para que as demarcações sejam feitas através dele".

 

No radar do presidente, estão também outras pautas de interesse do setor agropecuário, como reforma agrária, anistia de produtores em débito com o Funrural e flexibilização da posse de arma, anunciada na quarta-feira (16).

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Caminhão carregado de madeiras tomba na RS-020, em Gravataí

Um caminhão que carregava madeiras tombou, por volta das 5h30min desta sexta-feira (18), na altura do quilômetro 17 da RS-020, em Gravataí. O trânsito está em meia pista e é monitorado pelos policiais do Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM).

 

A madeira está espalhada no acostamento e o bloqueio ocorre no sentido Gravataí/Taquara.

 

Houve apenas danos materiais e o local do acidente é próximo à parada 96, no distrito de Morungava. Até as 7h30min, o trânsito no local não apresenta congestionamento. Não há previsão de liberação do trecho.

 

O primeiro objetivo será retirar o caminhão da via e, depois, será providenciado a retirada da madeira. O CRBM ainda apura as causas do acidente. No entanto, como o veículo teve a carga virada em um trecho de reta, não se descarta excesso de peso ou mal acondicionamento das madeiras.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Chuva ganha força e calor perde intensidade no RS; confira a previsão

A sexta-feira (18) tem predomínio de tempo instável em todo o Rio Grande do Sul, com chuva volumosa especialmente na metade sul. Nestas áreas, as temperaturas caem em relação aos últimos dias, aliviando a sensação de calor.

 

Permanece o risco para temporais com trovoadas, descargas elétricas, além de rajadas de ventos superiores a 80 km/h da faixa norte ao litoral do Estado. Tudo isso ocorre por conta do deslocamento de uma área de baixa pressão atmosférica no sul do Paraguai para a costa do Rio Grande do Sul até o final do dia.

 

Chuva perde força no sábado

 

O sábado (19) começa com chuva mais isolada pelo Estado, e com instabilidades menos intensas que nos dias anteriores. De acordo com a Somar Meteorologia, o risco de precipitações volumosas e temporais diminuem sobre praticamente todo o RS. Na faixa leste, o dia permanece nublado e pode chover a qualquer hora. Já na metade oeste, as condições são apenas para pancadas rápidas e isoladas. As temperaturas amenas na região contrastam com o calorão observado nos últimos dias.

 

Temperaturas amenas predominam no domingo

 

As instabilidades continuam perdendo intensidade no domingo (20), inclusive no Litoral. Nestas áreas, o céu permanece com bastante nebulosidade. Já no interior do Estado, as temperaturas seguem amenas, com condições apenas para chuvas rápidas e isoladas, sem volumes significativos.

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 28°C

Pelotas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 19°C e máxima de 22°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 18°C e máxima de 27°C

Santa Maria: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 26°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 28°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 32°C

Uruguaiana: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 19°C e máxima de 23°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 26°C

Tramandaí: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Capão da Canoa: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Xangri-Lá: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Rio Grande: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 22°C

Mostardas: tempo instável, com chuva isolada. Mínima de 21°C e máxima de 25°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 17°C e máxima de 29°C

Bagé: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 17°C e máxima de 18°C

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Defesa Civil envia mais de duas toneladas de alimentos para atingidos pela chuva na Fronteira Oeste

Os municípios de Fronteira Oeste recebem, nesta sexta-feira (18), alimentos, roupas, calçados, produtos de higiene e limpeza e móveis vindos de doações reunidas pela Defesa Civil do Estado. Segundo o subchefe da corporação, coronel Rodrigo Dutra, São Gabriel vai receber todos os colchões disponíveis.

 

— São 42 colchões para São Gabriel, onde seguimos em alerta pela velocidade com que o Rio Vacacaí tem subido com as chuvas de ontem (quinta-feira) – informou.

 

O município de Quaraí também receberá mantimentos. São 2,1 quilos de alimentos, 105 cestas básicas, 60 litros de leite, 3 mil peças de roupas, 200 pares de calçados, além de itens de cama, mesa e banho, travesseiros e materiais para limpeza das casas atingidas pela enxurrada.

 

A cidade segue em alerta e a Defesa Civil monitora a subida das águas. Nesta quinta-feira, choveu 80 milímetros no município – o que equivale a mais de 20% de toda a chuva que atingiu a Fronteira Oeste na última semana.

 

As famílias que passaram até cinco dias em casas de amigos e parentes voltaram para suas residências entre quarta-feira e quinta-feira, mas há preocupação de novas remoções devido à previsão de mais temporais.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Sobe para 21 o número de mortos após explosão de carro-bomba em Bogotá

Subiu para 21 o número de mortos no ataque com carro-bomba ocorrido na quinta-feira (17) em uma academia de polícia no sul de Bogotá, capital da Colômbia. Outras 65 pessoas ficaram feridas no que o governo local classificou como "ato terrorista insano".

 

O autor do ataque foi identificado pelo Ministério Público local como José Aldemar Rojas Rodríguez, que entrou às 9h30min (12h30min de Brasília) em uma caminhonete cinza Nissan Patrol de 1993 na Escola de Oficiais General Francisco de Paula Santander.

 

Rojas Rodríguez também morreu no ataque, revelou um membro do MP, acrescentando que ainda não há informação sobre possíveis ligações do autor com grupos armados que operam no país.

 

— (Este) Ato terrorista insano não ficará impune, os colombianos jamais se submetem ao terrorismo, sempre o derrotamos, esta não será a exceção — disse o presidente Iván Duque em declaração à imprensa ao lado do procurador-geral, Néstor Humberto Martínez.

 

O veículo de Rodríguez, que, segundo o MP, tinha passado por uma revisão em julho de 2018 em Arauca (fronteira com a Venezuela), explodiu durante uma cerimônia de promoção de oficiais e cadetes.

 

— Ouvi como se o céu tivesse caído na minha cabeça. Foi uma explosão muito grande e, quando saí, havia muita fumaça — disse Rocío Vargas, vizinha do local.

 

Segundo relatos da polícia, um cão farejador detectou os explosivos no automóvel. Quando foi descoberto, Rodríguez acelerou o carro e atropelou um policial. Três militares foram atrás do veículo que, segundos depois, explodiu.

 

Esse é o pior ato de terror na capital colombiana desde fevereiro de 2003, quando os rebeldes do atual partido Farc detonaram um carro-bomba no clube El Nogal. Trinta e seis pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/01/2019 - Venezuelanos terão que deixar abrigos em Canoas até 31 de março, diz prefeitura

A prefeitura de Canoas informou que o convênio com o governo federal para o acolhimento de venezuelanos no município não será renovado. Com isso, as famílias que estão morando em Canoas terão de deixar os abrigos até o dia 31 de março.

 

Segundo o Executivo de Canoas, a decisão pela não continuidade do acordo de cooperação é da União e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur/ONU). O contrato tinha duração prevista e poderia ser renovado. Ao todo, 305 venezuelanos foram encaminhados para Canoas durante o processo, que foi nomeado como interiorização.

 

A secretária de Desenvolvimento Social de Canoas, Luísa Camargo, afirmou que o município já vinha trabalhando com a possibilidade do fim do programa.

 

— A gente já vem trabalhando na perspectiva do desligamento deles dos centros, porque isso não é o ideal e um programa de imigração. É uma formatação emergencial. O ideal é que eles tenham suas próprias casas e comecem a se inserir na vida da comunidade e trabalhando. Isso já estava previsto desde setembro.

 

Luísa destacou que a prefeitura está trabalhando junto aos venezuelanos na busca por moradias:

 

— A equipe técnica está buscando com eles imóveis com preços mais acessíveis. Vamos organizar campanha de doações de imóveis e utensílios domésticos para eles conseguires se organizar dentro de suas residências.

 

A prefeitura de Canoas informou que conseguirá manter por mais nove meses alguns serviços, como auxílio com documentação, orientação jurídica, inserção de adultos no mercado de trabalho e de crianças na rede municipal de educação. A continuidade dessas ações nesse período ocorre em razão de recursos do governo federal e de parceria com a Fundação La Salle.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/01/2019 - Mandarim e francês: as outras línguas do comércio no Litoral Norte do RS

No verão, o Litoral Norte do Rio Grande do Sul não fala apenas português e o eventual castelhano. Um ouvido atento ao comércio local identifica também mandarim e francês – idiomas dos imigrantes que vendem roupas e acessórios e, inclusive, chegam a contratar mão de obra brasileira.

 

Pela barreira de idiomas, nomes brasileiros costumam ser adotados e a comunicação, por vezes, depende mais de expressões e simpatia do que da gramática. Os chineses de Capão da Canoa moram em São Paulo e vêm para o Estado no verão. Os de Tramandaí ficam na cidade o ano inteiro. Senegaleses, por sua vez, mudam-se apenas durante o veraneio e focam sua atuação como ambulantes à beira-mar, atendendo os banhistas. Neste caso, os francófonos saem de São Paulo ou do interior do Rio Grande do Sul em busca do agito nas férias dos gaúchos. Venezuelanos, apesar do aumento do fluxo migratório nos últimos meses no Estado, não foram identificados em peso nas praias gaúchas.

 

Roupas e acessórios são os principais artigos de venda dos comerciantes estrangeiros. Há réplicas de marcas famosas, como Adidas, Nike e Louis Vuitton, e de camisas de clubes de futebol do Brasil e do mundo. Há também produtos legítimos, como blusas africanas, roupas artesanais, colares e pulseiras.

 12 horas ao sol sem garantia de retorno

Há seis anos, o senegalês Davi, como gosta de ser chamado, trabalha como vendedor de roupas em Passo Fundo, mas, na alta temporada, circula pelas areias de Capão. As vendas são instáveis, mas ainda é melhor do que a situação no país natal. Há três anos, Davi não vê a esposa e os três filhos.

 

— Várias vezes, andei 12 horas no dia e não vendi um centavo. Mas tem dias que vendo R$ 500. No Senegal, não tem trabalho. Aqui, posso trabalhar e mandar dinheiro para minha família. Meu sonho é visitar eles — afirma o vendedor, que veste camisa da Seleção Brasileira e fala francês, inglês, português e espanhol.

 

Longe das areias, Awa Faed aluga um espaço em um shopping de Tramandaí durante o verão. Ela veio de Mbour, município de 230 mil habitantes na costa do Senegal, e mora no Brasil há nove anos – já viveu em Caxias do Sul e hoje reside em Passo Fundo. Em Tramandaí, ela é famosa: vários lojistas orientaram a reportagem a procurar uma “mulher negra, alta e sorridente, muito bonita”. Em sua banca, ela vende roupas comuns ou com estampas africanas, além de acessórios. No verão, mal vê a areia da praia.

 

— Só passeio no inverno. No verão, trabalho o tempo todo — diz, abrindo um sorriso no rosto, Awa, que emprega duas brasileiras: uma costureira e sua filha, vendedora.

Vendas ocorrem de dezembro ao Carnaval

O senegalês Bathie Gueye, 50 anos, residente em Passo Fundo há nove anos, foi abordado por GaúchaZH nas ruas de Tramandaí ao fim da tarde, quando já dera o expediente por encerrado. Ele arrastava um carrinho com centenas de roupas, colares, pulseiras e bolas, uma rotina repetida de dezembro ao Carnaval. No alto do veículo de madeira, tremulavam as bandeiras do Senegal e do Rio Grande do Sul. Ele conhecia a comerciante Awa e o marido. Com português fluente, revela de forma bem-humorada a influência do tempo sobre os negócios:

 

— A gente reza para não chover. Quando chove, não tem trabalho e eu descanso. Mas, para a Awa, ela trabalha em dobro, porque as pessoas vão para o shopping. Os senegaleses vivem que nem irmãos. Se é do Senegal, é irmão.

 

Fechados, chineses optam por lojas em shoppings

Em Tramandaí, Capão da Canoa e Torres, é fácil encontrar uma loja gerida por um chinês dentro de um shopping. Em geral, eles vêm de Qing Tian, condado do sul da China. Há vários familiares e conhecidos da região nas praias gaúchas, mas a comunidade é extremamente fechada. Até algumas semanas atrás, uma loja administrada por chineses em Tramandaí, anunciava: "Precise-se de trabalhador, mora perto de loja". Com a reportagem, muitos fingem não falar português.

 

Sem se identificar, um jovem chinês resume sua relação com a beira-mar:

 

— Não gosto de ir para o mar. É muito quente — revela.

 

Em Capão da Canoa, Alex, de 30 anos, aluga um espaço em um dos shoppings para vender artigos até cerca de 23h, em uma jornada de pelo menos 12 horas. Ele não estava satisfeito com as vendas neste ano.

 

— Esse ano está ruim. Acho que as pessoas estão com menos dinheiro — opina o chinês, já querendo encerrar a conversa.

 

Lucas, 35 anos, tem uma loja repleta de tênis, camisetas, camisas e bolsas no Centro de Capão da Canoa. A maioria réplica de marcas famosas. Camisas polo da marca Lacoste, por exemplo, são vendidas a R$ 65. Modelos semelhantes não saem por menos de R$ 280 no site oficial da marca.

 

—  Tá fraca a venda. Esse ano está pior do que o ano passado — reclamava, com as poucas palavras que sabia de português.

 

Muitos chineses empregam brasileiros em suas lojas. Larissa Conti, 19 anos, trabalhou em 2016 como vendedora e conta que as lojas de orientais são as que mais faturam, muito pela compra em atacado em grande quantidade, o que reduz o preço final.

 

— Eles acordam e trabalham, acordam e trabalham. Minha chefe estudava português pelo celular. Colocava a palavra no tradutor do Google, ouvia a pronúncia e me perguntava o que significava — diz a jovem.

 

Comerciantes locais reclamam do que chamam de "concorrência desleal". O secretário-executivo da Associação Comercial e Industrial de Capão da Canoa, Mário Santos da Cruz, diz que muitos brasileiros perdem vendas pela oferta de produtos ilegais dos estrangeiros e que a entidade já tentou dificultar a entrada de gringos no veraneio, sem sucesso.

 

— Tentamos legalizar eles com alvarás, mas não foi bem aceito por alguns. Perdemos cerca de 7% dos clientes para eles. São produtos de marcas falsificadas e atraem a população — conta Cruz.

 

Em Tramandaí, o secretário da Indústria e Comércio, Gilberto de Matos da Rosa, diz que os chineses têm alvará e comercializam de forma legal. Os senegaleses ambulantes, no entanto, promovem venda de produtos falsificados e sem nota fiscal – podem, portanto, ter a mercadoria apreendida em fiscalização.

 

— A gente acredita, inclusive, que os senegaleses daqui se abastecem com produtos falsificados de chineses que vivem em São Paulo — afirma o secretário, resumindo uma conexão inusitada entre as duas nacionalidades.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/01/2019 - Após facilitar posse de arma, Bolsonaro prevê viabilizar porte a passos lentos

Após dar aval ao decreto que facilita a posse de armas no país, o governo de Jair Bolsonaro quer mais tempo para aprovar mecanismos que flexibilizem o porte de armamentos.

A possibilidade de moradores de todos os Estados requisitarem a posse de armas sem ter que comprovar necessidade efetiva era uma promessa de campanha de Bolsonaro, mas o porte não entrou no decreto assinado nesta terça-feira (15), porque isso poderia gerar questionamentos judiciais.

 

Auxiliares próximos do presidente acreditam que a discussão sobre o direito de carregar armas na rua -o porte- é mais delicada e deve ser feita em parceria com o Congresso.

Além disso, ponderam, é preciso focar as articulações com os parlamentares para a aprovação da reforma da Previdência, hoje principal bandeira da equipe econômica comandada por Paulo Guedes (Economia).

 

O temor desses assessores é que duas propostas controversas -o porte de armas e as mudanças nas regras para aposentadoria- sejam debatidas ao mesmo tempo no Legislativo, prejudicando suas tramitações.

 

A ideia do governo é que Bolsonaro e sua tropa de choque mantenham o discurso público favorável ao porte de armas, que tem aderência em parte de seu eleitorado, e monitorem o clima sobre sua aceitação no Congresso. Caso seja positivo, podem tentar construir acordo para o projeto.

 

Na terça-feira (15), por exemplo, o presidente prometeu avançar nas discussões sobre porte e redução da idade mínima para a compra de armas, hoje em 25 anos. Segundo Bolsonaro, esse e outros temas vão ser debatidos com sua equipe quando ele retornar do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

 

"Após voltarmos de Davos, continuaremos conversando com os ministros, para que juntos, evoluamos nos anseios dos CACs (colecionador, atirador, desportista ou caçador), porte, monopólio e variações sobre o assunto, além de modificações pertinentes ao Congresso, como redução da idade mínima", escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter.

 

O discurso de auxiliares do Planalto é de que a medida que facilitou a posse já foi um "grande avanço" do governo e agora é preciso ter cautela para debater o porte. O ministro Sergio Moro (Justiça) foi um dos que vocalizaram a ideia. Em entrevista à GloboNews nesta terça, Moro afirmou que "não há nenhum movimento" em sua pasta para debater o porte de armas e que, se houver qualquer proposta nesse sentido, é preciso "ser muito bem estudada", porque o tema é "delicado".

 

Moro trabalha, inclusive, para que seu pacote de segurança avance no Congresso antes dessa discussão. As medidas defendidas por ele envolvem combate à corrupção, à violência e ao crime organizado.

 

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, por sua vez, falou abertamente sobre o porte de armas em área rural ser "rapidamente resolvido", mas não explicitou nada sobre o porte em áreas urbanas. Segundo ele, há um projeto sobre porte em área rural já aprovado na Câmara e haverá um esforço para acelerá-lo no Senado. "É uma demanda de anos", afirmou.

 

Bancada da bala

Integrantes da Frente Parlamentar da Segurança Pública, a chamada bancada da bala, querem aproveitar o discurso do governo como oportunidade para tentar acelerar a tramitação de proposta que libera o porte. Atualmente esse grupo, que apoiou a eleição de Bolsonaro, conta com 299 dos 513 deputados.

 

Na nova Legislatura, que se inicia em 1º de fevereiro, a bancada deve manter número semelhante de congressistas. A ideia desses parlamentares é fazer ajustes num projeto de lei já existente sobre o tema, aprovado em comissão especial no ano passado, e levá-lo para votação em plenário o quanto antes, ainda no primeiro semestre, mesmo se a reforma da Previdência estiver em pauta.

 

O coordenador da frente, deputado Capitão Augusto (PR-SP), quer apresentar uma nova versão do texto já no mês que vem.

 

— Vamos começar a trabalhar assim que tiver a posse [dos deputados eleitos]. O norte, agora, já temos, que é a flexibilização do porte de armas. Vamos ouvir os deputados, a gente quer um consenso na questão da idade, dos critérios para a concessão. Para não perder tempo, dá para encaminhar o próprio relatório que já foi aprovado em comissão e, no plenário, apresentar emendas, para adequá-lo ao perfil e à vontade do novo Congresso.

 

Embora a reforma da Previdência seja a prioridade do governo, o deputado diz que não há obstáculo para que a discussão sobre o porte seja feita simultaneamente, em busca de um acordo com os líderes partidários.

 

O debate principal, diz, será sobre a idade mínima e as situações em que será permitido carregar armas, bem como o curso e o tipo de exame psicológico necessários. "São coisas muito distintas. Previdência é questão econômica e Previdência é questão de bandeira. Então, você pode, em paralelo, estar trabalhando isso aí para levar quase que pronta (a proposta) para votar e evitar resistência".

 

Representação

A Defensoria Pública de São Paulo entrou com representação para que procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entre no STF (Superior Tribunal Federal) com pedido de liminar para suspender os efeitos do decreto que flexibiliza a posse de armas no país.

 

O defensor Rafael Lessa, que encabeça a representação, afirmou que o decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) é inconstitucional porque afronta uma lei em vigor, o Estatuto do Desarmamento.

 

No texto promulgado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003, há a obrigação de comprovar a efetiva necessidade de obter uma arma de fogo por parte de quem tem interesse na posse do armamento. "O decreto banaliza essa necessidade e a estende para o país inteiro", diz o defensor.

 

Para embasar o texto do decreto, Bolsonaro usou números do Atlas da Violência e determinou que as regras para a posse de armas seriam afrouxadas em estados com mais de 10 homicídios para cada 100.000 habitantes. Atualmente, não há um só estado no Brasil que apresente índice de criminalidade abaixo disso.

 

— Ele foi além de seu papel como presidente da República. Para aprovar uma lei que afronte outra em vigor é preciso seguir os trâmites no Congresso — disse o defensor.  — Há um risco para as pessoas diante da possibilidade de maior acesso a armas — completou.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/01/2019 - RS já soma R$ 385,9 milhões em prejuízos provocados pelo mau tempo

As primeiras estimativas do estrago deixado pelo excesso de chuva no Rio Grande do Sul apontam perdas de pelo menos R$ 385,9 milhões em áreas como lavoura, pecuária, infraestrutura pública e residências.

 

Esse é um cálculo inicial que leva em consideração um levantamento prévio da Emater em 102 municípios com lavouras de arroz afetadas pelo mau tempo no Estado e danos informados à Defesa Civil pelas três prefeituras que tiveram decretos de situação de emergência homologados e publicados no Diário Oficial até esta quarta-feira (16) — São Gabriel, Alegrete e Uruguaiana.

 

A cifra poderá se multiplicar de forma significativa à medida que as águas baixarem e mais municípios contabilizarem as consequências do aguaceiro.

 

Do valor inicialmente apurado, R$ 327 milhões correspondem a uma primeira análise de prejuízos feita pela Emater. A entidade não detectou perdas com impacto significativo em outras culturas até o momento, embora possa haver casos pontuais. O diretor técnico da Emater, Lino Moura, afirma que o montante poderá aumentar ou se reduzir nos próximos dias.

 

— Precisamos aguardar que a água baixe para verificar de fato o tamanho do estrago. Pode subir, mas também pode ser possível recuperar parte. Por enquanto, é apenas uma estimativa.

 

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) chegou a avaliar que os danos poderiam ser ainda mais abrangentes, chegando a cerca de R$ 720 milhões, mas a Emater não contabilizou prejuízos nesse patamar até o momento. A entidade pretende divulgar um relatório mais preciso amanhã.

 

Outras perdas já foram comunicadas formalmente à Defesa Civil estadual pelas prefeituras das três cidades mais afetadas pelo mau tempo. Excluída a agricultura dessa conta (para evitar que um mesmo número seja contado duas vezes, já que a Emater realizou um levantamento à parte), sobram outros R$ 58,9 milhões de prejuízo relatados em estradas, infraestrutura urbana, pecuária, comércio, serviços e em residências. 

 

Prefeituras ainda contabilizam estragos

Esse valor também poderá ser alterado substancialmente, já que outros 10 municípios encaminharam decretos de emergência para a Defesa Civil até esta quarta-feira (16). Esses documentos precisam ser reconhecidos, mediante a análise de dados enviados de cada cidade retratando os problemas, para permitir o acesso a auxílio e recursos dos outros níveis de governo. Além do trio de municípios mais atingidos, que já obteve esse reconhecimento, hoje deverão ser homologados novos decretos.

 

 — Muitas prefeituras ainda estão contabilizando os estragos. Muitas vezes encaminham informações básicas apenas para homologarmos a situação de emergência, mas há um prazo de 15 dias para o envio da documentação completa – afirma o tenente Rodrigo Lopes Duarte, analista de processo de homologação da Defesa Civil.

 

Quando se consideram todos os estragos comunicados pelas prefeituras ao órgão estadual, incluindo a destruição nas lavouras, a maior parte do prejuízo estimado inicialmente se concentra mesmo na agricultura. São Gabriel apresentou a fatura mais alta até agora, com perdas calculadas em R$ 172 milhões. Alegrete relatou impactos pesados também em suas estradas municipais, com levantamento prévio de R$ 30,8 milhões em estragos provocados pela inclemência da chuva.

 

Números iniciais

 Dados preliminares informados pelos municípios mais atingidos pela enchente à Defesa Civil:

 

São Gabriel

Agricultura: R$ 172,389 milhões

Pecuária: R$ 9,271 milhões

Estradas: R$ 4 milhões

Residências: R$ 180 mil

 

Uruguaiana

Agricultura: R$ 60 milhões

Comércio: R$ 5,3 milhões

Infraestrutura pública: R$ 3,5 milhões

Residências: R$ 2,4 milhões

Serviços: R$ 1,5 milhão

Pecuária: R$ 113 mil

 

Alegrete

Agricultura: R$ 37,3 milhões

Estradas: R$ 30,8 milhões

Residências: R$ 1,84 milhão

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/01/2019 - Leite decide vetar projeto que libera venda de bebidas alcoólicas dentro de estádios

 

O governador Eduardo Leite anunciou, nesta quarta-feira (16), que vai vetar o projeto de lei que libera a venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol no Rio Grande do Sul. O texto, aprovado na Assembleia Legislativa no fim do ano passado, prevê que a comercialização fica liberada até o intervalo dos jogos e depois das partidas.

 

Leite tomou a decisão após reunião com representantes do Ministério Público (MP-RS) e com a cúpula da segurança pública do Estado, nesta quarta. A venda e consumo desse tipo de bebida são proibidos nesses locais desde 1º de abril de 2008. Um dos principais argumentos usados para o veto é o de que a medida visa reduzir a violência em jogos de futebol.

 

“Os argumentos trazidos hoje, além de outros que já haviam chegado, me ajudaram a tomar a decisão, que tem como base a questão da segurança e implica diretamente na crise fiscal do Estado. Uma eventual liberação de bebidas demandaria um aumento de efetivo nos jogos, algo que o governo não tem condições de arcar neste momento”, disse Leite, por meio de nota.

 

Leite destacou que dados repassados pelas secretarias de Segurança Pública (SSP) e da Saúde sustentam o veto. A Saúde informou que estudos comprovam que a "ingestão de bebidas alcoólicas potencializa o comportamento agressivo das pessoas e pode resultar em atos de violência", segundo o Piratini.

 

O comandante-geral da Brigada Militar, coronel Mário Ikeda, defendeu que houve significativa redução nas ocorrências durante os jogos após a proibição das bebidas alcoólicas em estádios. O MP citou lei federal que proíbe esse tipo de venda e de consumo nesses locais.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/01/2019 - RS tem alerta de chuva intensa e vento forte nesta quinta

Assim como nos últimos dias, a quinta-feira (17) será de tempo instável sobre todo o Rio Grande do Sul. A boa notícia fica por conta da diminuição do calor intenso sobre o Estado, ainda que a sensação continue sendo de abafamento em alguns momentos do dia. Os maiores acumulados ficam concentrados no Norte, mas com volumes bem inferiores aos da última semana.

 

Segundo a Somar Meteorologia, a expectativa é que as pancadas, além de mais volumosas, venham acompanhadas por trovoadas, descargas elétricas e até queda de granizo. Na Fronteira Oeste, o céu será mais nublado e a chuva ocorre a qualquer momento do dia.

 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta de acumulados entre 50 e 100 mm/dia, rajadas de vento intensas, de 60 a 100 Km/h, e queda de granizo. Devido ao solo encharcado, causado pelo volume dos últimos dias, há um risco maior de alagamentos e deslizamentos na Fronteira Oeste e na Campanha.

 

Na sexta-feira (18), a formação de uma nova área de baixa pressão atmosférica aumenta as instabilidades sobre o Rio Grande do Sul. Ao longo do dia, a expectativa é de tempo instável e chuva volumosa especialmente na metade sul do Estado. Há chances de temporais com trovoadas, descargas elétricas, além de rajadas de ventos superiores a 80 km/h no Litoral.

 

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades:

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Pelotas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 27°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 28°C

Santa Maria: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 28°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 36°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 33°C

Uruguaiana: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 28°C

Rio Grande: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 26°C

Mostardas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 27°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 20°C e máxima de 31°C

Bagé: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 24°C

Tramandaí: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 28°C

Xangri-Lá: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 28°C

Capão da Canoa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 28°C

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/01/2019 - Preso escondia nove celulares, isqueiro, drogas e cabo USB no próprio estômago em SC

Um apenado da Colônia Penal Agrícola de Palhoça, na grande Florianópolis, Santa Catarina, foi flagrado com nove celulares, isqueiro, cabo USB e drogas introduzidos no próprio estômago. A descoberta ocorreu na terça-feira (15), quando o detento retornou à unidade após uma saída temporária de sete dias.

 

Agentes desconfiaram do comportamento do preso, que é pessoa com deficiência física  e usa muletas, e o submeteram à revista no detector de metais. Como o equipamento apontou a presença de algo metálico, o apenado foi levado até o Complexo de São Pedro de Alcântara para observação no scanner corporal, que confirmou as suspeitas.

 

Além dos celulares, os demais objetos estavam distribuídos em 52 invólucros separados. O preso passou por um procedimento cirúrgico para a remoção do material e continua internado. O caso repercutiu com surpresa até mesmo entre servidores mais experientes do sistema prisional.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

16/01/2019 - Governo reajusta aposentadoria em 3,43% e teto chega a R$ 5.839,45

Os aposentados e pensionistas que recebem mais de um salário mínimo terão reajuste de 3,43% no benefício em 2019. A portaria foi publicada no Diário Oficial da União na manhã desta quarta-feira e assinada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O texto também fixa o valor máximo da aposentadoria (teto) em R$ 5.839,45. Até 2018, era de R$ 5.645,80. As pessoas que recebiam um salário mínimo em 2018, de R$ 954, passam a receber o valor sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, de R$ 998.

       

• Região Sul tem menor número de inadimplentes em 2018

 

A portaria informa que a Secretaria da Receita Federal do Brasil, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) vão adotar as medidas necessárias nos casos de descumprimento dos valores determinados pela nova regra.

 

O aumento da aposentadoria geralmente é calculado com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor, índice do IBGE divulgado na última sexta-feira. O reajuste é menor do que o do salário mínimo, que subiu 4,61%, de R$ 954 para R$ 998 em 2019.

 

Contribuições ao INSS

 

A portaria também reajustou o valor de contribuição dos segurados empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos. A partir de 2019, quem tem salário de contribuição de até R$ 1.751,81 pagará 8% de imposto. O percentual será de 9% para quem recebe entre R$ 1.751,82 até R$ 2.919,72 e de 11% para salários de contribuição entre R$ 2.919,73 até R$ 5.839,45.

Os aposentados e pensionistas que recebem mais de um salário mínimo terão reajuste de 3,43% no benefício em 2019. A portaria foi publicada no Diário Oficial da União na manhã desta quarta-feira e assinada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O texto também fixa o valor máximo da aposentadoria (teto) em R$ 5.839,45. Até 2018, era de R$ 5.645,80. As pessoas que recebiam um salário mínimo em 2018, de R$ 954, passam a receber o valor sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, de R$ 998.

       

• Região Sul tem menor número de inadimplentes em 2018

 

A portaria informa que a Secretaria da Receita Federal do Brasil, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) vão adotar as medidas necessárias nos casos de descumprimento dos valores determinados pela nova regra.

 

O aumento da aposentadoria geralmente é calculado com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor, índice do IBGE divulgado na última sexta-feira. O reajuste é menor do que o do salário mínimo, que subiu 4,61%, de R$ 954 para R$ 998 em 2019.

 

Contribuições ao INSS

 

A portaria também reajustou o valor de contribuição dos segurados empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos. A partir de 2019, quem tem salário de contribuição de até R$ 1.751,81 pagará 8% de imposto. O percentual será de 9% para quem recebe entre R$ 1.751,82 até R$ 2.919,72 e de 11% para salários de contribuição entre R$ 2.919,73 até R$ 5.839,45.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

16/01/2019 - Facilitação da posse de arma de fogo é "apenas primeiro passo", diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse pelo Twitter, na tarde desta terça-feira que a mudança promovida visando a facilitação da posse de arma de fogo é "apenas o primeiro passo". Decreto assinado pelo presidente simplificou o caminho para o cidadão obter autorização da Polícia Federal para a posse da arma, licença que prevê que o equipamento poderá ser mantido dentro da residência ou no local de trabalho.

 

"Por muito tempo, coube ao Estado determinar quem tinha ou não direito de defender a si mesmo, à sua família e à sua propriedade. Hoje, respeitando a vontade popular manifestada no referendo de 2005, devolvemos aos cidadãos brasileiros a liberdade de decidir", escreveu o presidente.

 

Em outra mensagem, ressaltou que o decreto também prevê o aumento do prazo de renovação da arma, de três para dez anos, além de ter acabado "com a subjetividade para a compra, que sempre foi dificultada ou impossibilitada". O presidente já indicou que, além do decreto, deverá dialogar com o Congresso para realizar outras mudanças no Estatuto do Desarmamento.

 

• Governo estuda redução de imposto para comprador de armas de fogo, diz Onyx

 

A maior parte das propostas vem da Câmara, onde foram apresentados 324 dos 362 projetos, e onde ainda tramitam 180 deles. O foco dos legisladores tem sido atacar restrições à concessão de porte de arma de fogo, a autorização para se andar armado na rua, visando facilitar a permissão para várias categorias profissionais, de pilotos de aeronaves comerciais a caminhoneiros.

 

Os projetos envolvem ainda ideias como a criação de um porte rural de arma de fogo, o aumento de penas para quem for flagrado cometendo crimes com uso de armas e até mesmo a revogação de competência da Polícia Federal no assunto, devolvendo as atribuições às polícias estaduais, como era antes de 2003. A proposta considerada mais avançada é o PL 3722/2012, do deputado Rogério Peninha (MDB-SC), que tramitou em comissão especial, mas não foi votada em plenário.

 

Quando tratar o assunto no Congresso, Bolsonaro estará entre amigos. Aliados próximos, e ele mesmo, figuram entre os que mais propuseram projetos sobre o tema. O deputado Alberto Fraga (DEM-DF) está no topo, com 17 projetos, entre eles o que quer conceder porte de arma a deputados e senadores. Completam a lista, o agora ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, além do senador eleito Major Olímpio (PSL-SP) e o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

16/01/2019 - PRF amplia fiscalização no RS com o uso de drones

A cada hora de operação com drone, nos dias de movimento nas rodovias federais, é possível flagrar mais de 150 ocorrências de imprudência ou infração de trânsito no RS. Esse é o dado da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que começou no fim do ano passado a utilização dos equipamentos.

 

De acordo com o chefe de Comunicação Social da instituição, Cássio Garcez, o drone pode chegar a 120 metros de altura, atinge sete quilômetros de autonomia de voo e consegue fazer um monitoramento de 14 quilômetros de rodovia. “Só no período de teste, entre Natal e Ano-Novo, pelo menos 150 multas foram feitas. Entre as mais comuns, estão transitar pelo acostamento, má condução, veículos disputando corrida na rodovia, ultrapassando pela direita e até no acostamento”, detalha.

 

• Brigada Militar e PRF realizam operação para coibir roubos de cargas na BR 386

 

O drone possibilita uma visão geral da estrada, o que facilita a ação, caso seja necessária a abordagem. “Temos profissionais treinados para pilotar a ferramenta. É possível operar com a tela do computador ou por meio dos óculos, quando o operador consegue ver a imagem do trânsito e nos repassar”, expressa.

 

Segundo Garcez, o policial rodoviário federal pode estar em um ponto fixo – na BR ou em algum viaduto – ou no interior da viatura durante uma ronda. “É importante para nossas ações, porque é uma ferramenta que permite monitorar um trecho maior de rodovia tanto para infrações de trânsito quanto para situações de crime. A gente pode acompanhar veículos que estejam traficando armas ou drogas”, explica.

 

Atualmente, a PRF possui cinco drones. Na Região Metropolitana, são quatro em ação. Em Caxias do Sul, na Serra, é utilizado para monitorar as estradas de competência federal.

 

“É uma novidade, a instituição está investindo em equipamentos e em novas tecnologias. A partir de agora usaremos com mais frequência. A ideia é aproveitar o momento de verão já que as estradas têm maior fluxo. Durante o ano, o foco será no combate à criminalidade”, explica.

 

Drone pode salvar vidas

 

O drone também permite monitorar acidentes que ocorrem nas rodovias federais. “Isso permite que as viaturas cheguem antes e os policiais rodoviários federais consigam saber o tipo de solução que vão ter que empregar, se é preciso acionar a ambulância para prestar socorro às vítimas. É uma ferramenta que propicia a chegada antecipada do socorro médico, em situações mais graves”, destaca Garcez.

 

De acordo com ele, esse acionamento ágil é fator chave na sobrevivência da vítima. Na Região Metropolitana, por exemplo, vários acidentes foram atendidos e a situação solucionada com mais agilidade. Garcez diz que alguns deles fecharam completamente a BR 116 e, através do equipamento, foi possível verificar o melhor caminho para chegar até o local da ocorrência. “Nosso helicóptero também está com um equipamento de geração de imagens novo, que possui uma lente mais poderosa que consegue identificar placas e suspeitos.”

 

O novo aparelho possibilita identificar os alvos em uma distância maior. “Ele foi utilizado para testes na freeway e flagrou vários automóveis trafegando pelo local de forma irregular. Esse mesmo tipo de operação pode ser feita com custo praticamente zero, com o drone.”

 

Na freeway, o trânsito pelo acostamento tem sido o alvo das ações neste início de ano, principalmente nos dias de retorno do Litoral, quando há movimento intenso ou quando ocorre um acidente, momento em que a estrada para e é quase automático o aumento do número de condutores que partem para manobras proibidas.

 

“Existe um risco grande, porque estão no acostamento veículos em pane, bicicletas, então é extremamente arriscado. Ele não pode ser usado de forma alguma. Não existe trânsito pelo acostamento em lugar nenhum. É uma infração de trânsito”, frisa.

 

No RS, excepcionalmente havia a permissão de tráfego, por uma questão da antiga administradora. “Ainda assim era em um trecho bem curto. Isso não existe mais. Transitar pelo acostamento gera multa de R$ 880,00 e ultrapassar outros veículos pelo acostamento é R$ 1.400,00. É uma multa bem cara, mais sete pontos na carteira, em qualquer uma delas”, alerta.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

16/01/2019 - Brigada Militar e PRF realizam operação para coibir roubos de cargas na BR 386

A Polícia Rodoviária Federal e a Brigada Militar deflagraram entre a noite de terça-feira e a madrugada desta quarta-feira uma operação para coibir os recorrentes roubos de cargas na região entre os municípios de Taquari e Paverama. Na BR 386, os criminosos armados atacaram um caminhão baú Volkswagen carregado de aparelhos de ar-condicionado e alguns televisores.

 

A PRF e a BM mobilizaram-se rapidamente então para a área. Em um matagal ao lado da estrada, em Taquari, o efetivo do 4ºBPM descobriu o local onde as mercadorias estavam transferidas para outro veículo de mesmo porte. No entanto, quatro bandidos atiraram contra os policiais militares e ocorreu um confronto. Os assaltantes desapareceram no interior dos mato em meio à escuridão e à chuva. O motorista do caminhão foi resgatado ileso. Um caminhão Volvo, usado pelos ladrões para a baldeação da carga, foi recolhido junto.

 

Em seguida, o efetivo da PRF localizou um Ford Focus, de cor prata, abandonado no km 376 da BR 386, cerca de dois quilômetros distante do local do caminhão. No interior do veículo, com placas clonadas, foram encontradas duas máscaras; duas toucas ninjas; sete potes e dois baldes com uma grande quantidade de miguelitos; dois aparelhos bloqueadores de sinal; quatro radiocomunicadores com três carregadores; mais de 60 cartuchos de munição de calibres 9mm, 357 e 380; alicate de corte; um giroflash; três alavancas metálicas; um carregador de bateria; sete pares de luvas; três jaquetas; duas mochilas com pertences pessoais; um carrinho de transporte; entre outros objetos.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

16/01/2019 - Eduardo Leite apresenta prioridades do 1º ano: privatizações e carreira do funcionalismo

 

O governador Eduardo Leite (PSDB) apresentou privatizações e revisão sobre as carreiras do funcionalismo como prioridades para o primeiro ano de sua gestão aos deputados estaduais que farão parte da Legislatura a qual se inicia em fevereiro. Revelou que pretende eliminar a exigência de plebiscito para vender estatais e realizar mudanças profundas em questões envolvendo o funcionalismo e até mesmo novas alterações na Previdência dos servidores.

 

Foram oito reuniões durante a tarde, no Palácio Piratini, com parlamentares de siglas diversas. Segundo o governador, os encontros ocorrerão com todos os que aceitarem o convite e desejarem identificar convergências entre os mandatos e os planos da Administração.

 

“Nós temos a nossa agenda para o Estado, que foi legitimada pelas urnas. Mas é importante reconhecermos que a agenda de cada um dos deputados também está validada. Por isso, é importante identificarmos convergências para que possamos acelerar processos de projetos que vão para a Assembleia Legislativa”, apontou Leite.

 

• Bolsonaro sanciona Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões

 

Na terça-feira, o governador recebeu parlamentares eleitos pelas siglas MDB, PSB, PSD, PSL, PDT e PSDB. As conversas ocorreram no gabinete e foram abertas apenas para os assessores mais próximos dos convidados. Ao lado de Leite, esteve presente apenas o secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (PP), a quem foi confiada a missão de dar redação aos projetos e propiciar trânsito para as matérias do Executivo entre os gabinetes e as bancadas do Legislativo.

 

A determinação do governador é de que as convergências sejam valorizadas para assegurar apoio em plenário para o conjunto de pautas polêmicas as quais deverão ser apresentadas ainda no primeiro semestre.

 

“A pauta do governador Leite se assemelha em muito com os temas que encaminhamos e defendemos juntamente com o governador Sartori. A busca pelo equilíbrio financeiro, privatizações, redução do tamanho do Estado, revisão das carreiras públicas são pautas sobre as quais temos disposição de conversar”, apontou o ex-secretário de Governo, Carlos Búrigo (MDB), braço direito de Sartori na administração passada. Búrigo é suplente, mas será conduzido ao mandato com a participação de Juvir Costella (MDB) como secretário na gestão de Leite.

 

Partido que não integra a base do governo, o PSL teve duas audiências, com os deputados eleitos Capitão Macedo e Vilmar Lourenço. “É inteligente, da parte do governador, identificar as bandeiras e regiões de representação de cada parlamentar. Importante é saber o momento certo de buscar os possíveis apoios. Não temos divergências significativas. Acredito na redução do Estado, nas privatizações e na necessidade de negociar com os servidores e sensibilizar as corporações. Vi em Eduardo Leite muita determinação para realizar reformas profundas, que ele precisa fazer logo. Temos só um ponto para atacar. É mirar e atirar”, disparou Lourenço (PSL), que irá ao primeiro mandato.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

16/01/2019 - "Petrobras foi saqueada num volume sem paralelo no governo Lula", afirma Moro

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou, na terça-feira (15), em entrevista à GloboNews, que a Petrobras foi "saqueada em um volume sem paralelo" durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A declaração foi feita em resposta à pergunta sobre argumentos da defesa do petista à Justiça de que Moro foi um juiz parcial e o perseguiu durante processos judiciais.

 

O ministro afirmou que Lula não "faz parte" de seu "presente", nem do "futuro".

 

— O fato é que a decisão que eu proferi foi confirmada por três desembargadores que permanecem em suas posições — disse Moro. — O que existe é um álibi falso de perseguição política. O fato é que a Petrobras durante o governo do ex-presidente foi saqueada num volume às vezes sem paralelo no mundo — acrescentou.

 

Moro ressaltou ainda que "a própria Petrobras reconheceu R$ 6 bilhões em desvios".

 

— Pra onde foi esse dinheiro? Esse dinheiro foi para enriquecer ilicitamente diversos agentes públicos daquele governo e parcelas beneficiaram o ex-presidente. Esse álibi parte do pressuposto de que esse escândalo de corrupção não aconteceu — concluiu o ministro.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

16/01/2019 - Fotógrafo é morto durante assalto a produtora de eventos em Cachoeirinha

Um homem foi morto na tarde desta terça-feira (15), durante um assalto a uma produtora de eventos na Avenida Amazonas, na Vila Vista Alegre, em Cachoeirinha, na Região Metropolitana. O crime aconteceu por volta das 17h.

 

Carlos Douglas Rodrigues, 31 anos, trabalhava como fotógrafo para a produtora Charms Eventos.

 

— Era meu irmão mais velho, sempre cuidou de mim. Sempre foi uma relação boa, sempre fomos companheiros um do outro — disse a irmã Joice Morgana Rodrigues, de 24 anos.

 

Conforme informações da Polícia Civil, o criminoso teria entrado no local e pedido para fazer uma fotografia 3x4. Em seguida, anunciou o assalto. Segundo os policiais, o criminoso teria obrigado Rodrigues a ficar de joelhos. Depois, atirou contra a cabeça da vítima. O fotógrafo morreu no local.

 

Segundo os familiares, nada foi levado da produtora. Inclusive o veículo de Rodrigues ficou estacionado em frente à loja. O celular do fotógrafo também não foi levado. A polícia suspeita que a vítima tenha reagido ao assalto, hipótese contestada pelos familiares.

 

— Era brincalhão, não era o tipo dele reagir — afirmou Joice.

 

O proprietário da produtora, Olímpio Fagundes, 66 anos, relatou que Rodrigues não ia ao local diariamente, já que prestava serviços eventuais de fotografias para a empresa. Ele estaria editando algumas imagens dentro da produtora, quando o assaltante teria chegado ao local.

 

— Não costumávamos deixar a porta aberta, sempre trabalhamos com a grade fechada e por meio de campainha. Casualmente estava aberta e ele entrou pedindo para fazer essa foto — relatou o empresário.

 

Um funcionário que presenciou o crime foi levado para Delegacia de Polícia para prestar depoimento.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

16/01/2019 - RS pode ter chuva intensa e vento forte nesta quarta

Diversas regiões do Rio Grande do Sul registraram chuva nas primeiras horas desta quarta-feira (16). De acordo com a Somar Meteorologia, entre a noite de terça-feira (15) e a madrugada de quarta, os maiores acumulados foram verificados em Porto Alegre, com cerca de 52mm, o que é praticamente a metade do acumulado esperado para janeiro na cidade (110,1mm).

 

Ao longo do dia, o Estado deve ter pancadas moderadas e fortes de chuva. Embora os maiores volumes abarquem do centro ao leste do RS — incluindo a fronteira sul com o Uruguai, litoral sul e Capital — os maiores riscos de transtornos como alagamentos e deslizamentos ocorrem na Fronteira Oeste.

 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou um alerta para precipitação de até 50 mm/dia, vento intenso, entre 40 e 60 km/h, e queda de granizo.

 

Segundo a Somar, as rajadas de vento podem ser superiores a 80 km/h na metade sul e passar dos 70 km/h na Região Metropolitana de Porto Alegre. As temperaturas diminuem um pouco no Estado, por conta do aumento de nebulosidade e chuva, especialmente na metade sul.

 

 

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades:

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 33°C

Pelotas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 28°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 27°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 32°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 33°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 32°C

Uruguaiana: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 31°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 34°C

Tramandaí: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 33°C

Capão da Canoa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 35°C

Xangri-Lá: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 34°C

Rio Grande: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 28°C

Mostardas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 29°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 32°C

Bagé: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 30°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

16/01/2019 - Enchentes comprometem lavouras e dão prejuízos a produtores rurais

A chuva que castiga a metade sul do Estado, especialmente a Fronteira Oeste e Região da Campanha, já começa a trazer prejuízos significativos também para o setor agrícola, em especial para as lavouras de arroz.

 

De acordo com levantamento divulgado nesta terça-feira (15) pela Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), a produção gaúcha do cereal, que representa 70% do que é colhido no país, deve encolher de 8,2 milhões de toneladas, em 2018, para 7,3 milhões de toneladas. Uma reunião de entidades do setor nesta quarta, em Alegrete, deve anunciar o balanço das perdas.

 

O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, explica que os números previstos para este ano são próximos da safra 2015/2016, quando enchentes também atingiram o Rio Grande do Sul. Em confirmada essa redução na colheita, a projeção é de que o faturamento caia 11%, o que representa R$ 720 milhões a menos do que na safra anterior. A situação preocupa o secretário de Agricultura e Pecuária de Alegrete, Daniel Gindri:

 

— Somos o quarto maior produtor de arroz do Estado, e mais de 60% do PIB do município está relacionado à produção agropecuária, e por isso estamos muito apreensivos.

 

Impactos na produção de leite e na soja

Além das lavouras de arroz, Gindri explica que uma análise preliminar realizada pela secretaria aponta também para um impacto em outros setores, como o leite, cujo prejuízo está próximo aos R$ 150 mil (o que equivalente a 150 mil litros de leite) e a produção de soja, que teve pelo menos dois mil hectares, ou cerca de 5% de sua área, afetada diretamente com as enchentes e enxurradas.

 

— Esta área deve ser ainda maior se contabilizarmos o excesso de umidade e a pouca radiação solar que atingem também a produtividade em outras localidades, principalmente nas partes altas — explica.

 

De acordo com levantamento da Emater, a região de Santa Maria contabiliza 2,5 mil hectares de plantação de soja afetados, o que representa perda de pelo menos 2% na produção. A entidade afirma, entretanto, que é preciso esperar os níveis da água baixarem para que tenha estimativas mais precisas sobre os prejuízos em todos os setores.

 

Enquanto o governo e entidades calculam os prejuízos, produtores têm buscado alternativas para contornar as dificuldades que o excesso de chuva traz para o Estado. Paulo Rodrigues, um dos líderes no assentamento fundiário Unidos pela Terra, em Alegrete, afirma que desde início da enchente, há seis dias, ele e seus cinco vizinhos já descartaram 2,4 mil litros de leite.

 

Foram dois problemas: primeiro, faltou luz e não havia como refrigerar o produto, para conservá-lo. Depois, o acesso: com estradas alagadas e enlameadas, os caminhões de recolhimento não chegam. Para evitar que as vacas fiquem doentes por falta de ordenha, ele retira o leite delas e depois, o que não é destinado ao gado e às galinhas, é despejado fora.

 

Já o veterinário e pecuarista Renan Roggia, há seis dias, repete uma busca. Pega o cavalo baio e percorre pacientemente cada canto dos seus 180 hectares de campo em Alegrete, nas proximidades do rio Caverá. É que ele perdeu para as águas um rebanho inteiro, em dois dias da tempestade que assolou o município, semana passada.

 

— O rio, que não é muito grande e nem profundo, virou leão com a chuvarada e arrastou 60 reses, sendo 40 adultas e o resto, terneiros – descreve Renan.

 

Os animais eram das raças Brafford, Angus, Zebu e Hereford. Todos os animais têm brincos e marcação. A cena foi vista por empregados da fazenda, situada a 45 quilômetros do centro de Alegrete. Renan guarda as últimas fotos do rebanho, feitas no mesmo dia da enxurrada. Na busca, encontrou apenas duas vacas vivas. Acredita que todas as outras morreram. Prejuízo de, no mínimo, R$ 130 mil.

 

“Estou apavorado”, desabafa produtor

 

O sonho de uma bela colheita de arroz, acalentado há meses pelo produtor rural Artur Pacheco, também foi literalmente por água abaixo. A plantação de 78 hectares que ele mantém próxima ao rio Caverá, em Alegrete, foi atingida por chuvarada entre quarta e quinta-feira da semana passada. Onde existia a lavoura, agora se formou um gigantesco açude, com quilômetros de extensão. Nem é possível ver mais a maior parte dos pés de arroz. Está tudo submerso.

 

— Perdi 95% do que foi plantado. E tenho outros 350 hectares próximos ao rio Ibicuí, que também está com nível crescente. Estou apavorado — desabafa Pacheco.

 

Tão ruim quanto isso é que as estradas que levam à lavoura, dentro da granja, foram destruídas. As taipas foram erodidas e os bueiros agora estão a céu aberto, despejando água por canos que deveriam estar enterrados.

 

— Já perdi para a seca, para o granizo, mas essa foi a pior peça que a natureza me pregou — lamenta.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/01/2019 - Bolsonaro se reúne com ministros pela 3ª vez em duas semanas

Em duas semanas de governo, o presidente Jair Bolsonaro faz nesta terça-feira a terceira reunião ministerial. Será a primeira após a confirmação dos nomes para a liderança do governo na Câmara, o deputado federal Major Victor Hugo (PSL-GO), e do porta-voz, general Otávio Santana do Rêgo Barros.

 

A reunião do Conselho de Ministros ocorre horas antes da cerimônia de assinatura do decreto que flexibiliza a posse de armas, segundo a Casa Civil. O texto regulamentará a posse de armas de fogo no país, uma das principais promessas de campanha do presidente da República.

 

O decreto refere-se exclusivamente à posse de armas. O porte de arma de fogo, ou seja, o direito de andar com a arma na rua ou no carro, não será incluído no texto. A previsão é que seja facilitada a obtenção de licença para manter armas em casa.

 

Os detalhes do decreto, entretanto, não foram divulgados pela Casa Civil. A expectativa é que conceda 10 anos de prazo para renovação do registro de arma de fogo.

 

Fraudes

 

É aguardada para esta semana a edição da medida provisória (MP) que pretende reduzir de R$ 17 bilhões a R$ 20 bilhões as perdas na seguridade social até dezembro. Após reuniões no Palácio do Planalto, o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou que há mais de 2 milhões de benefícios que devem ser auditados pela Receita Federal.

 

Segundo Marinho, são benefícios que têm indícios de ilicitude e devem passar por um mutirão de investigação. “Há relatórios de ações anteriores, inclusive convalidados pelo TCU [Tribunal de Contas da União], que demonstram uma incidência de 16% a 30% de fraudes nesse tipo de benefício”.

 

 

Liderança

 

Na segunda, Bolsonaro confirmou, por meio de sua conta no Twitter, a escolha do deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO), de 41 anos, para ocupar a liderança do governo na Câmara.

 

É o primeiro mandato do parlamentar, que tem dito aos mais próximos que seu ingresso na vida política foi incentivado pelo presidente da República.

 

Porta-voz

 

O general Otávio Santana do Rêgo Barros será o porta-voz da Presidência da República, segundo a Secretaria de Governo. O militar era o chefe do Centro de Comunicação Social do Exército, cargo que ocupava desde 2014.

 

Como chefe do centro, Rêgo Barros foi um dos principais assessores do então comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, que deixou o posto na semana passada e vai integrar a equipe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), a convite do presidente.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

15/01/2019 - Em três anos, 2,5 mil precatórios foram negociados por Câmara de Conciliação

Criada para acelerar o pagamento da dívida do Estado com precatoristas — que passa de R$ 15 bilhões e precisa, por lei, ser zerada até 2024 —, a Câmara de Conciliação de Precatórios encerrou 2018 com 2,5 mil acordos fechados em três anos de atividade, uma média de 65 por mês. Embora o volume de transações venha crescendo, o valor abatido ainda é pequeno diante do tamanho do problema.

 

Por meio das negociações, o órgão coordenado pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) conseguiu reduzir o passivo em R$ 348,1 milhões, equivalente a 2,3% do total. A cifra sobe para R$ 389,8 milhões quando considerados casos que já haviam sido quitados, mas permaneciam no sistema e receberam baixa. Ainda assim, o montante não passa de 2,6% do estoque devido.

 

O impacto limitado explica-se, em parte, por dificuldades iniciais de operação, que se refletiram nas estatísticas. Até o fim de 2017, foram 793 acordos. Em 2018, após a simplificação de processos, cresceu 214,5%.

 

— Ainda temos ajustes a fazer, mas, pelo avanço que registramos em 2018, acredito que estamos no caminho certo. Nossa meta, em 2019, é utilizar a integralidade dos valores destinados às conciliações, o que já ocorreu em dezembro — diz a procuradora Patrícia Ribas Leal Messa, supervisora do órgão.

 

Como funciona a conciliação

Todo mês, a Secretaria Estadual da Fazenda repassa cerca de R$ 50 milhões para bancar precatórios. Metade da soma é destinada ao pagamento regular e a outra à Câmara, responsável pela mesa de negociações.

 

Funciona assim: os credores chamados podem optar por receber o valor do título com desconto de 40% (o índice é o mesmo para todos) ou permanecer na fila à espera da quantia integral.

 

Em média, de acordo com a PGE, a cada 10 precatoristas, apenas quatro demonstram interesse em ouvir a proposta. Desses, menos da metade dá continuidade ao processo. Muita gente desiste por falhas na documentação ou por discordar do desconto. 

 

Embora reconheça o esforço da PGE, o vice-presidente da Comissão Especial de Precatórios da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS), Ricardo Bertelli, defende a necessidade de ampliação da equipe. Hoje, há cinco procuradoras e 18 servidores no órgão, frente a um universo de 56,9 mil precatórios.

 

— Sei que o grupo é empenhado, mas tenho certeza de que, com mais gente designada para a tarefa, o resultado será melhor. A dívida pode ser reduzida em 40% — sustenta Bertelli.

 

Alternativas em análise para ampliar pagamentos

Para a juíza Alessandra Bertoluci, da Central de Conciliação e Pagamento de Precatórios do Tribunal de Justiça, as chances de êxito aumentariam se a PGE abrisse o leque de convocados, ampliando a lista até incluir títulos mais recentes.

 

Por enquanto, entraram nos atos convocatórios somente os expedidos até 2004.

 

— Creio que as pessoas que recém ingressaram na fila têm maior disposição em negociar e resolver logo a questão — opina a magistrada.

 

A hipótese sugerida pela juíza é considerada de difícil execução pela PGE. Como é preciso respeitar a ordem cronológica dos títulos (dos mais antigos para os mais novos), seria necessário chamar muitos credores de uma vez, correndo o risco de não ter verba para todos os acordos.

 

— De qualquer maneira, estão sendo estudadas alternativas — garante a supervisora.

 

Quanto à possibilidade de reforço na equipe, no momento, não há previsão. A procuradora-geral adjunta para Assuntos Institucionais, Diana Paula Sana, argumenta que a PGE tem atuação em diferentes áreas e mudanças no quadro funcional precisam ser avaliadas com cautela. 

 

— É evidente que a alocação de pessoal alavanca resultados, mas precisamos avaliar estrategicamente o deslocamento da nossa força de trabalho, considerando a necessidade de atendimento de todas as unidades e frentes de atuação da casa — pondera Diana.

 

O que são precatórios?

 

São dívidas do poder público resultantes de ações judiciais superiores a 10 salários mínimos (R$ 9,98 mil). No caso do Rio Grande do Sul, decorrem principalmente de questões salariais (envolvendo servidores ativos, inativos e pensionistas), desapropriações e cobranças indevidas de impostos.

 

A fila:

56,9 mil é o número de precatórios que aguardam pagamento pelo governo do Estado.

 

A dívida:

R$ 15,1 bilhões incluindo precatórios inscritos para pagamento até o fim de 2019.

 

Como funciona o pagamento:

O valor repassado mensalmente pelo Estado (cerca de R$ 50 milhões) é dividido da seguinte forma:

 

Por ordem cronológica: A quitação é feita pela ordem de apresentação do título, isto é, do mais antigo ao mais novo. Os credores idosos, com doenças graves ou deficiência podem pedir o pagamento de parcela preferencial, no caso de precatórios de natureza alimentar (situações envolvendo pensões e salários). Em novembro, o Tribunal de Justiça conseguiu colocar em dia a quitação das "superpreferências", destinadas a credores com mais de 80 anos e enfermidades severas.

Por meio da conciliação: O pagamento se dá via acordo, com redução de 40% no valor atualizado dos títulos. Essa modalidade começou com a criação da Câmara de Conciliação de Precatórios, em outubro de 2015. Desde então, os titulares são chamados na ordem cronológica para negociar com a Procuradoria-Geral do Estado (PGE). Podem aceitar ou permanecer na fila, à espera do valor integral.

Os acordos

Até o fim de 2018, a Câmara de Conciliação fez seis convocações para negociar acertos, com precatórios ordenados por Tribunal de Justiça e Tribunal Regional do Trabalho.

 

Precatórios convocados para negociação: 6.703 (alguns mais de uma vez)

Acordos fechados: 2.494

Valor abatido da dívida: R$ 348,1 milhões (2,3% do total)

Baixas no estoque

A Câmara detectou a existência de R$ 41,6 milhões em precatórios que já haviam sido pagos no passado, mas permaneciam no sistema. Esses títulos receberam baixa, e o valor deixou de ser contabilizado no montante da dívida. Com isso, o percentual abatido chega a 2,6%.

 

Quando vale a pena fazer acordo?

Como o acordo implica deságio de 40% no valor do título, o interessado deve conversar com o seu advogado para avaliar sua situação específica. A decisão depende, basicamente, de sua posição na fila e da disposição para esperar. Conforme o caso, o pagamento integral pode demorar anos, a ponto de o precatorista não receber o dinheiro em vida.

 

Sou precatorista e quero fazer acordo. Como devo proceder?

Para fazer acerto, você deve esperar a convocação da Câmara de Conciliação. Em dezembro de 2018, o órgão lançou a sexta rodada, com títulos expedidos até 2004. As listas são publicadas no site da PGE (basta clicar em "publicações" para ver os atos convocatórios). Se o seu título estiver lá, clique em "quero conciliar", preencha o formulário online e aguarde contato. Para tirar dúvidas, os números de contato da Câmara são: (51) 98416-7274 ou (51) 98445-6372.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/01/2019 - Decreto com regras que facilitam posse de armas será assinado nesta terça-feira

O decreto com regras que facilitam a compra e a posse de armas no país será apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro às 11h desta terça-feira (15), em cerimônia no Palácio do Planalto, segundo a assessoria da Casa Civil. Entre as principais mudanças, está a adoção de critérios mais claros para a aquisição e manutenção do equipamento em casa ou no local de trabalho. O decreto será publicado em edição extra do Diário Oficial da União após o término da agenda.

 

O ato será o primeiro do novo governo que contará com um evento formal. São aguardados pronunciamentos do presidente e do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O assunto foi um dos mais abordados durante a campanha de Bolsonaro.

 

Uma das principais críticas à atual legislação é a subjetividade da avaliação dos pedidos que chegam à Polícia Federal para posse de armas. Hoje, interessados precisam informar ao órgão o motivo para a compra. Após análise, a solicitação pode ser aceita, caso haja o entendimento de “necessidade específica” , ou negada.

 

Apesar da flexibilização, o comprador ainda terá de comprovar que não tem antecedentes criminais, que possui curso em clube de tiro, exame psicológico e idade superior a 25 anos, como ocorre atualmente. A expectativa é de que cada cidadão possa comprar até duas armas que, em casas onde vivam crianças e adolescentes, deverão ficar em um cofre. Além disso, há a previsão de ampliar de cinco para 10 anos o prazo para renovação das autorizações.

 

A posse de armas simplificada será destinada a regiões urbanas com índice de homicídios superior a 10 casos por 100 mil habitantes. Moradores de áreas rurais terão o benefício independentemente dos níveis criminais. A regra poderia barrar a flexibilização em cidades menos violentas, como São Paulo. Ainda assim, a expectativa é de que a facilidade de compra seja ampliada mesmo em locais que não se enquadrem nos requisitos.

 

O decreto só valerá para posse de armas, isto é, a manutenção dentro de casa ou no local de trabalho, caso o estabelecimento esteja no nome do titular do registro.

 

O porte, que autoriza o cidadão a andar armado na rua, está no horizonte de Bolsonaro, mas ainda não há prazo para ser discutido. A mudança neste ponto precisa passar pelo Congresso, onde o assunto deve ganhar prioridade a partir de 1º de fevereiro, com a posse dos deputados e senadores eleitos em outubro passado.

 

Entenda o impacto do decreto

O que é exigido pela legislação hoje

Ter 25 anos ou mais.

Trabalhar e ter residência fixa.

Não ter antecedentes criminais.

Comprovar capacidade técnica e psicológica para o uso da arma.

Demonstrar a efetiva necessidade para a aquisição, com análise da Polícia Federal.

Renovação do registro da arma a cada cinco anos.

 Pontos a serem modificados ou incluídos pela medida

A análise da Polícia Federal sobre a “efetiva necessidade” de quem quer comprar uma arma deverá ganhar critérios mais claros. Atualmente, há críticas sobre a subjetividade da avaliação.

Renovação da licença a cada 10 anos.

A liberação da posse de armas será simplificada para regiões urbanas com índices de homicídio superiores a 10 casos por 100 mil habitantes e para moradores de áreas rurais.

Em regiões menos violentas, a análise mais detalhada será mantida, com expectativa de menor rigor.

Guardar as armas em cofres em casas com crianças e adolescentes.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/01/2019 - Homem é morto com tiro na cabeça na zona norte de Porto Alegre

 

Um homem foi morto com um tiro na cabeça no beco Eliseu João Fontana, próximo à Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, no bairro Passo das Pedras, zona norte de Porto Alegre, no final da madrugada desta terça-feira (15). O crime foi registrado pouco depois das 4h.

 

Quando a polícia chegou ao local, encontrou o homem já sem vida. Ao lado do corpo, havia uma lata utilizada para fumar crack. A vítima – que ainda não foi identificada – aparentava ter cerca de 20 anos.

 

A perícia e a Polícia Civil estiveram no local. A 3ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa vai investigar o caso, e a suspeita é de um acerto de contas relativo ao tráfico de drogas.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/01/2019 - Suposto esquema de propina no Presídio Regional de Passo Fundo é investigado

A Polícia Civil e a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) do Rio Grande do Sul apuram suposto esquema de propinas comandados por agentes penitenciários no Presídio Regional de Passo Fundo, no Norte.

 

Na madrugada de sábado (12), 17 presos escaparam da casa prisional após uma S-10 derrubar o portão de entrada do local. Em áudios obtidos pela reportagem do RBS Notícias, presos detalham tabela de pagamentos para facilitar diversos trâmites, como troca de acomodações. O material chegou até a Susepe no fim de 2018.

 

Segundo relatos repassados à Susepe, uma vaga no alojamento A — o melhor do estabelecimento — custaria de R$ 2 mil R$ 5 mil.

 

O preso que pretendia sair do setor da triagem – considerado o pior do presídio – também teria de pagar para ser realocado para uma área melhor:

 

– Os caras ganham R$ 5 mil, R$ 10 mil para trazer um cara, tirar da triagem e largar no alojamento lá — diz o trecho de um dos áudios.

 

Dentro do presídio, também haveria esquema de pagamentos para evitar processos administrativos por irregularidades e para facilitar a entrada de drogas na casa prisional.

 

O corregedor da Susepe, José Hermilio Ribeiro Serpa, disse que vai pedir o afastamento dos agentes penitenciários citados nas gravações. Também está sendo apurado se a fuga do último sábado foi facilitada. Foi verificado que os presos estavam fora das celas e a presença de buracos na parede da estrutura.

 

— Tudo é possível, é muito surpreendente que esses fatos tenham sido aportados na corregedoria e agora se proceda um resgate. Abertura de buracos para sair das galerias não poderia passar despercebido se houvesse uma segurança uma vigilância perfeita daqueles que são encarregados da segurança do presidio.

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/01/2019 - Foragidos do Presídio Regional de Passo Fundo têm 467 anos de penas para cumprir

Vinte e sete segundos: esse foi o tempo para criminosos arrebentarem o portão do Presídio Regional de Passo Fundo e 17 presos escaparem correndo durante o fim de semana. Condenados por crimes como assalto, homicídio e latrocínio (roubo com morte), cruzaram a saída da cadeia às 4h12min de sábado (12). Até a noite desta segunda-feira (14), nenhum havia sido recapturado.

 

Junto, o grupo que escapou soma, pelo menos, 467 anos, sete meses e 11 dias de condenação, segundo o Tribunal de Justiça (TJ). Fora o período no qual ficaram encarcerados, os homens deveriam permanecer pelo menos 345 anos na prisão.

 

Um deles, Eliseu Benites, tem condenação por latrocínio. O gerente de um supermercado foi morto com dois tiros durante assalto em junho de 2012, em Ijuí. Entre os foragidos, Cesar Morais da Silva acumula a maior pena, com 79 anos e 11 meses a cumprir, e na sequência está Rafael Lopes dos Santos, com 72 anos em condenações.

 

— A grande maioria é formada por assaltantes de alta periculosidade. Alguns têm mais de 70 anos de prisão de cumprir. Uma boa parte também tem homicídio. Foi escolhido a dedo cela para a fuga — afirma o delegado Diogo Ferreira.

 

A polícia apura se os foragidos foram autores dos roubos de dois carros na madrugada de domingo. Os veículos foram levados em um parque, a oito quilômetros do presídio. O proprietário da S10, usada para derrubar o portão, teria sido vítima de um golpe, em dezembro, após colocar o veículo para venda na internet.

 

— Essa caminhonete havia desaparecido e apareceu agora. Estamos investigando essa circunstâncias também — explica o delegado.

 

A sindicância aberta pela Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) para apurar as circunstâncias da fuga tem 60 dias para ser concluída. No domingo, o administrador do presídio Renato Garlet disse que os agentes efetuaram disparos de calibre 12 para tentar evitar a fuga.

 

— Quando chegaram no portão, foram recebidos a tiros — afirmou.

 

Um vídeo captado por uma câmera de segurança que gravou a fuga, no entanto, não mostra troca de tiros. Nesta segunda-feira, procurado pela reportagem, Garlet informou que não estava autorizado a se manifestar sobre a fuga. A assessoria de imprensa da Susepe negou tiroteio. A Polícia Civil apura as circunstâncias da fuga e solicitou ao presídio as imagens do circuito interno:

 

— É um presídio superlotado, com fragilidades. Vamos investigar quem organizou a fuga, quem são os responsáveis do lado de fora, além dos que fugiram. Também vamos verificar como se deu a fuga, se teve alguma falha. No vídeo divulgado não vi tiro nenhum — afirma o delegado Diogo Ferreira.

 

OS FORAGIDOS

Cela 4

Rafael Lopes dos Santos

Crimes: assaltos, homicídios, formação de quadrilha e porte ilegal de arma de fogo

Pena a cumprir: 72 anos, quatro meses e 22 dias de prisão

 

Cléderson dos Santos Ramos

Crimes: antecedentes por assalto e homicídios.

Pena a cumprir: ainda não foi condenado, está em prisão preventiva.

 

Cesar Morais da Silva

Crimes: antecedentes por assaltos, homicídios e formação de quadrilha.

Pena a cumprir: 79 anos, 11 meses e 23 dias de prisão.

 

Maurício da Silva dos Santos

Crimes: antecedentes por homicídios, assaltos e formação de quadrilha.

Pena a cumprir: 17 anos, nove meses e dois dias de prisão.

 

Gabriel dos Santos Della Méa

Crimes: antecedentes por assaltos, homicídios, tráfico e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: ainda não foi condenado, está em prisão preventiva.

 

Raimundo Natalício dos Santos Camargo

Crimes: antecedentes por assaltos.

Pena a cumprir: 31 anos, cinco meses e quatro dias de prisão.

 

André Tiago Teixeira

Crimes: antecedentes por assaltos, homicídio e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: 21 anos, três meses e 11 dias de prisão.

 

Leandro Dutra

Crimes: antecedentes por assaltos, porte ilegal de arma de fogo e homicídios.

Pena a cumprir: 10 anos, 10 meses e 13 dias de prisão.

 

Cela 6

 

Mateus Mariano Soares

Crimes: antecedentes por assaltos, tráfico e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: 23 anos, três meses e cinco dias de prisão.

 

João Vitor Lenhardt Miri

Crimes: antecedentes por tráfico, assalto e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: três anos, seis meses e oito dias de prisão.

 

Eliseu Benites

Crimes: antecedentes por assaltos.

Pena a cumprir: 22 anos, dois meses e 15 dias de prisão.

 

Alex Britto Sereta

Crimes: antecedente por homicídio.

Pena a cumprir: ainda não foi condenado, está em prisão preventiva.

 

Tiago Cardoso Lopes

Crimes: antecedentes por homicídios, assaltos e formação de quadrilha.

Pena a cumprir: 49 anos, oito meses e 10 dias de prisão.

 

Vinícius Luan Silva

Crimes: antecedentes por assaltos, homicídio, formação de quadrilha e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: ainda não foi condenado, está em prisão preventiva.

 

Vilmar Jorge da Silveira

Crimes: antecedentes por assaltos, homicídios e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: ainda não foi condenado, está em prisão preventiva.

 

Gilson da Silva Anes

Crimes: antecedentes por assaltos e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: três anos, cinco meses e oito dias de prisão.

 

Anderson Luis Fernandes

Crimes: antecedentes por assalto, tráfico e porte ilegal de arma de fogo.

Pena a cumprir: nove anos, seis meses e 25 dias de prisão.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

15/01/2019 - RS tem alerta de chuva forte e granizo nesta terça; confira a previsão

A terça-feira (15) iniciou com tempo instável e céu encoberto no Rio Grande do Sul. A madrugada teve registro de chuva em diversos municípios, principalmente na Serra. Na fronteira sul e oeste do Estado, localidades com municípios em estado crítico devido a acumulados elevados na última semana, a chuva deu uma trégua nas primeiras horas do dia.   A exceção foi Alegrete, que registrou chuva de 27mm.

 

De acordo com a Somar Meteorologia, as pancadas de chuva ganham intensidade sobre todo Estado com o passar das horas. Um sistema de baixa pressão se forma no sul do RS e a chuva é mais volumosa em áreas do litoral sul e da Campanha. As temperaturas se elevam, propiciando mais um dia de calor.

 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta para precipitação de até 50 mm/dia, vento intenso, com rajadas entre 40 e 60 km/h, e queda de granizo. Até o momento, pelo menos 11 municípios do Rio Grande do Sul já decretaram situação de emergência por conta dos alagamentos e enchentes provocados pelos acumulados de chuva.

 

Segundo a Somar, uma frente fria começa a se formar no fim do dia entre o Uruguai e o Estado, o que aumenta a instabilidade e cria condição para temporais, vendavais, com risco de alagamentos e elevação dos níveis dos rios.

 

 

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades:

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 36°C

Pelotas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 32°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 31°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 34°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 34°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 33°C

Uruguaiana: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 35°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 32°C

Tramandaí: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 32°C

Capão da Canoa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 33°C

Xangri-Lá: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 33°C

Rio Grande: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 29°C

Mostardas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 31°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 31°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Nova concessionária começa obras de reparo em praças de pedágio na freeway

Horas após a assinatura, na sexta-feira (11), do contrato que concedeu ao Grupo CCR a gestão da agora chamada Rodovia de Integração Sul (RIS), a empresa começou a realizar reformas nas praças de pedágio  da freeway em Gravataí e Santo Antônio da Patrulha. A RIS compreende as BRs 101, 290 (somente no trecho da freeway, da Capital a Osório), 386 (entre Canoas a Carazinho) e 448 (Rodovia do Parque).

 

Cerca de 150 funcionários promoveram, ao longo do fim de semana, limpeza e reformas estruturais na parte elétrica e de infraestrutura nas praças de pedágio. Também houve trabalhados em cinco bases operacionais do Grupo CCR ao longo da rodovia, onde ficarão alocados veículos para atendimento ao usuário, como guinchos ou veículos para resgate hospitalar.

 

O Grupo CCR começará oficialmente a atuar na Rodovia de Integração Sul apenas a partir de 14 de fevereiro. A contar da data, o pedágio passará a ser cobrado na freeway, em Santo Antônio da Patrulha e em Gravataí, e a empresa deverá promover reformas na rodovia e nas BRs 101, 386 e 448 – como duplicação de via, corte de grama, cobertura de buracos ou instalação de placas para melhorar a sinalização.

 

Passado um ano e meio de concessão, as sete praças, em ambos os sentidos, começarão a funcionar. A cedência dos trechos à iniciativa privada será por 30 anos. Como contrapartida, a empresa vencedora terá de promover melhorias na infraestrutura — a principal será a duplicação da BR-386, entre Carazinho e Lajeado.

 

O Grupo CCR venceu o leilão de concessão, em novembro, propondo a menor tarifa de pedágio – R$ 4,30.  Conforme adiantou na sexta-feira (11) o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, o preço pode subir caso a concessionária adiante a entrega das obras – a justificativa é compensar o deslocamento de verbas para mais cedo.

 

Calendário previsto das obras

Como contrapartida pela arrecadação nas sete praças de pedágio por 30 anos, além de socorro médico e mecânico, videomonitoramento e operação do vão móvel da ponte do Guaíba, a nova concessionária terá de promover melhorias na infraestrutura nas quatro rodovias. A principal obra será a duplicação da BR-386, de Lajeado a Carazinho.

 

2019: trabalhos iniciais, com intervenções emergenciais, como tapa-buracos e reparos no acostamento, melhorias na sinalização vertical (placas) e horizontal (pinturas na pista) e colocação de taxas refletivas em 100% do trecho concedido.

 

2020 a 2023: recuperação de todas as rodovias, incluindo recapeamento de trechos e reforma estrutural de passarelas e viadutos.

 

2021 a 2030: duplicação de Lajeado a Carazinho (BR-386).

 

2031 a 2036: adequação da duplicação de Canoas a Tabaí (BR-386) e alargamento da freeway, de Gravataí a Osório.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Avião com Cesare Battisti chega a Roma

Cesare Battisti chegou a Roma, na Itália, por volta das 8h45min desta segunda-feira (14). Condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos ocorridos nos anos 1970, ele foi capturado no sábado em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia.

 

Battisti – que será levado à prisão de Rebibbia, na capital italiana – estava foragido desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro emitiu, em 13 de dezembro, uma ordem de captura contra ele. Um dia depois, o então presidente Michel Temer assinou a ordem de extradição, solicitada há anos pela Itália.

 

Battisti, 64 anos, desceu do avião sorrindo e sem usar algemas, cercado por cerca de dez policiais que imediatamente o levaram, em meio a um importante dispositivo de segurança, para a prisão de Rebibbia. Os ministros do Interior, Matteo Salvini, e o ministro da Justiça, Alfonso Bonafede, o esperavam junto a uma centena de jornalistas.

 

— Esse bandido, que passou anos nas praias do Brasil ou tomando champanhe em Paris, matou (entre 1978 e 1979) um marechal de 54 anos, um açougueiro, um joalheiro e um jovem policial. Ele tem que ir para a cadeia pelo resto de sua vida — disse Salvini aos repórteres no domingo.

 

— Agora as vítimas podem descansar em paz — acrescentou Alberto Torregiani, filho do joalheiro assassinado diante de seus olhos quando ele tinha 15 anos, quando ficou tetraplégico depois de ser ferido na tragédia.

 

Ex-membro do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) durante os "anos de chumbo" na Itália - marcados por atentados de organizações de direita e esquerda, entre elas as Brigadas Vermelhas -, Battisti foi julgado à revelia em 1993 e condenado à prisão perpétua por quatro homicídios e cumplicidade em outros assassinatos no fim dos anos 1970.

 

Ele viveu 15 anos exilado na França, protegido pelo governo socialista de François Mitterrand, onde se tornou um bem sucedido autor de romances policiais. Após uma estadia no México, voltou para a França, mas em 2004 foi obrigado a partir daquele país e se refugiu clandestinamente no Brasil, antes de ser detido no Rio de Janeiro em 2007.

 

Em 2010, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) negou sua extradição para a Itália, após um longo processo judicial. No último dia de seu mandato, Lula concedeu o estatuto de refugiado político a Battisti.

 

Em 2017, é detido em Corumbá (MS), na fronteira da Bolívia, acusado de querer fugir, e foi mantido monitorado com tornozeleira eletrônica por quatro meses.

 

Após a eleição do presidente Jair Bolsonaro, que prometeu extraditá-lo, Battisti voltou à clandestinidade após 40 anos de fuga até o último sábado (12), quando sua prisão foi anunciada em Santa Cruz de la Sierra, região central da Bolívia.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Como cidades uruguaias viraram paraíso para carros roubados ou em situação irregular no Brasil

 

Carros, carcaças e peças de veículos espalhados em pátios de residências e depósitos irregulares tomam conta de pelo menos duas quadras na região central de Aceguá, município distante 430 quilômetros de Porto Alegre, na fronteira com o Uruguai. A cidade, de pouco mais de 4 mil habitantes, é destino de centenas de veículos que desaparecem no Estado e até em outras regiões do país. Uma quadrilha gaúcha  movimenta o comércio clandestino de carros brasileiros no país vizinho, como mostrou a reportagem do Grupo de Investigação (GDI) da RBS veiculada no Fantástico.

 

Na mira da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas de Bagé, uma quadrilha foi desarticulada em operação na terça-feira (8). O grupo comprava os carros ilegais para desmanchá-los em ferros-velhos clandestinos ou levá-los para o Uruguai.

 

Em páginas no Facebook ou em grupos no WhatsApp, os criminosos ofereciam dinheiro por veículos com multas e impostos atrasados, problemas judiciais e com busca e apreensão. Ou seja, automóveis que não podem transitar no Brasil sem resolver as pendências. O problema é que o custo para regularizar as situações chega a superar o real preço dos veículos que, na maioria dos casos, têm mais de 10 anos de uso. Por isso, eram comprados pela quadrilha por quantias abaixo do valor de mercado. Segundo apuração, o bando também adquiria carros roubados. Nestes casos, o contato era feito com grupos da Região Metropolitana.

 

— Parte da quadrilha negocia os carros, outros vendem. Alguns são responsáveis por desmanchar os veículos e comercializar peças. Mas o forte realmente é o envio de veículos com problemas aqui no Brasil para o Uruguai. São quase todos irmãos e primos — explica o delegado Cristiano Ritta, que comandou a investigação. 

 

Durante a apuração da delegacia de Bagé, que começou em setembro de 2017, a quadrilha teria levado para a fronteira com o Uruguai cerca de 500 carros e movimentado mais de R$ 5 milhões. Os veículos, comprados por cerca de R$ 3 mil na Região Metropolitana, eram revendidos no país vizinho por valores que variavam de R$ 5 mil a R$ 20 mil. Em Porto Alegre e Canoas, a polícia investigou motoristas de guinchos responsáveis por pagar os vendedores dos automóveis e levá-los para Aceguá.

 

Parte dos carros comprados pela quadrilha vai para cidades uruguaias próximas da fronteira. Uma delas é dividida por uma rua e recebe o mesmo nome do município brasileiro, Aceguá. Mas o principal destino é Melo, a cerca de 60 quilômetros do Brasil. O GDI esteve no local em três oportunidades e anotou placas de 200 veículos brasileiros. Vários são carros com busca e apreensão, alienação fiduciária, licenciamentos vencidos, roubados e clonados.

 

Um deles, um Logan, 2008, foi furtado em outubro de 2018, em Canoas. O proprietário Robson Dubiel Vieira estacionou o veículo em frente de casa. Quando voltou, havia desaparecido.  Ao ser avisado pela reportagem sobre a situação, demonstrou surpresa:

 

—Até então, eu não tinha mais esperança de localizar esse veículo.

 

Vieira está em contato com a polícia para recuperar o carro.

 

Esperança para evitar situações como essa são as placas do Mercosul, que já começaram a ser implantadas no país, inclusive no Rio Grande do Sul. Em nota, o Departamento Nacional de Trânsito diz que um dos objetivos da adoção do novo modelo é coibir furtos e roubos de veículos.

 

Há expectativa da diminuição da circulação de carros em situações irregulares entre os países, já que deve haver compartilhamento de dados.

Negociação

A reportagem negociou com a quadrilha a venda de três veículos populares. Sem saber que falava com um repórter, o homem, que o seria líder do grupo, Samir Izzat, diz que paga à vista pelos carros. Oferece R$ 8 mil por um Corsa, ano 2004, um Palio 2008 e uma Saveiro 1998, além do transporte para levá-los de Porto Alegre para a fronteira.

 

Repórter – Esses carros estão enrolados! Não vai ter problema pra mim?

 

Izzat – Depois que eu pego os carros, nenhum anda no Brasil. Só circulam no lado uruguaio, entendeste? Não tem mais problema. Tu pode ficar tranquilo. Não vai entrar multa, não vai entrar nada. É um carro que vai lá pra dentro do Uruguai  e nunca mais anda no Brasil.

 

Repórter – Os carros não estão no meu nome, tu compra igual?

 

Izzat – Não tem problema, só tem que ter o papel. E não te incomoda mais. Meu guincheiro vai aí (Porto Alegre), olha as condições e se tiver tudo certinho, te paga na hora.

 

Depois, a reportagem encontrou  um dono de caminhão investigado por fazer parte do esquema, Rafael Prestes dos Santos.

 

Repórter – São três carros. Mas estão enrolados. Estão com busca e apreensão da Justiça e impostos atrasados, tudo enrolado. Não estão no meu nome.

 

Santos – Só trabalho com carro enrolado. Estou quase toda a semana na fronteira, tem os caras que compram carro enrolado. Dá pra fazer R$ 550 cada um (preço do transporte).

 

Repórter - Mas a polícia não pega?

 

Santos – Busca e apreensão a polícia não pega. Só com IPVA atrasado mandam baixar do caminhão. Mas é difícil, só lá em Bagé mesmo, às vezes. Mas passo de madrugada.

 

 

Operação Los Hermanos

A operação que desarticulou a quadrilha de Aceguá contou com 50 policiais. Sete mandados de buscas nas casas dos suspeitos e nos desmanches clandestinos foram cumpridos. Cinco pessoas, identificadas como Sadam Mohamed Izzat Rops, Yussef Izzat Yussef, Marufi Izzat Yussef, Mustafá Ali Mohamed Ali e Rafael Thums Bandeira, foram presas em flagrante. Samir Izzat, apontado como líder do esquema, não foi encontrado. Ele foi indiciado pela Polícia Civil. Donos de guinchos da Região Metropolitana, Diego Presser e Rafael Prestes dos Santos, também foram indiciados por organização criminosa, receptação qualificada e adulteração de veículos.

 

Contrapontos

O que diz  a polícia uruguaia

 

Segundo o chefe de polícia de Cerro Largo, comissário-geral Wilfredo Rodriguez, há falta de fiscalização nas fronteiras. Ele diz que não há acesso aos dados dos veículos no Brasil para saber se são roubados ou clonados.

 

O que diz  a defesa dos indiciados

 

O advogado Alex Barreto Vaz, que representa os investigados, diz que aguarda ter acesso ao inquérito para se manifestar.

 

A respeito dos crimes de receptação e adulteração de veículos, ressalta que dos cinco presos em flagrante, dois já foram liberados – Rafael Thums Bandeira e Yussef Izzat Yussef. Sobre a venda dos carros alienados, com busca e apreensão, multas ou restrições, disse que, apesar de não ser correto, é uma prática comum na fronteira.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Exército usa 250 militares na ajuda a flagelados na Fronteira Oeste

Com armas deixadas de lado, soldados do Exército estão há cinco dias dedicados a outra tarefa: resgatar flagelados pelas enchentes na Fronteira Oeste. Mais de 250 militares do Comando Militar do Sul (CMS, que reúne tropas dos três Estados do Sul) atuam em Alegrete, Uruguaiana, Quaraí, Dom Pedrito e Rosário do Sul.

 

As fortes chuvas caem na região desde a semana passada e causaram o aumento do nível dos rios Uruguai, Ibirapuitã, Santa Maria e Vacacaí.

 

Alegrete é a cidade que recebe o maior número de soldados. São 80 militares do 6º Regimento de Cavalaria Blindada, do 12º Batalhão de Engenharia de Combate Blindado, do 10º Batalhão Logístico, da 2ª Cia de Engenharia de Combate Mecanizada e 12ª Cia de Comunicações. Eles desencadearam a Operação Sanga Cheia, em apoio aos 4,3 mil flagelados pela enchente do Rio Ibicuí.

 

Mais de 130 famílias (cerca de 700 pessoas) precisaram ser removidas de lares alagados. Os atingidos foram transportados para o Ginásio Oswaldo Aranha, CTG Honório Lemes, Escola Neyta Ramos e para residências de parentes e amigos. Para auxiliar no serviço, são usados caminhões com tração em seis rodas, com capacidade para circular com até um metro de água em alagamentos.

 

Os militares também fazem montagem de barracas, o abastecimento de água nos abrigos, o transporte de funcionários da Corsan pelo Rio Ibirapuitã (para manutenção das bombas de captação de água) e o transporte de equipes da concessionária de energia elétrica RGE para acessar transformadores em áreas alagadas.

 

É no 6º RCB do Exército, aliás, que está montado o Centro de Operações de apoio à Defesa Civil.

 

— As atividades vão desde a retirada de galhos e troncos nas ruas da cidade, passando pela evacuação de bens e pessoas de áreas de risco ou já tomadas pelas águas, retirada de entulhos e fornecimento de água potável até o recolhimento e distribuição de donativos da comunidade aos atingidos. Ficaremos 24 horas por dia, 7 dias por semana nestas ações, de forma ininterrupta, até que a calamidade esteja sob controle — promete o general Antônio Miotto, Comandante Militar do Sul.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Sobe para 353 número de presos por suspeita de ataques criminosos no Ceará

 

Subiu para 353 o número de suspeitos presos ou apreendidos por participação nos atos criminosos no Ceará. De acordo com a Secretaria Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o balanço corresponde às capturas realizadas até as 17h de domingo (13).

 

"As prisões e apreensões registradas na capital, região metropolitana e cidades do interior são oriundas de ações das forças de segurança cearenses, e entidades parceiras, que atuam incessantemente para garantir tranquilidade a todos os cidadãos cearenses e a normalidade no funcionamento dos serviços públicos", diz nota da SSPDS.

 

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, pelo menos um terço dos capturados é adolescente. O levantamento, da Defensoria Pública Estadual, foi confirmado pelo governo do Estado.

 

Há denúncias de que facções criminosas estão ameaçando de morte adolescentes e familiares, além de cooptar os jovens e adultos com pagamento de R$ 1 mil pela queima de veículos e até R$ 5 mil pela explosão de viadutos.

 

Já foram transferidos 39 chefes de grupos criminosos para presídios federais. A polícia localizou e apreendeu cinco toneladas de explosivos em um depósito clandestino.

 

Leis sancionadas

Na noite de domingo, foi registrado mais um ataque criminoso, em Fortaleza. O alvo foi uma ponte na Rua São João, no bairro Bonsucesso. Homens que estavam em um carro lançaram uma bomba contra a estrutura de concreto. O local chegou a ser isolado para polícia.

 

Também no domingo, o governador do Ceará, Camilo Santana, sancionou as novas leis contra o crime organizado. As medidas foram aprovadas pela Assembleia Legislativa, em sessão extraordinária realizada no sábado (12).

 

De acordo com o governo do Estado, as leis já foram publicadas e visam reforçar o combate ao ataques organizados por facções criminosas desde o dia 2 de janeiro.

 

 O governo listou as medidas que passam a valer imediatamente:

convocação de policiais militares e bombeiros militares da reserva;

aumento da quantidade de horas extras para policiais, bombeiros e agentes penitenciários de 48h para 84h mensais;

pagamento em dinheiro para quem fornecer informações à polícia que resultem na prisão de criminosos ou evitem ataques;

criação do Fundo de Segurança Pública e Defesa Social

criação do Banco de informações sobre veículos desmontados;

regras de restrição ao uso do entorno dos presídios do estado para prevenir fugas e garantir mais segurança;

autorização de convênios e parceria com União e estados para a cessão de policiais ao Ceará.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Quatro pessoas morrem em acidente na BR-386

 

Um acidente de trânsito com quatro mortos ocorreu na tarde deste domingo (13), em torno das 16h, no quilômetro 315 da BR-386. O fato ocorreu no município de Marques de Souza, próximo do local de acesso à cidade de Progresso. Entre as vítimas, estão três homens e uma mulher — ela chegou a ser levada ao hospital, mas acabou falecendo mais tarde.

 

Conforme informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), chovia forte na região quando uma caminhonete S10, com placas de Santiago, derrapou na pista. Sem controle, o veículo acabou colidindo lateralmente contra a parte frontal de uma carreta com placas de Lajeado.

 

Após o impacto, a S10 acabou sendo lançada para fora da pista, caindo em uma vala depois do acostamento. As quatro mortes foram confirmados pela PRF, que adota a política de não divulgar a identificação das vítimas — todas elas ocupantes da caminhonete.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/01/2019 - Plano de recuperação do RS terá foco no funcionalismo

Alvo de longa – e malsucedida – negociação na gestão de José Ivo Sartori (MDB), o plano de recuperação fiscal do Rio Grande do Sul está sendo redesenhado. Por decisão do governador Eduardo Leite, a proposta a ser apresentada à União para reequilibrar as contas incluirá novas medidas, entre elas um conjunto de ações focado na contenção de gastos com pessoal.

 

Para refrear a principal despesa do Estado, que cresce ano a ano, estão em estudo alterações no regime de Previdência dos servidores, nos estatutos e planos de carreira e em benefícios e vantagens do funcionalismo. Com potencial explosivo, as propostas serão submetidas ao crivo da Assembleia nos próximos meses. A intenção de Leite é assinar o acordo com a União o mais breve possível.

 

As tentativas de adesão ao programa de ajuste do governo federal começaram em 2017. Para aderir, é obrigatório apresentar planilhas elencando todas as iniciativas que serão adotadas para sanar as finanças, com a projeção de valores – envolvendo cortes de custos, providências para alavancar a arrecadação e privatizações.

 

A lista precisa ser cumprida à risca e, ao final do contrato (com prazo de três a seis anos), a contabilidade deve estar em dia. Em troca, a União suspende a cobrança de dívidas durante a vigência do regime e autoriza o Estado a fazer novos financiamentos, que podem ser usados para quitar passivos. 

 

No caso do Rio Grande do Sul, as parcelas devidas à União estão sem pagamento desde julho de 2017, com base em liminar obtida na Justiça. Se o acordo não vingar, a decisão pode cair a qualquer momento, arruinando de vez o fluxo de caixa.

 

Por conta disso, Sartori passou dois anos tentando convencer a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) a aceitar sua proposta. Não deu certo. Um dos motivos do fracasso foi burocrático: o Palácio Piratini não conseguiu provar que compromete acima de 70% da receita com pessoal e com juros e amortização da dívida, um dos pré-requisitos para se credenciar ao programa. Na prática, o percentual destinado à folha de ativos e inativos é maior, mas não aparece nos relatórios oficiais devido à metodologia de cálculo utilizada pelo Tribunal de Contas – que exclui, por exemplo, dispêndios com pensões.

 

Para solucionar o problema, Leite planeja agir para modificar esses critérios, tornando a matemática fiscal mais realista. O desafio será convencer os demais poderes, já que todos terão de se adaptar. Sartori ensaiou movimento semelhante, mas acabou ficando no caminho.

 

O outro entrave às tratativas envolveu o Banrisul. Na avaliação do Ministério da Fazenda, o dinheiro da venda de CEEE, Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Sulgás, sugerida por Sartori, seria insuficiente para cobrir o rombo projetado nos primeiros anos do acordo. Para compensar os déficits (quando as despesas superam as receitas), a equipe econômica impôs a inclusão do banco no negócio, o que foi negado. Com as relações estremecidas, os contatos pararam.

 

Agora, a saída para o impasse, na avaliação da atual administração, é propor medidas mais duras de contenção de despesas, com o objetivo de diminuir os resultados negativos até que o Estado atinja o equilíbrio. Para Leite e sua equipe, o momento é propício para “transformações profundas”, ainda que isso signifique bater de frente com corporações e sindicatos.

 

Responsável por coordenar o redesenho do plano, o secretário estadual da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, reconhece que haverá resistências, mas aposta no capital político do governador. Leite conseguiu formar ampla base no Parlamento, tem a chancela das urnas e vem buscando diálogo com a oposição.

 

– Reverter essa tendência (de sucessivos déficits) significa mexer nos contratos sociais. E mexer com despesas de pessoal não é simplesmente dar canetaço, nem poderia ser. Envolve uma gama de corporações e de interesses. É preciso ter firmeza e ter muito claro o objetivo final, que é promover o maior bem público possível – argumenta Cardoso .

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Beto Carrero World tem primeira ninhada de filhotes de tigre branco do Brasil

Veterinários e biólogos do zoo do Beto Carrero World, em Penha, em Santa Catarina, comemoram o nascimento da primeira ninhada de tigres brancos reproduzidos em cativeiro no Brasil. Radesh, Indra e Indira – dois machos e uma fêmea – estão prestes a completar três meses, e já podem ser vistos pelo público.

 

A chegada dos filhotes foi mantida em sigilo enquanto a mãe, Amal, adaptava-se à nova função. As primeiras semanas foram observadas de perto pelos técnicos, em regime de plantão, para garantir o entrosamento entre a tigresa e os bebês.

 

A adaptação não é simples. A bióloga Kátia Cassaro, coordenadora do zoo, diz que, no mundo animal, mães de “primeira viagem” abandonam os filhotes com facilidade. Por isso, em nascimentos raros como este, é necessário estar atento para intervir se for necessário.

 

Amal deu sinais de inexperiência. Vez ou outra derrubava ou tropeçava nos tigrinhos — tudo observado de perto pela equipe do zoo. Mas, aos poucos, encaixou-se no papel de mãe.

 

— Criamos os filhotes na mamadeira quando as mães rejeitam e não querem. Se ela resolve tomar conta, ninguém cria melhor do que ela — diz Kátia.

 

Reproduzir tigres brancos em cativeiro foi um desafio. O animal era o favorito de Alexandre Murad, o Beto Carrero, por isso ter exemplares no zoo era algo importante para a equipe. Kátia pesquisou durante dois anos, em todo o mundo, um macho e duas fêmeas que tivessem a mesma idade e o menor grau de parentesco possível, para que pudessem procriar.

 

Ravi, o pai dos filhotes, veio de um zoo na Alemanha e chegou em dezembro de 2016. Três meses depois, chegaram as fêmeas, Amal e Rahny, vindas de um zoo da Argentina. Tigres são animais solitários e territorialistas, por isso foi necessário um período de quatro meses de adaptação para que os três pudessem viver juntos.

 

Havia outro empecilho: desde 2008, uma normativa do Ibama determina que todos os felinos que estão em zoos no Brasil passem por vasectomia, para evitar a distribuição de animais em circos. Para conseguir reproduzir, o parque precisou de uma autorização especial do órgão ambiental, depois de ter apresentado um plano de manejo.

 

Separados dos adultos

Desde o início, os técnicos perceberam que Amal era a favorita de Ravi. Os dois brincavam e dormiam juntos, então não foi surpresa que ela tenha sido a primeira a ficar prenhe. Mas, quando a gestação se confirmou, foi necessário separar Amal para que os filhotes não corressem riscos.

 

— Na natureza, a fêmea se separa do macho e cria os filhotes sozinha — explica a bióloga.

 

Por enquanto, mamãe e filhotes seguirão isolados dos outros dois tigres adultos. Amal deve voltar ao recinto quando os bebês completarem um ano, e não dependerem mais tanto dela. Quando isso acontecer, os tigrinhos também terão de ser separados. O recinto que fica ao lado do atual será adaptado para receber os novos moradores.

 

Este não é o primeiro nascimento raro de felinos no Beto Carrero World. Em 2015, Clara, o primeiro filhote de leão-branco nascido em cativeiro no país, virou a principal atração do zoo.

 

Curiosidades

Os filhotes de tigre branco já estão desmamando e experimentam novos sabores. A alimentação diária são porções de carne ou frango, enriquecidas com suplementos como cálcio e taurina

Tigres brancos são da espécie tigre-real-de-bengala, natural da Índia. Eles não são albinos, mas a cor dificulta a vida na selva

Apenas uma reserva no mundo, que fica na Índia, tem alguns tigres brancos vivendo na natureza

O Beto Carrero World foi o primeiro zoo do país a ter tigres brancos. São Paulo e Brasília também importaram espécimes, mas ainda não tiveram êxito na reprodução.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Menina de cinco anos escapou de chacina ao ser escondida em máquina de lavar

 

A chacina que fez quatro vítimas em Triunfo, na Região Metropolitana, na manhã de quarta-feira (9) poderia ter sido ainda mais trágica. Uma menina de cinco anos estava na casa quando o autor das facadas chegou. Às pressas, foi escondida pelos tios dentro de uma máquina de lavar. Depois de sair ilesa, viu os parentes sem vida. Para evitar um trauma maior, o pai dela, o pedreiro Tarcísio Ribeiro da Silva, 34 anos, preferiu não levá-la ao velório da mãe, da avó e dos tios. Deixou-a com parentes em Guaíba. 

 

A despedida, que ocorreu no salão paroquial Santa Terezinha, em Triunfo, nesta quinta-feira (10), foi marcada por comoção e incredulidade. Ainda com dificuldades de acreditar na tragédia, viam, um a um, os caixões chegarem no local.

 

As vítimas — todas da mesma família — foram mortas a facadas. O principal suspeito de ter cometido o crime é um vizinho de 45 anos. Na chacina, Silva perdeu a mulher Valéria Pereira Borges, 28 anos, com quem era casado há 11 anos. A mãe dela, Mirian Ribeiro Pereira, 52 anos, e dois irmãos, Valquiria Pereira Borges, 30, e João Paulo Pereira Borges, 21, também foram atingidos pelos golpes.

 

Um dos filhos de Mirian, Vitor Manoel Pereira, chegou à casa minutos após a chacina e deparou-se com a cena.  Silva, cunhado dele, estava trabalhando em uma obra em Arroio do Sal, no Litoral Norte, quando recebeu ligação de um familiar, que contou, sem detalhes, o que aconteceu. Era perto do meio-dia quando atendeu ao telefonema. No entanto, só soube da chacina ao chegar na residência, por volta das 15h. Os corpos ainda estavam no local.

 

Em meio a tragédia, descobriu que uma das vítimas ajudou a conter o autor das facadas, poupando a vida da filha de cinco anos. O cunhado dele, João Paulo, segurou a porta de um cômodo ao lado do irmão Luís Gabriel Pereira Borges, 19 anos. As facadas conseguiram atravessar o revestimento e acertaram o jovem de 21 anos, que morreu no local.

 

Homem avisou que iria "fazer limpa" na rua

 

Antes de esfaquear a família, o vizinho teria provocado. Segundo Luís Gabriel, o homem parou em frente à casa e abaixou as calças, mostrando os órgãos sexuais. Havia crianças na residência e o gesto do homem irritou os moradores, que passaram a discutir com ele. Momentos depois, o suspeito teria voltado para sua casa. Em seguida, teria saído com uma faca de açougue. As mulheres foram as primeiras a serem esfaqueadas, ainda do lado de fora da moradia. Luís Gabriel e João Paulo correram para tirar as duas crianças do pátio e trancaram a porta.

 

— Quando eu virei as costas ele estava esfaqueando todo mundo — conta Luís Gabriel.

 

O homem só parou quando outros vizinhos começaram a sair para a rua, assustados com a gritaria. Ao passar por uma mulher de 48 anos, que foi socorrer a família, apontou a faca e disse que ela seria a próxima vítima. Com medo de o homem voltar, ela, que pediu para não ser identificada, trancou-se em casa. O marido dela nem foi ao trabalho nesta quinta-feira. Há um ano, eles registraram ocorrência contra o vizinho devido a ameaças feitas por ele. Religioso, o suspeito costumava  fazer a pregação com som alto, colocando as caixas de som na janela de casa. A cena se repetia todo o sábado.

 

— Ele não podia ver criança na rua ou carro estacionado na frente da casa dele que já começava a discutir — contou.

 

Segundo a vizinha, dias antes de cometer a chacina, ele ameaçava "fazer limpa" na rua, matando desafetos. A mulher conta que o suposto autor do crime teria forçado a família a  sair de casa e  ir para residência de parentes, em Cachoeirinha, também na Região Metropolitana.

 

Para o delegado Lúcio Melo, responsável pela investigação, a retirada de familiares do local indica que a possibilidade do crime ter sido premeditado. No final da manhã desta quinta, a polícia pediu a prisão do homem, mas ainda não há retorno da Justiça.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Sexta-feira começa com céu nublado e chuva em Tramandaí

A sexta-feira (11) está pouco convidativa para quem pretende curtir o dia na praia. Em Tramandaí, o dia começou com céu fechado, chuva fina e 25º C.

 

Pouca gente se aventurou a ir para a beira da praia nesta manhã de mar limpo e agitado. Apenas alguns pescadores aproveitaram a praia vazia para pescar.

 

Nos próximos dias, a previsão de chuva se mantém, conforme a Somar. A passagem de uma nova frente fria pelo Estado deve deixar o tempo instável. Há expectativa de que o sol apareça intercalado com pancadas de chuva.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Instabilidade segue no RS nesta sexta; confira a previsão

 

Após duas madrugadas de muita chuva, descargas elétricas e transtornos, a sexta-feira (11) começa mais tranquila, porém ainda com tempo instável e bastante nebulosidade no Rio Grande do Sul.

 

De acordo com a Somar Meteorologia, mesmo com alguns períodos de melhoria, a chuva retorna ao Estado no período da tarde em forma de pancadas pontuais, acompanhada de descargas elétricas. Desta vez, a área preferencial para chuva volumosa fica na metade norte do Rio Grande do Sul.

 

Na Fronteira Oeste, as precipitações perdem intensidade. Mesmo assim, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta de acumulados na região, com risco de alagamentos, deslizamentos de encostas e transbordamentos de rios.

 

O sábado (12) pode ter a volta dos temporais em todo o oeste gaúcho. Na Fronteira Oeste, o tempo fica mais fechado e com chuva a qualquer hora do dia. Nas demais áreas, o sol aparece com pancadas de chuva, podendo ser mais intensas em algumas cidades do Norte.

 

No domingo (13), os temporais se espalham por grande parte do Rio Grande do Sul, em especial para a Fronteira Oeste. Há risco de elevados volumes de água e mais transtornos, como alagamentos e deslizamentos. Também há possibilidade de pancadas de chuva nas regiões Central e na Serra.

 

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades:

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Pelotas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 26°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 20°C e máxima de 27°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 27°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 30°C

Uruguaiana: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 24°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 31°C

Tramandaí: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 30°C

Capão da Canoa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 31°C

Xangri-Lá: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 30°C

Rio Grande: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 25°C

Mostardas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 24°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 31°C

Bagé: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 24°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Jovens mortos na zona sul de Porto Alegre em confronto com a BM tinham antecedentes criminais

Os dois jovens mortos e um que acabou preso durante confronto com a Brigada Militar, na quarta-feira (9), na zona sul de Porto Alegre, tinham antecedentes criminais. Conforme a BM, os policiais foram até o local para evitar um confronto entre facções rivais e acabaram recebidos a tiros. Moradores da região chegaram a protestar após o fato, bloqueando a Rua Orfanotrófio, na Vila Cruzeiro.

 

Conforme a delegada Elisa Souza, titular da 6ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (6ªDHPP), Gabriel Silva dos Santos, 21 anos, havia respondido por ameaça.

 

O outro morto era adolescente, tinha 17 anos, e já havia respondido por tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo, porte de arma de uso restrito e roubo. Os dois foram mortos em troca de tiros. Já Eric Ronaldo Furtado Cardoso, 19 anos, que acabou preso em flagrante, tinha passagem por receptação. A Polícia Civil solicitou à Justiça a prisão preventiva de Cardoso.

 

Sobre a atuação dos PMs, a delegada informa que foram ouvidos:

 

— Eles prestaram depoimento na DPPA (Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento) de Homicídios e disseram que exerceram legítima defesa. Os suspeitos se separaram em dois grupos. Três fugiram. Temos 10 dias para concluir o inquérito.

 

Na fuga, segundo a policial, a dupla que acabou morta entrou no pátio de uma residência atirando contra os policiais. Três armas foram apreendidas, sendo dois revólveres e uma pistola.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Maior enchente em 20 anos deixa 140 famílias fora de casa em São Gabriel

Quase 600 pessoas, de 140 famílias, estão fora de casa em São Gabriel, na Fronteira Oeste, nesta que é considerada a maior enchente dos últimos 20 anos no município. A cidade – que vai decretar situação de emergência nesta sexta-feira (11) – também está sem água potável.

 

Nas últimas 30 horas, choveu 300 milímetros no município, sendo que o acumulado do mês de janeiro é de 400 milímetros.

 

O Rio Vacacaí está sete metros acima do normal e não para de avançar. Segundo os bombeiros, não chove forte no município desde a quinta-feira, mas o problema segue porque a água continua descendo da barragem da cidade. Na manhã desta sexta, conforme a Defesa Civil, o rio começou a baixar lentamente.

 

A água invadiu a Avenida Presidente Vargas, uma das principais do município, impedindo a passagem dos moradores para o bairro Bom Fim. O caminho alternativo é pela BR-290.

 

Pelo menos cinco bairros foram atingidos em São Gabriel. Os moradores estão sem água potável desde as 16h30min de quinta-feira, e não há previsão de normalização do serviço.

 

A prefeitura e a Defesa Civil do município montaram um abrigo no ginásio da Escola Menino Jesus, para onde são encaminhados os moradores que precisam deixar suas casas. Também foi montado um esquema para arrecadação de doações, para auxiliar as famílias que perderam seus pertences para a água. As principais necessidades são alimentos, água potável, roupas e colchões.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Quase 900 pessoas estão fora de casa em Alegrete após enxurrada

A cidade de Alegrete, na Fronteira Oeste, tem 858 pessoas fora de casa devido aos temporais registrados no começo desta semana na região. São 346 pessoas desabrigadas, que perderam suas casas, e 512 desalojadas, que estão em residências de parentes e amigos.

 

Os mais de 300 desabrigados estão em locais disponibilizados pela Prefeitura. Os números foram atualizados na manhã desta sexta-feira (11) pelo coordenador da Defesa Civil da Fronteira Oeste, major Rinaldo Castro.

 

O nível do Rio Ibirapuitã estava 13 metros acima do normal na medição das 5h45min. O nível subiu cinco centímetros entre quinta e sexta-feira – menos do que nos dias anteriores. A Ponte Borges de Medeiros segue interditada e só será liberada após a água baixar. A ponte é a principal ligação entre a zona leste e o restante do município. Com isso, quem precisa atravessar de um ponto para o outro precisa utilizar a BR-290, em um desvio de oito quilômetros.

 

Já são mais de 400 milímetros de chuva nestes primeiros dias de janeiro em Alegrete. De acordo com a Defesa Civil, ainda está descendo água do Ibirapuitã de Santana do Livramento para Alegrete, mas a chuva parou em Livramento. A previsão é que o nível do rio se estabilize até o próximo domingo (13).

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Sargento do Exército é detido após fugir de abordagem em Porto Alegre

O motorista de um Hyundai Veloster foi detido após fugir de abordagem da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e da Brigada Militar (BM) no final da madrugada desta sexta-feira (11), em Porto Alegre. Conforme a Polícia Civil, o condutor é um sargento do Exército, de 28 anos, cujo nome não está sendo divulgado.

 

A ocorrência começou por volta das 4h30min, na Rua Auxiliadora, próximo à Rua 24 de Outubro, quando o veículo entrou na contramão e parou ao perceber a presença dos agentes de trânsito. O motorista e o carona desceram do carro, que estava com o licenciamento vencido.

 

A BM foi acionada e o guincho, chamado. Quando a polícia se afastou, o motorista teria retornado ao carro e ameaçado os agentes da EPTC, colocando a mão na cintura como se fosse sacar a arma que carregava. Em seguida, ele e o passageiro entraram no Veloster e fugiram pela contramão. A polícia foi novamente acionada e iniciou o acompanhamento da ocorrência.

 

O carro fugiu pelas vias Auxiliadora, Marquês do Pombal – pela contramão –, Mariland, 24 de Outubro, Princesa Isabel, Bento Gonçalves, Vicente da Fontoura e Plácido de Castro, onde os ocupantes foram detidos pouco antes das 6h. No trajeto, o automóvel foi atingido no vidro traseiro por dois tiros, disparados pela BM. Ninguém se feriu.

 

A arma do motorista foi apreendida. Segundo a polícia, ela era particular e estava com o registro de porte vencido. Conforme o delegado João Cesar Nazário, da Delegacia de Homicídios de Trânsito, a arma será analisada para saber se houve disparos por parte do militar.

 

Os dois homens foram levados ao Departamento Médico Legal (DML) para exames, que não atestaram embriaguez do condutor. Ele será autuado por direção perigosa, desacato e desobediência.

 

A Polícia do Exército também foi acionada. O motorista do Veloster será liberado após assinar termo circunstanciado.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

11/01/2019 - Gasolina atinge menor preço em 33 semanas no RS

O preço do litro da gasolina engatou marcha a ré e atingiu o menor nível em 33 semanas no Rio Grande do Sul. Entre 30 de dezembro e 5 de janeiro, o valor médio cobrado nas bombas foi de R$ 4,482. Com o resultado, retornou ao patamar anterior à greve dos caminhoneiros. De 13 a 19 de maio, às vésperas da paralisação dos motoristas, o combustível era vendido por R$ 4,439 no Estado, apontam dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

 

Mesmo com o recuo nos postos, o preço gaúcho ainda é o mais elevado da Região Sul e segue em nível superior à média nacional. Segundo a ANP, o valor registrado no país, entre 30 de dezembro e 5 de janeiro, caiu para R$ 4,330. Assim como no Rio Grande do Sul, a marca brasileira também é a menor em 33 semanas.

 

Para analistas, a redução nas bombas espelha a recente baixa no mercado internacional do preço do petróleo, calculado em dólar, que também passou a cair após as eleições presidenciais. Conforme política adotada pela Petrobras em 2017, a cotação da commodity serve de referência para a estatal fixar os valores dos combustíveis. 

 

– Nos últimos meses, a gasolina, de alguma forma, vem acompanhando a flutuação do petróleo – afirma o diretor da consultoria ES Petro, Edson Silva.

 

No Rio Grande do Sul, a redução também teve influência de uma questão tributária. No início deste mês, o Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF) caiu R$ 0,27, para R$ 4,55 por litro. É sobre esse valor médio, determinado após pesquisa feita pela Receita Estadual junto aos postos, que incide a cobrança do ICMS da gasolina. Ou seja, quanto menor for o preço de pauta, menor o impacto do tributo sobre o combustível.

 

– O corte no preço de pauta traz movimento positivo para o setor. Além disso, o mecanismo de hedge (proteção financeira), que a Petrobras adotou em setembro para conter a oscilação da gasolina, ajudou os postos. Trouxe maior previsão sobre os preços – afirma João Carlos Dal'Aqua, presidente do Sulpetro, que representa os postos gaúchos.

 

Segundo analistas, o preço mais salgado da gasolina no Rio Grande do Sul frente a outros Estados guarda relação, em parte, com o ICMS mais elevado. A alíquota gaúcha sobre o combustível é de 30%. Em Santa Catarina, por exemplo, de 25%. Além disso, a gasolina que chega às bombas tem o acréscimo de 27% de etanol anidro, não produzido no Rio Grande do Sul. A necessidade de trazê-lo de Estados como o Paraná também encarece o preço final cobrado dos gaúchos.

 

Possibilidade de novos cortes nos próximos dias

Apesar desses obstáculos, a tendência para o Rio Grande do Sul, nas próximas semanas, é de que o valor nos postos tenha novos cortes, diz Dal’Aqua. O dirigente evita projetar a qual nível as eventuais reduções poderiam chegar.

 

– A tendência é de baixa, mas com o preço ainda em patamar elevado – observa Dal'Aqua.

 

Silva também avalia que o preço tende a apresentar novas reduções. O analista lembra que, após cair em 2018, o valor do petróleo no mercado internacional tem subido nas últimas semanas, mas pondera que o dólar segue "estabilizado", com a simpatia inicial do mercado financeiro ao governo Jair Bolsonaro.

 

– Se esse cenário for confirmado, é possível esperar aumento no consumo de combustíveis e na rentabilidade dos postos. Durante a greve dos caminhoneiros, houve queda nas margens do setor, que já estão se recuperando – menciona Silva.

 

Em 2018, alta nas bombas, queda nas refinarias

Mesmo com a redução nas últimas semanas, o preço da gasolina no Rio Grande do Sul fechou 2018 com alta de 2,9% em relação a 2017. Ao final de dezembro, o valor médio nos postos gaúchos chegou a R$ 4,500, indicam dados da ANP.

 

No país, também houve avanço na mesma comparação. A média nacional encerrou a última semana do ano passado em R$ 4,344, aumento de 5,9% frente a 2017.

 

Nas refinarias, o comportamento da gasolina foi inverso. Entre janeiro – o primeiro dado mensal disponível – e dezembro de 2018, o preço do combustível na Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, passou de R$ 1,6294 para R$ 1,5598, redução de 4,3%. Divulgados pela Petrobras, os valores não incluem o peso de tributos. Além disso, a gasolina vendida nas refinarias para as distribuidoras não contempla o acréscimo de etanol anidro, que também tende a encarecer os preços finais.

 

Presidente do Sulpetro, João Carlos Dal'Aqua afirma que o descompasso em relação às refinarias pode ser atribuído, em parte, à retomada nas margens de lucro:

 

– A queda nas refinarias reflete a baixa global no valor do petróleo. No mercado interno, houve retomada nas margens, que estavam dilaceradas em todo o segmento. Historicamente, permaneciam em torno de 12% nos postos. Com os reajustes quase diários da Petrobras, haviam ficado abaixo de 10%. Mas os grandes ganhos foram os das distribuidoras.

 

Dal'Aqua diz "não ser contra" a política de preços da Petrobras, desde que existam mecanismos de proteção – como o hedge em vigor desde setembro – para conter as oscilações. Segundo o dirigente, cerca de cem postos fecharam as portas no Estado desde julho de 2017, quando a estatal mudou sua política de reajustes.

 

GaúchaZH buscou contato com o Sindisul, que representa as distribuidoras, mas não teve retorno.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

10/01/2019 - Criminosos atacam banco e disparam contra prédio da BM no Vale do Rio Pardo

Uma agência do Sicredi foi atacada por criminosos na madrugada desta quinta-feira (10) em Lagoão, no Vale do Rio Pardo. Segundo informações preliminares da Brigada Militar (BM), cinco homens armados com fuzis e roupas camufladas realizaram o ataque, por volta das 2h.

 

O grupo danificou uma parede da agência, disparando o alarme e o mecanismo de segurança que espalha fumaça pelo local. Um caixa eletrônico chegou a ser violado, mas eles fugiram sem levar dinheiro.

 

Na fuga, a quadrilha espalhou miguelitos (ferros retorcidos) para dificultar o trabalho da polícia. Conforme a BM, houve disparos de fuzil contra o prédio da corporação.

 

Guarnições de Santa Cruz do Sul e Lagoão fazem cerco na região em busca dos criminosos. Ninguém foi preso até o momento.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

 

10/01/2019 - Motorista morre após carro trafegar na contramão e bater em caminhão na BR-116

Um acidente envolvendo um carro e um caminhão provocou uma morte na BR-116, em Sapucaia do Sul, na manhã desta quinta-feira (10). A vítima é o motorista de um Corsa que, conforme relatos de testemunhas à Polícia Rodoviária Federal (PRF), trafegava pela contramão na rodovia.

 

Por volta das 9h40min, a perícia finalizou o serviço e os dois veículos foram removidos da pista. A via está liberada.

 

O veículo, com placas de Alvorada, teria saído da BR-448 e trafegado em direção ao Interior pela faixa que vai para Porto Alegre. Próximo ao zoológico de Sapucaia, no km 253, o carro colidiu frontalmente no caminhão, rodou na pista e bateu na mureta da rodovia.

 

A vítima foi identificada como Otávio Eduardo Florence Martins, 26 anos. Os dois ocupantes do caminhão, Nelson Darci de Oliveira Melo, 43 anos, e Wilian Ladwig, 30 anos, ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital Getúlio Vargas.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

10/01/2019 - Toffoli decide que votação para presidência do Senado será secreta

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu nesta quarta-feira (9) que a votação para a eleição da nova Mesa Diretora do Senado, prevista para 1º de fevereiro, deverá ser secreta. A decisão foi tomada pelo ministro em função do período de recesso no Judiciário.

 

Na decisão, o presidente aceitou o recurso protocolado pelo SD e MDB, além da advocacia do Senado, para derrubar a decisão proferida pelo ministro Marco Aurélio Mello, que, no dia 19 de dezembro, antes do início do recesso, aceitou um mandado de segurança do senador Lasier Martins (PSD-RS) para determinar que a votação seja feita de forma aberta.

 

A votação secreta está prevista no Regimento Interno do Senado, no entanto, Marco Aurélio entendeu que a regra é inconstitucional.

 

"O princípio da publicidade das deliberações do Senado é a regra, correndo as exceções à conta de situações excepcionais, taxativamente especificadas no texto constitucional", escreveu o ministro.

 

Mais cedo, em outra decisão, Toffoli decidiu manter votação secreta para a eleição da presidência da Câmara, também prevista para 1º de fevereiro.  O ministro rejeitou mandado de segurança protocolado deputado federal eleito Kim Kataguiri (DEM-SP), que defendeu que a votação dos parlamentares para eleger novo presidente da Casa fosse aberta.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

10/01/2019 - Confira os trechos de estradas que o Piratini pretende conceder à iniciativa privada

Prometidas na campanha de Eduardo Leite, as concessões e parcerias público-privadas (PPPs) serão ampliadas e deverão ganhar um novo ritmo no primeiro semestre deste ano. Nos  próximos 60 dias, a Secretaria de Governança e Gestão Estratégica, comandada por Claudio Gastal, fará um levantamento de ativos que poderão ser repassados à iniciativa privada e ao terceiro setor.

 

— Vamos agilizar as parcerias no Rio Grande do Sul. Nosso conceito é de que o serviço público deve ter qualidade. Indiferente de quem o realiza, se é o próprio governo, empresa privada ou terceiro setor. O cidadão, que é o sentido de tudo, tem de estar satisfeito e bem atendido — disse Gastal ao anunciar a decisão.

 

O governo anterior deixou encaminhadas quatro propostas de parceria ou concessão à iniciativa privada.

 

A PPP da Corsan, que permitirá a ampliação do saneamento básico na Região Metropolitana, ainda necessita da aprovação da Câmara Municipal de Canoas para posterior publicação do edital. O edital do Zoológico de Sapucaia do Sul está em avaliação na Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e Central de Licitações.

 

As concessões de estradas contemplam três trechos que somam 437 quilômetros: são 115,3 km da ERS-324/BR-470 (Passo Fundo-Marau-Casca-Nova Prata), 204,5 km da RSC-287 (Tabaí- Santa Maria), incluindo o trecho hoje operado pela EGR, e 117,7 km da ERS-020/ERS-035 (Cachoeirinha-Taquara-São Francisco de Paula-Canela).

 

 A transferência dessas rodovias para a iniciativa privada, assim como a concessão da Estação Rodoviária de Porto Alegre, estão em fase final de estudos pela KPMG, consultoria contratada no governo anterior. O trabalho deve ser concluído até o final de fevereiro.

 

O programa do governo anterior é considerado muito tímido. Leite estuda fazer concessões e PPPs nas áreas de infraestrutura, saúde, cultura e segurança.

 

Em recente entrevista, o governador disse à Rádio Gaúcha que as rodovias com maior fluxo de veículos devem ser operadas pela iniciativa privada, mediante cobrança de pedágio. Por essa lógica, a ERS-122 deve ser concedida, com compromisso de duplicação do trecho entre São Vendelino e Caxias do Sul.

 

Duração da concessão:

 

PPP da Corsan = 35 anos

Zoológico de Sapucaia do Sul = 30 anos

Rodovias = 30 anos

Rodoviária de Porto Alegre = 25 anos.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

10/01/2019 - Homem é morto com um tiro no centro de Porto Alegre

Um homem foi morto com um tiro no peito, no começo da manhã desta quinta-feira (10), no centro de Porto Alegre. O crime ocorreu na Rua Marechal Floriano Peixoto, próximo à Rua Fernando Machado, por volta das 7h30min.

 

Segundo policiais militares que atenderam a ocorrência, informações iniciais são de que o homem seria um morador de rua. Ele foi reconhecido por moradores e trabalhadores da região. A identidade dele, no entanto, ainda não foi confirmada. 

 

— Ouvi uns dois tiros e, depois, vim aqui ver se conhecia a pessoa. A gente se assusta, porque podia ser um colega — disse um homem que trabalha no Centro e que preferiu não se identificar.

 

Um motorista de ônibus que passava pelo local informou aos PMs que havia presenciado o crime:

 

 — Eu vi. A gente estava encostando ali e tinha dois caras do outro lado da rua. Um deles atravessou e atirou, e depois eles fugiram — disse o homem, que também preferiu não se identificar.

 

A Brigada Militar aguarda a chegada da Polícia Civil e da perícia, que fará a identificação.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

10/01/2019 - Alegrete tem mais de cem famílias desabrigadas devido a temporais

 

Mais de cem famílias já foram retiradas de casa em Alegrete, na Fronteira Oeste, em função da chuva que atinge a região. De acordo com o secretário municipal da Segurança Pública, Mobilidade e Cidadania, Luciano Pereira, a expectativa é que esse número dobre ainda nesta quinta-feira (10) conforme transcorram os trabalhos do dia. As famílias foram levadas a cinco abrigos municipais.

 

— Essa será uma das maiores cheias da história do Alegrete. Isso porque ainda existe grande quantidade pluviométrica para cair na nossa região. Há uma previsão de 66 milímetros em Alegrete e 60 milímetros em Uruguaiana somente hoje. Até domingo, a previsão é de 150 a 200 milímetros de chuva em Santana do Livramento, que é onde fica a cabeceira do rio — afirmou.

 

Uma das maiores preocupações se refere ao Rio Ibirapuitã, que estava 11,6 metros acima do nível normal às 6h30min desta quinta. Como choveu forte durante a noite, o secretário acredita que esse número chegará a 13 metros até o fim do dia. Se isso acontecer, será necessário fechar a Ponte Borges de Medeiros.

 

A prefeitura de Alegrete e o Exército seguem realizando trabalho de prevenção, para retirar famílias de casa antes que a água chegue, e de emergência, quando a água já invadiu as residências. O trabalho de prevenção é feito pelo Exército e o de emergência por integrantes do Executivo e da Defesa Civil.

 

Conforme a Somar Meteorologia, choveu 358mm em Alegrete nos últimos quatro dias— mais do que o triplo da média histórica para o mês (114,9mm). Na quarta-feira, a prefeitura decretou situação de emergência na cidade devido aos estragos.

Morte em Alegrete

A chuva também causou a morte de um homem no interior do município. Luis Antonio Pereira Duarte, 43 anos, morreu após uma árvore cair sobre a casa onde ele morava, na localidade de Inhanduí.

 

Em Paso de Los Libres, na província argentina de Corrientes, que faz  fronteira com Uruguaiana, houve ao menos mais duas mortes em razão da  chuva. Conforme o site do jornal Clarín, uma mãe, de idade não  informada, e sua filha, de sete anos, se afogaram ao ter o carro em que  viajam arrastado pelas águas enquanto tentavam cruzar uma ponte  inundada. 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

09/01/2019 - Governo enviará proposta de reforma da Previdência "mais robusta" e com capitalização

O governo deve enviar ao Congresso uma proposta de reforma da Previdência com alterações sobre o atual regime das aposentadorias e com a criação de um novo modelo, de capitalização, para os trabalhadores que ainda vão ingressar no mercado formal. As ideias, contidas em uma proposta de reforma "mais robusta", foram antecipadas pelo ministro da Economia Paulo Guedes, que reuniu-se na tarde desta terça-feira (8) com o ministro-chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni em Brasília.

 

O encontro durou quase duas horas e meia. Onyx e Guedes sinalizaram que a visão da equipe econômica de uma reforma mais duradoura deve prevalecer na versão que será apresentada a Jair Bolsonaro na próxima semana.

 

Bolsonaro ainda vai bater o martelo sobre o desenho final, e a equipe econômica ainda terá de convencê-lo de que o Congresso Nacional é capaz de digerir a proposta de uma reforma mais dura e de longo prazo. Na semana passada, o presidente havia acenado com uma proposta mais "light", apenas para seu mandato. A proposta gerou apreensão entre economistas, uma vez que não representaria uma solução definitiva para as contas públicas. O déficit previsto no Orçamento de 2019 é de R$ 139 bilhões.

 

— O nosso objetivo é que não seja necessário falar sobre reforma da Previdência pelos próximos 20 anos — disse Onyx ao deixar o Ministério da Economia.

 

Paulo Guedes, por sua vez, chegou a falar em um novo regime trabalhista e previdenciário. Os ministros, no entanto, não entraram em detalhes sobre as regras para idade mínima e para o período de transição para quem já está mais próximo de se aposentar. Questionado se a regra de transição será mais dura que a proposta do governo de Michel Temer, o ministro disse apenas que terá a "mesma profundidade".

 

— Estamos fazendo simulações sobre a idade mínima e simulando a regra de transição. É mais difícil, mas estamos tentando salvar o regime de Previdência que está aí e criar um novo regime para as novas gerações — acrescentou.

 

Guedes afirmou ainda que a criação do regime de capitalização constará no mesmo texto que será enviado em fevereiro. Segundo ele, não haverá "fatiamento", no sentido de encaminhar mais de uma proposição ao Congresso Nacional. A ideia poderia aumentar o  custo político de negociar várias votações com os parlamentares. O ministro Onyx também disse que tudo será tratado "no mesmo texto".

 

Na semana passada, em entrevista ao SBT, Bolsonaro defendeu uma proposta de reforma que prevê idade mínima de 62 anos para os homens e 57 anos para as mulheres, com aumento gradativo.

 

— Sempre uma fala do presidente tem muita força. E o presidente Bolsonaro é uma pessoa que tem um capacidade muito grande de sinalizar caminhos. Quando ele falou, a gente comentou isso na última sexta-feira, ele queria, na verdade, era mostrar o que a gente vem dizendo a ele, que nós vamos construir uma proposta muito humana, respeitando o direito das pessoas, mas dando condição de o Brasil buscar o equilíbrio fiscal — acrescentou Onyx.

 

De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, é possível incluir a criação do regime de capitalização na proposta já em tramitação no Congresso porque existem emendas à reforma de Temer que podem ser aproveitadas, o que pouparia tempo de tramitação. Segundo Onyx, a ideia é propor uma reforma que tenha "bom trânsito" junto ao Parlamento.

 

Os ministros consideraram produtivas as reuniões técnicas realizadas ao longo do dia e afirmaram que pretendem levar a proposta de reforma para o aval de Bolsonaro na próxima semana.

 

— A proposta de reforma só será conhecida após o término das simulações do ministro Guedes e só será revelada após a aprovação do presidente. Pedimos paciência, vamos falar mais sobre a proposta na próxima semana — completou.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

09/01/2019 - Bolsonaro determina que PF garanta segurança de Moro e familiares

 

O presidente Jair Bolsonaro determinou na terça-feira (8) que a Polícia Federal tome providências para "garantir, diretamente ou por meio de articulação" com outros órgãos, a segurança do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e de seus familiares.

 

De acordo com despacho publicado em edição extra do Diário Oficial da União, a decisão foi tomada "diante de informações sobre situações de risco decorrentes do exercício do cargo".

 

Ex-juiz da Lava-Jato, Moro tinha segurança especial quando atuava como magistrado em Curitiba. No início da operação, em 2014, ele resistiu à escolta armada, mas aos poucos teve que readaptar sua rotina.

 

Em 2016, a PF chegou a investigar ameaças feitas na internet que pregavam atos de violência contra Moro. Nos últimos anos, o então juiz vinha evitando restaurantes cheios e idas a shoppings, por exemplo.

 

Procurado na noite desta terça-feira, o Ministério da Justiça informou que não poderia dar informações por questões de segurança. A PF disse que não comentaria.

 

Confira a íntegra do despacho de Bolsonaro:

"Diante de informações sobre situações de risco decorrentes do exercício do cargo de titular do Ministério da Justiça e Segurança Pública, determino à Polícia Federal providências no sentido de garantir, diretamente ou por meio de articulação com os órgãos de segurança pública dos entes federativos, a segurança pessoal do Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública e de seus familiares. Em 8 de janeiro de 2019."

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

09/01/2019 - Bolsonaro recebe nesta quarta-feira proposta para combater fraudes no INSS

No esforço de reduzir os prejuízos na Previdência Social, o governo vai agir em duas frentes. Em uma delas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, apresenta nesta quinta-feira (9) ao presidente Jair Bolsonaro o texto de uma medida provisória (MP) antifraudes no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

 

Segundo o ministro, a MP será implementada neste ano e visa diminuir de R$ 17 bilhões a R$ 20 bilhões as perdas até dezembro. Guedes esclareceu ainda que "são dois movimentos" que o governo decidiu tomar: a adoção da MP e as negociações para acelerar a reforma da Previdência.

 

A equipe econômica ainda faz simulações para definir a proposta de emenda à Constituição (PEC) para a reforma da Previdência, a ser encaminhada para o Congresso a partir de fevereiro. As simulações envolvem idade mínima para aposentadoria e prazo de transição para os trabalhadores que já contribuem para o atual modelo previdenciário.

 

Guedes se reuniu na tarde de terça-feira com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, no Ministério da Economia, para discutir os dois assuntos – a MP antifraudes e a reforma da Previdência.

 

— O nosso objetivo é que, nos próximos 20 anos, a gente não tenha mais de falar de reforma da Previdência no Brasil. Além disso, será uma proposta humana, como o presidente deseja que a gente faça, respeitando as pessoas e dando uma boa condição para que seja aprovada no Congresso Nacional — afirmou Onyx.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

09/01/2019 - Alerta para temporais e calor; confira a previsão para o RS

Na quarta-feira (9), pode haver chuva a qualquer momento e acumulados bastante expressivos nas áreas de fronteira com Uruguai e Argentina. Nessas áreas, a chuva é bastante volumosa, com acumulados expressivos e deve vir acompanhada por trovoadas, descargas elétricas e queda de granizo. Já foram registrados estragos devido à chuva durante a madrugada.

 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta para rajadas de ventos intensos, entre 60 e 100 km/h, com risco de estragos em plantações, queda de árvores, alagamentos e corte de energia elétrica no Oeste. Os Campos de Cima da Serra, o Litoral, as Missões e o Alto Uruguai também poderão ser atingidos.

 

De acordo com a Somar Meteorologia, na maior parte do Estado a chuva ocorre em forma de pancadas rápidas, mas com trovoadas. Os ventos ainda sopram com intensidade superior a 70km/h no RS.

 

Para a quinta-feira (10), a passagem ligeira de uma frente fria mantém o tempo instável em todo o Estado. No Oeste, os acumulados são ainda mais expressivos e há risco para deslizamento e movimento de massas devido aos elevados volumes. A chuva vem acompanhada de descargas elétricas e rajadas de até 70km/h em todo o Estado. Na metade norte, incluindo a Capital, o sol aparece intercalado com períodos de chuva e condições para temporais. Temperaturas continuam elevadas, e a sensação de calor predomina.

 

Confira a previsão do tempo para algumas cidades:

Porto Alegre: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 36°C

Pelotas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 30°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 32°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 33°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 31°C

Uruguaiana: chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 27°C

Torres: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 26°C e máxima de 33°C

Tramandaí: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 30°C

Capão da Canoa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 31°C

Xangri-Lá: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 31°C

Rio Grande: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Mostardas: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 25°C e máxima de 28°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 30°C

Bagé: chuvas intercaladas com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 26°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

09/01/2019 - Temporal causa estragos na Fronteira Oeste

O temporal registrado entre a noite de terça (8) e madrugada desta quarta-feira (9) causou estragos e prejuízos em municípios da Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul.

 

Em Alegrete, a ventania derrubou um eucalipto sobre a RS-377, na região da Vila Palma, por volta das 4h, provocando a interrupção no tráfego na rodovia. O trânsito foi liberado pouco antes das 7h.

 

Ainda na cidade, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) precisou fechar as portas devido ao acúmulo de água no prédio. Falta energia elétrica em parte do município.

 

Já em Uruguaiana, o temporal se intensificou entre 1h e 3h e atingiu principalmente a zona sul do município. O cenário na cidade é de postes e árvores caídas em vias públicas, e há registros de destelhamentos de residências.

 

Estragos em Bagé

Em Bagé, onde o acumulado de chuva chegou a 70 milímetros durante a madrugada, são registrados diversos pontos de alagamento na manhã desta quarta. Na cidade, a chuva mais forte foi por volta da meia-noite e os bairros mais atingidos foram Getulio Vargas, Arvorezinha e Popular.

 

Segundo o Corpo de Bombeiros, ainda não é possível confirmar o número de pessoas afetadas e não há informação de feridos. Uma família precisou ser resgatada de uma casa, no bairro Popular, devido à alta da água.

 

A empresa Rio Grande Energia (RGE) informa que as equipes estão nas cidades avaliando os estragos e iniciando a recomposição da rede. A companhia alerta para que os moradores não encostem em fios energizados por questões de segurança.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Justiça pode decidir hoje sobre habeas corpus de João de Deus

 

A Justiça de Goiás pode decidir nesta terça-feira o pedido da defesa do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, de 76 anos, que entrou com habeas corpus para transformar a decisão judicial de prisão preventiva em prisão domiciliar com tornozeleira. O argumento utilizado se baseia na idade avançada e no estado de saúde de João de Deus. A decisão ocorre no momento em que a força-tarefa, criada pelo Ministério Público de Goiás para apurar as acusações de abuso, recebeu 506 relatos de mulheres que denunciam crimes sexuais.

 

• Futuro do centro espiritual onde João de Deus atendia é incerto

 

Há uma semana, desde que o grupo foi criado, o número de denúncias aumenta. Pela segunda noite consecutiva, João de Deus dormiu em uma cela de 16 metros quadrados com pia e vaso sanitário, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, denominado Núcleo de Custódia. O pedido de prisão preventiva se sustentou em 15 denúncias já formalizadas em Goiânia - todas por crimes sexuais.

 

• Defesa de João de Deus usa "passado" das vítimas para questionar depoimentos

 

No domingo à tarde, João de Deus se entregou em uma estrada de terra na região de Abadiânia, em Goiás. De acordo com os advogados, o lugar foi escolhido para preservar o médium. Porém, policiais confirmaram que houve uma longa negociação para ele se entregar. Os advogados reiteram a inocência do médium e levantam dúvidas sobre o comportamento das possíveis vítimas e o conteúdo de seus depoimentos. A polícia também investiga a a movimentação de cerca de R$ 35 milhões nas contas de João de Deus.

 

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

18/12/2018 - Bombeiros de Rolante removem árvores caídas durante temporal

O trabalho para conter os danos causados em Rolante pelo temporal do final da tarde de ontem seguirá nesta terça-feira. Ainda na noite de segunda-feira, o Corpo de Bombeiros Voluntários realizou a remoção de várias árvores caídas ao longo da ERS 239, bem como o atendimento a casas destelhadas nos bairros Centro, Contestado, Alto Rolantinho e Linha Reichert. A Escola Estadual Souza Cruz sofreu destelhamentos, mas as aulas devem ocorrer normalmente hoje.

 

Já em Igrejinha, parte da marquise de uma loja na rua João Corrêa, na área central, cedeu logo após o início do temporal. Ninguém se feriu, conforme a Defesa Civil do município. Também foram registradas quedas postes e árvores.

 

 

 

Fonte: Correio do Povo

18/12/2018 - Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe

Não foi fácil, mas Gabriel Medina fez praticamente o impossível para sair de Pipeline com mais um título mundial de surfe na bagagem. Em uma disputa apertada com o australiano Julian Wilson durante toda esta segunda-feira (17), o paulista de 24 anos mostrou todo seu repertório de manobras para levantar pela segunda vez na carreira o troféu de campeão da temporada no Havaí.

 

A vitória foi concretizada somente na semifinal do evento. O brasileiro venceu o sul-africano Jordy Smith, foi à final da etapa e não pode mais ser alcançado por Wilson – que ainda segue vivo na competição, já que Pipeline fecha a temporada 2018 do Circuito Mundial de Surfe.

 

– Foi um ano muito intenso, estou muito feliz agora. Eu não consigo encontrar palavras, só tenho que agradecer aos meus fãs e à minha família. Sempre venho aqui para fazer o meu melhor, acredito nos planos de Deus, tenho fé nisso, e eu tive um bom dia. Estou muito feliz de ter feito isso novamente. Isso é para o Brasil – comemorou o surfista natural de Maresias após vencer sua bateria na semifinal.

 

 

Adversário do brasileiro na disputa pelo título, Julian Wilson ainda enfrenta Kelly Slater na outra semifinal. Porém, mesmo que seja campeão do evento, o australiano não tem mais possibilidades de ultrapassar Medina na classificação final do ranking mundial.

 

Esse é o terceiro título do Brasil na elite do surfe mundial. Além de Medina em 2014, Adriano de Souza conquistou a temporada de 2015. Com o troféu de 2018, Gabriel se iguala a Tom Carroll (Austrália), Damien Hardman (Austrália) e John John Florence (Havaí), todos bicampeões mundiais.

 

Confira as baterias desta segunda-feira:

Round 4

1. Conner Coffin (EUA) 9.43 x Jordy Smith (AFS) 11.50 x Ryan Callinan (AUS) 7.93

2. Michel Bourez (TAH) 6.57 x Sebastian Zietz (HAV) 11.93 x Gabriel Medina (BRA) 16.90

3. Yago Dora (BRA) 15.97 x Julian Wilson (AUS) 12.44 x Joel Parkinson (AUS) 7.77

4. Jesse Mendes (BRA) 7.00 x Joan Duru (FRA) 10.80 x Kelly Slater (EUA) 9.20

 

Quartas de final

1. Jordy Smith (AFS) 13.16 x Sebastian Zietz (HAV) 6.93

2. Gabriel Medina (BRA) 19.43 x Conner Coffin (EUA) 14.26

3. Yago Dora (BRA) 10.17 x Kelly Slater (EUA) 15.53

4. Julian Wilson (BRA) 13.50 x Joan Duru (FRA) 10.07

 

Semifinal

1. Jordy Smith (AFS) 15.83 x Gabriel Medina (BRA) 16.27

2. Kelly Slater (EUA) x Julian Wilson (AUS)

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Incêndio atinge mais de 600 casas em Manaus

Um incêndio de grandes proporções atingiu pelo menos 600 casas no bairro de Educandos, na zona sul de Manaus, na noite de segunda-feira (17). Segundo o portal G1, até o início da madrugada desta terça-feira (18), quatro pessoas tiveram de ser encaminhadas a hospitais da cidade.  O fogo já foi controlado pelos bombeiros.

 

As chamas começaram em uma área com dezenas de casas de madeira, por volta das 20h, e se propagou para residências de alvenaria. A quantidade de veículos estacionados nas vias, o vento constante e a interrupção na distribuição de energia elétrica agravaram a situação.

 

Pelo Twitter, o prefeito da cidade, Arthur Virgílio Neto, lamentou o ocorrido e informou que as secretarias municipais estão “cadastrando os desabrigados, prontas para limpar os locais atingidos e buscar normalizar a vida das vítimas”. Ele afirmou ainda que vai declarar Estado de Emergência “para agilizar as providências”.

 

 

Segundo o Corpo de Bombeiros, um rescaldo será feito nesta terça-feira para analisar os estragos. As causas do incêndio ainda são desconhecidas.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - RS tem novo alerta de temporais e ventos fortes nesta terça

Após mais um dia de recordes em Porto Alegre — que teve sensação térmica de 47,4°C na segunda-feira (a maior entre as capitais brasileiras)—, a terça-feira (18) será mais um dia de calor e abafamento desde as primeiras horas do dia no Rio Grande do Sul. No extremo sul gaúcho, as temperaturas ficam amenas devido ao tempo mais fechado. De acordo com a Somar Meteorologia, há formação de chuva no período da tarde e, assim como registrado nos últimos dias, risco para temporais. No norte, os ventos podem chegar a 60 km/h durante a chuva, que pode ter queda de granizo.

 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso alertando sobre a possibilidade de tempestade entre a 1h de terça e a 0h59min de quarta-feira (19) em todo o Estado. Segundo o Inmet, há possibilidade de chuva entre 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos de até 100 Km/h e queda de granizo. Há também risco de corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e de alagamentos.

 

Na quarta, as condições de tempo mudam pouco, visto que os ventos sopram de norte e transportam calor e umidade para o Estado. Por conta disso, a sensação é de abafamento na metade norte gaúcha e as condições são favoráveis para pancadas de chuva forte, com potencial para transtornos e queda de granizo. Os maiores volumes devem ser observados no centro e sul do RS, onde novamente há condições para alagamentos nos centros urbanos.

 

 

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades:

Capital: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Pelotas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 26°C

Caxias do Sul: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 28°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 24°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 29°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 34°C

Uruguaiana: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 25°C

Torres: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 28°C

Tramandaí: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 27°C

Capão da Canoa: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 29°C

Xangri-Lá: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 28°C

Rio Grande: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 20°C e máxima de 24°C

Mostardas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 24°C

Passo Fundo: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 19°C e máxima de 27°C

Bagé: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 23°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Advogada fica presa em terminal bancário da Cidade Baixa ao sacar dinheiro às 22h

O badalar das 22h bagunçou o churrasco de sábado (15) de Cledia Maria Padilha Nunes. O destino da noite era a Churrascaria Giovanaz, na Avenida Venâncio Aires, conhecida na região por só aceitar pagamentos em dinheiro ou cheque. Por isso, a advogada de 50 anos estacionou e caminhou cem metros até os terminais eletrônicos do Bradesco, na mesma via do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre.

 

Enquanto efetuava o saque de R$ 70, as luzes se apagaram, o ar-condicionado desligou e as portas se trancaram.

 

— Havia um botão do lado de dentro para que a porta abrisse, mas talvez o mecanismo também se desligue automaticamente às 22h. Fiquei presa ali, naquele forno, sem saber o que fazer.

 

De acordo com o Inmet, fazia aproximadamente 25°C naquele momento do lado de fora da agência. Do lado de dentro, conforme a cliente, estava um bocado mais quente. Para piorar, ela havia deixado o telefone dentro do carro. Também não havia ninguém ainda esperando por ela na churrascaria. Precisaria chamar a atenção de um estranho para tomar alguma providência.

 

Se foi azar estar no terminal bem naquele horário, por outro era o horário exato de encerramento da Company Galetos, do outro lado da rua. O proprietário, Sandro Ferreira, por sorte estava escorado em frente ao estabelecimento, tomando uma cerveja.

 

— Estava olhando para o Bradesco quando vi as luzes se apagarem com uma mulher dentro. Achei estranho. Daí vi que ela não saía e, logo depois, veio acenar na porta para chamar a atenção.

 

Sandro caminhou até lá para socorrê-la. A primeira ideia foi chamar o gerente da agência, de quem Cledia tinha o telefone na agenda do celular, mas a chave do carro não passava pelas frestas da porta para que Sandro o abrisse. Chamaram a polícia e, aconselhados por esta, os bombeiros, que atendiam a uma ocorrência na Ilha da Pintada. Eles chegariam ao local 45 minutos depois. Ao todo, a advogada ficou cerca de uma hora presa no terminal de autoatendimento.

 

Cledia é só elogios à equipe do sargento Lúcio Munhoz, que não teve alternativas senão arrombar a porta. E crítica ao atendimento do banco.

 

— Poxa vida, não havia um botão de pânico, um canal de atendimento para emergências, nada... Nem mesmo um aviso de que isso poderia acontecer naquele horário. E se tivesse acontecido com a minha mãe, com uma pessoa de idade qualquer?

 

GaúchaZH entrou em contato com o Bradesco. Conforme a gerência da agência, a comunicação do banco preferiu não se manifestar à imprensa antes de averiguar detalhes do acontecimento. Cledia declarou que pretende processar o banco por danos morais e como "medida pedagógica".

 

Ao menos o episódio não estragou de todo a noite. Passado o susto e com aproximadamente uma hora de atraso, o churrasco foi degustado.

 

— Eu estava só com o almoço — justifica a advogada.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Placas padrão Mercosul começam a ser implantadas em veículos nesta terça no RS

Após vários adiamentos, o novo sistema de placas de veículos começa a ser implementado no Rio Grande do Sul. A nova identificação passa a ser obrigatória a partir de hoje em veículos zero-quilômetro, quando for necessária a confecção da placa, seja por roubo, furto, perda ou avaria e em casos de transferência de município ou dono. Na segunda-feira (17), como teste, o Detran emplacou um veículo HB20 que trocou de posse. Outros 115 ganharam as novas placas nesta segunda. Os demais não têm data-limite para adaptação.

 

Presidente da Associação Gaúcha de Fabricantes e Estampadores de Placas Veiculares, Eduardo Horst diz que adquirir o novo equipamento irá pesar no bolso. O preço praticado antes ficava entre R$ 120 e R$ 180. Agora, deverá variar de R$ 190 a R$ 250, estima.

 

Conforme o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), das 314 estampadores no Rio Grande do Sul, 287 pediram autorização para atuar com o novo sistema, sendo que 140 deles foram atendidos. Outros 33 estão em fase final de credenciamento e 114 em análise da documentação. Estampadores são profissionais que colocam os caracteres e demais elementos na placa.

 

Horst explica que a quantidade de licenciados é reflexo da burocracia impostas pelo Denatran e que isso trará consequências.

 

— A população terá de esperar dias ou se deslocar entre regiões para conseguir um estampador licenciado. Falta pessoal para conferir os documentos, falta critério para conceder as licenças. Temos pedidos parados há três meses — reclama.

 

O Denatran informou, por nota, que “a maioria das empresas estampadoras do Rio Grande do Sul pediu o credenciamento recentemente” e que, “além disso, em parte considerável dos pedidos não consta toda documentação exigida”. Por fim, o órgão federal diz não concordar com o posicionamento da associação quanto ao deslocamento das pessoas para outras localidades, “haja vista que todo o processo de credenciamento das empresas do Rio Grande do Sul está sendo feito a contento”.

 

O procedimento de emplacamento

Proprietário procura um CRVA para o serviço que deseja.

Se envolver mudança de placa, será fornecida autorização para confecção.

Com o documento, o dono do veículo deve procurar uma das empresas estampadoras credenciadas e solicitar a placa. A listagem de empresas está disponível no site www.detran.rs.gov.br.

Com a placa em mãos, volta ao CRVA para fazer a colocação no veículo.

Observações

O preço da placa é regulado pelo mercado. Há profissionais que fazem este serviço, inclusive contratados por concessionárias. O tempo de entrega do produto depende da empresa estampadora.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Comando Ambiental da BM sofre saída em massa e tem menor efetivo em 10 anos

A principal organização responsável por evitar o desmatamento, preservar espécies de animais em extinção e barrar a poluição de rios no Rio Grande do Sul sofre com o menor número de efetivo dos últimos 10 anos.

 

Em 2018, quando se completam 20 anos da lei que tornou mais rígidas as penas a crimes ambientais, dados obtidos por GaúchaZH via Lei de Acesso à Informação mostram que o Comando Ambiental da Brigada Militar (CABM) tem 275 policiais. O número representa apenas 38% da tropa prevista, de 720 agentes, tendo como base as necessidades do ano de 2005 — estimativa oficial mais recente disponível.

 

O efetivo atual não chega nem perto do considerado ideal por autoridades da área e ex-comandantes do próprio batalhão, que projetam que seriam necessários para o pleno funcionamento do CABM pelo menos 1,2 mil agentes.

 

Em apenas cinco anos, 168 policiais deixaram o Comando Ambiental da Brigada Militar, uma baixa que faz a defasagem chegar aos 62%. A média de saída de agentes no período é de 34 a cada ano, quase três por mês.

 

O motivo encontrado para a baixa histórica no Comando, que é dividido em três batalhões com 38 quartéis espalhados por todas as regiões do Rio Grande do Sul, é a aposentadoria em massa de policiais. A incerteza sobre possíveis alterações previdenciárias para servidores públicos durante a gestão de José Ivo Sartori (MDB) impulsionou PMs a largarem a farda.

 

Além disso, em crise financeira, o governo do Estado preferiu investir os poucos recursos para focar no combate a latrocínios (roubos com morte), crime que em 2016 teve o maior registro dos últimos 15 anos e, desde então, vem apresentando redução.

 

O comandante do policiamento ambiental, coronel Vitor Hugo Cordeiro Konarzewski, reconhece que o número de policiais é tão baixo que sequer funções de rotina são superadas. Ele admite que "há locais do Estado em que se faz força-tarefa até para atender as demandas (cotidianas)".

 

— O problema do Comando Ambiental hoje é o problema da Brigada. A Brigada ao longo da história nunca esteve com um efetivo tão baixo. Então, é um lugar comum. E o governo sempre tem que escolher prioridades, se é combater homicídio e latrocínio, ou outras ações — afirma Konarzewski.

 

Com o número menor de policiais, menos patrulhas fiscalizam as áreas rurais e, por consequência, é reduzida a produtividade do batalhão em prisões e apreensões. Em 2011, quando mais de 400 agentes trabalhavam exclusivamente na fiscalização do meio ambiente, 537 pessoas foram presas pelo CABM. No ano passado, foram 354. A queda é de 34%.

 

 

Outros números do batalhão também demonstram que o menor efetivo está diretamente ligado a um menor índice de resultados de fiscalizações. Tendo como base os mesmos anos, 2011 e 2017, a apreensão de armas brancas pelo CABM diminuiu 60%, o de armas de fogo, 30%, e o número de termos circunstanciados assinados caiu 6%.

 

Konarzewski defende, no entanto, que o batalhão voltou suas forças a fiscalizar propriedades rurais. Somente até novembro de 2018, 5.150 sítios e fazendas foram vistoriados por policiais, mais do que que o dobro do fiscalizado em 2015. O comandante também afirma que desde que assumiu a unidade melhoraram os resultados deste índice, mas "curva já está na descendente por causa da perda de policiais".

 

Sem reforço

O problema é ainda pior para o combate aos crimes ambientais porque desde 2015 nenhum policial foi destacado para o CABM. O oficial responsável pelo comando tinha a esperança, em novembro, de receber efetivo com os 2 mil novos PMs formados no último concurso da BM. No entanto, o presidente da Associação de Praças da Brigada Militar (Abamf), Aparício Santelanno, revela que foi cancelada a destinação de policiais:

 

— Estava previsto duas turmas irem lá pro CABM, inclusive eles têm estrutura operacional e de formação, sala de aula, campo de futebol. Não sei por que motivo, se eleitoreiro ou por questão de critério, não se destinou nenhuma turma dos soldados novos para lá — afirma.

 

O próprio CABM já foi informado de que não serão enviados novos agentes para a tropa. A definição, agora, ficará para o governo de Eduardo Leite (PSDB), já que os novos PMs se formarão em maio de 2019.

 

Um dos motivos para que não fosse confirmado o envio de novos policiais foi informado pelo próprio secretário Cezar Schirmer. O responsável pela segurança no Estado entende que não há como focar no combate aos crimes ambientais com a atual situação financeira.

 

— Na hierarquia das atividades da SSP, primeiro vida, depois patrimônio. Nessa hierarquia de prioridades, os crimes ambientais são importantes, mas não estão nas primeiras ações pelas quais existem a Brigada Militar. O novo efetivo distribuímos para cidades com grandes (índices de) homicídios e em pequenas cidades onde há muitos crimes contra patrimônio — pondera Schirmer.

 

Baixo efetivo preocupa

O Ministério Público (MP) vê com preocupação a queda de efetivo do Comando Ambiental. O coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, promotor Daniel Martini, afirma que a BM tem um papel "histórico e fundamental na defesa do meio ambiente".

 

De acordo com Martini, a defasagem do Comando Ambiental é amplamente percebida pelo MP, que trabalha em parceria com o órgão. O promotor diz que vem recebendo com frequência pedidos de promotores do Interior para impedir a extinção de quartéis do CABM. Segundo ele, ainda assim, o principal órgão a realizar a fiscalização de áreas rurais, rios e matas é a Brigada Militar.

 

— É claro que nós percebemos esse déficit, essa deficiência, mas ainda assim eu posso te afirmar com toda a segurança: hoje a principal instituição que exerce a fiscalização no dia a dia, em campo, a fiscalização ambiental, é o Comando Ambiental da Brigada Militar. O órgão ambiental estadual, a Fepam, tem todas as suas limitações porque não tem condições de exercer poder de polícia em todo o Estado, não tem a mínima condição — declara.

 

Os demais órgãos de fiscalização em nível estadual também apresentam números baixos de servidores. A Fundação Estadual de Proteção ao Meio Ambiente (Fepam) conta com apenas nove servidores para a fiscalização. O Departamento de Biodiversidade (DBio), órgão ligado ao governo do Estado, tem três.

 

Já o Ibama no Rio Grande do Sul tem 31 funcionários exclusivos para a função. De acordo com a superintendente do Ibama no RS, Claudia Pereira da Costa, é comum os servidores do Estado serem chamados para atuar contra o desmatamento na Amazônia, diminuindo ainda mais seu efetivo.

 

 

Com equipamento, mas sem PMs

O responsável pelo Comando Ambiental da Brigada Militar diz que o órgão foi equipado nos últimos anos com tecnologia de ponta. Segundo Konarzewski, foram adquiridas recentemente 25 caminhonetes com tração nas quatro rodas, além de drones e fuzis. O material de ponta foi comprado a partir da destinação do fundo de recursos hídricos à Brigada Militar, que somou R$ 3,6 milhões somente em 2018.

 

O MP também costuma repassar as verbas arrecadadas com multas ambientais para o CABM. Com esse montante, já foram comprados barcos e decibelímetros — equipamentos utilizados para medir a poluição sonora, também de responsabilidade do Comando Ambiental.

 

— É muito comum promotores de Justiça destinarem recursos de termos de ajustamento de conduta, aquelas multas ambientais, indenizações, em parte para suprir a enorme deficiência da Brigada Militar. Só o Ministério Público não consegue suprir, infelizmente, a deficiência de pessoal. Esse é um problema grave, um problema crucial — critica Martini.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Quadrilha do Vale do Sinos que trocava carros por drogas no Paraguai é desarticulada pela polícia

Uma quadrilha do Vale do Sinos, com integrantes gaúchos e paranaenses, é alvo de uma operação da Polícia Civil nesta terça-feira (18). O grupo trocava carros por drogas em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai, e distribuía os entorpecentes no Rio Grande do Sul e no Uruguai, onde as drogas eram trocadas também por armas. Segundo a Polícia Civil, por mês, o grupo movimentava R$ 1 milhão.

 

Cerca de 180 policiais do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) cumprem 30 mandados de busca a apreensão em 12 cidades do Rio Grande do Sul na chamada Operação Capote. Até as 8h, três homens haviam sido presos em flagrante no  Vale do Sinos.

 

As os ordens judiciais são cumpridas em Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Estância Velha, Campo Bom, Taquara, Gravataí, Charqueadas, Cachoeira do Sul, Três Passos e Jaguarão.

 

O Diretor de Investigações do Denarc, delegado Mario Souza, destaca a investigação busca desarticular completamente a organização criminosa.

 

— A suspeita é de que houve uma espécie de consórcio criminoso entre traficantes gaúchos e paranaenses, com objetivo de aumentar a capacidade de abastecimento de drogas no Rio Grande do Sul — explicou o delegado.

 

O líder da quadrilha comandava o esquema criminoso de dentro de um presídio paranaense. Durante os seis meses de investigação, foram apreendidos mais de 150 quilos de maconha.

 

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

18/12/2018 - Rio Grande do Sul ainda tem 174 mil clientes sem luz após temporais

Caiu o número de clientes sem energia elétrica no Rio Grande do Sul após o temporal da tarde de segunda-feira (17). Na manhã desta terça (18), são 174,5 mil pontos desabastecidos no Estado – os maiores problemas são registrados na região metropolitana de Porto Alegre.

 

Conforme o balanço mais recente, são 29 mil clientes atingidos na área da RGE. Já na área da RGE Sul são 90 mil pontos sem luz, nos vales do Rio Pardo, Taquari e na Região Metropolitana.

 

Os números foram divulgados às 7h, e a próxima atualização deve ocorrer somente após o meio-dia.

 

Na área da CEEE, conforme números divulgados às 5h, são 55,5 mil clientes afetados – 30 mil na região metropolitana da Capital e 15 mil nas regiões Sul e Centro-Sul. A próxima atualização ocorre às 10h30min.

 

Conforme as concessionárias, as equipes estão nas ruas trabalhando, mas ainda não há previsão para normalização do serviço. No balanço anterior, eram 251,5 mil clientes afetados no Estado.

 

Chuva no RS

Alguns municípios do RS registraram ventos acima dos 70 km/h nesta segunda-feira. De acordo com a Somar Meteorologia, as rajadas mais fortes no Estado foram registradas, até as 18h desta segunda, em Santana do Livramento (93 km/h), Pelotas (81,5 km/h), no Sul, Bagé (75 km/h) e Santa Maria (54 km/h), no Centro.

 

Municípios da Fronteira Oeste, da Campanha e do Sul estão entre os mais afetados pelo aguaceiro que retornou com força ao Estado.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - RS tem alerta de temporais e granizo nesta segunda-feira

A segunda-feira (17) será marcada por temporais em todo o Rio Grande do Sul. A primeira região atingida é a metade Sul, onde a nebulosidade aumenta durante a manhã e já pode chover antes das 12h. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso alertando sobre a possibilidade de tempestade entre 16h e 23h59min desta segunda nas áreas da Campanha, Encosta Do Sudeste, Serra Do Sudeste, Depressão Central e Litoral.

 

Segundo o Inmet, há possibilidade de chuva entre 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos de até 100 Km/h e queda de granizo. Há também risco de corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e de alagamentos.

 

Já nas áreas central e norte do Estado a chuva ocorre à tarde, na forma de pancadas rápidas. Por conta da nebulosidade na metade sul, as temperaturas não sobem tanto quanto nas áreas a norte, onde a sensação é de abafamento.

 

O calor segue na terça-feira (18) em todo o Estado. Com a temperatura alta e a umidade disponível na atmosfera, há formação de chuva no período da tarde, com risco para temporais. De acordo com a Somar Meteorologia, os ventos podem chegar a 70 km/h durante a chuva, que pode ter queda de granizo no leste do RS.

 

Confira a previsão para alguns municípios:

 

Porto Alegre: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 34°C

Bagé: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 25°C e máxima de 30°C

Capão da Canoa: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 31°C

Caxias do Sul: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 20°C e máxima de 28°C

Erechim: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 30°C

Mostardas: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 30°C

Passo Fundo: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 29°C

Pelotas: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 30°C

Rio Grande: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 26°C

Santa Maria: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 32°C

Santa Rosa: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 20°C e máxima de 34°C

Torres: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 31°C

Tramandaí: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 30°C

Uruguaiana: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 24°C e máxima de 31°C

Xangri-Lá: Pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 23°C e máxima de 31°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - Médium João de Deus se entrega às autoridades

 

Dois dias depois de ter a prisão preventiva determinada pela Justiça, o médium João de Deus se entregou neste domingo (16) às autoridades. A informação foi confirmadas pelo criminalista Alberto Toron, que representa o médium, à Agência Estado. João de Deus se entregou aos policiais em encontro combinado pelo seu advogado em uma estrada de terra de Abadiânia (GO), às margens da BR-060. O advogado declarou que irá impetrar um hábeas corpus na segunda-feira (17) questionando o uso de prisão preventiva para o caso.

 

Em um vídeo publicado pela colunista do jornal Folha de S.Paulo Mônica Bergamo, João de Deus aparece ao lado do advogado Ronivan Peixoto de Moraes Júnior e é questionado "por que não se entregou antes". João diz apenas "na hora em que fiquei sabendo, me entrego à justiça divina e à Justiça da terra", antes de caminhar em direção a uma caminhonete.

 

Após prestar depoimento sobre as denúncias de abuso sexual na Delegacia Estadual de Investigação Criminal (DEIC), o médium deixou o Instituto Médico Legal de Goiânia no fim da noite de domingo. João de Deus foi encaminhado para o Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiâna, onde passou a primeira noite de sua prisão preventiva.

 

A prisão foi decretada na sexta-feira (14) pelo juiz Fernando Augusto Chacha de Rezende, atualmente respondendo pela vara de Abadiânia (GO), onde o médico fez fama realizando atendimentos espirituais. Ele era considerado foragido desde às 14h de sábado (15) e chegou a ter seu incluído na lista da Interpol.

 

Após o depoimento de mulheres ao programa Conversa com Bial, da TV Globo, relatando múltiplos casos de abuso sexual com características semelhantes, uma força tarefa foi montada pelo Ministério Público dos Estados. Mais de 330 relatos foram reunidos em diferentes estados do país.   Cinco mulheres ouvidas por GaúchaZH contaram episódios ocorridos entre 2008 e 2012, no Rio Grande do Sul e em Abadiânia (GO). Mulheres que se dizem vítimas também se apresentaram em seis países.

 

Mulheres que se dizem vítimas também se apresentaram em seis países. João de Deus atende cerca de 10 mil pessoas por mês, das quais 40% são estrangeiras. Os abusos teriam sido cometidos depois do atendimento espiritual feito pelo médium. As mulheres relatam que, depois do atendimento em grupo, eram convidadas para uma consulta individual, onde os abusos seriam cometidos. O Ministério Público afirma ainda que quatro funcionários são suspeitos de ter envolvimento nos crimes.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - Médico gaúcho doa o próprio carro para ajudar funcionários de hospital

A crise da Santa Casa de Uruguaiana levou o ortopedista José Carlos Barbosa Zaccaro a um gesto que emocionou a cidade. Ele doou a sua caminhonete Touareg 2008 para os funcionários do hospital realizarem uma rifa. Tudo aconteceu no final da semana passada, quando ele foi à Santa Casa realizar uma cirurgia e deparou com uma paralisação dos servidores, que protestavam contra salários atrasados e falta de condições de trabalho.

 

A repercussão do gesto foi gigantesca. “Já recebi manifestações de Uganda, da Holanda e da Suíça”, revela o médico, que foi aplaudido ao entrar em um supermercado no sábado.

 

O médico já pagou cerca de 70% do carro. Os outros 30% serão quitados pelos servidores e o restante da arrecadação servirá para amenizar a crise no Natal. 

 

—Eu estou com oito meses de salário atrasado, mas consigo me virar— afirmou Zaccaro, que garante ter recebido total apoio da esposa e dos amigos.

 

O sorteio acontecerá dia 29 de dezembro e cada número custa R$ 100. Até domingo, mais de 200 já tinham sido vendidos.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - Colisão frontal mata duas pessoas em rodovia de Saldanha Marinho

 

Uma colisão violenta no quilômetro 377 da BR-285, em Saldanha Marinho, região do Alto Jacuí, matou duas pessoas por volta das 15h deste domingo (16).

 

Conforme a Polícia Rodoviária Federal de Cruz Alta, que participou da ocorrência, o acidente foi entre duas caminhonetes: uma Ranger com placas de Panambi e uma Pajero com placas de Ponta Grossa (PR).

 

Os dois mortos eram do veículo paranaense e foram identificados como Getúlio Jacques Ourique Neto e Leila Medianeira Garcia Ourique. Duas crianças, supostamente parentes do casal, ficaram feridas. Eles teriam familiares em Santo Antônio das Missões.

 

 

As duas crianças foram encaminhadas primeiramente para atendimento em Santa Bárbara do Sul e, depois, para o Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo, onde permaneciam em observação até as 23h de domingo (16).

 

O acidente ocorreu a seis quilômetros de onde morreram três pessoas em uma colisão em 21 de outubro, entre um carro e uma moto.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - Governo Leite: quem são os secretários já confirmados

O governador eleito Eduardo Leite (PSDB) pretende contar com 22 secretários no seu mandato, que começará em 1º de janeiro de 2019.

 

Os primeiros nomes anunciados foram Marco Aurelio Santos Cardoso, na Fazenda, e Otomar Vivian, na Casa Civil.

 

 — Sempre que me perguntam se o governo será técnico ou político, eu digo que não há oposição entre uma coisa e outra. Tem que reconhecer as forças políticas que estão estabelecidas. Tem uma Assembleia Legislativa, 55 deputados, é natural que identifiquemos, nos partidos que têm disposição, as figuras que podem nos ajudar — disse Leite.

 

Confira quais são os nomes já anunciados:

Fazenda

Marco Aurelio Santos Cardoso

 

Funcionário de carreira do BNDES e superintendente de crédito do banco de fomento. Na prefeitura do Rio, durante a gestão de Eduardo Paes, foi secretário da Fazenda de 2012 a 2016. Antes disso, ocupou a subsecretaria do Tesouro Municipal de 2009 a 2012.  Em 2016, assumiu a área de crédito do BNDES a convite de Maria Silvia Bastos Marques. Confira a entrevista com o secretário.

 

Casa Civil

Otomar Vivian

 

Filiado ao PP, tem mais de 30 anos de vida pública. De 2009 a 2010, foi chefe da Casa Civil do governo de Yeda Crusius (PSDB). Entre 1996 e 1998, comandou a Secretaria de Administração e dos Recursos Humanos na gestão de Antônio Britto (PMDB). Foi prefeito de Caçapava do Sul, deputado estadual  e teve três passagens pela presidência do IPE, cargo que deixou em fevereiro de 2018. Confira a entrevista com o secretário.

 

 

Planejamento

Leany Lemos

 

Formada em Letras pela Universidade de Brasília, com pós-doutorado em Ciência Política pelas universidades de Oxford e Princeton e é servidora de carreira do Senado. Foi secretária do Planejamento do Distrito Federal até julho de 2018, quando deixou o cargo para disputar o Senado, mas concorreu como suplente da senadora eleita Leila do Vôlei. A escolha de Leany nasceu de uma consulta do economista Aod Cunha, feita a pedido de Leite.

 

Comunicação

Tânia Moreira

 

Jornalista com larga experiência em campanhas eleitorais, foi secretária de Comunicação de Nelson Marchezan na prefeitura de Porto Alegre. Fez a campanha de televisão de Eduardo Leite na corrida pelo Piratini e está trabalhando na transição desde o primeiro dia. Vai comandar a Secretaria da Comunicação do Estado.

 

Procuradoria-Geral do Estado

Eduardo Cunha da Costa

 

Trabalha na PGE desde maio de 2007. Entre 2011 e 2014, atuou no Tribunal de Contas do Estado como Agente Setorial e representante dos interesses da administração pública estadual. Em dezembro de 2016, assumiu como procurador-geral Adjunto para Assuntos Jurídicos. É doutorando em Direito pela Universidade de Roma, foi professor convidado da Columbia de Nova York e da Universidade Paris II.

 

Meio Ambiente e Infraestrutura

Artur Lemos

 

Advogado de formação, Lemos tem 38 anos, coordenou a bancada do partido na Assembleia e assessorou o deputado Lucas Redecker (PSDB). Atuou no governo de José Ivo Sartori como adjunto de Redecker na pasta de Minas e Energia e, em 2017, como titular da pasta. Deixou o governo quando o PSDB saiu da base de Sartori, para preparar a campanha de Leite ao Piratini.

 

Cultura

 Beatriz Araújo

 

Beatriz Araújo foi secretária da Cultura de Pelotas durante a gestão de Eduardo Leite. Atualmente, está na empresa Ato Produção Cultural, que trabalha com viabilização de projetos por editais e leis de incentivo, e coordenou projetos como a restauração do Museu Histórico Farroupilha de Piratini, o Natal Luz de Gramado e a Bienal do Mercosul. Também foi diretora da Fundação Theatro Sete de Abril, coordenou o restauro integral do prédio da Bibliotheca Pública Pelotense.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - Chega a 19 o número de criminosos mortos em confrontos com a Brigada Militar em dezembro

Com a morte de cinco criminosos neste domingo (16), em Trindade do Sul, no norte do Estado, o mês de dezembro registra 19 mortos em confrontos com a Brigada Militar. O número é quase o dobro da média mensal do ano.

 

Os números da Secretaria da Segurança Pública (SSP) de 2017 mostram o registro de 92 mortes em confrontos, o  que significa 7,6 casos mensais. Já os dados de 2018 estão disponíveis até junho. Neste período, ocorreram 63 registros  - uma média de 10,5 mortes por mês.

 

As cincos mortes deste domingo ocorreram em uma mata no interior do município. Segundo o comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de Passo Fundo, Rogério Schmidt Navarro, havia informação de que os criminosos, que vestiam roupas camufladas do Exército, teriam ido à região para dar apoio ao grupo que assaltou simultaneamente dois bancos em Trindade do Sul, na última quarta-feira (12).

 

Na noite anterior ao confronto, um morador da localidade Linha Campina de Pedra teve a casa invadida por cinco homens camuflados. Segundo Navarro, ele foi obrigado a levá-los da zona rural da cidade até a entrada do município, um percurso de 10 quilômetros.

 

Além dos cinco mortos, outros quatro homens foram presos por suspeita de terem sido contratados para resgatar a quadrilha. Dois deles foram detidos no final da noite de sábado (15) e outros dois neste domingo.

 

Dos 19 mortos em dezembro, seis são assaltantes que atacaram dois bancos em Ibiraiaras, no norte do Estado. Segundo a corporação, houve troca de tiros em um matagal e os ladrões foram baleados, sem tempo para socorro. No cálculo, não foi contabilizada a morte de um refém, o subgerente do Banco do Brasil Rodrigo Mocelin da Silva, 37 anos, uma vez que ainda não se sabe de que arma partiu o disparo que o matou.

 

 

 

Cronologia

— 3 de dezembro: sete pessoas foram mortas, em duas situações diferentes. O primeiro caso ocorreu às 18h30min em Gravataí, na Região Metropolitana. Neste caso, três homens foram presos e um homem foi morto  em uma perseguição policial. Segundo a BM, os quatro participaram de um assalto a uma loja de equipamentos eletrônicos.

Mais tarde, seis criminosos que atuaram nos assaltos a dois bancos foram mortos em Ibiraiaras.

 

— 5 de dezembro: quatro suspeitos foram mortos na frentre de uma agência bancária, em Arroio dos Ratos, na Região Carbonífera. Os quatro – que tinham entre 15 e 19 anos – chegaram a ser levados para o hospital, mas não resistiram.  De acordo com a BM, uma equipe do Batalhão de Operações Especiais (BOE) estava na região e recebeu informações de que um grupo iria atacar um banco na cidade.

 

— 12 de dezembro:  três assaltantes envolvidos em roubos a residências na localidade de Mato Perso, no limite entre Caxias do Sul e Floresda Cunha, na Serra, morreram em confronto com a Brigada Militar na final da noite de quarta-feira (12), na BR-116, em Nova Petrópolis. Eles estavam escondidos em um matagal desde terça-feira (11).  Um dos mortos era policial do próprio batalhão dos agentes que o mataram. Segundo a BM, ele estava envolvido com a quadrilha. Dos quatro presos, um também era soldado da corporação.

 

— 16 de dezembro: cinco criminosos foram mortos em um cerco da Brigada Militar em Trindade do Sul, onde, na última semana, dois bancos foram assaltados ao mesmo tempo.  Foram apreendidos com os assaltantes espingardas calibre 12 e fuzis. Uma bolsa com dinheiro também foi encontrada — o valor não foi divulgado.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

17/12/2018 - Operação combate quadrilha que roubava, em média, um veículo por dia em Porto Alegre

Após investigação de quase oito meses, operação da Polícia Civil foi deflagrada nesta segunda-feira (17) contra um esquema que seria responsável pelo roubo de, em média, um carro por dia em Porto Alegre. A maioria dos veículos era clonada e encaminhada ao Paraguai.

 

Segundo a investigação, a encomenda dos crimes era feita por integrantes do Primeiro Comando da Capital paulista (PCC).

 

Cerca de 180 agentes cumpriram 15 mandados de prisão, 10 conduções coercitivas e 22 de busca e apreensão nas cidades de Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo. De acordo com o delegado Juliano Ferreira, titular da 19ª Delegacia da Capital e responsável pela apuração, os alvos são os locais onde os 22 integrantes da quadrilha gaúcha já identificados residiam.

 

Até as 9h, 10 pessoas haviam sido presas, além de outras sete durante a investigação.

 

Troca por drogas

Conforme a polícia, a maior parte dos roubos e furtos de veículos ocorria na zona leste da Capital, em vias nas proximidades de grandes avenidas – como Protásio Alves, Antônio de Carvalho, Bento Gonçalves e Ipiranga. Ainda segundo a investigação, os criminosos tinham um grupo para os assaltos, outro para adulteração dos automóveis e um terceiro para encaminha-los ao Paraguai.

 

Em troca, levando em conta que os carros tinham preços abaixo do valor de mercado por serem roubados, os investigados receberiam drogas, principalmente cocaína e maconha. Os entorpecentes eram revendidos no Vale do Sinos, onde a facção gaúcha tem base.

 

Ferreira destaca que outra parte do grupo mantinha contato com integrantes do PCC. Os carros roubados no Rio Grande do Sul também seriam usados por integrantes da facção paulista refugiados no Paraguai, mas a maioria era revendida ilegalmente no país vizinho.

 

— Eles usavam rotas terrestres, principalmente a BR-386 — ressalta Ferreira.

 

A investigação começou a partir da prisão de Vinicius Machado da Silva, no 27 de abril deste ano. Depois disso, a polícia descobriu como funcionava o esquema e identificou os suspeitos. Áudios comprovariam os roubos de carros e os contatos com o PCC, bem como a remessa pro Paraguai.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/12/2018 - Morador de rua é o maior serial killer da história dos EUA, dizem promotores

Investigadores do condado do Texas acreditam que Samuel Little, 78 anos, seja o maior assassino em série da história dos Estados Unidos. Ele confessou mais de 90 assassinatos entre 1970 e 2005, de acordo com o FBI. Das mortes admitidas, pelo menos 40 foram confirmadas pelas autoridades.

 

— Ele está contando coisas, casos que ocorreram há 50 anos, e dando detalhes sobre todos estes assassinatos diferentes. Nenhuma das declarações que fez era falsa — afirmou à AFP o promotor Bobby Bland, do condado do Texas, onde Little está detido.

 

As principais vítimas de Little, que viveu na rua por mais de 20 anos, eram dependentes de drogas e prostitutas. Ele foi preso pela primeira vez em 2012, acusado de três mortes que aconteceram no final dos anos 80, no entorno da cidade de Los Angeles.

 

Depois da prisão, Little foi convocado para depor sobre o assassinato de Denise Christie Brothers, na cidade de Odessa, oeste do Texas. Denise foi morta no estacionamento de um motel em 1994, e seu caso era considerado um mistério até então.

 

No depoimento, que aconteceu nesta quinta-feira (13), Little confessou que matou Denise e começou a dar detalhes de outros crimes semelhantes. Ao todo, foram noventa casos reabertos depois das confissões.

 

Little foi condenado à morte em 2014, mas exigiu que a pena capital fosse cancelada em troca do detalhamento dos outros crimes. A concessão foi feita "para ganhar sua confiança", de acordo com o promotor Bobby Bland.

 

Como o caso que o condenou à morte está na Justiça da Califórnia, terá que acontecer um novo julgamento da pena naquele Estado.

 

Até agora, a pessoa que cometeu o maior número de assassinatos comprovados foi Charles Cullen, que matou pelo menos 40 pessoas deliberadamente durante sua carreira de enfermeiro. Em 2006, Cullen foi condenado à morte, e está preso em Nova Jersey.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/12/2018 - RS terá calor e abafamento nesta sexta; há possibilidade de temporais

Nesta sexta-feira (14), o Rio Grande do Sul segue com risco de temporais acompanhados de granizo e descargas elétricas nas áreas de fronteira com Uruguai e na porção central do Estado, onde pode chover a qualquer hora do dia. Será mais um dia de calor e abafamento.

 

De acordo com a Somar Meteorologia, a chuva será forte e volumosa, com rajadas de vento de 80 km/h, na metade sul do RS.

 

No sábado (15), a frente fria segue avançando pela costa gaúcha. Os ventos úmidos e quentes que sopram do interior do continente ajudam a manter as condições para temporais, acompanhados de granizo e descargas elétricas em toda a porção central do Estado. No extremo sul gaúcho, as pancadas só acontecem durante a madrugada e haverá períodos de melhoria a partir da manhã. O tempo fechado e com muitas nuvens também irá persistir entre o centro e o sul do RS. No restante do Estado o dia segue quente e abafado.

 

A chuva persiste em todo o Rio Grande do Sul no domingo (16). Fortes ventos no alto da atmosfera alimentam as instabilidades e as precipitações  seguem intensas. O calorão diminui na metade sul, mas no norte do Estado o tempo segue abafado.

 

Confira a previsão do tempo em algumas cidades:

Capital: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 35°C

Pelotas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 28°C

Caxias do Sul: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 21°C e máxima de 28°C

Santa Maria: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 30°C

Santa Rosa: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 24°C e máxima de 35°C

Erechim: pancadas de chuva e trovoadas. Mínima de 22°C e máxima de 35°C

Uruguaiana: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 18°C e máxima de 30°C

Torres: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 25°C

Tramandaí: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 24°C

Capão da Canoa: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 26°C

Xangri-Lá: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 23°C e máxima de 26°C

Rio Grande: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 22°C e máxima de 27°C

Mostardas: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 25°C

Passo Fundo: chuva intercalada com períodos de tempo nublado. Mínima de 21°C e máxima de 35°C

Bagé: Chuvas a qualquer hora do dia. Mínima de 22°C e máxima de 27°C

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/12/2018 - Tire suas dúvidas sobre o 13º de servidores via empréstimo no Banrisul

O Banrisul abrirá, nesta sexta-feira (14), a linha de crédito de antecipação do 13º salário de 2018 para os servidores do Poder Executivo do Estado. Quem contratar a operação terá os valores depositados no dia 20 de dezembro, prazo legal para o pagamento do benefício.

 

Quem pode solicitar o empréstimo bancário para antecipar o 13°?

Conforme a Secretaria Estadual da Fazenda, todos os servidores do Poder Executivo, incluindo ativos, inativos, pensionistas e aqueles vinculados a estatutos próprios, sem distinção entre quem possui ou não ação judicial ou cadastro de inadimplência.

 

Como o empréstimo pode ser solicitado?

Os clientes podem contratar as operações nas agências do Banrisul, independentemente de sua unidade de relacionamento, e nos canais de autoatendimento (caixas eletrônicos, home banking e aplicativo Banrisul Digital).

 

O empréstimo é facultativo?

Sim. Quem optar por não receber o 13º de 2018 por meio de empréstimo bancário terá os valores quitados, parceladamente, em 2019. A indenização pelo atraso será de 1,5% ao mês.

 

Quem está negativado no Banrisul terá essa possibilidade também?

O governador José Ivo Sartori sancionou, nesta semana, lei que permite a servidores inadimplentes ou com ação judicial solicitar o adiantamento do benefício.

 

Em quanto tempo os recursos do empréstimo entram na conta dos servidores?

A partir desta sexta-feira, o Banrisul coloca a linha de crédito à disposição do funcionalismo, e os valores devem ser depositados em 20 de dezembro. O banco também informa que, entre essa data e 15 de janeiro, o empréstimo poderá ser contratado e liberado no mesmo dia.

 

Quem fez a portabilidade, recebendo por outro banco, poderá solicitar a antecipação?

Questionado por GaúchaZH, o Banrisul afirmou que "tem solução financeira para todos os clientes, inclusive com empréstimo para os que portaram a folha de pagamento para o mercado".

 

Como o custo da operação será cobrado?

O Estado promete pagar, com cada parcela do 13º salário, uma indenização de 1,5% ao mês sobre o saldo devedor para todos os servidores vinculados ao Poder Executivo, independente de quem buscou ou não a antecipação via rede bancária. Aos servidores que procurarem o empréstimo, a indenização deverá cobrir os custos da operação, garantindo que não haverá prejuízo a eles, diz a Secretaria Estadual da Fazenda.

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/12/2018 - Conheça o novo radar que será usado para fiscalizar veículos no RS neste verão

Aquela sensação de estar sendo observado vai inquietar ainda mais os motoristas que trafegarem por rodovias estaduais neste verão. As câmeras de monitoramento e os radares móveis em forma de pistola ganharão reforço de um novo equipamento de fiscalização, o TruSpeed. Apelidado pelo Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM) de monóculo, o equipamento portátil tem alcance de 1,2 quilômetro, 400 metros a mais do que as pistolas TruCam.

 

O TruSpeed é posicionado como um binóculo apontado para a rodovia. Na parte frontal, além da câmera, há uma lente pela qual o policial observa a movimentação. O visor interno mostra informações como distância e velocidade dos veículos, mas não fotografa. Constatada a irregularidade, é preciso abordar o condutor.

 

A estreia do radar será neste sábado (15), quando começa a Operação Golfinho. O comandante do CRBM, coronel José Henrique Gomes Botelho, diz que o aparelho é mais leve do que as pistolas. Ambos aferem apenas velocidade, mas, por ter maior alcance, o monóculo é mais eficiente na identificação de infrações, inclusive ultrapassagem em local proibido e uso do celular ao volante.

 

— Quando o infrator enxergar o policial, já terá sido flagrado por excesso de velocidade. O alcance do monóculo facilita a abordagem caso constatadas outras infrações a longa distância. Aí, o motorista será autuado por meio do Talonário Eletrônico de Multas, um tablet que permite a impressão do auto de infração na hora — disse o comandante, reforçando que esse tipo de autuação é mais uma novidade implementada neste ano.

 

O Estado recebeu 20 TruSpeeds e outro lote em igual quantidade chegará durante a Operação Golfinho, acompanhados de 20 pistolas, 22 picapes e 120 Talonários Eletrônicos de Multas.

 

Para reforçar o policiamento ostensivo, será feito remanejamento de efetivo durante o verão no litoral gaúcho. No total, serão 200 policiais mobilizados. Pela quantidade de rodovias sob responsabilidade do CRBM, o Litoral Norte (150) receberá mais atenção do que as praias do Sul (50).

 

Além disso, duas turmas de 30 PMs cada estão em formação em Porto Alegre e Passo Fundo. Segundo o coronel, os alunos da Capital terão condições de iniciar estágios supervisionados em fevereiro e poderão trabalhar em rodovias próximas à Região Metropolitana, como a RS-040. Na Estrada do Mar (RS-389), na Rota do Sol (RS-453) e na RS-734 (acesso à praia do Cassino) terá reforço.

 

PRF terá drones para fiscalização na praia

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também levará novidade para as estradas. O superintendente no Estado, João Francisco Ribeiro de Oliveira, vai remanejar parte da equipe para dias, locais e horários específicos, conforme a necessidade. Ao todo, são cerca de 700 agentes que contarão, nesta temporada, com auxílio de drones. O aparelho vem sendo aproveitado durante o ano, mas será empregado pela primeira vez na praia.

 

— São equipamentos que aumentam nosso grau de atuação, permitem flagrar infrações e até direcionar fiscalização para locais críticos —  explicou o inspetor.

 

Operação integrada nas estradas

Pelo oitavo ano consecutivo, forças federais, estaduais e municipais vão atuar juntas na tentativa de evitar acidentes de trânsito.

 

— Todos que viajarem por rodovias federais vão observar aumento no policiamento

rodoviário – disse o diretor-geral da PRF, Renato Dias.

 

A operação será dividida em dois períodos, abrangendo as festas de Natal e Ano-Novo,

férias escolares e Carnaval – feriados marcados pelo aumento no fluxo de veículos. O primeiro período irá de 14 de dezembro a 31 de janeiro. O segundo ocorrerá entre 22 de fevereiro e 9 de março.

 

Conforme Dias, além de garantir segurança e conforto aos usuários das rodovias federais, a iniciativa visa cumprir o compromisso que o Estado brasileiro assumiu com a Organização das Nações Unidas (ONU) de diminuir em 50% o número de mortos e feridos no trânsito:

 

— O Brasil é signatário da Década Mundial de Segurança Viária 2011/2020 e tem de fazer um esforço operacional para cumprir a meta. Somente nas rodovias federais, desde 2011, já conseguimos reduzir em 30% o número de mortos e em 32% a quantidade de acidentes graves em todo o país.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

14/12/2018 - Policiais são recebidos a tiros durante operação contra tráfico de drogas em Alvorada

Policiais civis foram recebidos a tiros no bairro Aparecida, em Alvorada, na manhã desta sexta-feira (14), durante operação contra o tráfico de drogas. O objetivo da ação – deflagrada em quatro cidades da Região Metropolitana e em Guaporé – é desarticular pontos de vendas de entorpecentes de integrantes de uma facção que, em setembro, atiraram contra viatura da Polícia Civil na Vila Farrapos, zona norte de Porto Alegre.

 

Nesta sexta, um grupo de sete policiais civis foi cumprir mandado de busca e apreensão em Alvorada e foi surpreendido por um dos integrantes da organização criminosa. O homem, que ainda não teve o nome divulgado, estava em uma casa e descarregou um revólver calibre 38 contra os agentes, que revidaram.

 

O tiroteio durou cerca de um minuto, mas ninguém ficou ferido. O criminoso não se rendeu e se escondeu atrás de dois filhos que também estavam na residência, usando as crianças como escudo. Os policiais entraram no local e tiveram de imobilizar o homem, que foi preso em flagrante.

 

Operação policial

A operação contou com 150 agentes, que cumpriram 25 mandados de busca e apreensão em Alvorada – onde houve a troca de tiros –, em Porto Alegre, Canoas, Viamão e em Guaporé. O alvo da investigação do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc) é uma facção criminosa que tem base no Vale do Sinos, mas que também atua nos bairros Humaitá e Navegantes, além da Vila Farrapos, todos na zona norte da Capital.

 

O grupo também é suspeito da prática de lavagem de dinheiro ao investir no comércio local. O diretor de investigações do Denarc, delegado Mario Souza, diz que a apuração durou nove meses e que foram feitas dezenas de denúncias contra os traficantes.

 

— Estamos desarticulando pouco a pouco os pontos de vendas de drogas deste grupo. Sobre o tiroteio, felizmente ninguém ficou ferido e o risco foi grande, principalmente porque havia familiares do criminoso na residência. Parabéns aos policiais que prenderam o investigado — ressaltou.

 

 

 

Fonte: Gaúcha/ZH

13/12/2018 - Acidente com trem de alta velocidade deixa nove mortos e 47 feridos na Turquia

Ao menos nove pessoas morreram e 47 ficaram feridas, três delas em estado grave, nesta quinta-feira (13), quando um trem-bala colidiu com uma locomotiva em Ancara, capital da Turquia.

 

O ministro dos Transportes do país, Cahit Turhan, afirmou que entre os mortos estão três operários de ferrovias. Ele explicou que uma das vítimas não resistiu aos ferimentos e faleceu no hospital.

 

O trem, que seguia de Ancara para Konya (centro do país), colidiu com uma locomotiva que passava por uma avaliação de rotina na mesma via, informou o governador de Ancara, Vasip Sahin. Turhan indicou que o acidente aconteceu seis minutos após a entrada da composição na estação de Marsandiz, a menos de 10 quilômetros da estação central de Ancara.

 

O governador afirmou que os trabalhos de busca e resgate de vítimas prosseguem e que uma "investigação técnica" foi iniciada para esclarecer as causas da tragédia.

 

De acordo com o jornal Hurriyet, 206